World’s oldest meteor crater isn’t what it seems

SCIENCE/ASTRONOMY/METEOR

New controversial claim suggests it’s not a meteor crater at all

(Image credit: Shutterstock)

The world’s oldest meteor impact crater is not a crater at all, say scientists of a new study suggesting natural forces put the giant indent into Earth’s surface. But the jury is still out.

The wannabe crater, known locally as the Maniitsoq structure, is located 34 miles (55 kilometers) southeast of the town of Maniitsoq in Greenland. The structure is around 62 miles (100 km) in diameter and formed around 3 billion years ago, although its origin has been disputed in recent years.

In 2012, geologist Adam Garde, of the Geological Survey of Denmark and Greenland, and colleagues said they had found evidence that the Maniitsoq structure was created by a meteor impact, calling it the earliest known example of its kind on Earth. However, a new study calls into question the 2012 team’s findings.

Related: Crash! 10 biggest impact craters on Earth

“After an extensive investigation of the Maniitsoq region, we have not yet found evidence of microscopic shock deformation that is found in nearly all other impact craters,” lead author Chris Yakymchuk, a geologist at the University of Waterloo in Canada, told Live Science. “Our data indicate that the structure in the region is the product of ancient plate tectonic movement, deformation and heating over hundreds of millions of years.”

However, Garde said he is not convinced.

Part of the Maniitsoq structure in southeast Greenland. (Image credit: University of Waterloo)

Not an impact crater?

Garde and his colleagues concluded the Maniitsoq structure is an impact crater mainly due to the structure of rocks at its center, they wrote in 2012 in the journal Earth and Planetary Science Letters. The researchers said that the depth of those rocks and the way they had been forced into the ground could be explained only by the impact of a meteorite.

“With the data they had at the time, an impact origin was plausible,” Yakymchuk said. “Our goal was to test the impact hypothesis using more data collected with a wider array of techniques.”

Other studies had already shed some doubt on the 2012 findings, but Yakymchuk said he and his team arrived with an “open mind” about the structure’s origin when they started their research in 2016.

Their main evidence against an impact origin comes from an analysis of zircon crystals — extremely durable and minute structures made up of zirconium silicate. The team analyzed more than 5,000 of these mineral grains and didn’t find any evidence — such as fractures within the crystals — of them being damaged by a powerful impact.

“Zircon crystals are microscopic time capsules that can capture the damage produced from shock waves generated during a meteorite impact,” Yakymchuk said. “We did not find any damage that indicated ancient shock waves passed through these minerals.”

Recently, scientists have used these crystals to show that Earth’s crust grew rapidly at around the same time the Maniitsoq structure was formed, Live Science previously reported. This kind of tectonic growth spurt likely created the Maniitsoq structure, the researchers said.

Yakymchuk’s team also found a different age for the structure.

“When we started to combine some field observations with data on the age of specific rock units, it started to point us away from an impact crater origin,” Yakymchuk said. “The age we retrieved was 40 million years younger than the proposed age of impact.”

Contrasting views

The new findings highlight the need to continually challenge previous studies, which is an important part of the scientific process, Yakymchuk said. “As we develop new scientific techniques and technologies, we are always testing previous hypotheses.”

However, the authors of the 2012 study argue the new paper doesn’t tell the whole story.

“The most obvious single feature of the Maniitsoq structure that requires an extraterrestrial impact is the central part of the structure,” Garde, lead author of the 2012 study, told Live Science. “I would be happy to change my interpretation, but I would first of all need to see a convincing alternative physical explanation.”

Natural geological processes aren’t enough to explain the formation of the structure, especially in the central regions where rocks appear to have been put under a tremendous amount of force, Garde said.

“Our observations are not discussed in the new study, although they are of fundamental importance,” Garde said.

He also doesn’t think that zircon crystals can tell the whole story because no other proposed impact craters are this old, meaning the evidence for a past impact might have been wiped away by geological processes over the eons. Other studies have also shown that zircon crystals can get damaged on the surface without any visible damage within the crystals, Garde said.

