3950: Fósseis guardados em gaveta de museu pertencem a criatura gigante com 25 milhões de anos

CIÊNCIA/PALEONTOLOGIA

Peter Schouten

Os fósseis foram descobertos em 1973, mas só agora foram formalmente identificados e anunciados ao público. Trata-se de um antepassado gigante de fascólomos, também conhecidos como vombates.

Fascólomos estão entre os animais mais peculiares. De facto, os fascólomos são excêntricos e não se parecem muito com os seus parentes vivos mais próximos, os coalas. Mas os coalas e os fascólomos são os últimos sobreviventes de um grupo de marsupiais que já foi mais diversificado e cuja história fóssil remonta há pelo menos 25 milhões de anos.

Descobrir como este grupo diversificado fracassou em apenas fascólomos e coalas levou séculos de descobertas extraordinárias no registo fóssil. Uma dessas foi, na semana passada, anunciada num estudo publicado na revista Scientific Reports.

Mukupirna nambensis é um dos mais antigos marsupiais australianos descobertos. A sua descoberta aprofundou a compreensão dos relacionamentos e da história evolutiva de um dos grupos mais estranhos que já governaram esse continente.

Em 1973, no lago Pinpa , no sul da Austrália, uma expedição liderada pelo paleontólogo Dick Tedford, do Museu Americano de História Natural, descobriu uma série de animais extintos.

Uma combinação de seca e ventos fortes soprou a areia da superfície do leito do lago, revelando os restos de animais que morreram depois de ficarem presos na lama há 25 milhões de anos.

Uma das descobertas foi o crânio e o esqueleto parcial de um animal grande e distinto, semelhante ao fascólomo, que era claramente novo na ciência – Mukupirna.

Uma vez descobertos, os fósseis foram envoltos em gesso para serem transportados de volta para o Museu de História Natural, onde foram submetidos a anos de cuidadosa preparação. Embora Mukupirna tenha sido descoberto dessa maneira em 1973, só agora essa descoberta pode ser formalmente anunciada ao mundo.

O paleontólogo que descobriu o fóssil pela primeira vez morreu antes que pudesse estudá-lo. Agora, um dos seus ex-alunos pegou no trabalho deixado para trás, escreve o ATI.

Uma das coisas mais notáveis sobre este marsupial é o seu grande tamanho, que se estima ser entre 143-171 quilogramas, mais de quatro vezes maior do que qualquer fascólomo vivo.

Os antebraços de Mukupirna eram poderosamente musculados e as suas mãos podem ter funcionado como pás, um atributo compartilhado com os fascólomos modernos. Além disso, Mukupirna era claramente herbívoro, ao contrário dos fascólomos.

Pólen no depósito fóssil indica que, ao contrário de hoje, não havia pastos nesta área do centro da Austrália naquela época. Em vez disso, era dominada pela floresta tropical.

O reconhecimento formal de Mukupirna preenche mais uma lacuna no nosso conhecimento da estranha e maravilhosa história evolutiva dos mamíferos neste continente.

Infelizmente, é provável que todos eles tenham desaparecido quando uma mudança no clima global desencadeou uma alteração ambiental de florestas tropicais fracas, há 25 milhões de anos, para florestas tropicais mais exuberantes e com mais biodiversidade, há 23 milhões de anos.

Isso resultaria em condições de efeito de estufa mais intensas e num ambiente presumivelmente não adequado a estas criaturas.

Por ZAP
4 Julho, 2020

 

spacenews