2064: Descobertos micro-organismos que ajudam a explicar habitabilidade da Terra

CIÊNCIA

(PD/CC0) Comfreak / pixabay

Pequenos micro-organismos foram descobertos num dos ambientes mais extremos do planeta, o vulcão Dallol, na Etiópia, sendo esta uma importante descoberta para entender os limites de habitabilidade da Terra e fora dela.

Esta descoberta, publicada esta segunda-feira na revista Nature Scientif Reports, foi liderada por cientistas espanhóis do Centro de Astrobiologia que agrega o Conselho Superior de Investigações Científicas e o Instituto Nacional de Técnica Aeroespacial.

A região geotérmica de Dallol, situada na depressão de Dankil, encontra-se entre 124 e 155 metros abaixo do nível do mar e é considerada um dos ambientes mais extremos e mais quentes do planeta. Neste lugar, os investigadores encontraram estruturas muito pequenas enterradas dentro de depósitos minerais, que são a primeira prova da existência de vida nesta região.

“Descobrimos, pela primeira vez, a evidência morfológica e molecular de ‘nano-microorganismos termo-haloacidófilos’ (amantes de altas temperaturas, alta salinidade, da presença de sais e metais e de baixos valores de pH) neste novo ambiente múltiplo extremo”, afirmou o chefe da investigação, Felipe Gómez.

De acordo com o cientista, estes microrganismos são “pequenas bactérias” que pertencem à ordem ‘Nanohaloarchaea’, apesar de não se descartar a hipótese de serem novos microrganismos não descritos até ao momento.

Este ambiente extremo situa-se na depressão de Afar, um fundo marinho no córtex terrestre que se localiza na convergência de três placas tectónicas terrestres – a placa Núbia, a Somali e a Arábia. Estas placas têm, em alguns pontos, um córtex continental muito fino (menos de 15 km de espessura) e magma – lava retida no subsolo – entre três a cinco quilómetros de profundidade.

A interacção entre os depósitos de sal e o vulcanismo deu origem a águas termais, excepcionalmente ácidas e salgadas, cujas temperatura máximas são entre 90º e 109º Celsius.

Os resultados deste estudo têm importantes implicações na compreensão dos limites ambientais da vida, proporcionando informação útil para avaliar a habitabilidade da Terra e de outras partes do Sistema Solar, como Marte. Este estudo pode também ser um importante passo na selecção de sítios de aterragem para futuras missões que pretendam detectar vida.

ZAP // Lusa

Por ZAP
27 Maio, 2019


[vasaioqrcode]

1945: Descobertos micróbios que respiram arsénio na costa do México

CIÊNCIA

NASA / Flickr

O arsénio é um elemento mortal para a maioria dos seres vivos, mas uma nova investigação levada a cabo pela Universidade de Washington, nos Estados Unidos, descobriu micro-organismos que respiram esta substância para sobreviver numa grande área do Oceano Pacífico. 

De acordo com a nova publicação, cujos resultados foram esta semana publicados na revista científica Proceedings of the National Academy of Sciences os cientistas analisaram amostras de água de uma região localizada abaixo da superfície, onde não há oxigénio e, por isso, os seres vivos são obrigados a procurar outras estratégias para extrair energia dos alimentos. As amostras foram recolhidas em 2012, na costa do México.

Os resultados sugerem que micróbios que respiram arsénio representam menos de 1% da população de micróbios existente nas águas analisadas. Os biólogos acreditam que a estratégia é um remanescente dos primórdios da Terra, quando o oxigénio era escasso e as formas de vida precisavam de obter energia através de outros elementos, como o arsénio, que, muito provavelmente, era um dos mais comuns nos oceanos da época.

Segundo escreveram os cientistas, as populações que respiram arsénio podem voltar a crescer devido às mudanças climáticas, se as regiões com baixos níveis de oxigénio se expandirem e a quantidade de oxigénio dissolvido diminuir no ambiente marinho.

“Pensar em arsénio não apenas como uma coisa má, mas também como algo benéfico, mudou a forma como eu vejo o elemento”, afirmou a autora principal da investigação, Jaclyn Saunders, citada em comunicado.