“Yakymchuk et al. have not studied the exterior surfaces of the zircons they have imaged,” Garde said. “So also as regards the zircons something is missing in their story.”

However, the Maniitsoq structure is no longer recognized as an impact crater, according to the Earth Impact Database. Instead, a study published Jan. 21 in the journal Nature claims the Yarrabubba impact structure in Western Australia, at around 2.2 billion years old, is now the oldest known impact crater.

The new study was published online March 1 in the journal Earth and Planetary Science Letters.

Originally published on Live Science.
By Harry Baker – Staff Writer
23/03/2021


5297: Meteor explodes over Vermont with the force of 440 pounds of TNT

SCIENCE/ASTRONOMY/METEOR

It was the size of a bowling ball but exploded like 440 pounds of TNT

(Image credit: Michael Dunning/Getty Images)

A meteor streaked through the night sky over Vermont on Sunday (March 7), creating a spectacular light show and causing Earth-shaking booms as it burned through the atmosphere.

The meteor’s explosive passage through the atmosphere released the equivalent of 440 pounds (200 kilograms) of TNT, suggesting that the meteor was likely 10 pounds (4.5 kg) and 6 inches (15 centimeters) in diameter, according to NASA Meteor Watch.

The space rock smacked into the atmosphere at about 42,000 mph (68,000 kph), according to NASA. It appeared over the northern part of the state as a bright fireball at 5:38 p.m. EST, just before sunset.

A NASA map shows the approximate path of the meteor over Vermont on March 7, 2021. (Image credit: NASA Meteor Watch)

Local news station WCAX3 reported calls from all over the state after the event, with Vermonters describing a “loud boom and body-rattling vibration” as the meteor passed overhead.

Related: Space-y tales: The 5 strangest meteorites

“I was fortunate to hear and see it by the Missisquoi River at the Missisquoi Wildlife Refuge in Swanton, VT, just before sunset,” wrote Chris Hrotic, a commenter on NASA’s initial post about the event. “No loud boom as reported by others, but a rushing sound that made me look up at just the right moment. It was extremely bright and absolutely spectacular!”

Based on eyewitness accounts, NASA estimates that the fireball first appeared 52 miles (84 km) over Mount Mansfield State Forest just east of Burlington, the state’s largest city. It then progressed 33 miles (53 km) northeast toward the Canadian border, disappearing 33 miles (53 km) above the ground south of the town of Newport.

According to NASA, the shock wave was a result of the meteor fracturing due to atmospheric pressure. As the bowling ball-size chunk of a larger parent asteroid moved at nearly 55 times the speed of sound through the atmosphere, pressure built up in front of it and a vacuum formed behind it. Eventually, the stress of that differential caused the rock to explode.

In comments on NASA’s initial Facebook post about the incident, people claimed to have seen the rock from as far west as Saratoga, New York, as far north as Quebec, and as far east as Watertown, Massachusetts.

Originally published on Live Science.
By Rafi Letzter – Staff Writer
09/03/2021


5240: Meteoro ilumina o céu do Reino Unido e é descrito como “bola de fogo”

CIÊNCIA/ASTRONOMIA

Um meteoro iluminou o céu do Reino Unido e o olhar de mais de 120 pessoas que relataram ter visto uma “bola de fogo” tão brilhante quanto fogo de artifício. De tal forma que o objecto parece ter sido visível, no domingo, em todo o Reino Unido.

O fenómeno foi descrito como impressionante por aqueles que tiveram a sorte de o apanhar.

Meteoro que caiu na Terra como uma “bola de fogo”

Nem todos têm a sorte de estar no momento certo à hora certa para testemunhar fenómenos, muitas vezes, descritos como inacreditáveis. Aliás, apesar de preverem alguns, os cientistas não anteveem todos, tornando-os ainda mais especiais.

No domingo, os relógios do Reino Unido marcavam as 21h55, quando pelo céu passou um meteoro descrito pela UK Meteor Network como uma “bola de fogo”. Tendo em conta os relatos de 120 testemunhas, o fenómeno foi avistado em todo o país.

Aliás, foi visto a cair lentamente no chão, parecendo que estava a desmontar-se em detritos.

