4111: “Partenon dos Naufrágios”. Grécia abre o seu primeiro museu arqueológico subaquático

CIÊNCIA/ARQUEOLOGIA

dsabo / Canva

A Grécia abriu nesta segunda-feira o seu primeiro museu arqueológico subaquático, que reúne um conjunto de ânforas do século V a.C e que foi baptizado como o “Pártenon dos Naufrágios”, na costa da ilha de Alonissos, no Mar Egeu.

A partir de agora, o Governo grego permitirá que mergulhadores certificados possam aceder à herança subaquática do país, depois de converter o naufrágio de um navio de carga neste museu debaixo de água, conta o diário britânico The Guardian.

A atracção turística e cultural abriu oficialmente nesta segunda-feira e estará disponível para visitas até 2 de Outubro, de acordo com o mesmo jornal.

A um profundidade de 28 metros, os mergulhadores mais curiosos poderão ver um navio afundado há cerca de 2.500 anos, carregado de quase 4.000 ânforas – vaso ladeado por duas “asas” – que permanecem quase intactas apesar da passagem do tempo.

Para as pessoas que não preenchem os requisitos para efetuar o mergulho, o museu helénico oferece um projecto que permite fazer a viagem em realidade virtual.

O naufrágio Peristera, assim baptizado depois de a ilha de Alonissos, onde foi descoberto, ter ficado desabitada, representa um grande navio mercante de Atenas que afundou em meados de 425 a.C devido ao mau tempo. O director das autoridades subaquáticas da Grécia, Pari Kalamara, precisou aos média locais que a embarcação carregava milhares de ânforas de vinho Calcídica, no norte do paós e nas ilhas de Skopelos.

Foi em 1985 encontrado por um pescador na costa de Peristera. Tem 25 metros de comprimento, dimensões que levam os historiadores a acreditar que este é o maior navio já descoberto debaixo de água, segundo frisa a Russia Today.

“Mostrámos à Humanidade o Partenon dos Naufrágios”, disse o governador da região da Tessália, à qual Alónissos pertence, Kostas Agorastos, em entrevista à ERT.

Outros três naufrágios encontrados no Golfo Pagasético, na Grécia central, também fazem parte deste projecto, incluído num programa financiado pela Comissão Europeia que visa tornar a região num local arqueológico subaquático.

ZAP //

Por ZAP
5 Agosto, 2020

 

spacenews