3038: Caracóis estão a ficar amarelos para se adaptarem às alterações climáticas

CIÊNCIA

Mad Max / Wikimedia

Nas áreas urbanas, os caracóis estão a ficar com as cascas amarelas para se adaptarem às alterações climáticas. Os cientistas vão agora analisar os padrões das penas dos pássaros, para perceberem se também há uma adaptação da sua parte.

Uma equipa de investigadores deu oportunidade às pessoas de, por momentos, se tornarem elas mesmas cientistas. Com recurso a uma aplicação para o smartphone, os investigadores pediram às pessoas que fotografassem caracóis para perceberem como é que os ambientes urbanos afectam este molusco.

Segundo o Massive Science, os caracóis são altamente sensíveis à mudança de temperatura, daí as suas conchas pálidas os ajudarem a manter-se frescos. A espécie estudada, Cepaea nemoralis, pode ter até três tonalidades de cor: rosa, amarelo e castanho.

O estudo publicado em Julho na revista científica Communications Biology procurou perceber se havia uma predominância de caracóis com cores mais claras na cidade, devido às adaptações à temperatura mais quente.

As fotografias captadas pelos utilizadores da app eram analisadas por um algoritmo, que concluiu que havia mais caracóis amarelos nas áreas urbanas. Isto confirma a ideia inicial dos investigadores, já que o amarelo reflete mais o sol em comparação com as outras cores.

Por outro lado, aperceberam-se que os espécimes das áreas urbanas não tinham menos riscas pretas do que os das florestas. A equipa de investigadores acredita que esta se pode tratar de uma forma única de ajustar a radiação de calor.

Agora, para o futuro, os cientistas esperam voltar a recorrer à população e às novas tecnologias para ajudar a analisar os padrões de penas em pássaros nas áreas urbanas. Os cientistas holandeses esperam perceber a forma como as alterações climáticas podem afectar os animais voadores.

ZAP //

Por ZAP
17 Novembro, 2019

 

3006: Os veados estão a ter as crias mais cedo (e a culpa é das alterações climáticas)

CIÊNCIA

Magda Ehlers / Pexels

Uma equipa de cientistas documentou a forma como o veado-vermelho selvagem de uma ilha escocesa parece estar a evoluir ao longo de décadas em resposta às mudanças climáticas, fazendo com que deem à luz no início do ano.

De acordo com o estudo publicado esta semana na revista especializada PLOS Biology, estes veados, que vivem na ilha de Rum, na costa oeste da Escócia, sofreram mudanças genéticas que fizeram que os animais tivessem crias quase duas semanas antes nas últimas quatro décadas.

Estudos anteriores de outros grupos de cientistas demonstraram que os veados desta ilha estavam a dar à luz mais cedo, em parte como resultado das temperaturas mais quentes que alteraram o seu comportamento e o funcionamento dos seus corpos.

O último estudo destaca o importante papel das mudanças genéticas adaptativas nesse processo. Os investigadores dizem que este trabalho representa algumas das primeiras evidências de que mudanças evolutivas estão a afectar a época do ano em que os animais selvagens dão à luz.

“Este é um dos poucos casos em que documentamos a evolução em acção, mostrando que pode ajudar as populações a adaptarem-se ao aquecimento climático“, disse Timothée Bonnet, principal autor do estudo da Universidade Nacional da Austrália, em comunicado, citado pelo Newsweek.

Para o seu estudo, Bonnet e os seus colegas examinaram registos de campo e dados genéticos que os cientistas recolheram da população de veados que viviam na ilha entre 1972 e 2016.

A análise da equipa revelou que as fêmeas de veado-vermelho, conhecidas como corças, com adaptações genéticas que as levaram a dar à luz e a ter crias no início do ano tendem a ter mais filhos ao longo da vida individual. Assim, os genes responsáveis ​​oferecem uma vantagem evolutiva e, como resultado, tornaram-se cada vez mais comuns nessa população de veados nas últimas décadas.

As mudanças climáticas estão a afectar a vida no nosso planeta Terra de várias formas e os cientistas dizem que, para as espécies sobreviverem, precisam de se adaptar passando por mudanças genéticas ou migrando para habitats mais adequados.

Por outro lado, um estudo publicado o mês passado na revista especializada Proceedings of the National Academy of Sciences sugere que a adaptação genética acoplada à dispersão em novas faixas poderia colocar as espécies em conflito umas com as outras. Essa descoberta pode significar que os cientistas estão a subestimar a forma como as mudanças climáticas globais afectarão a biodiversidade e o número de extinções que ocorrerão.

Alguns cientistas argumentam que a Terra está actualmente na sua sexta extinção em massa, sendo que há espécies a desaparecer significativamente mais rapidamente. Aliás, um milhão de espécies em todo o mundo correm o risco de desaparecer devido às pressões humanas e às mudanças climáticas.

