687: Estrelas massivas podem obrigar-nos a rever toda a história do Universo

ESO/IDA/Danish 1.5 m/R. Gendler, C. C. Thöne, C. Féron, and J.-E. Ovaldsen
A assustadora Nebulosa de Tarântula, ou NGC 2070, uma das galáxias mais próximas de nós

Para entender os padrões que deram forma às galáxias, é necessário estudar estrelas. Ao estudá-las, astrónomos e cientistas conseguem analisar as suas massas, nascimentos e mortes para melhor compreender a história do universo.

O Observatório Europeu do Sul acaba de anunciar que um grupo de astrónomos descobriu que tanto as galáxias do universo primordial como uma galáxia próxima contêm uma proporção de estrelas massivas muito maior do que as encontrada em galáxias até então.

“Encontrámos cerca de 30% mais estrelas com massas maiores que trinta vezes a massa do Sol. Encontramos também 70% mais de estrelas com mais de 60 massas solares”, explicou Fabian Schneider, da Universidade de Oxford, na Inglaterra.

“Os nossos resultados desafiam a ideia anterior que previa um limite de 150 massas solares para a maior massa de nascimento e as conclusões até sugerem que estrelas podem ter massas iniciais de 300 massas solares!”.

As descobertas, realizadas por dois grupos de astrónomos independentes, foram publicadas em dois artigos científicos nas revistas científicas Science em Janeiro e na Nature em Junho, e podem mudar completamente as ideias actuais sobre a forma como as galáxias evoluíram.

Uma das equipas de investigação foi liderada por Schneider, que usou o Very Large Telescope do ESO para observar quase 1.000 estrelas em 30 Doradus, conhecida como a Nebulosa da Tarântula – uma região formadora de estrelas na Grande Nuvem de Magalhães, uma pequena galáxia satélite para a nossa Via Láctea

A outra equipa, liderada pelo astrónomo Zhi-Yu Zhang da Universidade de Edimburgo, recorreu ao ALMA, Atacama Large Millimeter/submillimeter Array, para investigar a proporção de estrelas massivas em 4 galáxias distintas e cheias de poeira. 

“Estas descobertas levam-nos a questionar a nossa compreensão da história cósmica”, concluiu Rob Ivison, astrónomo da Universidade de Edimburgo.

ZAP // Hype Science / SciNews

Por HS
24 Junho, 2018

[vasaioqrcode]

[SlideDeck2 id=1476]

[powr-hit-counter id=f7126031_1529850554196]

603: A assustadora Nebulosa de Tarântula foi captada em todo o seu esplendor

ESO/IDA/Danish 1.5 m/R. Gendler, C. C. Thöne, C. Féron, and J.-E. Ovaldsen
A assustadora Nebulosa de Tarântula, ou NGC 2070, uma das galáxias mais próximas de nós

Um grupo de astrónomos europeus obteve a imagem mais nítida até agora da Nebulosa de Tarântula – uma paisagem cósmica repleta de aglomerados de estrelas, nuvens brilhantes de gás e vestígios de um super-nova na Grande Nuvem de Magalhães, a 160 mil anos luz de distância do planeta Terra.

Segundo informou esta quarta-feira em comunicado o Observatório Europeu do Sul, ESO, o telescópio de rastreamento VST, instalado no Cerro Paranal, no deserto do Atacama, no Chile, conseguiu captar com grande detalhe a Nebulosa de Tarântula, que representa a região estelar mais brilhante e energética das 50 galáxias mais próximas da Via Láctea, o chamado Grupo Local.

A imagem permite definir o formato da Tarântula, uma formação estelar que se estende por mais de 1000 anos de luz dentro da Grande Nuvem de Magalhães, uma das galáxias mais próximas da Via Láctea, e que tem como centro o gigantesco e jovem aglomerado estelar NGC 2070.

O astrónomo francês Nicolas Louis de Lacaille foi o primeiro a registar o brilhante esplendor da Nebulosa de Tarântula, em 1751, da qual agora podem ser mapeados elementos como o NGC 2070, que dá nome a uma região que contém algumas das estrelas mais massivas e luminosas detectadas desde sempre.

Parte desta nebulosa é o chamado “Cavalo Marinho“, uma “gigantesca estrutura de poeira escura” com uma extensão de aproximadamente 20 anos luz, que os astrónomos preveem que desaparecerá no próximo milhão de anos como consequência da luz e dos ventos emitidos por estrelas em formação.

O telescópio conseguiu mapear também o antigo aglomerado de estrelas Hodge 301, onde se calcula que pelo menos 40 estrelas tenham explodido como super-novas, libertando grande quantidade de gás na região.

Outros elementos captados na imagem são a super-bolha SNR N157B, um remanescente de super-nova, e a famosa SN 1987A, a primeira super-nova captada com telescópios modernos, em 1987, uma das mais brilhantes desde a super-nova observada por Johannes Kepler em 1604, que brilhou com a potência de 100 milhões de sóis durante meses.

A captação desta imagem tão nítida foi possível através do uso de uma câmara OmegaCAM de 256 megapixels, com a ajuda de diversos filtros, entre os quais um filtro concebido com o objectivo de isolar o brilho vermelho do hidrogénio ionizado.

ZAP // EFE

Por ZAP
1 Junho, 2018

[vasaioqrcode]

[SlideDeck2 id=1476]

[powr-hit-counter id=a651e8f3_1527890047073]