2361: Ninhos descobertos na Mongólia mostram que os dinossauros protegiam os seus ovos

CIÊNCIA

(dr) Masato Hattori

Ninhos de dinossauro descobertos no Deserto de Gobi, na Mongólia, mostram que estes animais pré-históricos faziam ninhos em grupo e, tal como os pássaros, protegiam os seus ovos.

De acordo com a revista Nature, uma equipa de investigadores descobriu fósseis de um grupo de 15 ninhos com mais de 50 ovos, com cerca de 80 milhões de anos, no Deserto de Gobi, na Mongólia.

“Os dinossauros costumam ser retratados como criaturas solitárias que faziam os seus ninhos sozinhas, enterrando os ovos e depois indo embora. Agora conseguimos mostrar que alguns dinossauros eram muito mais gregários. Uniam-se e estabeleciam uma colónia que provavelmente os protegia”, explica François Therrien, paleontólogo do Museu Real Tyrrell de Paleontologia, no Canadá.

A descoberta, publicada no início deste mês na revista científica Geology, fornece a mais clara evidência até ao momento que os complexos comportamentos reprodutivos dos dinossauros, como os ninhos em grupo, evoluíram antes das aves modernas se terem separado deles há 66 milhões de anos.

Desde os anos 80 que os paleontólogos desenterram ovos fossilizados ou ninhos que estão agrupados. Mas a rocha circundante geralmente representa vários milhares de anos ou mais, tornando difícil para os investigadores saber se os ovos foram colocados ao mesmo tempo, ou apenas no mesmo lugar, explica Darla Zelenitsky, paleontóloga da Universidade de Calgary, no Canadá, e co-autora do estudo.

Mas este grupo de ninhos agora descoberto é diferente. A formação de 286 metros quadrados contém camadas vivas de cor laranja e cinzenta. Entre estas, encontra-se uma risca fina de rocha vermelha brilhante que conecta todos os 15 ninhos relativamente intactos. Alguns dos ovos esféricos, com cerca de dez a 15 centímetros de diâmetro, haviam eclodido e estavam parcialmente preenchidos com a rocha vermelha.

Uma vez que a tal risca vermelha liga todos os ovos, a descoberta sugere que os dinossauros os tenham colocado juntos, durante a mesma época de reprodução, provavelmente com o objectivo de os proteger de predadores e outras ameaças. “Geologicamente, acho que não poderíamos ter pedido um sítio melhor”, diz Zelenitsky.

A paleontóloga e os colegas também foram capazes de identificar o tipo de dinossauro que colocou lá os ovos. Graças às suas texturas exteriores e interiores, bem como a espessura da casca, os investigadores sugerem que se trata de um terópode não aviário, grupo que inclui o velociraptor e o tiranossauro.

Os investigadores ainda conseguiram estimar que pouco mais mais de metade dos ninhos teve pelo menos um ovo chocado. Essa taxa de sucesso relativamente alta é parecida com a de aves e crocodilos modernos que protegem os seus ninhos, comparativamente com as espécies que os abandonam.

ZAP // HypeScience

Por ZAP
23 Julho, 2019

[vasaioqrcode]

 

1239: Os pássaros “herdaram” os ovos coloridos dos dinossauros

CIÊNCIA

(CC0/PD) foto-augenblick / Pixabay

Afinal, os ovos coloridos não são exclusivamente uma “inovação das aves” como se acreditava até então. Um estudo divulgado recentemente revelou que já os dinossauros punham ovos coloridos, em tons de azul e castanho.

Para chegar a esta conclusão, a equipa de cientistas, liderada pela paleontologista Jasmina Wiemann, da Universidade de Yale, nos Estados Unidos, analisou doze cascas fossilizadas de ovos de dinossauros encontrados na Europa, Ásia e na América do Norte e Sul.

Depois de analisar os vestígios fósseis, a equipa concluiu que um grupo conhecido como Eumaniraptora – um clado de dinossauros com um ancestral comum – possuía os mesmos dois pigmentos que actualmente são encontrados nos ovos coloridos das aves modernas: o pigmento azul-verde, apelidado de biliverdina, e o castanho-vermelho, conhecido como protoporfirina IX, noticiou a agência Reuters.

Este grupo de dinossauros incluía várias espécies como o velociraptor carnívoro e outros pequenos espécimes cobertos com penas, considerados os ancestrais das aves. A investigação descobriu ainda que o carnívoro deinonychus punha ovos azuis com manchas castanhas, enquanto que os do oviraptor tinham uma tonalidade azul escura.

Alguns eram de cor uniforme, outros manchados“, disse  um dos investigadores, Mark Norell., acrescentando que estas tonalidades são semelhantes às dos pássaros actuais. “Eram como os dos pássaros modernos: os ovos do pisco-de-peito-ruivo são azuis de forma uniforme, mas o da codorniz são manchados”, explicou ainda.

“Descobrimos que a cor do ovo não é uma característica exclusiva dos nossos pássaros modernos, mas que esta característica evoluiu antes dos ancestrais dinossauros não-aviários”, concluiu Wiemann.

De acordo com o cientista, a publicação, recentemente publicada na revista Nature, “altera fundamentalmente a muda nossa compreensão sobre a evolução da cor dos ovos, adicionando cor aos ninhos de dinossauros no verdadeiro ‘Mundo Jurássico’”, concluiu.

ZAP // RT / EuropaPress

Por ZAP
4 Novembro, 2018

[vasaioqrcode]