ZAP //

Por ZAP
10 Novembro, 2019

 

2688: Jovens do mundo inteiro ocupam a ONU em inédita Cimeira do Clima

AMBIENTE

Justin Lane / EPA
O secretário geral da ONU, António Guterres, com a activista Greta Thunberg, de 16 anos

Mais de 500 jovens, representantes de mais de 140 países, ocuparam este sábado o espaço habitualmente destinado aos diplomatas da ONU.

A United Nations Youth Climate Summit, primeira cimeira da juventude sobre o clima, em Nova York, aconteceu este sábado, após as enormes manifestações contra o aquecimento global que tiveram lugar por todo o mundo na sexta-feira.

Os jovens compareceram em força à cimeira, tendo proposto soluções concretas e exigindo dos chefes de Estado medidas para travar as mudanças climáticas.

Duas gerações inauguraram o dia de debates na sede das Nações Unidas. A primeira foi representada pelo secretário-geral da ONU, António Guterres, o grande dinamizador do encontro, que culmina na segunda-feira com a Cimeira do Clima dos líderes mundiais.

A ambientalista sueca Greta Thunberg representava a segunda geração, este sábado a maioria dos participantes.

Mostrámos que estamos unidos e que os jovens são imparáveis“, disse a activista de 16 anos, que ficou conhecida pelas suas greves às sextas-feiras em frente ao Parlamento sueco, sob o lema “Sextas pelo Futuro”, que se transformaram em um movimento mundial.

A sueca preferiu dar o seu tempo ao representante de outros continentes, e foi o discurso do argentino Bruno Rodríguez, de 19 anos, que expressou melhor a indignação da juventude mundial.

“Dizem que a nossa geração deve resolver os problemas criados pelos actuais governantes, mas não vamos esperar passivamente. Chegou a hora de sermos os líderes“, disse o fundador da organização Jovens pelo Clima Argentina. “Basta! Não queremos mais combustíveis fósseis!”, afirmou o activista.

Energia rara

Segundo a correspondente da RFI em Nova York, Carrie Nooten, raramente se viu nos corredores da ONU tanta energia e tantas soluções concretas. Os participantes puderam apresentar quer projectos tecnológicos quer naturais, criados nos seus países de origem, para combater as mudanças climáticas.

Há muito tempo que pedimos um lugar à mesa dos que tomam as decisões”, disse aos jovens líderes Jayathma Wickramanayake, mandatária para a juventude do secretário-geral da ONU. “Hoje, são os líderes mundiais que estão a pedir para negociar connosco”, completou.

A jovem Kamal Karishma Kumar, das Ilhas Fiji, realçou que para as ilhas do Pacífico combater as mudanças climáticas é uma questão de sobrevivência. “Não queremos que as gerações futuras afundem com nossas ilhas“, afirmou.

Em nome dos 625 milhões de jovens africanos, o queniano Wanjuhi Njoroge recordou que os países de África são os que emitem menos gases de efeito estufa, mas os que mais sofrem com as consequências do aquecimento global, e pediu acima de tudo apoio financeiro “para trabalhar na mitigação e adaptação às mudanças climáticas”.

Sentado entre os jovens, Guterres pediu-lhes que continuem a lutar e exigir que os líderes prestem contas sobre os seus planos para o clima”.

Ainda estamos a perder a corrida contra o aquecimento global. Ainda há quem atribua subsídios às energias fósseis e centrais de carvão. Mas nota-se uma mudança nesta dinâmica, devido em parte às vossas iniciativas e à coragem com que vocês começaram este movimento”, afirmou.

Na sexta-feira, cerca de 4 milhões de jovens saíra às ruas de mais de 5 mil cidades em 163 países do planeta, para participar do maior protesto da história na luta contra as mudanças climáticas.

Cimeira dos líderes mundiais

A cimeira da juventude abriu a Cimeira do Clima da ONU, que termina esta segunda-feira com uma reunião de chefes de Estado. Representantes de mais de 60 países participam do encontro e novos anúncios para conter o aquecimento global são esperados.

Os líderes mundiais começam a chegar este domingo a Nova York para participar no evento, ao qual se segue a Assembleia Geral da ONU da próxima terça-feira. O presidente dos EUA, Donald Trump, tal como o presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, vão estar presentes na Assembleia Geral da ONU, mas não participarão na Cimeira do Clima.

O motivo, António Guterres, é não terem mostrado interesse.

