5390: NASA reveals flight zone for historic helicopter flight on Mars

SCIENCE/MARS/HELICOPTER ingenuity

Ingenuity, an experimental helicopter, is nearing its debut flight

NASA has locked in a location on Mars for the first demo flight of its mini helicopter named Ingenuity, engineers announced on Tuesday. The four-pound rotorcraft is gearing up to attempt the first powered flight on another planet, demonstrating a new capability that could unlock access to hard-to-reach areas of other celestial bodies in the future.

Ingenuity arrived on Mars in February, clinging to the belly of the Perseverance rover, surviving a seven-month trek through deep space and an intense seven-minute landing sequence through Mars’ atmosphere. Within a few hours of Perseverance’s landing, engineers started analyzing orbital imagery to find a prime flight zone to drop off Ingenuity for its first flight — “an area where it is safe for the helicopter to take off, and also safe for the helicopter to land again after flight,” the craft’s chief pilot, Håvard Grip, said.

The landing site, he said, needed to be flat and free of any large rocks that could threaten Ingenuity’s flight demos. But it also needed to have “texture” — distinct features on the ground that the helicopter’s AI-powered navigation camera can spot to track its whereabouts during flight. Soon after landing, “we began to realize that we might just have a really great airfield right in front of our noses,” Grip told reporters at a press briefing on Tuesday.

Perseverance is in the middle of a days-long drive to the flight zone, just 196 feet away from the landing site. When it arrives, the craft will be lowered to the ground. Then Perseverance will spend roughly 25 hours driving about 330 feet away to a location NASA named the Van Zyl Overlook as a tribute to Jakob Van Zyl, a senior Jet Propulsion Laboratory scientist who died last year.

Dropping Ingenuity off in its flight zone is “a very prescribed and meticulous process,” said Farah Alibay, who leads Ingenuity’s integration with Perseverance. Ingenuity will need to be flipped from its current horizontal position on the rover to a vertical position before touching the ground, which will take “multiple days,” she said. “The most stressful day, at least for me, is gonna be that last day while we finally separate the helicopter and drop Ingenuity on the ground.”

Engineers test Ingenuity’s deployment from Perseverance using mock-ups.Image: NASA / JPL

Lockheed Martin designed the Mars Helicopter Delivery System that will help Ingenuity’s tiny landing legs set foot on the ground. Keeping that delivery system lightweight while secure was a huge challenge even for Lockheed, which has decades of experience designing space systems. “We had to toss all that heritage and knowledge aside and literally start from scratch with a new electrical connection design,” Jeremy Morrey, Lockheed’s top engineer for the deployment system, told The Verge in an interview.

Once on the ground, NASA engineers expect Ingenuity to conduct its first flight test no earlier than April 8th, give or take a few days depending on Mars’ weather. The helicopter’s flight zone is shaped like a mini running track, with a box-shaped takeoff and return area on one side of the zone. “The first flight is special — it’s by far the most important flight we plan to do,” Grip said, adding that a successful first flight will mean “complete mission success.”

For that debut flight, Ingenuity will climb nearly 10 feet (3 meters), hover in place for about 30 seconds, turn in midair, then descend for a landing. It will be fully autonomous, operating on commands sent by engineers back on Earth the day prior. A 0.5-megapixel navigation camera on Ingenuity’s underside will be snapping 30 photos per second of the ground to inform its movement.

Ingenuity has another, more powerful camera with 13 megapixels facing the horizon. That will snap pictures in midair, while cameras aboard Perseverance will aim to capture the helicopter in flight. All of those pictures will eventually be transmitted back to Earth.

The flight model of NASA’s Ingenuity Mars Helicopter. Image: NASA / JPL

Four more flight tests are planned in a month-long window after Ingenuity’s first 10-foot takeoff. What the helicopter does during those flight tests will largely depend on the results of the first one. “It could, in principle, go higher currently as designed,” Grip said. “There may be cases where, if everything goes well during our nominal flights, we might stretch things a little bit beyond the nominal flight.”

After that, Ingenuity’s test campaign will likely come to an end. It’s a demo mission, and Perseverance has other objectives to focus on, like collecting Martian soil samples for a future Mars mission to bring back to Earth.

If successful, Ingenuity will mark the first powered flight on another world. A mission to Venus by the Soviet Union in the 1980s under its Vega program claimed the title for first off-world flight, with two balloon aerobots (not powered) flying into the clouds of Venus. Off-world helicopters like Ingenuity, if proven to be viable, could be used in future missions to trek places where wheeled rovers can’t reach, like caves, tunnels, or mountaintops.

Even before Ingenuity’s first flight, engineers are already celebrating making it this far. Having a tiny, four-pound helicopter survive a trip from Earth to Mars is no easy task, said Morrey, the Lockheed engineer. “You have to survive launch on a rocket while carrying a carbon fiber feather. It’s never been done before,” he said of a mission like this.

The Verge

23/03/2021


5387: Primeira tentativa de voar de helicóptero em Marte será em Abril

CIÊNCIA/MARTE/TECNOLOGIA

Se a experiência for bem-sucedida, será uma façanha, porque o ar marciano tem uma densidade equivalente a apenas 1% da atmosfera da Terra

© Patrick T. FALLON / AFP

A NASA fará uma primeira tentativa de voo de um dispositivo motorizado noutro planeta no início de Abril, quando testará o helicóptero Ingenuity em Marte, anunciou a agência espacial dos Estados Unidos esta terça-feira.

Por enquanto, este helicóptero ultra-leve, semelhante a um grande drone, está dobrado e acoplado à parte inferior do rover Perseverance, que pousou no planeta vermelho no mês passado.

“A nossa melhor estimativa é 8 de Abril”, revelou Bob Balaram, engenheiro-chefe do Ingenuity, numa conferência de imprensa sobre a data do evento que será o equivalente ao primeiro voo de uma aeronave na Terra pelos Irmãos Wright em 1903.

No entanto, o dia exacto da tentativa de voo ainda pode mudar, esclareceu o engenheiro.

Se a experiência for bem-sucedida, será uma façanha, porque o ar marciano tem uma densidade equivalente a apenas 1% da atmosfera da Terra.

Espera-se que o primeiro voo seja muito simples: após descolar verticalmente, o helicóptero voará a uma altitude de três metros, pairará ali por 30 segundos e fará uma curva antes de pousar no solo novamente.

O dispositivo receberá instruções da Terra algumas horas antes, mas analisará a sua posição em relação ao solo durante o próprio voo, tirando 30 fotos por segundo.

A NASA já determinou o terreno sobre o qual o mini-helicóptero voará, localizado ao norte do local de pouso do rover.

O Perseverance ainda não chegou ao destino, o que “levará mais alguns dias”, disse Farah Alibay, chefe de ligação da NASA entre as equipas encarregadas do veículo e do helicóptero.

O Ingenuity será posicionado no local preciso de lançamento antes de ser desacoplado do rover, que então se distanciará dele.

Assim que o helicóptero estiver a uma distância segura do Perseverance, o rover deve mover-se cerca de cinco metros para não obscurecê-lo, o que levará aproximadamente 25 horas. O helicóptero precisará do sol para abastecer de energia seus painéis solares antes da chegada da gelada noite marciana.

O rover será então posicionado num ponto de observação para capturar as proezas da nave com suas câmaras. Estão planeados até cinco voos de dificuldade gradual, distribuídos ao longo de um mês.

Composto por quatro pés, um corpo e duas hélices sobrepostas, o Ingenuity pesa apenas 1,8 kg e mede 1,2 metros de largura.

O programa deste helicóptero custou à NASA cerca de 85 milhões de dólares (cerca de 71 milhões de euros).

No futuro, esses dispositivos podem ser cruciais para a exploração do planeta, sendo capazes de ir onde os rovers não podem, como os desfiladeiros.

Diário de Notícias
DN/AFP
23 Março 2021 — 22:49


5383: NASA’s new Mars rover is about to spawn a tiny helicopter

SCIENCE/MARS/ROVER

The mini Ingenuity helicopter aims to become the first off-Earth rotorcraft

Ingenuity’s debris shield lies beneath Perseverance NASA/JPL

NASA’s Perseverance rover is getting ready to deploy a mini-helicopter named Ingenuity on Mars. The four-pound, four-blade rotorcraft will attempt the first flight of its kind on another planet, and in the process, it will test a new mode of mobility that could transform the way we Earthlings remotely explore other worlds.

The craft is currently attached to the belly of Perseverance, which landed at Mars’ Jezero crater in February. One of the first steps toward setting the baby helicopter off on its debut flight came this weekend when Perseverance dropped a protective shell and exposed Ingenuity to the bright Martian sunlight for the first time. “Away goes the debris shield, and here’s our first look at the helicopter,” the rover’s Twitter account said on Sunday.

After dropping the debris shield, Perseverance will spend a couple of days driving itself to Ingenuity’s flight zone, which NASA officials plan to unveil in a press conference on Tuesday. The helicopter will be lowered to the ground, and Perseverance will scoot away to a safe distance of about 330 feet, leaving Ingenuity to unlock its rotor blades and carry out a few spin tests. NASA expects the first test flights to come “no earlier than the first week of April,” a statement read.

The artificial boundaries of the flight zone, wherever it is, will be a 50-foot-long oval patch of land that Ingenuity will need to stay within during its flight tests. Perseverance will drop the helicopter off near one end of this flight zone, in a space engineers call the helipad.

Deploying the first helicopter on Mars is no easy task. Ingenuity’s team of engineers at NASA’s Jet Propulsion Laboratory had to account for a Martian atmosphere 100 times thinner than Earth’s, which means the craft needs to work much harder than Earth-bound helicopters to lift itself off the ground.

And it’s not just a more powerful toy drone: Ingenuity is an $85 million spacecraft built to withstand an extremely turbulent ride to Mars — from the violent rumbling during liftoff from Earth last summer to Perseverance’s seven-minute landing sequence through Mars’ atmosphere in February. Its design also has to comply with the international 1967 Outer Space Treaty, which requires signatories to ensure their spacecraft don’t contaminate environments on other planets.

“This was a design challenge that straddled both the aircraft and spacecraft boundaries,” says Bob Balaram, Ingenuity’s chief engineer. The team’s biggest challenge, he said, was creating a craft that can spin its blades fast enough to generate thrust, while keeping the overall design simple and lightweight — “otherwise whatever lift you generate doesn’t do any good if you’ve gotten too heavy in the process in the design.”