Mais alguém viu o meteoro arder sobre o Reino Unido pouco antes das 22h desta noite? Primeiro pensei que fosse uma estrela brilhante ou um avião, depois ficou maior e mais rápido, depois um enorme flash iluminou o céu e rebentou numa enorme cauda de faíscas cor-de-laranja a seguir, como um fogo de artifício gigante! Tão fixe!

Descreveu um utilizador do Twitter.

Alguns observadores até relataram ter ouvido um estrondo aquando a passagem do meteoro.

“Bola de fogo” não era assim tão brilhante

Os meteoros são rochas espaciais que ardem quando entram na atmosfera da Terra. De acordo com a UK Meteor Network, as bolas de fogo, descrição atribuída ao fenómeno de domingo, são frequentemente mais brilhantes do que os meteoros normais e têm normalmente uma magnitude de -4, semelhante à do planeta Vénus.

Em comparação, a Lua tem -12,6 e o Sol -26,7. Ou seja, quanto mais brilhante for o objecto, menor será o valor da magnitude.

Então, cientistas da UK Fireball Alliance dizem que é provável que a bola de fogo fosse parte de um asteroide a cair na Terra. Embora caiam meteoros sobre a Terra diariamente, a grande maioria cai no mar ou zonas desabitadas. Aliás, a UK Meteor Network regista cerca de seis meteoros por ano.

Através de vídeos, a UKFall conseguiu seguir a velocidade e órbita do objecto. Conforme revelou, a “bola de fogo” viajava a mais de 48.000 quilómetros por hora, além de, acreditam eles, ter despendido a maior parte da sua órbita à volta do Sol, viajando entre Júpiter e Marte.

Afinal, é provável que alguns fragmentos tenham mesmo atingido o solo, ainda que o meteoro se tenha desintegrado à entrada da atmosfera.

Autor: Ana Sofia
01 Mar 2021


5198: Mapa interactivo mostra crateras de impacto de asteróides e meteoros na Terra

CIÊNCIA/ASTRONOMIA/GEOLOGIA

Stephan Ridgway / Flickr

Um mapa interactivo mostra todas as crateras de impacto de asteróides e meteoros na Terra de que há registo. São cerca de 190 crateras espalhadas pelo mundo inteiro.

Crateras de impacto são causadas pela colisão de grandes asteróides e meteoros. Ao longo da história do nosso planeta, cerca de 190 crateras de impacto terrestre foram identificadas e ainda sobrevivem aos processos geológicos da Terra.

Agora é possível consultar um mapa interactivo com todas as crateras de impacto de asteróides e meteoros de que há registo.

A maior cratera alguma vez registada é a de Vredefort, em Free State, África do Sul. O impacto tem mais de 2,02 mil milhões de anos e 300 quilómetros de diâmetro. Acredita-se que o asteroide que causou esta cratera teria entre 10 e 15 quilómetros de diâmetro.

O exemplo mais recente é o do meteorito que caiu nas Montanhas Sikhote-Alin, no sudeste da Rússia, em 1947. Estima-se que 70 toneladas de material sobreviveram à passagem ígnea através da atmosfera e chegaram à Terra.

De acordo com o HeritageDaily, uma das mais conhecidas é a cratera de Chicxulub, que foi criada quando um grande asteroide ou cometa, com até possivelmente 81 km de diâmetro, atingiu a Península de Yucatán, no México. O impacto aconteceu há 66,038 milhões de anos, no final do Cretáceo, e gerou uma cratera com mais de 180 km.

De onde veio o asteróide que dizimou os dinossauros? Investigadores de Harvard têm uma nova teoria

Uma equipa de investigadores da Universidade de Harvard tem uma nova teoria sobre o asteróide que dizimou os dinossauros e…

Ler mais

Os investigadores acreditam que este evento tenha sido responsável por uma extinção em massa, que fez desaparecer 75% das espécies de animais e plantas.