“Sabemos há muito tempo que há níveis muito baixos de arsénio no oceano”, completou a co-autora do estudo a Gabrielle Rocap. “Mas a ideia de que os organismos poderiam estar usá-lo para ganhar a vida – é todo um novo metabolismo para o oceano aberto”.

Em declarações ao portal Gizmodo,  Saunders concordou que a sua descoberta é relevante para a procura de vida extraterrestre. “Existem mundos oceânicos – corpos planetários que possuem oceanos de água líquida – no nosso próprio Sistema Solar (…) Enceladus é uma lua de Saturno que tem um núcleo rochoso, um oceano de água líquida e uma espessa camada de gelo na superfície. É um dos locais mais promissores para encontrar vida”.

A identificação deste organismos “amigos” do arsénio no oceano, que é pobre em oxigénio, expande os limites em que os cientistas tradicionalmente procuram estes seres vivos.

Encontrar estes ser vivos numa lua de Saturno ou noutro qualquer lugar seria realmente importante para a Ciência e para a procura de longa data sobre vida extraterrestre mas, tal como mostra investigação, algumas das formas de vida mais estranhas podem mesmo estar aqui ao lado, na Terra.

Recentemente, um outro estudo detectou que uma bactéria única que come petróleo prolifera na Fossa das Marianas, no Pacífico Ocidental. Os resultados da investigação foram publicados no fim de Abril na revista científica especializada Microbiome.

ZAP //

Por ZAP
9 Maio, 2019

[vasaioqrcode]

 

1408: Há um imenso mundo de vida oculto nas profundezas da Terra (e tem bactérias “zombies”)

CIÊNCIA

Extreme Life Isyensya, Belgium
Este nemátodo vive a 1,4 quilómetros abaixo da superfície

Uma equipa internacional de cientistas identificou uma imensa “vida profunda” sob o fundo do mar, que inclui micróbios que podem permanecer nas profundezas durante milhares ou até mesmo milhões de anos, revelou uma nova investigação. 

Durante anos, biólogos e geólogos acreditaram que a vida na Terra estava confinada à superfície dos continentes, bem como aos mares, oceanos e leitos marítimos. Contudo, nos últimos anos tornou-se claro que os limites da biosfera são muito mais amplos.

“Há dez anos, pensávamos que a vida existia apenas em pequenos ‘cantos’ seleccionados da Terra. Agora sabemos que [a vida] é encontrada em praticamente todos os lugares. Podemos dizer que acabamos de começar a estudar esta ‘matéria escura’ da biosfera, a sua parte mais profunda”, disse Karen Lloyd, da Universidade do Tennessee, nos Estados Unidos, durante um encontro da União Geofísica Americana que decorreu em Washington.

Para esta descoberta, a equipa de cientistas, que trabalhou no âmbito do projecto de pesquisa internacional Deep Carbon Observatory (DCO), perfurou o fundo do mar a profundidades de 2,5 quilómetros, encontrando abundantes formas de vida até agora desconhecidas. Estas novas formas de vida persistem sob as mais severas condições, como temperaturas e pressões extremas.

Outro aspecto curioso nestes micro-organismos, frisaram os especialistas, é que estes permanecem “pouco vivos”, ou seja, estas formas de vida existem num estado de movimento muito lento, semelhante a um zombie.

Os especialistas concluíram que há mais biosfera profunda do que se pensava até então. A investigação descobriu que cerca de 70% das bactérias e arqueas do nosso planeta vivem no subsolo, sendo este ecossistema subterrâneo equivalente a 15.000 a 23.000 milhões de toneladas de carbono.

“A biosfera profunda da Terra é enorme”, considerou Rick Colwell, especialista da universidade norte-americana de Oregon, descrevendo as recentes descobertas como um “ecossistema muito empolgante e extremo”.

O investigador sublinhou a diversidade genética encontrada nas profundezas do mar, dando conta que a descoberta poderá ser importante para mapear outros lugares – dentro ou fora da Terra – que possam alojar vida.

“Existe uma diversidade genética de vida abaixo da superfície que é, pelo menos, igual e até talvez exceda a da superfície e nós não sabemos muito sobre isso”, afirmou Colwell, acrescentando que estudar a vida subterrânea “ajudará a perceber o que deve ser procurado noutros planetas ou noutros sistemas onde a vida pode existir”, rematou.