Packing all that power in the craft’s four-pound body is made possible by a rectangular solar panel installed above the craft’s four carbon fiber blades. That panel also holds a tiny telecommunications device that can communicate with a node on Perseverance’s body called the Mars Helicopter Base Station, even from as far as nine football fields away. The Base Station will help relay signals back to Earth.

Beneath the blades is a tissue box-sized fuselage that houses flight sensors, two cameras, batteries, and mini “survival heaters” that protect Ingenuity from freezing during nighttime on Mars, where temperatures drop as low as negative 130 degrees Fahrenheit. One of the two cameras has a 13-megapixel color camera facing the horizon that will snap and send images to Perseverance mid-flight (the other camera has a 0.5-megapixel black-and-white sensor used for navigation).

In all, Ingenuity will attempt to carry out five flight tests within a short, 30-day window. If the tests work, similar helicopter tech could be used in other missions, to trek places where wheeled rovers can’t reach, like caves, tunnels, or mountaintops. Ingenuity won’t fly again after its 30-day window, even if the tests are wildly successful. That’s because “we are being accommodated by a major flagship mission that’s got a huge, new astrobiology exploration ahead of it,” Balaram says. Perseverance’s primary mission is to explore Mars’ Jezero crater and pack soil samples into tiny, cigar-sized sample tubes that the rover will scatter around the surface for a future “fetch” rover to send back to Earth.

After that 30-day window, Ingenuity will lie on the Martian surface for eternity. If the craft’s first flight attempt doesn’t work out, Balaram said his team can still celebrate a number of achievements they’ve already made.

“I think the main thing is, we’ve already achieved a lot of milestones just by having a design that could do all of these things, and we have had a successful test program so far,” he said. “Every step is something to celebrate because nothing is a given. It’s a fairly high-risk, high-reward type of activity. And tech demos are inherently a quite risky venture, they’re not a slam dunk.”

The Verge


5380: Hubble vê a mudança das estações em Saturno

CIÊNCIA/ASTRONOMIA/HUBBLE

Imagens pelo Telescópio Espacial Hubble de Saturno obtidas em 2018, 2019 e 2020, à medida que o verão no norte hemisfério do planeta transita para outono.
Crédito: NASA/ESA/STScI/A. Simon/R. Roth

Imagens pelo Telescópio Espacial Hubble de Saturno obtidas em 2018, 2019 e 2020, à medida que o verão no norte hemisfério do planeta transita para outono. Crédito: NASA/ESA/STScI/A. Simon/R. Roth

O Telescópio Espacial Hubble da NASA está a dar aos astrónomos uma visão das mudanças na vasta e turbulenta atmosfera de Saturno à medida que o verão no hemisfério norte do planeta transita para outono, conforme mostrado nesta série de imagens obtidas em 2018, 2019 e 2020 (da esquerda para a direita).

“Estas pequenas mudanças anuais nas bandas coloridas de Saturno são fascinantes,” disse Amy Simon, cientista planetária do Centro de Voo Espacial Goddard da NASA em Greenbelt, no estado norte-americano de Maryland. “À medida que Saturno se move em direcção ao outono no seu hemisfério norte, vemos as regiões polares e equatoriais a mudar, mas também vemos que a atmosfera varia em escalas de tempo muito mais curtas.” Simon é a autora principal de um artigo sobre estas observações publicado dia 11 de Março na revista The Planetary Science Journal.

“O que descobrimos foi uma ligeira mudança na cor de um ano para o outro, possivelmente na altura das nuvens e nos ventos – não é surpreendente que as mudanças não sejam enormes, pois estamos a olhar apenas para uma pequena fracção do ano de Saturno,” acrescentou Simon. “Esperamos grandes mudanças numa escala de tempo sazonal, de modo que isto está a mostrar a progressão em direcção à próxima estação.”

Os dados do Hubble mostram que de 2018 a 2020 o equador ficou 5 a 10% mais brilhante e os ventos mudaram ligeiramente. Em 2018, os ventos medidos perto do equador eram de cerca de 1600 quilómetros por hora, maiores do que aqueles medidos pela sonda Cassini da NASA durante 2004-2009, quando rondavam os 1300 km/h. Em 2019 e 2020 diminuíram de volta para as velocidades da Cassini. Os ventos de Saturno também variam com a altitude, de modo que a mudança nas velocidades medidas pode significar que as nuvens em 2018 estavam cerca de 60 quilómetros mais profundas do que as medidas durante a missão Cassini. Outras observações são necessárias para saber o que está a acontecer.

Saturno é o sexto planeta a contar do Sol e orbita a uma distância de mais ou menos 1,4 mil milhões de quilómetros da nossa estrela. Demora cerca de 29 anos terrestres a completar uma órbita, fazendo com que cada estação de Saturno tenha mais de sete anos terrestres. A Terra está inclinada em relação ao Sol, o que altera a quantidade de luz solar que cada hemisfério recebe à medida que o nosso planeta se move na sua órbita. Esta variação na energia solar é o que impulsiona as nossas mudanças sazonais. Saturno também está inclinado, de modo que à medida que as estações mudam naquele mundo distante, a mudança na luz solar pode estar a provocar algumas das suas alterações observadas.

Como Júpiter, o maior planeta do Sistema Solar, Saturno é um “gigante gasoso” feito principalmente de hidrogénio e hélio, embora possa haver um núcleo rochoso bem no interior. Tempestades enormes, algumas quase tão grandes quanto a Terra, ocasionalmente surgem das profundezas da atmosfera. Como muitos dos planetas descobertos em torno de outras estrelas também são gigantes gasosos, os astrónomos anseiam aprender mais sobre como funcionam as suas atmosferas.

Saturno é o segundo maior planeta do Sistema Solar, com mais de 9 vezes o diâmetro da Terra, com mais de 50 luas e um sistema espectacular de anéis composto principalmente de água gelada. Duas destas luas, Titã e Encélado, parecem ter oceanos sob as suas crostas geladas que podem sustentar vida. Titã, a maior lua de Saturno, é a única lua no nosso Sistema Solar com uma atmosfera espessa, incluindo nuvens que fazem chover metano líquido e outros hidrocarbonetos até à superfície, formando rios, lagos e mares. Pensa-se que esta mistura de substâncias químicas seja semelhante à da Terra há milhares de milhões de anos, quando a vida surgiu. A missão Dragonfly da NASA sobrevoará a superfície de Titã, pousando em vários locais para procurar os blocos de construção primordiais da vida.

As observações de Saturno fazem parte do programa OPAL (Outer Planets Atmospheres Legacy) do Hubble. “O programa OPAL permite-nos observar cada um dos planetas exteriores com o Hubble todos os anos, permitindo novas descobertas e observando como cada planeta está a mudar ao longo do tempo,” disse Simon, investigadora principal do OPAL.

Astronomia On-line
23 de Março de 2021


5379: A maior cratera de Titã pode ser o berço perfeito para abrigar vida extraterrestre

CIÊNCIA/ASTROBIOLOGIA/SATURNO

NASA / JPL / Space Science Institute

A maior cratera de Titã, uma das mais promissores luas de Saturno, pode ser o berço perfeito para abrigar vida extraterrestre, segundo um novo estudo cujos resultados foram apresentados na Lunar and Planetary Science Conference, que decorreu nos Estados Unidos.

A comunidade científica anda há muito atenta a Titã, a maior lua de Saturno, tendo em vista a tão procurada vida extraterrestre. A nova investigação vem reforçar estudos anteriores que consideram este satélite natural promissor.

A superfície dr Titã é coberta por hidrocarbonetos orgânicos e acredita-se que exista um oceano líquido a 100 quilómetros abaixo da sua crosta gelada.

Depois de levar a cabo uma série de simulações, a equipa de especialistas concluiu que um asteróide ou cometa poderá ter caído em Titã, misturando estes dois ingredientes, num fenómeno que poderá ter produzido “uma sopa primordial para gerar vida”, tal como explicou o geólogo planetário Álvaro Penteado Crósta, citado pelo portal Science.

De acordo com os cientistas, o calor do impacto terá derretido o gelo, criando um lago na cratera que permaneceu líquido durante um milhão de anos antes de a água voltar a congelar por causa das baixas temperaturas de Titã.

Esta janela de tempo, acredita a equipa, pode ter sido suficiente para que os micróbios tivessem evoluído, aproveitando a água líquida, as molécula orgânicas e o calor do impacto. “Esta situação é muito boa para as bactérias”, explicou a equipa.

Apesar de os resultados serem animadores, existem outros investigadores, como Elizabeth Turtle, chefe da missão Dragonfly no Laboratório de Física Aplicada da Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos, que reiteram que não há ainda “evidências sólidas” que validem este cenário. A missão, que voará rumo a Titã em breve, poderá, contudo, ajudar a resolver a questão, dando força a esta hipótese ou descartando-a.

A procura continua.

Dragonfly, o “robocópetro” que pode vir a morar na exótica lua de Saturno

Dentro de 15 anos, Titã, a exótica lua de Saturno, poder receber um novo “hóspede”. O Laboratório de Física Aplicada…

Ler mais

ZAP ZAP //

Por ZAP
23 Março, 2021


5377: Tempestades de poeira em Marte terão acelerado perda de água

CIÊNCIA/MARTE/ASTRONOMIA/ESA

NASA

As tempestades de poeira em Marte terão acelerado a perda de água no planeta, concluíram dois estudos divulgados, esta segunda-feira, pela Agência Espacial Europeia (ESA).

Segundo os estudos, citados em comunicado pela ESA, Marte terá perdido uma camada de água de dois metros de profundidades a cada mil milhões de anos, mas ainda hoje, apesar de inóspito, vaza pequenas quantidades remanescentes na sua atmosfera.

Actualmente, a água em Marte, que terá sido abundante, só existe sob a forma de gelo ou gás devido à baixa pressão atmosférica.

Dados da sonda europeia Mars Express revelam, de acordo com a ESA, que a fuga de água de Marte para o espaço foi acelerada por tempestades de poeira e pela proximidade do planeta com o Sol, mas sugerem também que uma parte da água “pode ter recuado para o subsolo”.

Os novos estudos, liderados pelos investigadores Anna Fedorova, do Instituto de Investigação Espacial da Academia Russa de Ciências, e Jean-Yves Chaufray, do Laboratório de Atmosferas e Observações Espaciais de França, que assentam nestes dados, complementam informação recentemente obtida a partir do satélite europeu TGO, que aponta para que a perda de água em Marte possa estar ligada a mudanças sazonais.

Anna Fedorova e a sua equipa estudaram, durante oito anos marcianos, o vapor de água na atmosfera do planeta, desde o solo até uma altitude de 100 quilómetros, “região que ainda não havia sido explorada”.

