“X” marca o local: NASA selecciona local para recolha amostras em Bennu

CIÊNCIA

Esta imagem mostra o local de recolha de amostras “Nightingale”, o local primário de recolha de amostras no asteróide Bennu. A imagem está sobreposta por um gráfico da sonda OSIRIS-REx para ilustrar a escala do local.
Crédito: NASA/Goddard/Universidade do Arizona

Depois de um ano a analisar a superfície repleta de pedregulhos de Bennu, a equipa que lidera a primeira missão de retorno de amostras de um asteróide da NASA seleccionou oficialmente um local de recolha de amostras.

A missão OSIRIS-REx (Origins, Spectral Interpretation, Resource Identification, Security, Regolith Explorer) concluiu que o local designado “Nightingale” – localizado numa cratera a alta latitude no hemisfério norte de Bennu – é o melhor local para a sonda OSIRIS-REx recolher as suas amostras.

A equipa OSIRIS-REx passou os últimos meses a avaliar dados detalhados dos quatro locais candidatos, a fim de identificar a melhor opção para a recolha de amostras. Os locais candidatos – apelidados de “Sandpiper”, “Osprey”, “Kingfisher” e “Nightingale” – foram escolhidos para investigação porque, de todas as regiões de potenciais amostragens em Bennu, estas áreas representam o menor risco à segurança da sonda e ainda fornecem uma oportunidade de recolher amostras de grande qualidade.

“Depois de avaliar minuciosamente todos os quatro locais candidatos, tomámos a nossa decisão final com base no qual possui a maior quantidade de material refinado e com que facilidade a nave pode aceder a esse material, mantendo-a segura,” disse Dante Lauretta, investigador principal da OSIRIS-REx na Universidade do Arizona em Tucson, EUA. “Dos quatro candidatos, ‘Nightingale’ é o que melhor atinge estes critérios e, por fim, garante o sucesso da missão.”

O local “Nightingale” está localizado numa cratera com 140 metros. O rególito de “Nightingale” – ou material rochoso à superfície – é escuro e as imagens mostram que a cratera é relativamente lisa. Como está localizado no extremo norte, as temperaturas na região são mais baixas do que noutras partes do asteróide e o material da superfície está bem preservado. Pensa-se também que a cratera seja relativamente jovem e o rególito recentemente exposto. Isto significa que o local provavelmente permitirá a recolha de uma amostra pristina do asteróide, dando à equipa uma visão da história de Bennu.

Embora “Nightingale” esteja no topo da classificação, o local ainda apresenta desafios para a recolha de amostras. O plano original da missão previa um local de amostra com um diâmetro de 50 metros. Embora a cratera que hospeda “Nightingale” seja maior, a área segura o suficiente para a sonda pousar é muito menor – aproximadamente 16 metros de diâmetro, resultando num local com apenas um-terço do tamanho originalmente previsto. Isto significa que a sonda precisa atingir com precisão a superfície de Bennu. “Nightingale” também tem uma pedra do tamanho de um edifício situada na orla leste da cratera, que pode representar um perigo para a nave quando se afastar após o contacto com o local.

A missão também seleccionou “Osprey” como local de reserva para recolha de amostras. A sonda tem a capacidade de executar várias tentativas de amostragem, mas qualquer perturbação significativa na superfície de “Nightingale” dificultaria a recolha de uma amostra dessa área numa tentativa posterior, tornando necessário um local de “backup”. A sonda está construída para interromper autonomamente a aproximação se a posição prevista estiver demasiado perto de uma área perigosa. Durante esta manobra, as plumas de exaustão dos propulsores da sonda podem potencialmente perturbar a superfície devido ao ambiente de micro-gravidade do asteróide. Em qualquer situação onde uma tentativa subsequente de pousar em “Nightingale” não seja possível, a equipa tentará recolher uma amostra no local “Osprey”.

“Bennu desafiou a OSIRIS-REx com terreno extraordinariamente acidentado,” disse Rich Burns, gestor do projecto OSIRIS-REx no Centro de Voo Espacial Goddard da NASA. “A equipa adaptou-se empregando uma técnica de navegação óptica mais precisa, embora mais complexa, para poder entrar nestas pequenas áreas. Também vamos equipar a OSIRIS-REx com a capacidade de reconhecer se está a caminho de uma característica superficial perigosa dentro ou adjacente do local e interromper a manobra antes que isso aconteça.”

Com a selecção do local primário e do local de reserva, a equipa da missão realizará mais voos de reconhecimento por cima de “Nightingale” e “Osprey”, começando em Janeiro e continuando até à primavera. Uma vez concluídas estas passagens, a sonda começará ensaios para a sua primeira tentativa de recolha de amostras “touch-and-go”, prevista para Agosto. A sonda partirá de Bennu em 2021 e tem regresso à Terra previsto para Setembro de 2023.

Astronomia On-line
17 de Dezembro de 2019

 

spacenews