1619: NASA descobre “girinos” no Sol que podem desvendar antigo enigma da astrofísica

Um estudo recente da NASA sobre um dos fenómenos mais notáveis do nosso sistema planetário pode desvendar um mistério antigo da astrofísica. O enigma reside na camada mais externa do Sol, a coroa, que atinge temperaturas de um milhão de graus Celsius, quase 200 vezes mais do que a superfície do Sol.

Os cientistas, que há mais de um século tentam perceber por que motivo a camada externa do Sol é mais quente do que a sua superfície, estão agora mais perto de resolver o enigma graças aos chamados “girinos” que foram encontrados em regiões com um campo magnético mais intenso da superfície solar.

​O espectrógrafo de imagens infravermelhas da NASA permitiu detectar uma espécie de jactos alongados de plasma quente semelhantes a girinos, que saem das manchas solares – regiões da superfície solar relativamente frias e magneticamente activas – elevando-se a cerca de 4.800 quilómetros até a coroa interior.

Segundo uma simulação computacional levada a cabo pela equipa, estes jactos poderiam levar energia e plasma suficiente para aquecer a camada solar externa.

Até à descoberta deste “girinos” — formalmente apelidados pseudo-choques — apenas duas teorias sobre as possíveis razões para o aquecimento da coroa foram consideradas.

A primeira hipótese sustenta que o calor da atmosfera externa solar é injectado por inúmeras pequenas explosões que libertam ondas de partículas carregadas e quentes. Já a segunda alicerça-se na ideia de que a energia se transporta até ali através de ondas electromagnéticas que poderiam empurrar partículas carregadas até à atmosfera, tal como uma onda do oceano empurra o surfista.

Agora, os especialistas esperam conseguir obter algumas pistas complementares da sonda espacial Parker Solar Probe, lançada em Agosto passado, para estudar como é que a energia e o calor se deslocam através da coroa solar.

“[Estas informações] poderiam fornecer uma imagem abrangente do aquecimento coronal”, afirmou Aleida Higginson, investigadora do laboratório de Física Aplicada da Universidade Johns Hopkins, na cidade de Laurel, nos Estados Unidos.

ZAP // SputnikNews

Por ZAP
21 Fevereiro, 2019

 

1617: A mais pequena lua de Neptuno pode ter nascido da sua segunda maior lua

NASA

A lua mais pequena de Neptuno, a Hipocampo, parece ser um fragmento da segunda maior lua do planeta, a Proteu, sugerem astrónomos num estudo esta quinta-feira divulgado pela Agência Espacial Europeia (ESA).

Os astrónomos chegaram a esta conclusão a partir de observações com o telescópio espacial Hubble, operado pela ESA e pela agência espacial norte-americana NASA, e de dados mais antigos da sonda Voyager 2, que se aproximou de Neptuno em 1989.

Segundo o estudo, citado hoje em comunicado, a lua Hipocampo terá resultado da fragmentação da lua Proteu quando foi atingida por um cometa há mil milhões de anos, formando uma cratera na sua superfície.

“Em 1989, pensávamos que a cratera era o fim da história. Com o Hubble, sabemos agora que um pequeno pedaço de Proteu ficou para trás e que é Hipocampo”, afirmou, citado no comunicado da ESA/Hubble, o coordenador da equipa de astrónomos, Mark Showalter, do Instituto norte-americano SETI, que foi fundado pelo cosmólogo e divulgador de ciência Carl Sagan (1934-1996).

A lua Hipocampo, que terá cerca de 34 quilómetros de diâmetro, foi descoberta em 2013 e a sua órbita está muito próxima da de Proteu, lua que, de acordo com os astrónomos, teve origem num cataclismo envolvendo os satélites naturais de Neptuno, um dos ‘gigantes’ gasosos e o último planeta do Sistema Solar.

“O Hipocampo é um ponto não resolvido nas imagens do [telescópio] Hubble. Como tal, não conseguimos saber mais nada além de determinar a sua órbita e saber qual a quantidade de luz que reflete”, descreveu ao jornal Público Mark Showalter. “Supomos ainda que a sua superfície tenha a mesma cor (cinzento muito escuro) de outras luas próximas”, avançou.

SETI Institute
Comparação de tamanho das sete luas internas de Neptuno

Há mil milhões de anos, Neptuno capturou um corpo enorme da cintura de Kuiper, que, defendem os especialistas, corresponde à maior lua do planeta, Tritão.