ZAP // RFI

Por RFI
22 Setembro, 2019

 

2648: A Terra tem um terceiro pólo (e está a derreter)

CIÊNCIA

Situado na plataforma tibetana a 6740 metros de acima do nível do mar, os glaciares no sopé da cadeia montanhosa Meili já perderam um quarto do gelo desde 1970 – e o pior está para vir.

Concentrando a maior quantidade de neve e de gelo depois do Árctico e do Antárctico, dois terços dos seus glaciares podem desaparecer nos próximos 80 anos, revela um relatório agora publicado pelo Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC).

Os cientistas avisam que no final do século esta camada de gelo em torno do Kawa Kapo, uma montanha sagrada para os budistas, terá derretido severamente e já nada pode ser feito. Mesmo que se cumpram as metas do acordo internacional para limitar o aquecimento global em 1,5ºC acima dos níveis pré-industriais, o degelo é irreversível.

Khawa Karpo está no “terceiro pólo” do mundo. É assim que os glaciologistas se referem a esta zona, lar da vasta camada de gelo Hindu Kush-Himalaia, porque contém a maior quantidade de neve e gelo depois do Árctico e Antárctico – cerca de 15% do total global. No entanto, um quarto de seu gelo foi perdido desde 1970.

De acordo com a reportagem do jornal britânico The Guardian, esta “torre de água gelada” da Ásia alimenta dez dos maiores rios do mundo, entre eles o Ganges e o Mekong, e dos quais dependem directamente – através da água que bebem, que usam na agricultura ou para produzir energia – 1,6 mil milhões de pessoas.

Esta região do planeta não tem tido a atenção que o degelo nos pólos Norte e Sul têm tido. Uma previsão errada veiculada pelo próprio IPCC, em 2007, antecipando o fim de todos os glaciares dos Himalaias até 2035, terá contribuído para uma desvalorização da situação.

As condições de acesso também não têm facilitado a situação. Situando-se num local sagrado para os locais, o acesso ao glaciar de Mingyong, no sopé da montanha Kawa Kapo, está vedado aos cientistas e tem de ser estudado apenas com recursos a fotografias tiradas sucessivamente ao longo do tempo para medir a retracção do gelo.

Tal como está a acontecer nos pólos, o aumento da temperatura média global do planeta ajuda a explicar o desaparecimento dos glaciares. Porém, no caso da plataforma tibetana, os efeitos fazem-se sentir mais rapidamente pela altitude a que se encontra.

Mesmo que o aumento da temperatura no planeta fique abaixo de 1,5ºC, a subida na região rondará os dois graus. Os efeitos já se fazem sentir na diminuição da queda de neve. Comparando com há quatro décadas, registam-se agora menos quatro noites frias por ano e sete mais noites quentes.

“Esta é a crise climática de que não se fala”, alerta um cientista-chefe de uma organização internacional baseada em Katmandu.

ZAP //

Por ZAP
16 Setembro, 2019

 

2579: O clima de Vénus está a mudar (e a razão está escondida nas suas nuvens)

(CC0) GooKingSword / Pixabay

Vénus, há muito considerada a gémea muito mais quente da Terra, guarda muitos mistérios dentro das suas nuvens, que também podem ser responsáveis pelas dramáticas mudanças climáticas do planeta.

Um novo estudo sobre uma década de observações ultravioletas de Vénus de 2006 a 2017 mostrou que o reflexo da luz ultravioleta no planeta diminuiu para metade antes de voltar a disparar.

Essa mudança resultou em grandes variações na quantidade de energia solar absorvida pelas nuvens de Vénus e na circulação na sua atmosfera, causando as mudanças no clima do planeta.

“As mudanças climáticas actuais em Vénus não foram consideradas antes”, disse Yeon Joo Lee, investigadora do Centro de Astronomia e Astrofísica da Universidade Técnica de Berlim e principal autora do estudo, à Space.com. “Além disso, o nível de variação de UV-albedo [reflectividade] é significativamente grande, suficiente para afectar a dinâmica atmosférica”.

Os cientistas combinaram observações da missão Venus Express da Europa, da japonesa Akatsuki Venus orbiter, da espaço-nave Messenger da NASA (que voou por Vénus a caminho de Mercúrio) e do Telescópio Espacial Hubble para o estudo.

O clima em Vénus, como o da Terra, é afectado pela radiação solar e pelas mudanças no reflexo das nuvens circundantes. Mas, ao contrário da Terra, as nuvens de Vénus são compostas de ácido sulfúrico e contêm manchas escuras que os cientistas chamam de “absorvedores desconhecidos”, uma vez que absorvem a maior parte do calor e da luz ultravioleta emitida pelo sol.

O novo estudo sugere que os absorvedores podem ser o que está a causar essas mudanças no clima de Vénus, embora a equipa de cientistas acredite que a única maneira de saber com certeza é através de observações adicionais. “Pelo menos mais uma década de observações. Isso abrangerá mais um ciclo de actividade solar e poderemos descobrir se essa mudança é cíclica”, disse Lee.