Daniel Costa Daniel Costa, ZAP //

Por Daniel Costa
24 Fevereiro, 2021


4716: Navio australiano filma meteoro a desintegrar-se no céu da Tasmânia

CIÊNCIA/METEOROS

O navio de pesquisa científica da CSIRO capturou imagens surpreendentes de um meteoro a desintegrar-se no oceano, muito perto da Tasmânia.

Na quarta-feira, o navio de pesquisa científica da CSIRO capturou um meteoro a desintegrar-se no oceano, a cerca de 100 quilómetros da costa Sul da Tasmânia. Segundo o Science Alert, o meteoro verde brilhante cruzou o céu antes de se desintegrar no Mar da Tasmânia, desaparecendo de vista em apenas alguns segundos.

O evento ocorreu por volta das 21:30 horas locais e apareceu como um rasgo de luz verde à tripulação do navio – apesar de no vídeo o incidente aparecer a preto e branco.

John Hooper, líder da tripulação, disse que filmar o momento foi “um golpe de sorte“. “Ao rever as gravações, aquilo que pudemos observar fascinou-nos: o tamanho e o brilho do meteoro eram incríveis.”

A embarcação – RV Investigator – tem uma transmissão ao vivo 24 horas por dia durante 7 dias por semana, pelo que a câmara estava na posição e momento certos para gravar o meteoro a desintegrar. A tripulação da CSIRO, o órgão nacional para pesquisa científica na Austrália, estava a mapear o fundo do mar e a testar equipamento marítimo, quando o fenómeno ocorreu.

Glen Nagle, investigador da CSIRO, disse que, apesar de mais de 100 toneladas de detritos espaciais naturais entrarem na atmosfera da Terra diariamente, a maior parte voa sobre áreas despovoadas. Este facto torna a observação ainda mais rara.

Já em relação ao rasto de luz deixado pelo meteoro, o especialista explicou que é causado pela fricção da superfície rochosa com a atmosfera, que provoca uma conversão na sua energia cinética para calor, luz e som.

ZAP //

Por ZAP
26 Novembro, 2020


Lyrid meteor shower peaks this week: Here’s how to watch

SCIENCE/ASTRONOMY

This is Earth’s oldest known meteor shower

The Lyrid meteors have been visible from Earth for thousands of years.
(Image: © Kevin Key/Slworking via Getty Images)

A breathtaking cosmic light show, the Lyrid meteor shower, peaks this week, and even with social distancing you can be a part of this epic phenomenon.

Meteor showers occur when debris from a comet’s tail vaporizes in our atmosphere, visible from far below as glowing trails of heated atmospheric gas. The glowing trails seen during the Lyrids are fragments of the comet C/1861 G1 Thatcher. These streaming particles of space debris have been visible from Earth for more than 2,600 years, trailing behind the Thatcher comet as it orbits the sun.

The shower usually appears between April 16 and April 25, according to NASA. This year, the peak of the Lyrids will streak the sky with light from tomorrow (April 21), beginning around 10 p.m. local time, until about 5 a.m. Wednesday (April 22), NASA says. Weather permitting, as many as 20 meteor streaks per hour may be visible during this window, according to the European Southern Observatory (ESO).

Related: See Earth fly through meteor showers’ wandering, warped paths (animation)

You don’t need a telescope to see the Lyrids, and they are best viewed in skies that are as dark as possible, away from light pollution. Patience is key to spotting the fleeting streaks of light: “Lie flat on your back with your feet facing east and look up, taking in as much of the sky as possible,” NASA says. “After about 30 minutes in the dark, your eyes will adapt and you will begin to see meteors.”

Viewing conditions are especially favorable this year; the Lyrids’ peak coincides with the new moon (when the lunar disk is invisible to the naked eye), so the flashes of the meteors will stand out even more against the dark sky, says Space.com, a Live Science sister site.

Lyrid meteors, which travel at about 30 miles (49 kilometers) per second, were first described in China around 687 B.C., and their parent comet was identified and named in 1861, according to NASA. Meteor showers are typically named for the constellation where the meteors appear to stream from; that location is known as the radiant. The Lyrids’ radiant is the constellation Lyra and the star Vega, one of the brightest stars in the sky, located about 25 light-years from Earth, Space.com reported.