Os resultados foram esta quinta-feira publicados na revista especializada Nature.

ZAP // Lusa

Por ZAP
21 Fevereiro, 2019

 

1613: InSight prepara-se para medir a temperatura de Marte

O “lander” InSight da NASA colocou a sua sonda de calor, de nome HP3 (Heat Flow and Physical Properties Package), na superfície de Marte.
Crédito: NASA/JPL-Caltech/DLR

O “lander” InSight da NASA colocou o seu segundo instrumento na superfície de Marte. Novas imagens confirmam que o HP3 (Heat Flow and Physical Properties Package) foi implantado com sucesso no dia 12 de Fevereiro a cerca de 1 metro do sismómetro do InSight, que o módulo recentemente cobriu com um escudo protector. O HP3 mede o calor que se move através do subsolo de Marte e pode ajudar os cientistas a descobrir quanta energia é necessária para construir um mundo rochoso.

Equipado com um espigão auto-martelante, o instrumento vai cavar até 5 metros abaixo da superfície, mais do que qualquer missão anterior no Planeta Vermelho. Em comparação, o “lander” Viking 1 da NASA escavou 22 centímetros. O módulo de aterragem Phoenix, primo do InSight, escavou 18 cm.

“Estamos ansiosos por quebrar alguns recordes em Marte,” disse Tilman Spohn, investigador principal do HP3 do Centro Aeroespacial Alemão, que forneceu a sonda térmica para a missão InSight. “Dentro de alguns dias, vamos finalmente começar a escavar usando uma parte do nosso instrumento que chamamos de toupeira.”

O HP3 parece-se um pouco com um macaco hidráulico, mas com um tubo de metal vertical na frente para segurar a toupeira com 40 centímetros de comprimento. Um cabo liga a estrutura de suporte do HP3 ao “lander” enquanto uma corda presa no topo da toupeira possui sensores de calor para medir a temperatura do subsolo de Marte. Entretanto, os sensores de calor na própria toupeira vão medir a condutividade térmica do solo – quão facilmente o calor se move pela sub-superfície.

“A nossa sonda está construída para medir o calor que vem de dentro de Marte,” disse Sue Smrekar, vice-investigadora principal do InSight, no JPL da NASA em Pasadena, no estado norte-americano da Califórnia. “É por isso que queremos colocá-la no subsolo. As temperaturas mudam à superfície, tanto das estações quanto do ciclo dia-noite, e podem adicionar ‘ruído’ aos nossos dados.”

A toupeira vai parar a cada 50 centímetro para medir a condutividade térmica do solo. Dado que o martelamento cria fricção e liberta calor, a toupeira pode arrefecer durante dois dias. De seguida, é aquecida até mais ou menos 10º C ao longo de 24 horas. Os sensores de temperatura dentro da toupeira medem a rapidez com que isto acontece, o que informa os cientistas da condutividade do solo.

Se a toupeira encontrar uma grande rocha antes de atingir pelo menos 3 metros, a equipa precisará de um ano marciano completo (dois anos terrestres) para filtrar o ruído dos seus dados. Esta é uma razão pela qual a equipa seleccionou cuidadosamente um local de aterragem com poucas pedras e porque passou semanas a escolher onde colocar o instrumento.

“Escolhemos o local de pouso ideal, quase sem rochas à superfície,” disse Troy Hudson, cientista e engenheiro que ajudou a projectar o HP3. “Isto dá-nos razão para acreditar que não há muitas rochas grandes no subsolo. Mas temos que esperar e ver o que vamos encontrar à sub-superfície.”

Independentemente da profundidade que atinja, não há como debater que a toupeira é um feito da engenharia.

“Pesa menos do que um par de sapatos, usa menos energia do que um ‘router’ Wi-Fi e precisa de escavar pelo menos 3 metros noutro planeta,” explicou Hudson. “Foi preciso muito tempo para obter uma versão que pudesse fazer dezenas de milhares de marteladas sem se partir; algumas versões anteriores falharam antes de chegar a 5 metros, mas a versão que enviámos para Marte provou a sua robustez várias vezes.”