O vapor de água “permaneceu confinado” a menos de 60 quilómetros de altitude quando Marte estava longe do Sol, mas “estendeu-se” até 90 quilómetros de altitude quando o planeta estava mais próximo do Sol.

Perto do Sol, “as temperaturas mais quentes e a circulação mais intensa na atmosfera impediram que a água congelasse a uma determinada altitude”.

“Então, a atmosfera superior fica humedecida e saturada de água, o que explica porque as taxas de fuga de água aumentam durante esta temporada: a água é transportada para mais alto, ajudando a sua fuga para o Espaço”, assinalou a investigadora, citada no comunicado da ESA.

Nos anos em que Marte teve uma tempestade de poeira, a parte superior da atmosfera tornou-se ainda mais húmida, acumulando água em excesso em altitudes de mais de 80 quilómetros.

Para Anna Fedorova, tal significa que “as tempestades de poeira, que são conhecidas por aquecer e perturbar a atmosfera de Marte, também levam água a grandes altitudes”.

No seu estudo, o grupo liderado por Jean-Yves Chaufray acrescenta que parte da água de Marte pode não ter escapado para o Espaço através da atmosfera, mas “recuado” para o subsolo.

“Como nem tudo foi perdido para o Espaço, os nossos resultados sugerem que ou a água se moveu para o subsolo ou as taxas de fuga de água eram muito mais altas no passado”, sustentou o investigador.

ZAP //LusaLusa

Por Lusa
23 Março, 2021


5366: Grande asteróide aproxima-se da Terra, a mais de 2 milhões de quilómetros

CIÊNCIA/ASTRONOMIA/ASTERÓIDES

“Não há risco de colisão com o nosso planeta”, assegura a agência espacial norte-americana. Chamado “2001 FO32” e medindo menos de um quilómetro de diâmetro, ele girará a 124.000 km/h, “mais rápido que a maioria dos asteróides” passando perto da Terra, de acordo com a NASA.

Asteróides são corpos rochosos com órbita definida em redor do Sol
© D.R.

O maior asteróide aproximar-se da Terra em 2021 passará neste Domingo, porém a cerca de dois milhões de quilómetros de distância, sem qualquer risco de colisão. Mas o evento permitirá que os astrónomos estudem o objecto celestial.

Chamado “2001 FO32” e medindo menos de um quilómetro de diâmetro, gira a 124.000 km/h, “mais rápido que a maioria dos asteróides” passando perto da Terra, de acordo com a NASA.

O corpo rochoso deve passar pelo ponto mais próximo do nosso planeta neste domingo às 16h02 GMT . Estará então a 2.016.158 km da Terra, ou cerca de cinco vezes a distância Terra-Lua.

“Não há risco de colisão com o nosso planeta”, assegura a agência espacial norte-americana. Sua trajectória é, de facto, “suficientemente conhecida e regular” para descartar qualquer perigo, garantem os especialistas do Observatório Paris-PSL.

O grande corpo rochoso é, no entanto, classificado como “potencialmente perigoso”, como todos os asteróides cuja órbita é inferior a 19,5 vezes a distância Terra-Lua e cujo diâmetro é superior a 140 metros.

Interesse científico

Esta categoria é “incansavelmente procurada por astrónomos de todo o mundo para fazer um inventário o mais exaustivo possível”, salienta o Observatório, recordando que o primeiro – e maior – asteróide, Ceres, foi descoberto em 1801.

O asteroide “2001 FO32” foi observado pela primeira vez em 2001 e tem sido objecto de estreita vigilância desde então. Pertence à família “Apollo” de asteróides próximos da Terra, que circundam o Sol em pelo menos um ano e podem cruzar a órbita terrestre.

“Actualmente, pouco se sabe sobre este objecto, então esta passagem próxima nos dá uma oportunidade incrível de aprender muito”, disse Lance Benner, cientista do Laboratório de Propulsão a Jacto da NASA, do qual depende o Centro de Estudos de Objectos Próximos à Terra (CNEOS).

De acordo com o CNEOS, “astrónomos amadores no hemisfério sul e em baixas latitudes no norte devem ser capazes de vê-lo”.

“Teremos que esperar até escurecer e armar-nos com um bom telescópio de pelo menos 20 centímetros de diâmetro”, precisou à AFP Florent Delefie, do Observatório de Paris.

“Devemos ver um ponto branco a mover-se como um satélite“, acrescentou o astrónomo.

A trajectória nada tem a ver com a das estrelas cadentes, que são asteróides pequenos que formam uma linha luminosa que divide o céu em uma fracção de segundo.

Nenhum dos grandes asteróides listados tem chance de colidir com a Terra no próximo século.

Diário de Notícias
DN / AFP
21 Março 2021 — 13:28

(artigo relacionado: The largest asteroid of the year will swing by Earth on Sunday. But don’t worry)


5363: Descobertas bactérias desconhecidas na Estação Espacial Internacional

CIÊNCIA/MICROBIOLOGIA/EEI

NASA/Roscosmos
Estação Espacial Internacional

Cientistas descobriram quatro estirpes de bactérias que vivem em vários locais da Estação Espacial Internacional (EEI), três das quais eram, até agora, completamente desconhecidas para a ciência.

De acordo com o site Science Alert, três das quatro estirpes foram isoladas em 2015 e em 2016: uma foi encontrada num painel superior das estações de pesquisa da EEI, a segunda foi encontrada na Cúpula, a terceira na superfície da mesa de jantar e a quarta num antigo filtro HEPA devolvido à Terra em 2011.

As quatro pertencem a uma família de bactérias encontradas no solo e na água doce, estando envolvidas na fixação de azoto e no crescimento das plantas (podendo também ajudar a evitar os seus patógenos).

Apesar de poder parecer estranho encontrar bactérias do solo na longínqua Estação Espacial Internacional, a verdade é que há uma razão muito simples por detrás disto: há vários anos que os astronautas que lá vivem cultivam alimentos.

Uma das estirpes – a que foi encontrada no filtro HEPA – foi identificada como uma espécie conhecida chamada Methylorubrum rhodesianum. As outras três foram sequenciadas e descobriu-se que pertencem à mesma espécie, que nunca tinha sido identificada, e foram denominadas IF7SW-B2T, IIF1SW-B5 e IIF4SW-B5.

Sabendo que estes micro-organismos podem sobreviver às duras condições da EEI, os cientistas fizeram uma análise genética às quatro estirpes para procurar genes que possam ser usados para ajudar a promover o crescimento das plantas.

A equipa descobriu que uma delas – a IF7SW-B2T – continha genes promissores relativamente a esta questão, incluindo um gene para uma enzima essencial para a citocinina, que promove a divisão celular em raízes e rebentos.

O estudo foi publicado, esta segunda-feira, na revista científica Frontiers in Microbiology.

ZAP ZAP //

Por ZAP
21 Março, 2021


5358: NASA’s future Moon rocket completes critical hot-fire test

SCIENCE/NASA/MOON ROCKET

The Space Launch System came alive for over eight minutes

GIF by Nick Statt / The Verge

NASA test-fired the core stage of its massive Space Launch System rocket on Thursday, rattling its south Mississippi test facilities for a duration well beyond what engineers needed for a clean demonstration. The team carried out its second attempt for the hot-fire run after cutting short an initial firing in January. Pending a review of the test’s data, engineers are aiming to ship the rocket stage to Florida ahead of its debut test flight to the Moon under NASA’s Artemis program.

Mounted in a behemoth test facility at NASA’s Stennis Space Center, the 212-foot-tall rocket stage’s four RS-25 engines ignited together for over eight minutes to test the conditions of a real liftoff. NASA and its prime contractor, Boeing, needed to reach at least four minutes of continuous test time to call it a success. With eight minutes, “they should have gotten what they need,” NASA spokeswoman Leigh D’Angelo said.

GIF by Nick Statt / The Verge
GIF by Nick Statt / The Verge

“They clearly got the full duration they were after, which is really great news,” NASA’s Green Run campaign manager, Bill Wrobel, said right after the engines shut down. “Clearly there’s a lot of data that has to be analyzed.”

The engine run was a crucial last step in the SLS program’s so-called Green Run test campaign. If the data checks out, it will make its way via boat to NASA’s Kennedy Space Center in Florida for final assembly. The rocket’s first launch, Artemis I, will send an uncrewed Orion astronaut capsule on a trip around the Moon early next year.

SLS is NASA’s centerpiece rocket for its Artemis program, an ambitious campaign to return humans to the Moon and later to Mars. Billed as the strongest rocket since the Apollo program’s Saturn V, its decade-long development has been marred by billions in cost overruns and delays. By the time it flies for the first time, its costs may reach nearly $20 billion, according to NASA’s inspector general.

Boeing, the prime contractor that builds the core stage, said the test “demonstrated successful core stage operation and will be used to help certify the stage for flight.”

“Deep space exploration took an important step forward today,” the statement added.

The Verge

18/03/2021


5355: Perscrutando o núcleo empoeirado de uma galáxia para estudar um buraco negro super-massivo activo

CIÊNCIA/ASTRONOMIA

Centaurus A ostenta um disco central deformado de gás e poeira, que é evidência de uma colisão e fusão com outra galáxia. Também tem um núcleo galáctico activo que emite fatos periodicamente. É a quinta galáxia mais brilhante do céu e fica a apenas 13 milhões de anos-luz da Terra, tornando-se um alvo ideal para estudar um núcleo galáctico activo – um buraco negro super-massivo que emite jactos e ventos – com o Telescópio Espacial James Webb da NASA.
Crédito: raios-X – NASA/CXC/SAO; ótico – Rolf Olsen; infravermelho – NASA/JPL-Caltech; rádio – NRAO/AUI/NSF/Univ.de Hertfordshire/M. Hardcastle

Investigadores vão em breve mapear e modelar o núcleo da galáxia vizinha Centaurus A com o Telescópio Espacial James Webb da NASA.

Centaurus A é uma galáxia gigante, mas as suas aparições em observações telescópicas podem enganar. Faixas de poeira escura e jovens enxames de estrelas azuis, que cruzam a sua região central, são aparentes no ultravioleta, no visível e no infravermelho próximo, pintando uma paisagem bastante moderada. Mas se mudarmos para comprimentos de onda em raios-X e rádio desvenda-se uma cena muito mais “barulhenta”: do núcleo da galáxia elíptica disforme, jactos espectaculares de material irromperam do seu buraco negro super-massivo – conhecido como núcleo galáctico activo – enviando material para o espaço muito além dos limites da galáxia.

