2932: Famoso local de mergulho está cheio de cobras marinhas venenosas

CIÊNCIA

Um famoso local de mergulho na Nova Caledónia, chamado Baie des Citrons, está cheio de grandes cobras venenosas (Hydrophis major).

A descoberta foi feita por um grupo de mulheres de 60 e 70 anos, que forneceram aos cientistas as fotografias dos seus encontros com estes animais.

Claire Goiran, da Universidade da Nova Caledónia, e Rick Shine, da Universidade Macquarie, na Austrália, têm estudado esta cobra marinha com cabeça de tartaruga há 15 anos. Entre as suas descobertas está o facto de que as manchas escuras na sua pele absorvem metais pesados, que a cobra despeja quando se solta da pele. Além disso, estas cobras estão a ficar mais escuras, como consequência do aumento da poluição.

Goiran e Shine também viram cobras marinhas maiores, que podem crescer até 1,5 metros nas mesmas águas. No entanto, viram-nas apenas cerca de seis vezes. Mesmo quando procuraram especificamente H. major, viam apenas 10 por ano. Agora, este grupo de mulheres encontrou 250.

As sete mulheres, que nadam na baía regularmente e se chama a si próprias “avós fantásticas”, começaram a levar câmaras para a água e enviaram as fotografias das cobras maiores que encontraram aos cientistas.

Claire Goiran / Universidade da Nova Caledónia
As Avós Fantásticas

As marcas das serpentes marinhas são tão distintas que os indivíduos conseguem ser facilmente identificados. Goiran e Shine compilaram um álbum de 249 cobras, muito mais do que se esperava.

“Surpreendentemente, encontraram um grande número de cobras letais letalmente tóxicas numa pequena baía que é ocupada todos os dias por hordas de moradores locais e passageiros de navios de cruzeiro – mas nunca foi registada uma mordida pela espécie na Baie des Citrons, testemunhando a sua disposição benevolente“, disse Shine, em comunicado.

“Estou a estudar cobras marinhas na Baie des Citrons há 20 anos e achei que as compreendia muito bem – mas as Avós Fantásticas mostraram-me o quão errada estava”, disse, por sua vez, Goiran. “A incrível energia das avós e a sua familiaridade íntima com a área de estudo transformaram a nossa compreensão na abundância e ecologia das cobras marinhas neste sistema. É um grande prazer e privilégio trabalhar com elas”.

A natureza sazonal do padrão de reprodução da cobra foi publicada este mês na revista especializada Ecosphere. Goiran afirma que isto excede o conhecimento de qualquer um dos seus parentes próximos.

ZAP //

Por ZAP
29 Outubro, 2019