Sanjay Limaye, cientista da Universidade de Wisconsin–Madison e co-autor do novo estudo, sublinhou também que estas partículas super-absorventes se assemelham a microrganismos presentes na atmosfera da Terra.

O clima no planeta já é bastante extremo, com temperaturas a atingir 471ºC e ventos com velocidades de 724 quilómetros por hora.

Uma hipótese mais estranha faz com que os absorvedores sejam realmente de origem biológica. Enquanto a superfície de Vénus é infernal, o topo das nuvens é suficientemente suave para sustentar a vida. Essa ideia tem surgido desde o final da década de 1960.

Se mais observações provassem que a actividade solar está conectada a esta mudança no clima, poderia ser aplicada a todos os outros planetas com aerossóis, partículas sólidas ou líquidas que reflectem a luz solar, como Terra e Titã. No entanto, o grau de mudança seria diferente em cada um.

Lee disse que está a desenvolver planos para mais investigações sobre absorvedores desconhecidos nas nuvens de Vénus, acrescentando que uma missão futura em Vénus pode ajudar os cientistas a entender melhor as mudanças climáticas do planeta.

O estudo foi publicado a 26 de Agosto na revista especializada The Astronomical Journal.

ZAP //

Por ZAP
6 Setembro, 2019

 

2550: A Rússia tem cinco novas ilhas (e isso é má notícia)

CIÊNCIA

Christopher Michel / Wikimedia

Investigadores encontraram cinco novas ilhas nas águas geladas da costa norte da Rússia. Embora novas descobertas sejam tipicamente algo para comemorar, desta vez, é má notícia.

As ilhas encontradas na Rússia só foram reveladas graças ao derretimento glacial acelerado das mudanças climáticas.

A presença de novas ilhas na área foi sugerida pela primeira vez por uma estudante universitária que estudava imagens de satélite enquanto escrevia o seu trabalho final no fim de 2016. A presença de pelo menos cinco novas ilhas foi confirmada esta semana pelo Ministério da Defesa da Rússia após uma expedição recente pelo Vizir, um navio de investigação da Marinha Russa.

“Foi realizada uma investigação topográfica nas novas ilhas”, disseram os militares em comunicado. “Foram descritos em detalhes e fotografados.” As novas ilhas, com tamanho entre 900 a 54.500 metros quadrados, podem ser encontradas perto de Novaya Zemlya e Franz Josef Land, no Oceano Árctico, dois arquipélagos de centenas de ilhas habitadas apenas por militares.

Todas as ilhas foram anteriormente engolidas pelo gelo do glaciar Nansen, também conhecida como Vylka. No entanto, foram expostas após o recuar do gelo devido ao aumento da temperatura do ar e do oceano.

O Círculo Polar Árctico está a experimentar alguns dos aumentos mais acentuados no clima mais quente do mundo, especialmente no ano passado, que registou um calor recorde em grande parte do Árctico. Num exemplo particularmente chocante, as temperaturas numa vila sueca no Círculo Polar Árctico atingiram 34,8°C em 26 de Julho de 2019. O noroeste da Rússia também viu as temperaturas subirem para 29°C..

Com as temperaturas quentes, vem o degelo do gelo e o derretimento dos glaciares. Os principais episódios de derretimento de superfície ocorreram em muitas partes do Árctico este ano, principalmente na Gronelândia, onde cerca de 197 mil milhões de toneladas de gelo derreteram apenas no mês de Julho.

Um estudo de 2018, publicado na revista especializada Remote Sensing of Environment, analisou os glaciares em redor do arquipélago de Franz Josef Land e descobriu que a perda de massa de gelo entre 2011 e 2015 duplicou em comparação com os intervalos de tempo anteriores.

“Actualmente, o Árctico está a aquecer duas a três vezes mais rápido que o resto do mundo, por isso, naturalmente, glaciares e calotas polares reagirão mais depressa”, disse Simon Pendleton, da Universidade do Colorado, no Instituto de Pesquisa Árctica e Alpina de Boulder, que não está envolvido nesta nova descoberta, em Janeiro.

Além da descoberta de novas terras, as dramáticas mudanças no Árctico estão a causar um efeito devastador na biodiversidade e assentamentos humanos na área e fora dela.

ZAP //

Por ZAP
30 Agosto, 2019

 

1731: Cientistas revelam o único método capaz de evitar uma catástrofe climática

(CC0/PD) Myriams-Fotos / Pixabay

Cientistas de três centros universitários adiantam que o único método eficaz para combater os efeitos das alterações climáticas sem prejudicar o meio ambiente é a geoengenharia e as emissões de aerossóis.