Astronomia On-line
19 de Fevereiro de 2019

 

1603: NASA vai lançar telescópio espacial para explorar origens do Universo

NASA

A agência espacial norte-americana NASA vai enviar para o espaço um telescópio para explorar as origens do Universo, com data de lançamento prevista para 2023, que irá estudar mais de 300 milhões de galáxias, incluindo a Via Láctea.

A missão SPHEREx, confirmada pela NASA em comunicado divulgado na quarta-feira à noite, vai estudar centenas de milhões de galáxias, algumas tão distantes que a sua luz demorou dez mil milhões de anos a chegar à Terra.

Na Via Láctea, o telescópio, equipado com um espectrómetro, vai procurar bioassinaturas de água e moléculas orgânicas – essenciais para a vida tal como se conhece – nas regiões onde milhões de estrelas se formam a partir de gás e poeira.

Segundo a NASA, a missão, que tem uma duração de dois anos, vai permitir aos astrónomos terem acesso a informação sobre mais de 300 milhões de galáxias e mais de 100 milhões de estrelas da Via Láctea e compreenderem como o Universo evoluiu, e porque se expandiu tão rápido, e até que ponto os ingredientes da vida na Terra são comuns nos sistemas planetários da Via Láctea.

De seis em seis meses, o telescópio irá observar todo o céu com tecnologias adaptadas de satélites de observação da Terra e de sondas enviadas para Marte. Dessa maneira, a NASA conseguirá criar um mapa celeste extremamente detalhado, com uma resolução muito mais alta do que os mapas já elaborados até agora.

Para Thomas Zurbuchen, administrador associado da directoria de missões científicas da NASA, “esta incrível missão será um tesouro de dados únicos para os astrónomos, e fornecerá um mapa galáctico sem precedentes contendo impressões digitais desde os primeiros momentos da história do universo“.

Sendo assim, ele conta que “teremos novas pistas para um dos maiores mistérios da ciência: o que fez o universo expandir tão rapidamente menos do que um nanossegundo depois do Big Bang?”.

Ao explorar novas áreas do céu, o SPHEREx poderá indicar objectos especialmente interessantes para que, por exemplo, o telescópio James Webb (sucessor do Hubble) os estude com ainda mais riqueza de detalhes no futuro próximo.

ZAP // Lusa

Por ZAP
15 Fevereiro, 2019

 

1600: Astrónomos registam “explosão mortífera” em estrela recém-nascida

NASA

Um grupo de investigadores registou uma explosão fortíssima na superfície de uma jovem estrela localizada na constelação de Órion, cuja força supera em dez milhões de vezes fenómenos parecidos no Sol.

“Nós examinamos as estrelas vizinhas, tentando entender como surgiu o Sistema Solar. Anteriormente, não tínhamos observado explosões tão fortes nos astros jovens. A sua descoberta permitiu pela primeira vez investigar detalhadamente as características físicas de tais objectos”, declarou Steve Mairs, do Observatório em Hawai, EUA, no estudo publicado na revista The Astrophysical Journal.

No Sol, acontecem periodicamente erupções solares, lançando energia em forma de luz, calor e radiação, bem como perturbando o funcionamento das telecomunicações, satélites e ameaçando a saúde de cosmonautas.

A tempestade solar de 1859, também conhecida como Evento Carrington, é considerada a explosão mais poderosa. O fenómeno produziu 20 vezes mais energia do que a queda do meteorito que destruiu os dinossauros e os grandes répteis marinhos.

Em 2012, os planetólogos da missão Kepler encontraram centenas de astros da classe do Sol, na superfície dos quais aconteceram explosões mais poderosos de que o Evento Carrington. Isto levou os cientistas a supor que o Sol pode originar estes cataclismos um dia, mas a sua potência máxima não foi determinada com precisão devido à diferença de idade, composição química e histórias de evolução das várias estrelas.

Mairs e os seus colegas descobriram que explosões ainda mais fortes podem ocorrer em astros não muito grandes, examinando vários aglomerados estelares na nebulosa de Órion.

Em 2016, os cientistas detectaram uma explosão extremamente potente nos arredores da estrela recém-nascida JW 566, afastada da Terra a uns 1.500 anos-luz. Os astrónomos examinaram-na com ajuda dos telescópios ópticos do Observatório do Hawai, bem como dos observatórios de raios X e de radioastronomia, tendo conseguido calcular a potência desse acontecimento.