O que, precisamente, está a acontecer no seu núcleo para provocar toda esta actividade? As próximas observações lideradas por Nora Lützgendorf e Macarena García Marín da ESA usando o Telescópio Espacial James Webb da NASA permitirão aos cientistas examinar através do seu núcleo empoeirado em alta resolução para, pela primeira vez, começar a responder a estas perguntas.

“Há tanta coisa a acontecer em Centaurus A,” explica Lützgendorf. “O gás, o disco e as estrelas da galáxia movem-se sob a influência do seu buraco negro super-massivo central. Dado que a galáxia está tão perto de nós, seremos capazes de usar o Webb para criar mapas bidimensionais para ver como o gás e as estrelas se movem na sua região central, como são influenciados pelos jactos do seu núcleo galáctico activo e, em última análise, caracterizar melhor a massa do seu buraco negro.”

Uma rápida retrospectiva

Cliquemos no botão “retroceder” para rever um pouco do que já se sabe sobre Centaurus A. É bem estudada porque está relativamente próxima – a cerca de 13 milhões de anos-luz – o que significa que podemos resolver claramente a galáxia inteira. O primeiro registo foi feito em meados do século XIX, mas os astrónomos perderam o interesse até à década de 1950 porque a galáxia parecia ser uma galáxia elíptica quieta, embora deformada. Assim que os investigadores começaram a observá-la com radiotelescópios nas décadas de 1940 e 50, Centaurus A tornou-se radicalmente mais interessante – os seus jactos tornaram-se visíveis. Em 1954, os cientistas descobriram que Centaurus A é o resultado de duas galáxias que se fundiram, o que mais tarde foi estimado ter ocorrido há 100 milhões de anos.

Com mais observações no início dos anos 2000, os investigadores estimaram que há cerca de 10 milhões de anos, o seu núcleo galáctico activo disparou jactos gémeos em direcções opostas. Quando examinada em todo o espectro electromagnético, desde raios-X ao rádio, fica claro que há muito mais nesta história que ainda precisamos de aprender.

“Os estudos em vários comprimentos de onda de qualquer galáxia são como camadas de uma cebola. Cada comprimento de onda mostra algo diferente,” disse Marin. “Com os instrumentos de infravermelho próximo e médio do Webb, veremos gás e poeira muito mais frios do que em observações anteriores e aprenderemos muito mais sobre o ambiente no centro da galáxia.”

Visualizando os dados do Webb

A equipa liderada por Lützgendorf e Marín vai observar Centaurus A não apenas obtendo imagens com o Webb, mas reunindo dados conhecidos como espectros, que espalham a luz nos seus comprimentos de onda componentes, como um arco-íris. Os espectros do Webb vão revelar informações de alta resolução sobre as temperaturas, velocidades e composições do material no centro da galáxia.

Em particular, o NIRSpec (Near Infrared Spectrograph) e o MIRI (Mid-Infrared Instrument) do Webb vão fornecer à equipa de investigação uma combinação de dados: uma imagem mais um espectro de cada pixel dessa imagem. Isto permitirá que os investigadores construam intrincados mapas 2D dos espectros que os ajudarão a identificar o que está a acontecer por trás do véu de poeira no centro – e analisá-lo em profundidade de muitos ângulos.

Compare este estilo de modelagem com a análise de um jardim. Da mesma forma que os botânicos classificam as plantas com base em conjuntos específicos de características, estes cientistas vão classificar os espectros do MIRI do Webb para construir “jardins” ou modelos. “Se tirarmos uma foto de um jardim a uma grande distância,” explicou Marín, “veremos algo verde, mas com o Webb, vamos poder ver folhas e flores individuais, os seus caules e talvez o solo por baixo.”

À medida que a equipa de pesquisa analisa os espectros, vão construir mapas de partes individuais do jardim, comparando um espectro com outro espectro próximo. Isto é análogo a determinar que partes contêm que espécies de plantas com base nas comparações de “caules,” “folhas,” e “flores” à medida que avançam.

“Quando se trata da análise espectral, fazemos muitas comparações,” continuou Marín. “Se eu comparar dois espectros nesta região, talvez descubra que o que foi observado contém uma população proeminente de estrelas jovens. Ou talvez confirme quais as áreas que são poeirentas e aquecidas. Ou talvez identifiquemos emissão oriunda do núcleo galáctico activo.”

Por outras palavras, o “ecossistema” de espectros tem vários níveis, que permitirão à equipa definir com melhor precisão o que está presente e onde está presente – o que é possível graças aos instrumentos infravermelhos especializados do Webb. E, dado que estes estudos terão como base os muitos que os antecederam, os astrónomos serão capazes de confirmar, refinar ou abrir novos caminhos identificando novas características.

“Pesando” o buraco negro de Centaurus A

A combinação de imagens e espectros fornecidos pelo NIRSpec e pelo MIRI permitirá que a equipa crie mapas de altíssima resolução das velocidades do gás e das estrelas no centro de Centaurus A. “Nós planeamos usar estes mapas para modelar como todo o disco no centro da galáxia se move para determinar com mais precisão a massa do buraco negro,” explica Lützgendorf.

Dado que os investigadores entendem como a gravidade de um buraco negro governa a rotação do gás próximo, podem usar os dados do Webb para “pesar” o buraco negro em Centaurus A. Com um conjunto mais completo de dados infravermelhos, também determinarão se partes diferentes do gás estão a comportar-se conforme o previsto. “Estou ansiosa por preencher totalmente os nossos dados,” disse Lützgendorf. “Espero ver como o gás ionizado se comporta e gira, e onde podemos ver os jactos.”

Os investigadores também esperam abrir novos caminhos. “É possível que encontremos coisas que ainda não considerámos,” explica Lützgendorf. “Em alguns aspectos, estaremos a cobrir um território completamente novo com o Webb.” Marín concorda totalmente e acrescenta que é de valor incalculável aproveitar a grande quantidade de dados. “Os aspectos mais interessantes destas observações é o potencial para novas descobertas,” disse. “Acho que podemos encontrar algo que nos faça olhar para trás para outros dados e reinterpretar o que foi visto antes.”

Estes estudos de Centaurus A serão realizados como parte dos programas conjuntos de Tempo de Observação Garantido de Gillian Wright e Pierre Ferruit. Todos os dados do Webb serão armazenados no MAST (Barbara A. Mikulski Archive for Space Telescopes) no STScI (Space Telescope Science Institute) em Baltimore, EUA.

Astronomia On-line
19 de Março de 2021


5353: Space station tosses 2.9-ton hunk of space junk overboard. It will stay in orbit for years.

SCIENCE/ISS/SPACE JUNK

The SUV-sized pallet of old batteries is the most massive object the station has ever jettisoned.

The International Space Station jettisons a 2.9-ton pallet carrying used batteries on March 11, 2021. This photo was posted on Twitter by NASA astronaut Mike Hopkins. (Image credit: NASA/Mike Hopkins via Twitter)

The International Space Station got a little lighter last week.

The orbiting lab discarded a 2.9-ton (2.6 metric tons) pallet of used batteries on Thursday morning (March 11) — the most massive object it has ever jettisoned, NASA spokesperson Leah Cheshier told Gizmodo.

The space junk is expected to fall back to Earth in two to four years, agency officials wrote in an update last week. That update also stated that the pallet will burn up “harmlessly in the atmosphere,” but not everyone is convinced that’s the case.

Related: 7 wild ways to destroy orbital debris

“This strikes me (haha, a pun given the circumstances) as dangerous. It seems big and dense so unlikely to burn up completely,” astronomer and author Phil Plait, whose “Bad Astronomy” blog runs on Syfy Wire, wrote on Twitter Thursday.

“Yes. On the other hand e.g. Tiangong-1 was 7500 kg [kilograms], much bigger. But I would say given how dense EP9 is, it’s concerning, albeit at the low end of concerning,” responded astronomer and satellite Jonathan McDowell, who’s based at the Harvard-Smithsonian Center for Astrophysics in Cambridge, Massachusetts.

Related:  The Biggest Spacecraft Ever to Fall Uncontrolled From Space

Tiangong-1 was China’s first prototype space station, which hosted astronaut crews in 2012 and 2013. The school-bus-sized craft ended up crashing back to Earth over the southern Pacific Ocean in April 2018.

EP9, short for “Exposed Pallet 9,” is the recently jettisoned object. EP9 came to the station last year on a Japanese H-II Transfer Vehicle (HTV), as part of the effort to replace the orbiting lab’s old nickel-hydrogen batteries with new lithium-ion ones — an extended process that has required a number of spacewalks over the past five years.

Previously, the old batteries were packed into the disposable HTV, which carried them down to their doom in Earth’s atmosphere. But the October 2018 launch failure of a Soyuz rocket carrying NASA astronaut Nick Hague and cosmonaut Alexey Ovchinin disrupted this pattern, Spaceflight Now reported. (Hague and Ovchinin ended up landing safely, thanks to their Soyuz capsule’s launch-abort system.) And EP9 came up on the ninth and final HTV, meaning it was left without a doomsday ride.

So space station managers decided to jettison the battery-packed pallet. On Thursday morning, ground controllers at NASA’s Johnson Space Center in Houston commanded the orbiting lab’s 57.7-foot-long (17.6 meters) robotic arm to release EP9 into orbit, NASA officials wrote in the update.

The SUV-sized pallet has plenty of space-junk company up there. According to the European Space Agency, researchers estimate that Earth orbit is cluttered with about 34,000 debris objects at least 4 inches (10 centimeters) wide and 128 million pieces that are 1 millimeter across or larger.

Mike Wall is the author of “Out There” (Grand Central Publishing, 2018; illustrated by Karl Tate), a book about the search for alien life. Follow him on Twitter @michaeldwall. Follow us on Twitter @Spacedotcom or Facebook. 

Live Science
By Mike Wall – Space.com Senior Writer
17/03/2021


5352: How a metal with a memory will shape our future on Mars

SCIENCE/MARS/METAL NITINOL

A metal that can move on its own will play a key role in NASA’s next voyage to Mars

A rover on the Moon has metal wheels that can flex around rocky obstacles, then reshape back to their original form. On Earth, surgeons install tiny mesh tubes that can dilate a heart patient’s blood vessels all on their own, without mechanical inputs or any wires to help.

These shape-shifting capabilities are all thanks to a bizarre kind of metal called nitinol, a so-called shape-metal alloy that can be trained to remember its own shape. The decades-old material has become increasingly common in a wide range of everyday applications. And in the next decade, the metal will face its most challenging application yet: a sample return mission on Mars.