Um dos principais equívocos inerentes à geoengenharia solar (colocar aerossóis na atmosfera para reflectir a luz do Sol e reduzir o aquecimento global) é que poderia ser usada como uma solução viável para reverter as tendências do aquecimento global e trazer a temperatura de volta aos níveis pré-industrias.

Mas desengane-se: não é assim tão linear. A aplicação de enormes doses de geoengenharia solar para compensar todo o aquecimento do aumento dos níveis atmosféricos de C02 poderia piorar o problema climático – particularmente os padrões de precipitação – em certas regiões.

No entanto, doses menores de geoengenharia solar aliadas a cortes de emissões poderiam ser a arma fatal para erradicar os riscos das mudanças climáticas.

Uma nova investigação, levada a cabo pela Universidade de Harvard, em colaboração com o Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT) e com a Universidade de Princeton, descobriu que se a geoengenharia solar for usada para reduzir para metade os aumentos da temperatura global, pode haver benefícios à escala mundial.

Na prática, o que os cientistas defendem é que é possível determinar um nível seguro de emissões de aerossóis na atmosfera de maneira a que estes reflitam a luz solar e reduzam o aquecimento global. O artigo científico foi publicado recentemente na Nature Climate Change.

“Alguns dos problemas identificados em estudos anteriores são exemplos do velho ditado de que a dose é o veneno“, disse David Keith, professor de física aplicada da Universidade de Harvard e principal autor do estudo, citada pelo Phys.org.

Os cientistas desenvolveram assim um modelo climático de chuvas extremas e ciclones tropicais para determinar o efeito da geoengenharia em diferentes regiões da Terra. Foram determinados os índices extremos de temperatura e precipitação, a disponibilidade de água doce e a intensidade dos furacões.

As emissões de aerossóis na atmosfera reduzem o aumento da temperatura global para metade, têm um efeito favorável no abastecimento de água e na precipitação em várias regiões, compensando o aumento (em mais de 85%) dos desastres naturais.

Ao mesmo tempo, menos de 0,5% dos territórios seriam afectados negativamente pelos métodos da geoengenharia. Estas regiões afectadas são caracterizadas pela resiliência ao aquecimento global, afirmam os cientistas.

Estes resultados refutam a opinião de que os aerossóis podem agravar significativamente a situação climática da Terra. Para evitar um efeito negativo, é necessário calcular correctamente a quantidade admissível de aerossóis emitidos para a atmosfera, advertem os especialistas.

Segundo a investigação, este é o único método para combater eficazmente os efeitos das mudanças climáticas.Uma outra opção seria reduzir ,imediatamente as emissões de gases de efeito de estufa. No entanto, neste último caso, o aquecimento só poderia ser interrompido se todas as instalações eléctricas, fábricas e mesmo automóveis fossem rapidamente desactivados –  e isso parece (muito) improvável.

Muitos cientistas acreditam que a Humanidade já perdeu a oportunidade de evitar uma catástrofe climática causada pelo aumento da temperatura média da Terra em mais de 1,5 graus Celsius. A única esperança reside, assim, nos métodos de geoengenharia.

ZAP //

Por ZAP
17 Março, 2019

– Eles, os cientistas, chamam-lhe de geoengenharia solar. Eu, não cientista, chamo-lhe de CHEMTRAILS e as descargas químicas e emissões de aerossóis estão a ser efectuadas há anos e a instalar doenças nas pessoas…

1653: Já há data para o primeiro verão sem gelo no Árctico

NASA GODDARD/ KATY MERSMANN

O oceano Árctico pode ficar sem de gelo durante o verão nos próximos 20 anos devido a uma fase de aquecimento natural que se faz sentir já há algum tempo no Pacífico tropical, sendo depois exacerbada pela actividade do Homem.

Modelos computacionais preveem que a mudança climática tornará o Árctico quase livre de gelo marinho durante o verão em meados deste século, a menos que as emissões de gases de efeito de estufam sejam reduzidas em grande medida pelos humanos.

Contudo, uma análise mais detalhada sobre os ciclos de temperatura a longo prazo no Pacífico tropical aponta para um Árctico sem gelo em Setembro, o mês com menos gelo marinho, segundo descreve um novo estudo esta semana publicado na científica Geophysical Research Letters.

“A trajectória aponta para a ausência de gelo no verão, mas não se sabe ao certo quando acontecerá”, explicou James Screen, professor associado de ciência do clima da Universidade de Exeter, no Reino Unido, e autor principal do estudo em comunicado.