A explosão teria sido muito mais forte que as explosões mais brilhantes de outras estrelas recém-nascidas e dez mil milhões de vezes mais potente que o Evento Carrington.

Ainda não foi descoberta a frequência destes cataclismos na JW 566 e outras estrelas recém-nascidas, não se conhecendo os processos magnéticos na sua atmosfera que levam a essas emissões de energia.

ZAP // Sputnik News

Por ZAP
17 Fevereiro, 2019

 

1598: Sonda MAVEN vai diminuir a sua órbita em preparação para o rover 2020 da NASA

Impressão de artista da sonda MAVEN e do limbo de Marte.
Crédito: Centro de Voo Espacial Goddard da NASA

A missão MAVEN (Mars Atmosphere and Volatile Evolution) da NASA, já com 4 anos, está a embarcar numa nova campanha para apertar a sua órbita em torno de Marte. A operação vai reduzir o ponto mais alto da órbita elíptica da sonda de 6200 para 4500 km acima da superfície e prepará-la para assumir a responsabilidade adicional de servir como satélite de retransmissão de dados para o rover Mars 2020 da NASA, que será lançado no ano que vem.

“A sonda MAVEN fez um trabalho fenomenal, ensinando-nos como Marte perdeu a sua atmosfera e fornecendo-nos outras informações científicas importantes sobre a evolução do clima marciano,” disse Jim Watzin, director do programa de Exploração de Marte da NASA. “Agora estamos a recrutá-la para ajudar a NASA a comunicar com o nosso próximo rover marciano e com os seus sucessores.”

Embora a nova órbita da MAVEN não seja drasticamente mais pequena do que a sua órbita actual, mesmo esta pequena mudança melhorará significativamente as suas capacidades de comunicação. “É como usar o seu telemóvel,” comentou Bruce Jakosky, investigador principal da MAVEN da Universidade do Colorado, em Boulder, EUA. “Quando mais perto estivermos de uma torre, mais forte é o sinal.”

Um forte sinal de comunicações não será o único benefício de uma órbita mais íntima. Aproximando-se cerca de 1500 km, o orbitador MAVEN também vai completar uma volta em torno do Planeta Vermelho com mais frequência – 6,8 órbitas por dia terrestre vs. as 5,3 anteriores – e assim comunicar com os rovers marcianos mais vezes. Enquanto não está a realizar retransmissões, a MAVEN continuará a estudar a estrutura e a composição da atmosfera superior de Marte. “Estamos a planear uma vigorosa missão científica bem para o futuro,” comentou Jakosky.

A missão MAVEN foi desenhada para durar dois anos no espaço, mas a sonda ainda está a operar normalmente. O seu combustível pode durar até 2030, de modo que a NASA planeia usar as capacidades de relé da MAVEN o maior tempo possível. O orbitador transporta um transceptor rádio de frequência ultra-alta – semelhante aos transportados noutras sondas marcianas – que permite a transmissão de dados entre a Terra e os rovers ou módulos de aterragem em Marte. A sonda MAVEN já serviu, ocasionalmente, como contacto de comunicação da NASA com o rover Curiosity.

Nos próximos meses, os engenheiros da MAVEN irão usar uma técnica de navegação conhecida como aero-travagem – é como aplicar os travões num carro – para aproveitar a fricção da atmosfera superior do Planeta Vermelho e assim diminuir gradualmente a velocidade da nave, órbita a órbita. É o mesmo efeito que sentiria ao colocar a mão de fora da janela de um carro em movimento.

Com base no rastreamento da nave pela equipa de navegação no JPL da NASA em Pasadena, no estado norte-americano da Califórnia, e na Lockheed Martin em Littleton, Colorado, os engenheiros começaram a diminuir cuidadosamente a parte mais baixa da órbita da sonda na atmosfera superior marciana activando os propulsores. A nave vai orbitar Marte nesta altitude mais baixa cerca de 360 vezes ao longo dos próximos dois meses e meio, desacelerando levemente a cada passagem pela atmosfera. Embora possa parecer um processo demorado, a aero-travagem é a maneira mais eficiente de mudar a trajectória da sonda, explicou Jakosky: “o efeito é o mesmo como se tivéssemos disparado os nossos motores um pouco a cada órbita, mas, desta forma, usamos muito pouco combustível.”

