4732: A mais recente espécie de macaco foi encontrada em laboratório e não numa expedição

CIÊNCIA/BIOLOGIA

Aung Ko Lin / Fauna & Flora International
Popa langur (Trachypithecus popa).

A nova espécie de macaco, o Popa langur, foi descoberta em laboratório. Ao contrário do que se possa pensar, muitas das espécies descobertas não são encontradas numa expedição.

A descoberta do Popa langur, um macaco encontrado no centro de Mianmar, foi anunciada recentemente por cientistas. Estima-se que existam apenas 200-250 desses macacos, o que provavelmente significa que a nova espécie está classificada como “espécie em perigo crítico de extinção”.

Esta descoberta foi anunciada apenas uma semana ou mais depois de duas novas espécies de Petauroides volans – um marsupial planador – foram identificadas na Austrália. Mas o que é que os cientistas querem dizer quando anunciam a descoberta de “novas” espécies de mamíferos? Estes animais eram realmente desconhecidos da ciência?

É importante esclarecer que estas não eram espécies previamente invisíveis descobertas por um explorador intrépido. Em vez disso, esses animais foram identificados como um grupo geneticamente distinto dentro de uma população já conhecida. Na realidade, a população local vive com esses animais há gerações e tem as suas próprias maneiras de identificar e classificar as espécies.

Quando os investigadores anunciam uma espécie recém-definida com base em evidências genéticas, geralmente significa que elevaram uma subespécie já definida ao nível de espécie.

O recém-descrito Popa langur foi descoberto através de um estudo filogenético que procurou entender melhor as relações evolutivas entre as 20 espécies conhecidas do género Trachypithecus. Os cientistas usaram amostras fecais de langures selvagens e amostras de tecidos de espécimes de museu para esclarecer as relações taxonómicas entre o género.

Um grupo de langures destacou-se. A evidência genética mostrou que havia claras variedades ocidentais e orientais, mas que uma população central não se encaixava em nenhuma delas. As variedades ocidentais e orientais, que anteriormente eram chamadas de subespécies de langur de Phayre, foram então elevadas ao nível de espécie.

A população restante foi chamada de Trachypithecus popa – o Popa langur, em homenagem ao Monte Popa. Esta espécie recém-definida vive em quatro populações distintas e está em risco de extinção devido ao seu pequeno número, ao desmatamento e aos efeitos da agricultura e extracção de madeira.

Pode ser uma surpresa saber que uma espécie recém-descoberta está em risco de extinção, mas isso geralmente acontece com as reclassificações genéticas. As duas subespécies anteriormente mencionadas a partir das quais o Popa langur foi identificado já foram classificadas como “em perigo” de acordo com os critérios da lista vermelha oficial da União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN).

O Popa langur ainda não foi classificado, mas os autores do estudo sugerem que ele deve se enquadrar na categoria de “em risco crítico de extinção”, devido à sua população pequena e fragmentada e ao habitat limitado de que dispõe.

Por ZAP
1 Dezembro, 2020