831: O sacrifício de Parker num fogo sem chamas

A viagem inédita de Parker à atmosfera do Sol. O seu nome deve-se ao físico que previu os ventos solares

Simulação da nave Parker a aproximar-se do Sol
© NASA

Chama-se Parker a nave que vai ser carbonizada pelo Sol na primeira grande investigação humana para estudar a nossa estrela, mas antes do seu fim acontecer entrará na sua atmosfera e recolherá informações inéditas. Para obter estas informações, a NASA vai despender 1200 milhões de euros.

O objectivo da agência espacial norte-americana, é estudar o interior da coroa solar, uma situação só possível porque, ao contrário do que é normal, no Sol a temperatura é mais baixa à superfície do que à distância. Mesmo assim a temperatura é de 6000 graus, nada comparável ao milhão de graus exterior.

Por isso, a nave Parker conta com um escudo protector feito em carbono que alcançará a mesma temperatura a que o ferro derrete, 1400 graus, mesmo assim capaz de proteger os quatro instrumentos que vão analisar os electrões, os protões, os núcleos atómicos e os átomos de hélio, que caracterizam a atmosfera solar, bem como tentar encontrar uma explicação para os ventos solares que criam tempestades solares que atingem a Terra e provocam grandes alterações nos campos magnéticos.

A nave a ser preparada Foto NASA

Simulação da aproximação da Parker ao Sol Foto NASA

O foguetão que irá levar a nave Parker para o espaço
Foto NASA

A viagem até ao Sol da primeira nave decorrerá entre o próximo dia 11 e até 1 de Novembro, momento em que atingirá uma distância de seis milhões de quilómetros da estrela, uma ínfima parte dos 150 milhões de quilómetros que separam o Sol do nosso planeta. Ao chegar a este ponto, a Parker iniciará a primeira de sete primeiras órbitas em torno do Sol, para a qual se beneficiará da atracção de Vénus durante essas primeiras órbitas de forma a diminuir a sua velocidade, que a gravidade do Sol aumentará em cerca de duzentos quilómetros por segundo durante a aproximação.

A partir da sua estabilização, a Parker iniciará vinte e cinco órbitas em redor do Sol até ao ano 2025, isto se os seus motores e os painéis solares mantiverem a nave numa posição correta, com o escudo térmico virado para a fonte de calor, até que o fim do combustível fará com que a Parker se aproxime demasiado da estrela e se derreta por inteiro.

A nave chama-se Parker em homenagem ao físico americano, Eugene Parker, que em 1958 previu a existência dos ventos solares, uma teoria que foi muito criticada na altura e que só em 1962 foi confirmada pela sonda Mariner II, numa viagem de exploração espacial a Vénus.

O físico Eugene Parker
© DR

Diário de Notícias
João Céu e Silva
02 Agosto 2018 — 11:38

[SlideDeck2 id=1476]

[powr-hit-counter id=8be2d27d_1533212765620]

441: Nova nave da Virgin Galactic realizou primeiro voo supersónico

www.virgingalactic.com

A nova nave espacial da Virgin Galactic realizou quinta-feira o seu primeiro voo supersónico, a partir do deserto de Mojave, na Califórnia, o primeiro desde o acidente fatal em 2014 que matou um piloto.

O voo da VSS Unity foi considerado um grande passo pela empresa, que tem planos para levar turistas para o espaço, segundo a Associated Press.

A Virgin Galactic, propriedade de Richard Branson, considera que este voo marca a fase final do programa de testes de voo da VSS Unity.

“De volta ao caminho (…), O espaço parece tentadoramente próximo agora”, escreveu Richard Branson na rede social Twitter.

Desde que a Virgin Galactic foi fundada, Branson iniciou reservas de voos para quem possa pagar 200 mil dólares (cerca de 170 mil euros) por uma viagem de apenas uns minutos.

Calcula-se, segundo números avançados pela imprensa internacional, que a lista de espera tenha mais de 800 pessoas.

DN
06 DE ABRIL DE 2018 00:44
DN/Lusa

[SlideDeck2 id=1476]

[powr-hit-counter id=95936e9f_1522999631425]