Felizmente, a equipa tem ampla experiência em operar a sonda nestas altitudes mais baixas. Em nove ocasiões anteriores ao longo da missão, os engenheiros da MAVEN mergulharam o orbitador até à mesma altitude para aero-travagem a fim de obter medições da atmosfera marciana. Como resultado destes “mergulhos profundos” e outras medições, a NASA aprendeu que o vento solar e a radiação despojaram Marte da maior parte da sua atmosfera, mudando o clima inicial do planeta de quente e húmido para o ambiente seco que vemos hoje. A MAVEN também descobriu dois novos tipos de auroras em Marte e a presença de átomos de metal carregados na sua atmosfera superior que nos dizem que inúmeros detritos atingem Marte, o que pode afectar o seu clima.

Astronomia On-line
15 de Fevereiro de 2019

 

1594: NASA diz que podemos encontrar vida alienígena já nas próximas décadas

NASA

Uma equipa de cientistas da NASA adiantou que poderá ser possível encontrar vestígios da vida alienígena nas próximas décadas, alertando, contudo, que o contacto com estas formas de vida será feito através de evidências indirectas. 

Esta é um procura de décadas: os cientistas continuam a investigar para perceberem se estamos realmente sozinhos no Universo ou se a vida alienígena pode existir noutros planetas distantes – agora, e de acordo com um novo documento da agência espacial norte-americana (NASA), parece possível chegar a uma resposta mais cedo do que imaginávamos.

Em causa está o relatório Biosignature False Positives, elaborado por cientistas do  Instituto Goddard de Estudos Espaciais e do Centro de Voos Espaciais Goddard. O documento frisa ser possível encontrar vida extraterrestre nas próximas décadas, mas nota que este contacto não terá, por exemplo, um “extraterrestre a apertar-nos a mão”, como tantas vezes esta imagem foi sendo criada ao longos dos anos na ficção científica.

“Ao tentar detectar vida em planetas que orbitam outras estrelas, a observação directa da vida – focando uma única árvore numa floresta alienígena, ou ver um alienígena, ou ter o alienígena a apertar a nossa mão) é totalmente improvável”, pode ler-se.

“Contudo, nas próximas décadas poderá ser possível observar evidências indirectas desta vida recorrendo às chamadas bioassinaturas”, afirma o relatório. Tal como explicam os cientistas, entende-se por “bio-assinatura” “qualquer medição ou observação que exija uma origem biológica para explicar o que se mede ou observa”.

Partindo do exemplo da Terra, entende-se como bioassinaturas terrestres “fósseis de dinossauros, embalagens vazias e o oxigénio”, enumera o documento. Cada uma destas observações, adianta o mesmo relatório, fornece uma evidência indirecta, de valor variável, da presença de vida existente ou já extinta.

Os falsos positivos

No mesmo documento, os cientistas alertam ainda para a possibilidade de encontrar falsos positivos durante a procura, uma vez que alguns processos podem mascarar ou imitar as provas que os cientistas há anos procuram.

“Na procura por formas de vida, seja na parte mais antiga dos registos geológicos da Terra, seja em planetas do nosso Sistema Solar, como Marte, ou especialmente em planetas extras-solares, nós devemos inferir sobre a existência de vida a partir do seu impacto local ou global sobre o ambiente”.

E sustentam: “Estas bioassinaturas, frequentemente identificadas a partir da influência conhecida de organismos terrestres sobre a atmosfera e a superfície da Terra, podem ser diagnosticadas incorrectamente quando as aplicamos a mundos alienígenas. Os chamados falsos positivos podem ocorrer quando outro processo ou conjunto de processos mascara ou imita uma bio-assinatura”, observam os autores do relatório.

Recentemente, e a propósito da procura de vida alienígena, o chefe do departamento de Astronomia da Universidade de Harvard, Avi Loeb, especulou que o estranho Oumuamua, que actualmente viaja pelo nosso Sistema Solar, não fosse nem um cometa nem um asteróide, mas antes uma nave alienígena. O docente tem reiterado essa teoria.

ZAP // SputnikNews

Por ZAP
15 Fevereiro, 2019

 

1593: Dunas misteriosas provam que o vento de Marte sopra sempre na mesma direcção

NASA

Novas imagens do instrumento de imagem de alta resolução HiRISE a bordo do MRO da NASA, em Marte, revelam a capacidade erosiva do vento na superfície do Planeta Vermelho.