Existem vários modelos climáticos utilizados pelos cientistas para prever quando ocorrerá o primeiro Setembro sem gelo. A maioria dos modelos projecta que haverá menos de 1 milhão de quilómetros quadrados de gelo marinho até meados deste século, as projecção de quando isso acontecerá variam em janelas de tempo de 20 anos devido a flutuações climáticas naturais.

O modelo climático utilizado no novo estudo prevê um verão árctico sem gelo entre 2030 e 2050, se os gases de efeito estufa continuarem a subir ao ritmo actual.

Tendo em conta a fase de aquecimento de longo prazo no Pacífico tropical, uma nova investigação aponta que é mais provável que um Árctico sem gelo ocorra mais perto de 2030 do que em 2050.

ZAP //

Por ZAP
2 Março, 2019

[vasaioqrcode]

 

1561: O oceano vai mudar de cor até ao fim deste século

(CC0/PD) Mariamichelle / pixabay

O aquecimento global está a alterar significativamente o fitoplâncton dos oceanos do mundo, o que afectará a sua cor no final deste século. As regiões azuis e verdes vão ficar intensificadas.

Os satélites devem detectar essas mudanças de tom, fornecendo alertas antecipados de mudanças em larga escala nos ecossistemas marinhos, de acordo com um novo estudo do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), publicado na revista Nature.

Os investigadores desenvolveram um modelo global que simula o crescimento e a interacção de diferentes espécies de fitoplâncton ou algas, e a forma como a mistura de espécies em vários locais mudará à medida que as temperaturas aumentam em todo o mundo.

Os cientistas também simularam a maneira como o fitoplâncton absorve e reflete a luz e como o oceano muda de cor à medida que o aquecimento global afecta a composição das comunidades fitoplanctónicas.

Os investigadores conduziram o modelo até o final do século XXI e descobriram que, no ano 2100, mais de 50% dos oceanos do mundo mudariam de cor.

O estudo sugere que as regiões azuis, como as regiões subtropicais: tonar-se-ão ainda mais azuis, reflectindo ainda menos fitoplâncton – e a vida em geral – nessas águas. Algumas regiões que são mais verdes hoje, como as próximas dos pólos, podem ficar ainda mais verdes, já que as temperaturas mais quentes aumentam as florações de um fitoplâncton mais diversificado.

“O modelo sugere que as alterações não parecerão muito grandes a olho nu e o oceano ainda vai parecer que tem regiões azuis em regiões subtropicais e regiões verdes perto do equador e os pólos”, disse Stephanie Dutkiewicz, do Departamento de Ciências Terrestres, Atmosféricas e Planetárias do MIT e no Programa Conjunto sobre Ciência e Política de Mudança Global. “O padrão básico ainda estará lá. Mas será suficientemente diferente para afectar o resto da cadeia alimentar que o fitoplâncton sustenta”.

A cor do oceano depende de como a luz solar interage com o que está na água. Apenas as moléculas de água absorvem quase toda a luz do sol, excepto a parte azul do espectro, que é reflectida. Assim, regiões de oceano aberto relativamente áridas aparecem como azul profundos. Se houver organismos no oceano, podem absorver e reflectir diferentes comprimentos de onda da luz, dependendo das suas propriedades individuais.

O fitoplâncton, por exemplo, contém clorofila, um pigmento que absorve principalmente nas porções azuis da luz solar para produzir carbono para a fotossíntese e menos nas porções verdes. Como resultado, mais luz verde é reflectida para fora do oceano, dando às regiões ricas em algas um tom esverdeado.

Desde o final dos anos 90, os satélites têm medições contínuas da cor do oceano. Os cientistas usaram essas medidas para obter a quantidade de clorofila e, por extensão, fitoplâncton, numa determinada região oceânica. Mas Dutkiewicz diz que a clorofila não necessariamente reflete o sensível sinal da mudança climática.

Qualquer variação significativa na clorofila poderiam ser devido ao aquecimento global, mas também poderiam ser devido à “variabilidade natural” – aumentos regulares e periódicos da clorofila devido a fenómenos naturais relacionados ao clima.

ZAP // Europa Press

Por ZAP
6 Fevereiro, 2019

[vasaioqrcode]

 

1353: O Mar Morto está mesmo a morrer (e as casas podem ser engolidas)

CIÊNCIA

deepgoswami / Flickr

Há alguns anos que os especialistas alertam: o Mar Morto está a morrer, com a água a recuar mais de um metro por ano, o que alterou dramaticamente a paisagem, nomeadamente pelo aparecimento de buracos enormes.

A primeira cratera foi registada no final dos anos 80 do século XX. Actualmente, são mais de seis mil, com capacidade para engolir terra, estradas e casas.

Ninguém pode garantir o que acontecerá no futuro, mas os mais pessimistas não hesitam em defender o completo desaparecimento do famoso lago até 2050. A forma de o evitar é discutida há décadas, falando-se agora numa possível solução – complexa e com uma factura pesada.