Nitinol, made of nickel and titanium, works its magic through heat. To “train” a paper clip made of nitinol, for example, you heat it at 500 degrees Celsius in its desired shape, then splash it in cold water. Bend it out of shape, then return the same heat source, and the metal will eerily slink back into its original form.

The temperature that triggers nitinol’s transformation varies depending on the fine-tuned ratio of nickel to titanium. Engineers can tweak the metal to adapt to a wide array of conditions, making it a key tool in places where complex mechanics won’t fit, like the blood vessels surrounding a human heart or a hinge that positions a solar panel by responding to the sun’s heat.

The Verge spoke with engineers at NASA’s Glenn Research Center to see how nitinol will play a role in a mission to retrieve humanity’s first cache of pristine Martian soil samples — the second leg of a Mars mission campaign led by NASA and the European Space Agency. Check out the video above to see how and to see nitinol in action. (We promise, it’s not CGI.)

The Verge


5350: Observado pela primeira vez o nascimento das misteriosas tempestades aurorais de Júpiter

CIÊNCIA/ASTROFÍSICA

ULiège / IMAGE / WIC / MODIS / STScI / UVS / SwRI / JPL-Caltech / NASA

Novos resultados do instrumento Ultraviolet Spectrograph na missão Juno da NASA revelam, pela primeira vez, o nascimento das tempestades aurorais – o brilho único da manhã das auroras de Júpiter.

Estas imensas exibições transitórias de luz ocorrem em ambos os pólos de Júpiter e já tinham sido observadas anteriormente por observatórios na órbita terrestre, como é o caso do Telescópio Espacial Hubble da NASA.

Descobertas pela primeira vez pela Faint Object Camera do Hubble em 1994, as tempestades da madrugada consistem num brilho e alargamento de curta duração, mas intenso, do oval auroral principal de Júpiter – uma cortina de luz que envolve os dois pólos – perto de onde a atmosfera emerge da escuridão na região do início da manhã.

Antes das imagens de  Juno, as observações da aurora ultravioleta de Júpiter forneciam apenas vistas laterais, escondendo tudo o que acontecia no lado nocturno do planeta.

“Observar a aurora de Júpiter da Terra não permite que se veja além do limbo, no lado nocturno dos pólos de Júpiter. Explorações por outras naves espaciais – Voyager, Galileo, Cassini – aconteceram a distâncias relativamente grandes e não voaram sobre os pólos, por isso não conseguiram ver a imagem completa”, disse Bertrand Bonfond, investigador da Universidade de Liège, na Bélgica, em comunicado.

“É por isso que os dados do Juno são uma verdadeira virada de jogo, permitindo-nos compreender melhor o que está a acontecer à noite, onde nascem as tempestades do amanhecer”, acrescentou o cientista.

Os investigadores descobriram que as tempestades da madrugada nascem no lado nocturno do gigante gasoso. Conforme o planeta gira, a tempestade do amanhecer seguinte gira com Júpiter para o lado diurno, onde estas complexas e intensamente brilhantes feições aurorais tornam-se ainda mais luminosas, emitindo de centenas a milhares de giga-watts de luz ultravioleta para o Espaço.

O salto no brilho implica que as tempestades do amanhecer despejam pelo menos 10 vezes mais energia na atmosfera superior de Júpiter do que a aurora típica.

“Quando olhámos para toda a sequência da tempestade do amanhecer, não conseguimos deixar de notar que são muito semelhantes a um tipo de auroras terrestres chamadas sub-tempestades”, disse Zhonghua Yao, da Universidade de Liège.

As substâncias resultam de breves distúrbios na magnetosfera da Terra – a região do Espaço controlada pelo campo magnético do planeta – que liberta energia para a ionosfera do planeta.

A semelhança entre as sub-tempestades terrestres e jupiterianas é surpreendente porque as magnetosferas de Júpiter e da Terra são radicalmente diferentes. Na Terra, a magnetosfera é essencialmente controlada pela interacção do vento solar – a corrente de partículas carregadas que fluem do Sol – com o campo magnético da Terra.

Já a magnetosfera de Júpiter é principalmente povoada por partículas que escapam da lua vulcânica Io, que ficam ionizadas e aprisionadas ao redor do gigante gasoso devido ao seu campo magnético.

Estas novas descobertas vão permitir um estudo mais aprofundado das diferenças e semelhanças que impulsionam a formação da aurora, proporcionando uma melhor compreensão de como estes fenómenos planetários ocorrem em mundos dentro e fora do nosso Sistema Solar.

Flashes de luz sob a forma de “duendes” observados pela primeira vez em Júpiter

A missão Juno da NASA detectou pela primeira vez flashes de luz sobre a forma de “duendes” ou “elfos” na…

Ler mais

“O poder que Júpiter possui é incrível. A energia nestas auroras do amanhecer é mais um exemplo de como este planeta gigante realmente é poderoso”, disse Scott Bolton, principal investigador de Juno do Southwest Research Institute. “As revelações da tempestade do amanhecer são outra surpresa da missão Juno, que está constantemente a reescrever o livro sobre como o gigante funciona”.

Este estudo foi publicado este mês na revista científica AGU Advances.

Por Maria Campos
18 Março, 2021


5332: Newfound super-Earth alien planet whips around its star every 0.67 days

SCIENCE/ALIEN PLANET

Say hello to the extreme ‘super-Earth’ TOI-1685 b.

NASA’s Transiting Exoplanet Survey Satellite (TESS) is on the search for planets outside our solar system, including those that could support life. The mission finds exoplanets that periodically block part of the light from their host stars — events called transits. (Image credit: NASA/GSFC)

We keep getting reminders that the Milky Way’s planetary diversity dwarfs what we see in our own solar system.

The newfound exoplanet TOI-1685 b is yet another case in point. Astronomers found it circling a dim red dwarf star about 122 light-years from Earth. “Circling” is too ordinary a world for TOI-1685 b’s motion, however; the alien world whips around its parent star once every 0.67 Earth days.

Red dwarfs, also known as M dwarfs, are much smaller and dimmer than Earth’s sun, but TOI-1685 b’s extreme proximity to its host star, called TOI-1685, makes it a very toasty world nonetheless. The discovery team estimates its surface temperature to be around 1,465 degrees Fahrenheit (796 degrees Celsius).

Related: The strangest alien planets (gallery)

The researchers, led by Paz Bluhm of Heidelberg University in Germany, first spotted TOI-1685 b in observations made by NASA’s Transiting Exoplanet Survey Satellite (TESS). As its name suggests, TESS looks for transits, the tiny brightness dips caused by planets crossing their host stars’ faces from the Earth-orbiting spacecraft’s perspective.

TESS noted such a dip around the red dwarf TOI-1685. Bluhm and her colleagues then confirmed the planet’s existence using data gathered by the CARMENES spectrograph instrument, which is installed on the 3.5-meter telescope at the Calar Alto Observatory in Spain. (CARMENES is short for “Calar Alto high-Resolution search for M dwarfs with Exo-earths with Near-infrared and optical Echelle spectrographs.)

CARMENES hunts for planets using the radial velocity, or Doppler, method — looking for little wobbles in a star’s motion caused by the gravitational tug of an orbiting planet.

Related: 7 ways to discover alien planets

The combined data allowed the team to determine that TOI-1685 b is a “super-Earth” about 1.7 times bigger, and 3.8 times more massive, than our home planet. The resulting bulk density — about 4.2 grams per cubic centimeter, or 0.15 lbs. per cubic inch — makes TOI-1685 b “the least dense ultra-short period planet around an M dwarf known to date,” Bluhm and her colleagues wrote in the discovery paper, which you can read for free on the online preprint site arXiv.org. (The paper has not yet been published in a peer-reviewed journal.)

For perspective: Earth’s bulk density is about 5.5 grams per cubic centimeter, or 0.20 lbs. per cubic inch.

The fact that TOI-1685 b transits and is quite warm makes it a good candidate for follow-up study by other instruments, the researchers wrote. In that regard, TOI-1685 b is similar to another recent exoplanet find made using TESS and CARMENES data, Gliese 486 b.

Bluhm and her team also saw another signal in the CARMENES TOI-1685 data, which could indicate a second planet in the system that orbits once every nine Earth days. If this candidate planet exists, it doesn’t transit, because TESS recorded no corresponding signal, the researchers wrote.

Mike Wall is the author of “Out There” (Grand Central Publishing, 2018; illustrated by Karl Tate), a book about the search for alien life. Follow him on Twitter @michaeldwall. Follow us on Twitter @Spacedotcom or Facebook. 

Live Science
By Mike Wall – Space.com Senior Writer
15/03/2021


5317: SuperCam do Perseverance transmite os primeiros dados

CIÊNCIA/ASTRONOMIA/MARTE/PERSEVERANCE

Combinando duas imagens, este mosaico mostra uma ampliação da rocha denominada “Yeehgo” obtida pelo instrumento SuperCam do rover Perseverance da NASA em Marte. As imagens foram obtidas pelo RMI (Remote Micro-Imager) da SuperCam. Para ser compatível com o software do rover, “Yeehgo” tem uma grafia diferente de “Yéigo”, a palavra Navajo para “diligente”.
Crédito: NASA/JPL-Caltech/LANL/CNES/CNRS

As primeiras leituras do instrumento SuperCam a bordo do rover Perseverance da NASA chegaram à Terra. A SuperCam foi desenvolvida em conjunto pelo Laboratório Nacional de Los Alamos no estado norte-americano do Novo México e por um consórcio de laboratórios de pesquisa franceses sob a liderança do CNES (Centre National d’Etudes Spatiales). O instrumento forneceu dados ao centro de operações da agência espacial francesa em Toulouse, que incluem o primeiro áudio de disparos de laser noutro planeta.

“É incrível ver a SuperCam a funcionar tão bem em Marte,” disse Roger Wiens, investigador principal do instrumento SuperCam do rover no Laboratório Nacional de Los Alamos, no Novo México. “Quando sonhámos pela primeira vez com este instrumento, há oito anos, estávamos preocupados por sermos ambiciosos demais. Agora, está em Marte a funcionar como um encanto.”

“Empoleirada no topo do mastro do rover, a cabeça do sensor de 5,6 kg da SuperCam pode realizar cinco tipos de análises para estudar a geologia de Marte e ajudar os cientistas a escolher quais as rochas que o rover deverá amostrar na sua busca por sinais de antiga vida microbiana. Desde o pouso do rover de dia 18 de Fevereiro que a missão tem realizado verificações da saúde de todos os seus sistemas e subsistemas. Os primeiros dados dos testes da SuperCam – incluindo sons do Planeta Vermelho – foram intrigantes.