Nas fotografias publicadas pela agência espacial, muitas dunas de areia são visíveis. Têm uma forma crescente alongada e são chamados de “dunas de Barchan”.

As dunas são formados pela acção contínua do vento que sopra na mesma direcção. A orientação destas dunas indica que o vento predominante sopra da direita para a esquerda (leste a oeste). O vento está a mover continuamente os grãos de areia ao longo da maior inclinação da duna, em direcção ao topo.

As pequenas ondulações na inclinação são causadas por este movimento. Quando os grãos de areia atingem o topo, caem no declive mais íngreme e mais curto, que, consequentemente, não tem ondulações. É este movimento gradual de areia que faz com que as dunas se movam lentamente ao longo do tempo, relata a NASA.

Outra imagem tirada pela câmara HiRISE mostra como a erosão da superfície revela várias camadas de tons claros, provavelmente depósitos sedimentares, na superfície marciana.

As características geológicas mais recentes são, neste caso, estreitas dunas de areia que serpenteiam no topo de todas as rochas. HiRISE opera em comprimentos de onda visíveis, assim como os olhos humanos, mas com uma lente telescópica que produz imagens em resoluções nunca antes vistas em missões de exploração planetária.

Estas imagens de alta resolução permitem aos cientistas distinguir objectos de um metro de tamanho em Marte e estudar a morfologia e estrutura da superfície de forma muito mais completa.

ZAP // Europa Press

Por ZAP
14 Fevereiro, 2019

 

1591: “Desta vez vamos lá ficar”: NASA revela planos para regressar à Lua

(PD/CC0) Comfreak / pixabay

O administrador da agência espacial norte-americana tem planos ambiciosos para a Lua e para o Homem. Jim Bridenstine revelou na quinta-feira que quer que os humanos voltem a pisar solo lunar, pretendendo ainda que estes vão mais além da órbita da Terra desde 1972 – tudo isto enquanto exerce o seu cargo na NASA.

Num artigo assinado para o portal Ozy, Jim Bridenstine levantou o véu sobre os seus planos futuros: a NASA está à procura de assistência e ajuda de empresas norte-americanas para desenvolver módulos de descida e sistemas reutilizáveis para transportar astronautas para a Lua e vice-versa.

O responsável da NASA sublinha, contudo, que os planos para voltar à Lua não implicam repetir o que aconteceu há já 50 anos: “Vamos à Lua com novas tecnologias e sistemas inovadores para explorar mais locais na superfície do que imaginávamos ser possível. Desta vez, quando formos para a Lua, vamos lá ficar”, afirma.

Procurando “uma presença sustentável de seres humanos além da órbita da Terra”, a agência espacial norte-americana quer construir um posto na órbita lunar que poderia chamar-se de Gateway. Este posto, segundo o especialista, poderia garantir a passagem segura dos astronautas até à Lua e de volta à Terra.

O Gateway seria a base para o primeiro módulo de descida reutilizável na Lua, que abriria mais oportunidades de negócio para a exploração espacial a longo prazo. Para chegar até à base lunar e depois regressar à Terra, a NASA propõe a utilização do autocarro espacial SLS (Space Launch System) e a nave espacial Orion, ambos em fases de desenvolvimento.

Bridenstine convidou já representantes de empresas privadas e outros potenciais parceiros para uma reunião na sede da NASA, a realizar-se na próxima semana, na qual serão debatidos os módulos de descida lunar. O administrador adiantou ainda que a NASA trabalha já com nove empresas nacionais para enviar novas ferramentas e equipamentos científicos para a superfície lunar como, por exemplo, cargas comerciais.

A NASA quer enviar astronautas à Lua durante a próxima década. A primeira missão de envio comercial de equipamentos técnicos está prevista para o final de 2020. “Posso ter perdido o primeiro pouso do Homem na Lua, mas estou a trabalhar para ter certeza de que vou ver o próximo, juntamente com o resto do mundo”, rematou Bridenstine.

ZAP //

Por ZAP
14 Fevereiro, 2019

 

1589: Morreu a Opportunity, a sonda da NASA que explorou Marte durante 15 anos

Lonesome–Crow / Deviant Art

A agência espacial norte-americana deu esta quarta-feira por terminada a missão do veículo robotizado Opportunity em Marte, que permitiu aos cientistas concluírem que o planeta terá tido no passado água como a Terra.