Trata-se de um projecto para a construção de um sistema de dessalinização na Jordânia, para transformar parte da água do Mar Vermelho em água potável, bombeando a restante água salgada para o Mar Morto.

Com um custo estimado em mais de 1,3 mil milhões de euros, a obra pode mesmo avançar, esperando-se nas próximas semanas a realização de reuniões para finalizar os detalhes técnicos, segundo a NBC.

Simbólico para cristãos, judeus e muçulmanos, alguns dos mais antigos manuscritos conhecidos da Bíblia Hebraica, os Manuscritos do Mar Morto, foram encontrados na região e uma secção do rio Jordão é também considerada o local do baptismo de Jesus Cristo.

A acção humana no mar Morto

A acção humana explica em parte as alterações sofridas neste lago, entre Israel e a Jordânia, a quatrocentos metros abaixo do nível do mar.

A extracção mineral é uma das causas, com uma indústria poderosa dos dois lados da fronteira. A imensa quantidade de água que é retirada e colocada em piscinas para que possa evaporar, deixando visíveis as substâncias que importam, traduz-se em áreas de terra salina infértil que, quando dissolvida pela água doce, torna-se instável e colapsa.

Consequência desse fenómeno, pelo menos duas das praias de Israel e um resort turístico fecharam, enquanto partes da Rodovia 90 foram engolidas.

Por outro lado, o Mar Morto abastece-se de água de fontes naturais externas, como o Rio Jordão. A construção de infra-estrutura que desviaram água para o abastecimento das populações, a partir da década de 1960, teve influência no caudal do rio, tal como a diminuição das chuvas, estimando-se que o fluxo do rio Jordão tenha caído mais de 90% .

A água está também a evaporar naturalmente e de forma rápida, num processo que poderá acelerar por causa das mudanças climáticas. As previsões apontam para que as temperaturas na área subam de 5 a 11 graus até o final do século, com uma redução provável das chuvas em 30%.

O projecto Mar Vermelho/Mar Morto é olhado com optimismo porque pode resolver várias questões: a escassez de água doce da região, a estabilização dos níveis do Mar Morto e até influenciar positivamente as relações entre Israel, Jordânia e os palestinos, pela necessidade de colaborarem.

A construção do sistema de dessalinização começará no início de 2021 e levará cerca de três anos e meio a ser concluída.

ZAP //

Por ZAP
30 Novembro, 2018

[vasaioqrcode]

 

954: O frio pode ter contribuído para a extinção dos neandertais

CIÊNCIA

Michael Brace / Flickr

Uma equipa internacional de investigadores concluiu que as mudanças climáticas e o frio podem ter desempenhado um papel mais importante na extinção dos neandertais do que se pensava até então. 

Os investigadores chegaram a estas conclusões, publicadas nesta segunda-feira na revista Proceedings of the Natural Academy of Sciences, graças a novos registos naturais de estalagmites, que destacam as mudanças no clima europeu há mais de 40 mil anos.

A cada ano, as estalagmites crescem em camadas finas e, qualquer mudança na temperatura ambiente, muda automaticamente a sua composição química. Por isso, as camadas destas formações vão preservando um arquivo natural de mudanças climáticas ao longo de milhares de anos.

Tendo em conta este registo natural, os investigadores analisaram estalagmites de duas cavernas romenas, que revelaram registos mais detalhados sobre as mudanças climáticas sentidas na Europa comparativamente aos dados que havia até então.

A análise das estalagmites revelou uma série de condições prolongas de frio extremo e seca, sentidas na Europa entre 44 mil e 40 mil anos atrás. As camadas destas formações evidenciaram um ciclo de temperaturas que foram baixando gradualmente, permanecendo assim durante séculos – ou até milénios -, voltando depois ao calor de forma abrupta.

Depois, os investigadores compararam estes registos paleoclimáticos com dados arqueológicos neandertais e encontraram uma correcção entre os período frios e a ausência de ferramentas utilizadas pelos neandertais, revela a Europa Press.

Os investigadores apontam que a população neandertal diminuiu consideravelmente durante os período de frio extremo, sugerindo assim que as mudanças climáticas desempenharam uma papel importante no declínio desta população.

Vasile Ersek, co-autor do estudo e professor no Departamento de Geografia e Ciências Ambientais da Universidade de Northumbria, em Inglaterra, recorda que os neandertais viveram na Eurásia durante cerca de 350 mil anos. Mas, há 40 mil anos, durante a última era do gelo e logo após a chegada dos humanos mais “modernos” à Europa, foram extintos. Há anos que o desaparecimento desta população inquieta os investigadores.