“Os sons adquiridos são de qualidade notável, diz Naomi Murdoch, investigadora da escola de engenharia aeroespacial ISAE-SUPAERO em Toulouse. “É incrível pensar que vamos fazer ciência com os primeiros sons já gravados à superfície de Marte!”

No dia 9 de Março, a missão divulgou três ficheiros de áudio da SuperCam. Obtidos apenas 18 horas após a aterragem, quando o mastro permanecia ainda retraído no convés do veículo marciano, o primeiro ficheiro captura os sons fracos do vento marciano.

O vento é mais audível, especialmente por volta dos 20 segundos, no segundo ficheiro de som, gravado no quarto dia marciano, ou sol.

O terceiro ficheiro da SuperCam, do sol 12, inclui os sons dos disparos de laser a impactar 30 vezes um alvo rochoso a uma distância de aproximadamente 3,1 metros. Alguns dos “zaps” soam ligeiramente mais altos do que outros, fornecendo informações sobre a estrutura física dos alvos, como a sua relativa dureza.

“Quero estender os meus sinceros agradecimentos e parabéns aos nossos parceiros internacionais no CNES e à equipa da SuperCam por fazer parte desta jornada importante,” disse Thomas Zurbuchen, administrador associado de ciência na sede da NASA em Washington. “A SuperCam realmente dá ao nosso rover olhos para ver amostras de rochas promissoras e ouvidos para ouvir o som dos lasers quando as atingem. Esta informação será essencial para determinar quais as amostras a armazenar em cache e, em última análise, a enviar para a Terra através da nossa campanha MSR (Mars Sample Return), que será um dos feitos mais ambiciosos já realizados pela humanidade.”

A equipa da SuperCam também recebeu excelentes primeiros conjuntos de dados do sensor VISIR (Visible and InfraRed) bem como do seu espectrómetro Raman. O VISIR recolhe a luz reflectida do Sol para estudar o conteúdo mineral de rochas e sedimentos. Esta técnica complementa o espectrómetro Raman, que usa um feixe de laser verde para excitar as ligações químicas numa amostra a fim de produzir um sinal dependendo de quais os elementos ligados, que por sua vez fornece informações sobre a composição mineral de uma rocha.

“Esta é a primeira vez que um instrumento usa a espectroscopia Raman em qualquer lugar que não a Terra! disse Olivier Beyssac, director de pesquisa do CNRS no Institut de Minéralogie, de Physique des Matériaux et de Cosmochimie em Paris. “A espectroscopia Raman vai desempenhar um papel crucial na caracterização de minerais para obter uma visão mais profunda das condições geológicas sob as quais se formaram e na potencial detecção de moléculas orgânicas e minerais que podem ter sido formados por organismos vivos.”

Astronomia On-line
12 de Março de 2021


5309: Relax with the calming sound of NASA’s Perseverance firing lasers on Mars

SCIENCE/MARS/PERSEVERANCE

As it analyses surrounding rocks

Perseverance touched down on Mars last month. Photo: NASA/JPL

NASA has released an audio recording of its Perseverance rover firing lasers on the martian surface. The strikes, which sound like a series of small clicks, are designed to help scientists analyze the rocks around the rover. In this case the target was a rock called “Máaz,” which scientists were able to discover was basaltic, BBC News reports, meaning it contains a lot of magnesium and iron.

According to NASA’s site, the laser is fired by Perseverance’s “SuperCam,” and allows the rover to “zap and study areas on a rock as small as the period at the end of this sentence” from a distance of 20 feet (7 meters) away. Once the laser has fired at a rock, it uses its camera and spectrometer to analyze the hot gas the rock is vaporized into. The sound the laser creates offers additional data on the rock being studied.

Since its successful landing last month, Perseverance has sent back a variety of images and audio recordings from the surface of Mars. Although images from the planet are nothing new, this is the first time a Mars rover has actually used a microphone from the surface of Mars. NASA’s site notes that of two previous spacecraft that have carried microphones to Mars, one failed, and the other never turned its microphone on.

All of these data points are essential to help the SUV-sized rover as it goes about its mission seeking out signs of life and analyzing the geology of the red planet. It’s currently scheduled to spend one Mars year, or two Earth years, exploring the area around its landing site, which is suspected to have been a lake billions of years ago.

The Verge


5297: Meteor explodes over Vermont with the force of 440 pounds of TNT

SCIENCE/ASTRONOMY/METEOR

It was the size of a bowling ball but exploded like 440 pounds of TNT

(Image credit: Michael Dunning/Getty Images)

A meteor streaked through the night sky over Vermont on Sunday (March 7), creating a spectacular light show and causing Earth-shaking booms as it burned through the atmosphere.

The meteor’s explosive passage through the atmosphere released the equivalent of 440 pounds (200 kilograms) of TNT, suggesting that the meteor was likely 10 pounds (4.5 kg) and 6 inches (15 centimeters) in diameter, according to NASA Meteor Watch.

The space rock smacked into the atmosphere at about 42,000 mph (68,000 kph), according to NASA. It appeared over the northern part of the state as a bright fireball at 5:38 p.m. EST, just before sunset.

A NASA map shows the approximate path of the meteor over Vermont on March 7, 2021. (Image credit: NASA Meteor Watch)

Local news station WCAX3 reported calls from all over the state after the event, with Vermonters describing a “loud boom and body-rattling vibration” as the meteor passed overhead.

Related: Space-y tales: The 5 strangest meteorites

“I was fortunate to hear and see it by the Missisquoi River at the Missisquoi Wildlife Refuge in Swanton, VT, just before sunset,” wrote Chris Hrotic, a commenter on NASA’s initial post about the event. “No loud boom as reported by others, but a rushing sound that made me look up at just the right moment. It was extremely bright and absolutely spectacular!”

Based on eyewitness accounts, NASA estimates that the fireball first appeared 52 miles (84 km) over Mount Mansfield State Forest just east of Burlington, the state’s largest city. It then progressed 33 miles (53 km) northeast toward the Canadian border, disappearing 33 miles (53 km) above the ground south of the town of Newport.

According to NASA, the shock wave was a result of the meteor fracturing due to atmospheric pressure. As the bowling ball-size chunk of a larger parent asteroid moved at nearly 55 times the speed of sound through the atmosphere, pressure built up in front of it and a vacuum formed behind it. Eventually, the stress of that differential caused the rock to explode.

In comments on NASA’s initial Facebook post about the incident, people claimed to have seen the rock from as far west as Saratoga, New York, as far north as Quebec, and as far east as Watertown, Massachusetts.

Originally published on Live Science.
By Rafi Letzter – Staff Writer
09/03/2021


Hubble Space Telescope just entered ‘safe mode’

SCIENCE/ASTRONOMY

It’s not clear when the iconic space telescope will be back online.

The Hubble Space Telescope photographed in 2009 at the start of the mission to upgrade and repair it. (Image credit: NASA Goddard)

The Hubble space telescope entered into “safe mode” due to a software error at around 4 a.m. ET on Sunday (March 7). But don’t worry, the telescope isn’t in danger of shutting down permanently.

“All science systems appear normal and Hubble is safe and stable,” the Hubble team wrote on Twitter. “The team is working [on] plans to safely return it to normal science operations.”

Safe mode is a protective feature that temporarily stops science observations and orients the Hubble’s solar panels toward the sun to make sure it has enough power, according to an article NASA posted in 2018, the last time the telescope entered safe mode. The satellite remains in safe mode until ground control can fix the issue.

Related: 26 Cosmic Photos from the Hubble Space Telescope’s Ultra Deep Field

In 2018, Hubble went into safe mode after one of its gyroscopes — instruments that help orient the satellite — failed. About three weeks later, the team was able to remotely fix a backup gyroscope that wasn’t working properly, and Hubble returned to normal operations. It’s not yet clear what software error caused Hubble’s current stint of hibernation, and it’s also not clear how long recovery will take.

Since its launch in 1990, the iconic Hubble space telescope has been gazing out into our universe, studying interstellar objects, planets, stars, supermassive black holes and space phenomena such as merging galaxies, according to NASA. And more than 30 years later —  double its planned lifetime — it’s still going strong.

The Hubble telescope has made more than 1.4 million observations and fueled the publication of more than 18,000 peer-reviewed science papers.

“In its over 30 years of operation, Hubble has made observations that have captured humanity’s imaginations and deepened our knowledge of the cosmos,” according to NASA. “It will continue to do so for years to come.” (NASA hasn’t yet released an official statement on Sunday’s “safe mode” incident.)

Originally published on Live Science.
By Yasemin Saplakoglu – Staff Writer
09/03/2021


5276: NASA’s Perseverance rover scoots around on Mars for the first time

SCIENCE/MARS/PERSEVERANCE

One small scoot for Perseverance, one giant leap for mission teams back on Earth

A trail of wheel tracks left by NASA’s Perseverance rover after making its first drive on the Martian surface NASA/JPL

Perseverance, the car-sized rover NASA landed on Mars last month, has taken its first spin on the rocky surface of Jezero Crater, NASA announced today. The rover’s six wheels drove about 21 feet to carry out a key mobility test on Thursday, as engineers back on Earth prepare to execute the mission’s core science objectives.

The rover’s six aluminum wheels left tracks on the Martian dirt — as captured by one of its on-board cameras — after driving straight for 13 feet, then turning around to back up 8 feet. Anais Zarifian, Perseverance’s mobility testbed engineer, told reporters it went “incredibly well” and performed better than it did during pre-launch tests on Earth.

https://cdn.vox-cdn.com/thumbor/qFI3l-dNfMawoAbzCfKIS0QmHFU=/1200×0/filters:no_upscale()/cdn.vox-cdn.com/uploads/chorus_asset/file/22349165/Mar_05_2021_17_48_58.gif

“I don’t think I’ve ever been happier to see wheel tracks — and I’ve seen a lot of them,” she says. “This is just a huge milestone for the mission and the mobility team. We’ve driven on Earth, but driving on Mars is really the ultimate goal.”

Though short and slow, the drive demonstration gave engineers refreshing confidence that NASA’s $2.4 billion rover is ready to travel some 656 feet over the next two years to analyze rocks and scoop up coveted Martian soil samples for a future return mission. “This was just so amazing to see last night. We’re really happy about this,” says Robert Hogg, Perseverance deputy mission manager.

