4064: Northolt Branch Observatories

Over the past week, a lot of structure has become visible in the coma of comet NEOWISE. The spirals and gas shells, which are changing on time scales of hours, are probably due to the rotation of the nucleus.

Northolt Branch Observatories
CometWatch
Qhyccd

Na última semana, muita estrutura tornou-se visível no coma do cometa NEOWISE. As espirais e as conchas de gás, que estão a mudar nas escalas de horas, devem-se provavelmente à rotação do núcleo.

Northolt Branch Observatories
CometWatch
Qhyccd

 

spacenews

 

3996: Astrónomos descobrem as anãs castanhas mais bizarras de sempre

CIÊNCIA/ASTRONOMIA

William Pendrill / NASA

Com a ajuda de cientistas cidadãos, os astrónomos descobriram duas anãs castanhas altamente incomuns, bolas de gás que não são suficientemente maciças para se alimentar como as estrelas.

Os participantes do projecto Backyard Worlds: Planet 9, financiado pela NASA, ajudaram a levar os cientistas a estes objectos bizarros, usando dados do satélite NEOWISE (Explorador de Infravermelho para Campo Largo de Objectos na Terra) da NASA, juntamente com observações em todo o céu colhidas entre 2009 e 2011 sob seu apelido anterior, WISE.

Os cientistas chamaram a estes objectos recém-descobertos “primeiras sub-anãs extremas do tipo T”. Pesam cerca de 75 vezes a massa de Júpiter e tem cerca de 10 mil milhões de anos.

As duas anãs castanhas têm composições altamente incomuns. Quando vistas em comprimentos de onda específicos da luz infravermelha, assemelham-se a outras anãs castanhas, mas noutros não se parecem com nenhuma outra estrela ou planeta observado até agora.

Os cientistas ficaram surpreendidos ao ver que têm muito pouco ferro, o que significa que, como estrelas antigas, não incorporaram ferro de nascimentos e mortes nos seus ambientes.

Uma anã castanha típica teria até 30 vezes mais ferro e outros metais do que os objectos recém-descobertos. Uma dessas anãs castanhas parece ter apenas cerca de 3% de ferro do que o nosso Sol.

Estes dois objectos são as anãs castanhas mais parecidas com um planeta já vistas entre a população mais antiga de estrelas da Via Láctea. Os cientistas esperam que exoplanetas muito antigos também tenham um baixo teor de metal.

“Uma questão central é quanto a formação do planeta depende da presença de metais como ferro e outros elementos formados durante várias gerações anteriores de estrelas”, disse Marc Kuchner, investigador principal do Backyard Worlds: Planet 9 e o Citizen Science Officer da Science Mission Directorate da NASA, em comunicado. “O facto de que estas anãs castanhas se parecem ter formado com tão pouca abundância de metais sugere que talvez devêssemos procurar mais exoplanetas antigos com pouco metal ou exoplanetas que orbitam estrelas antigas com pouco metal”.

Os astrónomos querem usar estas anãs castanhas para aprender mais sobre exoplanetas. Os mesmos processos físicos podem formar planetas e anãs castanhas. “Estas surpreendentes e estranhas anãs castanhas lembram exoplanetas suficientemente antigos para nos ajudar a entender a física dos exoplanetas”, disse Kuchner.

Este estudo foi aceite este mês para publicação pela revista científica The Astrophysical Journal.

ZAP //

Por ZAP
14 Julho, 2020

 

spacenews