“Durante muitos anos questionamos o que poderia ter levado ao fim dos neandertais, se teriam sido levados ao limite pela chegada dos humanos modernos ou se teria havido outros factores envolvidos”, explica Ersek, acrescentando que o novo estudo “sugere que a mudança climática pode ter desempenhado um papel importante na extinção da população.

Importância da dieta alimentar

Os investigadores acreditam também que os humanos modernos (Homo sapiens) conseguiram sobreviver a estes período de frio porque estavam melhor adaptados a este ambiente do que os neandertais.

Na Idade Paleolítica, os Homo neanderthalensis foram o auge da sofisticação: dominaram a Europa e parte da Ásia durante 300 mil anos, produziram ferramentas e jóias, construíram cavernas e cuidaram dos seus doentes e idosos. Pensa-se até que tenham criado um tipo primitivo de medicina dentária.

Eram ainda caçadores habilidosos e tinham aprendido a controlar o fogo contudo, tinha uma dieta menos diversa do que os humanos modernos, vivendo principalmente à base da carne que caçavam – fonte de alimento que se tornava mais escassa com o frio, deixando a população mais vulnerável.

Em comparação, os homens modernos já incorporavam, juntamente com a carne, peixe e plantas na sua dieta alimentar, tornando a sua alimentação mais rica e potenciado a sua taxa de sobrevivência às adversidades climatéricas.

Ersek explica ainda que este ciclo de “intervalos climáticos hostis”, nos quais o clima variava abruptamente e as temperaturas eram extremamente baixas – foi responsável pela natureza demográfica da Europa.

ZAP //

Por ZAP
1 Setembro, 2018

(Foram corrigidos 3 erros ortográficos ao texto original)

[vasaioqrcode]

See also Blogs Eclypse and Lab Fotográfico

616: A nossa civilização só tem três destinos possíveis (e nenhum é consolador)

(CC0/PD) pxhere

Um grupo de astrofísicos criou um modelo de desenvolvimento da civilização humana para determinar as possíveis vias do futuro da humanidade.

O astrofísico americano Adam Frank e a sua equipa de investigadores da Universidade de Rochester, nos Estados Unidos, calcularam, através de modelos matemáticos, o que aconteceria ao nosso planeta à medida que a população aumentasse e os efeitos das mudanças climáticas se tornassem mais agudos.

Entre os possíveis três cenários previstos pelos cientistas, a civilização humana poderia adaptar-se sem mudanças drásticas, desaparecer parcialmente ou experimentar um colapso total. A hipótese considerada mais provável é a do desaparecimento parcial, que supõe que 70% da vida terrestre se extinga antes de voltar à normalidade.

Nesta hipótese, a civilização desenvolve-se muito depressa até atingir o máximo populacional para o planeta, usando demasiados recursos do que aqueles que o planeta consegue proporcionar. A população começa, então, a reduzir, até ao ponto em que atinge o equilíbrio.

Nesse equilíbrio, o planeta consegue garantir recursos para todos os habitantes que ainda restam, mas 70% das pessoa não conseguirão resistir.

Mas o cenário de adaptação sem grandes mudanças é a opção mais positiva. A civilização, explicam os cientistas, segue o primeiro cenário, mas, antes de atingir o ponto crítico, começa a transição para o segundo tipo de recursos, salvando a maior parte da população e preservando o meio ambiente.

Já a terceira opção – a do colapso total – significa que a Terra seria incapaz de se recuperar dos danos causados pela pegada humana e, nesse caso, toda a vida inteligente que existe no nosso planeta morreria rapidamente, mesmo que a humanidade usasse apenas energias renováveis.

O estudo, publicado recentemente na revista The Atlantic, avalia também o destino das civilizações alienígenas hipotéticas em planetas distantes, ao que os cientistas dão o nome de exocivilizações.

Dado o número extraordinário de planetas no cosmos, “a menos que a natureza seja perversamente enviesada contra civilizações como a nossa, não somos os primeiros a aparecer” ou, pelo contrário, a desaparecer. “Isto significa que cada exocivilização teve uma história de evolução, de capacidades crescentes e, talvez, um desvanecimento lento ou um colapso rápido”, explica Frank.

Os cientistas acreditam que aprender com os erros destas comunidades extraterrestres poderia ser um sucesso na preparação para o efeito das mudanças climáticas na Terra.

Aliás, é por esse motivo que Frank e a sua equipa estão a “explorar o que poderia ter acontecido com os outros”, não apenas para nos servir de alerta, mas também para descobrir como seria o nosso fim enquanto espécie.

ZAP // RT

Por ZAP
5 Junho, 2018

[vasaioqrcode]

[SlideDeck2 id=1476]

[powr-hit-counter id=717a79b5_1528201098369]