Like its sister rover Curiosity, Perseverance’s top speed is 0.1 miles per hour, “so not very fast,” Zarifian says. It uses a “bogie” suspension system that can climb over rocks as big as its own wheels, about 20 inches in diameter, while keeping its main body level.

But landing a wheeled robot on Mars isn’t about speed. With an improved computer for avoiding obstacles and sand pits, “we’ll have less time planning drives and down time, and more time to do science,” Zarifian says.

An elevated slab of land that Scientists say is a junction where ancient rivers once flowed into Jezero, a dried up lake bed. Image: NASA/JPL

Since landing on February 18th, Perseverance has beamed back thousands of images from most of its 19 on-board cameras, including a frame released Friday showing Jezero’s Delta, a target site for the rover to drive toward in the near future. Scientists say the elevated landform, seen surrounded by an obstacle course of rocks and sand pits, is a junction between an ancient dried-out river and the lake that Jezero used to be 3.5 billion years ago.

Mission teams at NASA’s Jet Propulsion Laboratory in California are mulling different paths for Perseverance’s trek to the delta, aiming to settle on one in the coming weeks that is “most efficient, safest, and most scientifically interesting,” says Katie Stack Morgan, the mission’s deputy project scientist.

NASA released Perseverance’s first high-resolution panorama this week captured by the rover’s Mastcam-Z camera. The mosaic’s 79 images were taken on the Martian afternoon of February 22nd, and one YouTube user edited it into a 4K video that slowly pans across Jezero’s horizon.

The rocks appearing in Perseverance’s new images “were likely deposited by rivers flowing into the ancient lake Jezero,” Morgan says, adding that scientists are working to understand the rock’s origin.

Perseverance launched from Florida last summer for a seven-month trek to the Red Planet, exploiting a two-month window of time when Earth and Mars align closely in their orbits around the Sun once every two years. 293 million miles later, it survived a blazing fast, seven-minute plunge through the Martian atmosphere last month and carried out an extremely complex landing at Jezero Crater, a dried up lake bed that scientists hope could hold signs of microbial life fossilized from billions of years ago.

The rover’s mission team memorialized the rover’s landing site at Jezero by naming it after Octavia E. Butler, the late science fiction author and the first Black woman to win a Hugo Award and Nebula Award.

The Verge


5230: As mulheres na corrida a Marte (uma é portuguesa e sonha caminhar no Planeta Vermelho)

CIÊNCIA/MARTE/NASA

DR
A Engenheira Aeronáutica Florbela Costa.

A chegada do veículo Perseverance da NASA a Marte teve dedo de várias mulheres, umas das quais a portuguesa Florbela Costa, Engenheira Aeronáutica do grupo suíço Maxon que falou com o ZAP sobre a sua participação nesta aventura e sobre o sonho de aterrar no Planeta Vermelho.

Nunca tantas mulheres tiveram lugares de destaque numa missão da NASA como na que mais recentemente permitiu a aterragem do rover Perseverance no Planeta Vermelho.

Várias notícias têm apontado que esta é a missão mais inclusiva de sempre da Agência Espacial norte-americana, com vários filhos de emigrantes e um número assinalável de mulheres com responsabilidades de relevo, incluindo cientistas de ascendência indiana e uma emigrante colombiana que teve de limpar casas de banho para pagar os estudos.

Portuguesa ligada à primeira aeronave a voar em Marte

Na fila da frente das mulheres que comandaram as diversas fases do projecto está Florbela Costa, filha de emigrantes portugueses em França que participou no desenvolvimento do helicóptero Ingenuity, um dos equipamentos que aterrou em Marte em conjunto com o robô Perserverance.

A Engenheira Aeronáutica que trabalha no grupo suíço Maxon foi a gestora técnica do projecto para o desenvolvimento e produção de seis motores que controlam a inclinação das pás do rotor, ou seja, a parte giratória que faz a propulsão, do helicóptero.

O Ingenuity deve realizar o seu primeiro voo no Planeta Vermelho neste mês de Março, “e tem como principal objectivo demonstrar que é possível voar um helicóptero em Marte”, como salienta Florbela Costa em declarações ao ZAP.

“Uma vez que a densidade em Marte é apenas cerca de 1% da densidade da Terra, voar torna-se extremamente difícil e novas tecnologias tiveram de ser desenvolvidas para esse âmbito”, relata.

“Se funcionar como esperado, iremos muito provavelmente ver mais, e maiores, helicópteros a ajudar na exploração espacial”, constata a Engenheira portuguesa.

“Quanto maior a diversidade, maior é a eficiência”

Florbela Costa assume que, como mulher, enfrentou alguns “desafios pelo caminho” na sua carreira na Engenharia Aeronáutica.

“Mas também tive o prazer de observar as mudanças nas mentalidades que aconteceram nos últimos 10 anos, tanto do lado masculino, que promovem mais equipas mistas, como do lado feminino, ao verificar uma maior taxa de aderência de mulheres em cursos de Engenharia e cursos Aeronáuticos/Aeroespaciais”, nota ao ZAP.

Sobre a missão particularmente inclusiva da NASA, Florbela Costa diz que não sabe “se o facto de haver tanta diversidade foi intencional”, mas está certa de que “nenhuma dessas pessoas estaria no lugar em que está apenas devido ao seu país de origem ou género”.

“É uma missão demasiado importante e apenas as pessoas com as correctas qualificações são colocadas nessas posições de relevo”, realça.

A Engenheira sublinha ainda que “quanto maior a diversidade de uma equipa, maior é a sua eficiência e o seu nível de inovação“. “E a NASA mostra-nos exactamente os benefícios que as companhias podem ter ao incluir diversidade nas equipas”, constata.

“Poderá ser uma mulher o primeiro humano em Marte”

Na conversa com o ZAP, Florbela Costa revela que sempre foi “apaixonada pela aeronáutica e pelo espaço”.

Quando era pequena sonhava em ser astronauta e quando era adolescente quis estudar na Academia da Força Aérea, mas depois de passar todas as etapas de recrutamento, fiquei colocada em 4° lugar e apenas existiam duas vagas para Engenharia Aeronáutica na FAP (Força Aérea Portuguesa)”, conta.

Foi assim que entrou na Universidade da Beira Interior onde tirou o Mestrado em Engenharia Aeronáutica.

“Uma semana depois de acabar os estudos”, como refere Florbela Costa, começou “a trabalhar no CeiiA”, o Centro de Engenharia e Desenvolvimento em Matosinhos, no “projecto fantástico de colaboração com a Embraer”, a fabricante de aviões comerciais brasileira, para o desenvolvimento do KC-390, um avião de transporte táctico e logístico e de reabastecimento em voo.

“Hoje, quando olho para trás, percebo que não poderia ter feito melhores escolhas”, salienta a Engenheira que mantém o bichinho de ser astronauta e o sonho de chegar a Marte.

Em 2019, o administrador da NASA, Jim Bridenstine, referiu que o primeiro humano a aterrar em Marte poderia ser uma mulher. Alguns estudos feitos, nos últimos tempos, apontam que as mulheres podem ter melhores condições biológicas e psicológicas para fazerem essa viagem espacial de longa distância, especialmente por pesarem menos do que os homens e por terem melhores competências de comunicação na resolução de conflitos.

Florbela Costa acredita que “haverá, sem dúvida, mulheres entre o grupo de astronautas na primeira missão a Marte” e que “poderá mesmo ser uma mulher o primeiro humano a caminhar em Marte”. “Já agora, onde é que eu me increvo?”, questiona com o sonho no horizonte.

NASA publica vídeo da Perseverance a chegar a Marte

A agência espacial norte-americana divulgou, esta segunda-feira, novos vídeos da aterragem do rover Perseverance em Marte. A NASA publicou, nas…

Ler mais

Uma mulher com um bindi a “dirigir um foguetão”

Na missão da Perseverance a Marte, várias mulheres assumiram a liderança em diferentes áreas do projecto. Swati Mohan, cientista de ascendência indiana, foi uma das que se destacou como líder de operações de orientação, navegação e controle da missão.

Foi Swati Mohan, que chegou aos EUA com apenas um ano de idade, quem teve o privilégio de anunciar que “a Perseverance está em segurança na superfície de Marte, pronta para começar à procura de sinais de vida passada”.

O facto de ter surgido como o rosto do anúncio do sucesso da missão levou muitas pessoas a falarem dela nas redes sociais, nomeadamente a salientarem que a “representação importa”, com mães de origem indiana a reportarem a reacção espantada das filhas por verem Swati Mohan a usar um bindi [o sinal preto entre os olhos que é associado ao Hinduísmo] e a “dirigir um foguetão”.

A roboticista espacial Vandana Varma, outra cientista nascida na Índia, desenvolveu e conduziu o rover Perseverance através de uma tecnologia que ajudou a programar.

a astrónoma Moogega Stricker, filha de pai negro e com uma mãe coreana, foi líder da Protecção Planetária da missão para garantir que a Perseverance não transportou para Marte nenhum vírus proveniente da Terra, o que comprometeria a intenção de procurar micro-organismos indígenas.

Outra Engenheira Aeroespacial envolvida no projecto da NASA e que mereceu destaque foi Diana Trujillo, colombiana de 38 anos que foi a directora de voo da missão.

Diana Trujillo chegou aos EUA com apenas 17 anos e 300 dólares no bolso, sem saber falar Inglês. Limpou casas de banho para pagar os estudos e em 2008, tornou-se na primeira mulher de origem hispânica a integrar a Academia da NASA.

O seu trabalho está relacionado com as mãos robóticas que vão colectar materiais na superfície de Marte, no sentido de apurar se alguma vez houve vida no planeta.

Susana Valente Susana Valente, ZAP //

Por Susana Valente
1 Março, 2021


5229: Asteróide passará a grande velocidade pela Terra em Março. É o maior (e o mais veloz) de 2021

CIÊNCIA/ASTRONOMIA/ASTERÓIDES

Um asteróide com um diâmetro de até 1,7 quilómetros passará pela Terra a grande velocidade no próximo mês de Março, de acordo com dados publicados recentemente pelo Laboratório de Propulsão a Jacto da NASA.

Apesar de este corpo rochoso, oficialmente baptizado de 231937 (2001 FO32), ser o maior e o mais rápido a passar pela Terra neste ano, não há qualquer motivo para alarme.

O asteróide em causa, precisa o portal Space.com, tem cerca de 0,8 a 1,7 quilómetros de diâmetro. Em termos de comparação, a Ponte 25 de Abril, que liga a cidade de Lisboa a Almada, tem cerca de 2,2 quilómetros de comprimento.

