3249: Está a “nevar” ferro no núcleo da Terra

CIÊNCIA

Mitch Battros / Earth Changes Media

Uma equipa de cientistas propôs um modelo que explica o carácter das ondas sísmicas que passam através da Terra. Segundo o estudo, na fronteira entre a parte exterior e a interior do núcleo, existe uma camada de suspensão que contem cristais de ferro.

Os processos que ocorrem no núcleo da Terra afectam a vida geológica o nosso planeta, definindo o carácter do campo magnético e da tectónica global.

Durante várias décadas, os cientistas tentaram encontrar uma explicação para o facto de as ondas elásticas que se propagam nas profundezas do nosso planeta desacelerarem quando passam através das camadas inferiores do núcleo exterior.

Além deste estranho comportamento, há uma notória diferença entre as formas como as ondas são propagadas de ambos os lados do núcleo. No hemisfério oriental, a velocidade é maior do que no ocidental, como se a superfície exterior do núcleo interior estivesse coberta por um material viscoso. Já no lado ocidental, a espessura da cobertura é maior.

Cientistas da Universidade do Texas, nos Estados Unidos, e da Universidade de Sichuan, na China, desenvolveram um modelo que explica as características da passagem das ondas sísmicas através do núcleo.

Os autores do artigo científico, publicado na JGR Solid Earth, sugerem que, por cima, o núcleo interior da Terra+ esteja coberto por uma camada de “neve” de ferro – partículas minúsculas que se formam no núcleo exterior líquido e caem sobre a superfície do interior sólido, formando sobre este uma camada de mais de 300 quilómetros de espessura.

De acordo com o Sputnik News, os investigadores compararam a formação da “neve” de ferro no núcleo exterior com o processo que ocorre dentro das câmaras magmáticas, quando determinados minerais se cristalizam e se depositam no fundo da câmara.

“O núcleo metálico da Terra funciona pelo princípio da câmara magmática na crosta”, explica Jung-Fu Lin, professor da Universidade do Texas, que participou nesta investigação.

Esta camada de sedimento é a causa do desvio do movimento real das ondas sísmicas das previsões teóricas. A camada de “neve” retarda as ondas sísmicas, principalmente no hemisfério ocidental, onde é mais espessa.

ZAP //

Por ZAP
23 Dezembro, 2019

 

spacenews