2530: Nepal vai banir plásticos de uso único no Monte Evereste a partir de 2020

CIÊNCIA

markhorrell / Flickr

O Governo nepalês anunciou a proibição de plástico de uso único na região do Evereste para tentar reduzir a enorme quantidade de resíduos deixada pelos alpinistas.

As autoridades nepalesas anunciaram, na última quinta-feira, que vão banir os plásticos de uso único no município rural de Khumbu Pasanglhamu, zona onde fica o Monte Evereste e outras montanhas. “Se começarmos agora, vai ajudar a manter a nossa região, o Evereste e as outras montanhas limpos”, afirmou à AFP Ganesh Ghimire, que pertence às autoridades locais.

Para além do recorde de alpinistas alcançado este ano (885), o Governo nepalês foi confrontado com a enorme quantidade de resíduos naquela que é a montanha mais alta do mundo. Recentemente, foram recolhidas cerca de onze mil quilos de lixo.

A nova proibição inclui todo o plástico com menos de 30 micrómetros de espessura, bem como bebidas em garrafas de plástico, e vai entrar oficialmente em vigor a partir de Janeiro de 2020.

As autoridades locais vão trabalhar com empresas de trekking, companhias aéreas e a Associação de Montanhismo do Nepal para impor esta proibição, embora não tenham sido ainda definidas as multas que vão ser aplicadas aos infractores.

A região recebe cerca de 50 mil turistas por ano, incluindo alpinistas e adeptos do trekking. Este ano, devido às más condições meteorológicas mas também devido à inexperiência de muitos dos alpinistas, onze pessoas morreram.

Também na semana passada, um comité do Governo recomendou recomendou que os alpinistas escalassem outra montanha do Nepal, com pelo menos 6.500 metros de altitude, antes de terem permissão para subir o Evereste.

Os responsáveis também propuseram uma taxa de cerca de 30 mil euros para subir o Evereste e cerca de 18 mil euros para outras montanhas com mais de oito mil metros. Actualmente, as licenças para escalar o Evereste custam quase dez mil euros.

ZAP //

Por ZAP
27 Agosto, 2019

 

2127: Removidos 11.000 quilos de lixo e recuperados quatro corpos no Evereste

markhorrell / Flickr

As autoridades do Nepal removeram 11.000 quilos de lixo numa operação de limpeza no Monte Evereste, que permitiu ainda recuperar quatro cadáveres na maior montanha do mundo, adiantou fonte oficial à Associated Press.

Um funcionário do Departamento de Turismo, Danduraj Ghimire, disse esta quarta-feira que a equipa de limpeza, que trabalhou durante semanas, recolheu embrulhos de alimentos, latas, garrafas e botijas de oxigénio vazias.

Parte do lixo apanhado durante a operação foi transportado de avião para Catmandu e entregue aos responsáveis pela reciclagem, numa cerimónia de encerramento da campanha de limpeza que aconteceu esta quarta-feira.

Fontes oficiais disseram que a iniciativa teve sucesso, mas ainda há muito lixo escondido debaixo da neve, que só desaparecerá quando as temperaturas subirem. As autoridades não conseguem fazer uma estimativa da quantidade de lixo que permanece na montanha.

A maioria dos resíduos recuperados estava nos campos 2 e 3, nos quais os alpinistas podem descansar pelo caminho, desde o campo base até ao pico, a 8.850 metros de altura.

Sobre os quatro corpos recuperados, Ghimire disse que estavam expostos porque a neve estava derretida, e foram depois carregados até ao campo base e levados posteriormente para o hospital, para serem identificados. Os companheiros dos alpinistas que morreram estavam com dificuldades em retornar à base com vida, pelo que não conseguiram carregar os corpos dos colegas.

Mais de 300 montanhistas morreram no Evereste desde que alguém conseguiu alcançar o seu cume pela primeira vez, em 1953. Não é possível precisar quantos desses corpos ainda estão na montanha pois não existem dados.

Centenas de alpinistas e os seus guias passam semanas no Evereste durante a primavera, que é considerada a melhor altura para subir a montanha.

ZAP // Lusa

Por ZAP
6 Junho, 2019



[vasaioqrcode]