No próximo dia 21 de Março, este corpo passará a grande velocidade a 2 milhões de quilómetros da Terra, distância suficiente para ser considerado um objecto “potencialmente perigoso” para os especialistas da agência espacial norte-americana.

Um asteróide é apontado como “potencialmente perigoso” para a NASA quando a sua órbita se cruza com a da Terra a uma distância de não mais do que 7,5 milhões de quilómetros e tem um diâmetro superior a 140 metros. Trata-se de uma métrica para que os astrónomos e especialistas consigam perceber que corpos devem ter em atenção.

O mesmo portal recorda ainda que pequenos asteróides passam entre a Terra e a Lua várias vezes durante um mês, dando conta que os seus fragmentos entram e fragmentam-se na atmosfera da Terra quase diariamente.

Apesar de o 231937 não representar qualquer perigo para a Humanidade, este corpo rochoso representa uma boa oportunidade para que os astrónomos, sejam estes profissionais ou amadores, possam observar a sua rota com um telescópio.

Surgirá nos céus como uma espécie de estrela, que se moverá a uma velocidade relativamente mais rápida relativamente aos outros objectos, nota ainda o Canal Tech.

Apesar de ser muito pouco provável que um asteróide venha a colidir com a Terra nos próximos anos – a probabilidade é de 1 em 300.000, segundo a NASA -, as agências espaciais têm reunido esforços para melhorar os programas destinados para o acompanhamento e desvio destes corpos em rota de colisão com a Terra.

Nem Asteróide do Apocalipse, nem Deus do Caos. Nenhum asteróide (conhecido) vai colidir com a Terra nos próximos 100 anos

A NASA continua a afirmar que nenhum asteróide conhecido representa um risco significativo de impacto com a Terra nos próximos…

Ler mais

ZAP ZAP //

Por ZAP
1 Março, 2021


5224: First 4K Image of Perseverance And First Sunset On Mars 2021

CIÊNCIA(MARTE/PERSEVERANCE/IMAGENS

In this video you can see in 4K resolution the first image in ultra high definition, from the MastCam-Z cameras of the Perseverance rover and the first sunset captured by the rover in the Jezero crater of the planet Mars.

Martian Chronicles: Weekly video-magazine with the latest news from the planet Mars and the Solar System: Curiosity rover, Mars – Mars 2021, Perseverance rover, Ingenio helicopter, Ingenuity, Mars science and the latest observations and discoveries of our Sun and planets , moons and neighboring asteroids of the solar system. Subscribe, activate your notifications and don’t miss the next videos with the latest news.

Data Source and Credit for all images: NASA, ESA, ROSCOSMOS, JAXA, CNSA, UAE and other reputable news agencies and sources. Martian Chronicles – News from Mars and the Solar System.

25/02/2021


5222: Eis o primeiro enxame de (pequenos) buracos negros num aglomerado globular

CIÊNCIA/ASTRONOMIA

Uma equipa de cientistas, que esperava encontrar um buraco negro de massa intermédia no coração do aglomerado globular NGC 6397, encontrou, em vez disso, evidências de uma concentração de buracos negros mais pequenos.

Por vezes, na ciência, quando os investigadores se propõe a encontrar algo que previram, acabam por encontrar uma coisa complemente diferente.

Foi o caso dos astrónomos da agência espacial norte-americana (NASA) e da agência espacial europeia (ESA) que, com recurso ao Huble Space Telescope, examinaram o núcleo de um aglomerado globular – uma “bola” de estrelas velhas densamente compactadas – chamada NGC 6397. O objectivo dos cientistas era encontrar um buraco negro central de massa intermédia, mas acabaram por descobrir um enxame de pequenos buracos negros, revelaram as agências espaciais NASA e ESA, no dia 11 de Fevereiro.

De acordo com o Earth Sky, existem dois tipos de buracos negros: o buraco negro de massa estelar, que se forma quando uma grande estrela fica sem combustível e entra em colapso, e que pesa apenas algumas vezes a massa do nosso Sol; e o buraco negro super-massivo que se acredita existir no centro de cada grande galáxia e conter a massa de muitos milhões de estrelas.

Além desses dois tipos, os cientistas acreditam que também existe um tipo de buraco negro intermédio – com uma massa intermédia de 100 a 100 mil vezes a massa do nosso Sol. Mas, apesar de existirem vários candidatos a buraco negro intermediário, só existem alguns confirmados.

Os astrónomos escolheram analisar o aglomerado globular NGC 6397 porque, além de ser um dos mais próximos da Terra – a 7.800 anos-luz de distância -, seria o lugar ideal para encontrar buracos negros de tamanho médio por causa da colecção densa de estrelas no seu núcleo.

A análise dos dados do Huble Space Telescope e do Gaia Space Observatory não forneceu, no entanto, evidência de um buraco negro de tamanho médio. Em vez disso, foi detectada a primeira colecção de buracos negros no centro de um aglomerado globular.

(cv) ESA / Hubble / N. Bartmann
Ilustração da colecção de buracos negros em NGC 6397

Os aglomerados globulares são grandes colecções esféricas de estrelas que orbitam na periferia das galáxias. Além disso, são, por vezes, tão antigos quanto o próprio universo.

Um aglomerado globular com núcleo colapsado, como NGC 6397, é velho o suficiente para que as estrelas mais massivas gravitem em direcção ao centro do aglomerado e que as estrelas mais jovens tenham viajado em direcção à periferia – o que faz com que o seu núcleo seja muito denso.

Como não é possível observar directamente estes buracos negros intermédios, os astrónomos analisaram o movimento e velocidade das estrelas do aglomerado para perceberem a distribuição da sua massa – os locais onde as estrelas se movem mais rápido correspondem a áreas onde existe mais massa concentrada.

No entanto, descobriram que a distribuição das estrelas em NGC 6397 não estava confinada a uma localização central, semelhante a um ponto no núcleo, como seria de esperar na presença de um buraco negro de tamanho intermediário.

Em vez disso, a massa parecia espalhar-se mais aleatoriamente, estendendo-se a uma pequena percentagem do tamanho do aglomerado.

Assim, com base na evolução estelar, a equipa de cientistas concluiu que os restos de estrelas na forma de buracos negros de massa estelar estão a povoar as regiões internas do aglomerado globular – que é capaz de hospedar mais de 20 buracos negros do tipo “mais leve” que existe.

Por Sofia Teixeira Santos
27 Fevereiro, 2021


5221: Há estranhas nuvens que brilham à noite (e já sabe o que são)

CIÊNCIA/GEOFÍSICA

Zayn Roohi / Poker Flat Research Range / NASA’s Wallops Flight Facility

Uma equipa de cientistas usou um pequeno foguete lançado pela NASA para estudar a natureza de um tipo indescritível de nuvens que brilham no escuro, criando uma artificialmente.

Desde o final dos anos 1800 que os observadores têm analisado os céus polares em busca de nuvens altas e elusivas que brilham na escuridão. Estas nuvens mesosféricas polares (PMC), são pequenos enxames de cristais de gelo que se formam no final da primavera e no verão nos pólos norte e sul.

As nuvens são avistadas nas horas do crepúsculo, quando o Sol as ilumina além do horizonte contra o céu escuro. Mais do que uma visão bonita, contêm pistas do que está a acontecer na atmosfera da Terra.

“O que atraiu muito interesse nessas nuvens é a sua sensibilidade – ocorrem no limite da viabilidade na alta atmosfera, onde é incrivelmente seco e frio”, disse Richard Collins, físico espacial da Universidade do Alasca, nos Estados Unidos, em comunicado. “São um indicador muito sensível de mudanças na alta atmosfera – mudanças na temperatura e/ou mudanças no vapor de água.”

Collins e os seus colegas suspeitaram que as PMCs pudessem estar associadas ao arrefecimento na alta atmosfera e começaram a tentar entender a microfísica do processo.

Com a missão Super Soaker da NASA, um pequeno foguete sub-orbital lançado no Alasca, mostrou que o vapor de água na atmosfera superior pode baixar precipitadamente a temperatura ambiente e criar uma desses nuvens.

Para testar essa teoria, os investigadores decidiram libertar uma pequena quantidade de água e criar a sua próprio PMC. O lançamento foi feito, em janeiro, no Árctico – que é tipicamente inóspito para a formação de PMCs -, esperando conseguir catalisar uma.

“Queríamos evitar a mistura de PMCs criadas artificialmente e de ocorrência natural”, explicou Irfan Azeem, físico espacial da Astra LLC e principal investigador da missão. “Dessa forma, poderíamos ter certeza de que qualquer PMC que observássemos fosse atribuível à experiência Super Soaker.”

O foguete foi lançado nas primeiras horas da manhã de 26 de Janeiro de 2018 e atingiu uma altitude de cerca de 85 quilómetros quando a equipa detonou a explosão do seu canhão com cerca de 383 quilogramas de água. Dezoito segundos depois, o feixe de um radar a laser terrestre detectou o eco fraco de uma PMC.

Os investigadores ligaram estas medições num modelo que simulava a produção de uma PMC e queriam saber como é que o ar onde a água era libertada teria de mudar para criar uma PMC como a que observaram.

“Não temos medições directas de temperatura da nuvem, mas podemos inferir essa mudança de temperatura com base no que pensamos ser necessário para a formação dela”, disse Collins.

O modelo mostrou que deve ter acontecido um arrefecimento significativo. “Com a quantidade de água presente, a única forma de obter a forma de uma nuvem era dizer que, no corpo da nuvem, houve uma queda de temperatura – cerca de 25ºC”, afirmou.

Os resultados sugeriram que a simples introdução de água na região levou a uma queda significativa da temperatura local.

“Esta é a primeira vez que alguém demonstra experimentalmente que a formação de PMC na mesosfera está directamente ligada ao arrefecimento pelo próprio vapor de água”, disse Azeem.

Estes resultados também se podem associar à realidade do tráfego espacial, uma vez que o vapor de água é um subproduto comum de satélites e lançamentos de foguetes.

Porém, mais vapor de água não significa uma queda sem limites da temperatura, segundo Collins. As PMC agem como um termostato. Conforme o vapor de água congela, transforma-se em cristais de gelo, que absorvem o calor ainda melhor do que a água na forma de vapor. À medida que os cristais de gelo aquecem, sublimam-se outra vez em vapor e o ciclo repete-se.

Há um ioiô para a frente e para trás, regulando a temperatura da mudança produzida pelo vapor de água injectado”, disse Collins.

Este estudo foi publicado este mês na revista científica Journal of Geophysical Research.

Por Maria Campos
27 Fevereiro, 2021