A morte da Opportunity, ao fim de 15 anos em solo marciano, foi anunciada em comunicado e depois de a NASA ter esgotado todas as tentativas, a última das quais na terça-feira, para restabelecer as comunicações com o veículo.

A sonda “adormecida” deixou de comunicar com a Terra em 10 de Junho de 2018, depois de ter sido atingido por uma grande tempestade de poeira

Actualmente, a NASA tem duas missões robóticas em Marte – a Curiosity e a InSight – e prepara-se para lançar, já em Julho de 2020, uma outra, a Mars 2020, que irá à procura, juntamente com a missão europeia ExoMars, de sinais de vida microbiana passada no planeta.

O veículo robotizado Curiosity está a explorar a superfície marciana, em particular a cratera Gale, há mais de seis anos, enquanto a sonda InSight, que chegou a Marte em 26 de Novembro de 2018, vai estudar o interior do planeta.

ZAP // Lusa

Por Lusa
14 Fevereiro, 2019

 

1586: A Via Láctea vai mesmo colidir com a Andrómeda (e já tem data marcada)

NASA Andrómeda

A Via Láctea vai sobreviver na sua forma actual durante mais tempo do que os astrónomos pensavam, sugere um novo estudo. Porém, a colisão entre a nossa galáxia e a Andrómeda, não só vai acontecer, como também tem data marcada.

A monstruosa colisão entre a Via Láctea e a Andrómeda vai acontecer daqui a 4,5 mil milhões de anos, de acordo com um novo estudo, baseado em observações feitas pelo telescópio Gaia da Agência Espacial Europeia.

Anteriormente, os cientistas acreditavam que isso aconteceria em 3,9 mil milhões de anos, mas os autores da investigação, publicada no Astrophysical Journal, determinaram uma data diferente, que dá mais alguns anos à nossa galáxia.

“Esta descoberta é crucial para a nossa compreensão sobre como as galáxias evoluem e interagem”, disse Timo Prusti, que não esteve envolvido no estudo, em comunicado.

O telescópio Gaia foi lançado em Dezembro de 2013 para ajudar os investigadores a criar o melhor mapa 3D da Via Láctea já construído. A espaço-nave tem monitorizado com precisão as posições e movimentos de um grande número de estrelas e outros objectos cósmicos. A equipa tem como objectivo rastrear mais de mil milhões de estrelas.

A maioria das estrelas que Gaia está de olho está na Via Láctea, mas algumas estão em galáxias próximas. No novo estudo, os investigadores rastrearam um número de estrelas na nossa galáxia, na Andrómeda e na espiral Triangulum. Estas galáxias vizinhas estão entre 2,5 milhões e três milhões de anos-luz da Via Láctea e podem estar a interagir umas com as outras.

“Precisávamos explorar os movimentos das galáxias em 3D para descobrir como cresceram e evoluíram e o que cria e influencia as suas características e comportamento”, disse o principal autor do estudo, Roeland van der Marel, do Space Telescope Science Institute.

Este trabalho permitiu que a equipa determinasse as taxas de rotação da Andrómeda e da Triangulum – algo que nunca tinha sido feito antes. Usando as descobertas e análises derivadas de Gaia sobre as informações arquivadas, a equipa mapeou como as galáxias se moviam pelo espaço no passado e onde passarão os próximos milhões de anos.

Os autores preveem que não será uma colisão frontal, mas um “golpe lateral”, que não será demasiado devastador. Como a distância entre as estrelas e as galáxias ainda é astronomicamente grande, o nosso Sistema Solar tem bastante probabilidade de sair intacto do evento.

No entanto, antes da colisão com Andrómeda, a Via Láctea terá de suportar algo semelhante com a Grande Nuvem de Magalhães  e que deverá acontecer em 2,5 mil milhões de anos. Enquanto a Andrómeda é um pouco maior que a nossa galáxia, a Grande Nuvem de Magalhães tem apenas 1/80 da massa da Via Láctea.

Ainda assim, a colisão com a Grande Nuvem de Magalhães afectará a nossa galáxia, supostamente ao aumentar a massa do buraco negro super-massivo no seu centro e ao remodelar a Via Láctea numa galáxia espiral padrão.

ZAP // Live Science

Por ZAP
13 Fevereiro, 2019