3284: Fóssil revela a primeira demonstração de amor familiar no reino animal

CIÊNCIA

(dr) Henry Sharpe

Um fóssil do período Carbonífero recentemente descoberto em Nova Escócia, no Canadá, mostra uma criatura sinapsídeo varanidae (da família Varanopidae) a cuidar dos seus filhos.

O cuidado parental é uma “estratégia comportamental segundo a qual os pais fazem investimentos ou desviam recursos de si mesmos para aumentar a sobrevivência dos seus filhos”, explicou Hillary Maddin, paleontóloga da Carleton University.

Apesar de haver uma grande variedade de estratégias de atendimento parental, o atendimento pós-natal prolongado está “entre os mais caros para os pais”, indica a cientista.

Esta forma de cuidado dos pais é particularmente comum em mamíferos, uma vez que todas as crias exigem nutrição por parte das suas mães. “No entanto, ainda há pouco entendimento sobre a história evolutiva deste comportamento.”

(dr) Maddin et al
Dendromaia unamakiensis

A equipa de Maddin encontrou os restos fossilizados de uma criatura adulta e de um juvenil dentro de um tronco de uma árvore litificada na ilha Cape Breton, Nova Escócia. O espécime encontrado não só representa uma nova espécie, como também pertence a um género inteiramente novo de sinapsídeo varanopídeo.

Os cientistas, que publicaram o artigo científico na Nature Ecology & Evolution, batizaram o animal de Dendromaia unamakiensis.

“Esta é a evidência mais antiga de cuidados pós-natais prolongados num vertebrado”, apontou a investigadora. “O animal adulto parece estar a esconder e a proteger um jovem num covil. Actualmente, este comportamento é muito comum em mamíferos.”

O Dendromaia unamakiensis tinha a cauda larga, corpo estreito e patas delgadas. Os cientistas pensam que, com estas características, o animal era muito ágil.

Esta é a prova de cuidado parental mais antiga registada no reino animal. Antes desta descoberta, o testemunho mais antigo de conduta parental pertencia a uma espécie de lagarto, denominado Heleosaurus scholtzi, que viveu há aproximadamente 270 milhões de anos.

ZAP //

Por ZAP
29 Dezembro, 2019

 

spacenews