2659: O Oceano Atlântico pode começar do outro lado do mundo

CIÊNCIA

Tiago Fioreze / wikimedia

Uma questão chave para os cientistas do clima é sobre a possível desaceleração do sistema de circulação principal do Oceano Atlântico, o que poderia ter consequências dramáticas para a Europa e outras zonas.

Porém, um novo estudo sugere que a ajuda para este oceano pode vir de uma fonte inesperada: o Oceano Índico. O novo estudo, conduzido por Shineng Hu, da Scripps Institution of Oceanography da Universidade da Califórnia-San Diego, e Alexey Fedorov, da Yale University, publicado na revista Nature Climate Change, é o mais recente de uma crescente corpo de pesquisa que explora a forma como o aquecimento global pode alterar os componentes do clima global, como a circulação de retorno do Atlântico Sul (AMOC).

A AMOC é um dos maiores sistemas de circulação de água do planeta. De acordo com a Europa Press, funciona como uma escada rolante líquida: transporta água quente até ao Atlântico Norte através de uma corrente superior e envia água mais frio para o sul através de uma corrente mais profunda.

Ainda quem se tenha mantido estável durante milhares de anos, os dados dos últimos 15, assim como as projecções de modelos de computador, têm preocupado alguns cientistas porque tem mostrado sinais de desaceleração durante esse período. Desconhece-se, porém, se é o resultado do aquecimento ou apenas uma anomalia a curto prazo relacionada com a variabilidade natural do oceano.

“Ainda não há consenso”, admite Fedorov, “mas acredito que a questão da estabilidade do AMOC não deve ser ignorada. A mera possibilidade de colapso deve ser motivo de preocupação numa época em que a actividade humana está a forçar mudanças significativas nos sistemas da Terra”.

“Sabemos que a última vez que a AMOC enfraqueceu substancialmente foi há 15 mil a 17 mil anos e teve um impacto global”, acrescentou. “Estamos a falar de Invernos duros na Europa, com mais tempestades ou um Sahel mais seco na África devido à mudança descendente da faixa de chuva tropical, por exemplo”.

Grande parte do trabalho de Fedorov e Hu concentra-se em mecanismos e características climáticas específicas que podem estar a mudar devido ao aquecimento global. Usando uma combinação de dados de observação e modelos sofisticados de computador, rastreiam os efeitos que as alterações podem ter com o tempo.

Para o novo estudo, analisaram o aquecimento no Oceano Índico. “O Oceano Índico é uma das impressões digitais do aquecimento global”, disse Hu. “O aquecimento do Oceano Índico é considerado um dos aspectos mais fortes do aquecimento global”.

Os investigadores apontam que o seu modelo indica uma série de efeitos em cascata que se estendem do Oceano Índico ao Atlântico: à medida que o Oceano Índico aquece cada vez mais rápido, gera chuvas adicionais. Isto, por sua vez, atrai mais ar de outras partes do mundo, incluindo o Atlântico, para o Oceano Índico.

Com tantas chuvas no Oceano Índico, haverá menos chuvas no Oceano Atlântico. Menos chuvas levarão a uma maior salinidade nas águas da porção tropical do Atlântico, porque não haverá tanta água da chuva para diluí-la. A água salgada no Atlântico, ao chegar ao norte através do AMOC, arrefecerá muito mais rápido que o normal e afundará mais rápido.

“Isso funcionaria como um impulso para o AMOC, intensificando a circulação”, explica Fedorov. “Por outro lado, não sabemos por quanto tempo esse aquecimento melhorado do Oceano Índico continuará. Se o aquecimento de outros oceanos tropicais, especialmente o Pacífico, chegar ao oceano Índico, a vantagem do AMOC vai parar”.

Esta última descoberta ilustra a natureza intrincada e interconectada do clima global. À medida que os cientistas tentam entender os efeitos das mudanças climáticas, devem tentar identificar todas as variáveis ​​e mecanismos climáticos que podem desempenhar um papel.

ZAP //

Por ZAP
18 Setembro, 2019

 

2068: Descoberta água do mar preservada desde a última Idade do Gelo. Tem 20 mil anos

CIÊNCIA

(dr) Jean Lachat

Há 20 mil anos, a vida na Terra era bem mais fria. Era o final de uma Idade do Gelo com mais de cem mil anos e a América do Norte, o norte da Europa e a Ásia estavam cobertas por gelo.

Cientistas estudam esta parte da história da Terra com base em fósseis de corais e sedimentos do fundo do mar. Mas, agora, uma equipa de investigadores marítimos pode ter encontrado um pedaço do passado muito mais importante: uma amostra real de água do mar com 20 mil anos, espremida de uma antiga formação rochosa do Oceano Índico.

De acordo com os investigadores, cujo estudo será publicado em Julho na revista Geochimica et Cosmochimica Acta, esta descoberta representa o primeiro remanescente directo do oceano como era durante a última era glacial da Terra.

Os cientistas encontraram a amostra enquanto extraíam amostras de sedimentos dos depósitos submarinos de calcário que compõem o arquipélago das Maldivas no sul da Ásia. Depois de transportar cada núcleo, a equipa cortou a rocha e colocou as peças numa prensa hidráulica que espremia qualquer humidade remanescente dos poros.

Quando os investigadores testaram a composição das amostras de água recém-prensadas, ficaram surpreendidos ao descobrir que a água era extremamente salgada – muito mais salgada do que o Oceano Índico é hoje. Fizeram mais testes em terra para ver os elementos específicos e isótopos que compunham a água e todos os resultados pareciam estar fora do lugar em comparação com o oceano moderno.

Na verdade, tudo sobre as amostras de água indicava que vinham de uma época em que o oceano era significativamente mais salgado, mais frio e mais clorado – exactamente como se pensava ter sido durante o Último Máximo Glacial, quando os lençóis de gelo sugavam a água do mar e os níveis estavam bem mais abaixo do que os níveis actuais.

“De todas as indicações, parece bastante claro que temos uma parte real desse oceano de há 20 mil anos”, disse Clara Blättler, professora assistente de ciências geofísicas da Universidade de Chicago, em comunicado.

As novas amostras fornecem a primeira visão directa de como o oceano reagiu às oscilações geofísicas da última era glacial. Esse entendimento poderia levar a melhores modelos climáticos para ajudar a entender o nosso próprio mundo em mudança, disse Blättler, como “qualquer modelo que se construa sobre o clima tem de ser capaz de prever com precisão o passado”.

ZAP //

Por ZAP
29 Maio, 2019


[vasaioqrcode]