Para lá da Biologia

Em declarações ao diário britânico The Guardian, Karen Lloyd, da Universidade do Tennessee, disse, por sua vez, que a descoberta agora divulgada “é como encontrar um novo reservatório de vida na Terra“. “Uma parte imensa da vida está dentro da Terra e não em cima dela”, rematou o especialista.

Apesar da enorme descoberta, ficam ainda muitas perguntas por responder. Como é que a vida se coloniza a partir das profundezas? Como é que os micróbios interagem com os processos químicos? E, finalmente: o que é que tudo isto nos conta sobre o processo de co-evolução da vida e da própria Terra?

Segundo os cientistas, as descobertas vão para além da Biologia, entrando em campos da Filosofia e da Astrobiologia – área que estuda a vida extraterrestre -, nota ainda o diário.

“Devemos perguntar-nos: Se a vida na Terra pode ser assim tão diferente daquilo que a experiência nos levou a esperar, então que tipo de estranheza podemos esperar enquanto investigamos formas de vida noutros mundos?”, indagou Robert Hazen, mineralogista da Instituição de Carnegie, nos Estados Unidos para a Ciência.

SA, ZAP // SputnikNews; RT

Por SA
12 Dezembro, 2018

[vasaioqrcode]

 

1067: Lagoa cor-de-rosa em Espanha alimenta esperança de vida em Marte

Europlanet / F Gómez / R Thombre
A lagoa tem uma tonalidade cor-de-rosa devido às células vermelhas das algas Dunaliella salina

Uma equipa de biólogos descobriu um micro-organismo incomum numa lagoa cor-de-rosa na Espanha, capaz de sobreviver em Marte. Este microrganismo pode ser o primeiro colonizador do Planeta Vermelho.

Os resultados da pesquisa foram apresentados nesta quinta-feira no Congresso Europeu de Ciências Planetárias, realizado em Berlim, na Alemanha.

A bióloga Rebecca Thombre, do Colégio Moderno de Artes, Ciências e Comércio da cidade indiana de Puna, e o doutor em ciências biológicas Felipe Gomes, do Centro de Astrobiologia de Madrid, em Espanha, recolheram amostras da laguna de Pena Hueca e constataram que a tonalidade cor-de-rosa da lagoa se deve às células vermelhas das algas Dunaliella salina EP-1 – organismos até agora desconhecidos da Ciência.

Segundo Thombre, estas algas são seres extremófilos – organismos que sobrevivem em condições extremas – e são, até ao momento, as mais tolerantes já encontradas.

Os cientistas sublinham que, na maioria dos casos, os microrganismos não toleram “ambientes hipersalinos“, já que nestas condições a água necessária para que as suas células funcionem “tende a sair” através da membrana celular.

No entanto, a Dunaliella salina EP-1, e tal como o próprio nome indica, consegue sobreviver em condições salinas porque a lagoa Pena Hueca produz moléculas como o glicerol que criam um análogo de alta concentração de sal no interior das suas células, impedindo assim a perda de água.

As amostras vermelhas das algas num cristal de sal

Os biólogos também conseguiram identificar uma bactéria halofílica, a Halomonas gomseomensis PLR-1 numa pedra cor-de-rosa submersa na lagoa, rica em sulfatos.

O estudo deste microrganismo pode fornecer pistas vitais para compreender o papel dos sulfatos no crescimento microbiano e a litopanspermia – teoria segundo a qual os organismos podem ser transferidos através das pedras de um planeta para outro.

“A resistência dos extremófilos na Terra a condições semelhantes às de Marte demonstra o seu potencial para prosperar em solo marciano”, sustentou Gomez, ressaltando que a descoberta “tem implicações para a protecção planetária, assim como para o modo como as algas poderiam ser usadas para ‘terraformar’ Marte“, isto é, criar condições para que o Planeta Vermelho conseguisse acolher vida.

Por SN
24 Setembro, 2018

[vasaioqrcode]

See also Blogs Eclypse and Lab Fotográfico