While Earth’s orbit carries it through the Thatcher comet’s long debris tail once every year, Thatcher’s orbit of the sun takes approximately 415 years, and it won’t be seen in the inner solar system until 2276, according to EarthSky.com.

After the Lyrids pass us by, the next meteor shower will be the Perseids, which are visible in August, NASA says.

Originally published on Live Science.

By Mindy Weisberger – Senior Writer
19/04/2020

 

 

2438: Um meteoro explodiu em Júpiter (e há um vídeo a registar o momento)

Um astro-fotógrafo conseguiu captar por acaso, esta quarta-feira, o momento em que um meteoro explodiu na atmosfera superior espessa de Júpiter.

“Depois de ver o vídeo e me ter apercebido do flash, a minha mente começou a andar às voltas. Senti urgentemente a necessidade de partilhar isto com as pessoas que achassem os resultados úteis”, explica Ethan Chappel ao Science Alert.

O vídeo foi captado pelo astro-fotógrafo, esta quarta-feira, no Texas. Se estiver atento às imagens, consegue perceber que logo abaixo da linha do equador, do lado esquerdo, algo se ilumina visivelmente e depois desaparece.

“É um feito conseguir um vídeo como este, nunca vi nada parecido antes. É totalmente de tirar o fôlego”, disse ao mesmo site o astrónomo da Universidade de Southern Queensland, na Austrália, Jonti Horner.

A luz que se vê no vídeo não é provocada pelos processos habituais do planeta, como raios ou auroras. Os cientistas acreditam que se tenha tratado do impacto de um meteoro, que também não é necessariamente um evento raro.

Além disso, Júpiter está rodeado de objectos que podem chocar com a sua gravidade: cometas de período curto e de longo período, bem como asteróides do cinturão entre este planeta gasoso e Marte.

Na verdade, um estudo publicado em 1998 descobriu que a taxa de grandes impactos em Júpiter seria provavelmente entre 2.000 e 8.000 vezes a taxa de impactos na Terra, o que não significa que os consigamos ver com facilidade (poucos foram capturados).

“É um evento muito fugaz, acontece em poucos segundos. Muitas vezes estas coisas passam despercebidas e não são observadas. E metade delas acontecerá do outro lado do planeta. Por isso, há muitos factores que dificultam a possibilidade de ver estes eventos”, afirma Horner ao mesmo site.

A parte mais entusiasmante do vídeo de Chappel é que os cientistas podem agora comparar este impacto com outros, como é o caso do meteoro de Cheliabinsk, que caiu na cidade russa com o mesmo nome em 2013.

Também é possível que o impacto deste meteoro tenha deixado uma cicatriz em Júpiter, que pode ser estudada por outros instrumentos como, por exemplo, a sonda espacial da NASA Juno. Para já, os primeiros relatórios sugerem que o impacto foi pequeno demais para produzir uma cicatriz.

ZAP //

Por ZAP
13 Agosto, 2019

(artigo relacionado): Júpiter acabou de ser atingido por algo tão grande que se viu da Terra

 

“Bola de fogo” ilumina os céus na Austrália

© TVI24 (Reuters)

Um meteoro cruzou os céus ao largo da costa australiana e foi avistado a partir das cidades de Adelaide e Melbourne, esta terça-feira. A queda do objecto estelar motivou um enorme clarão, iluminando o céu durante breves momentos.

Em declarações aos meios de comunicação australianos, a população que pôde observar o fenómeno afirmou que o meteoro terá sido avistado por volta das 22:45 horas. Emily Jane não viu o objecto, mas mal soube das notícias acorreu às câmaras de vigilância da casa onde mora, comprovando o momento com “uma visão perfeita”.

O vice-presidente da Sociedade de Astronomia do Sul da Austrália, Paul Curnow, disse que o corpo celeste que se vê nos vídeos é “muito provavelmente um meteoro muito brilhante”, que cai na categoria que os cientistas apelidam de “bola de fogo”.

Uma “bola de fogo” forma-se quando a magnitude (intensidade do fluxo de radiação) do meteoro é superior à de um planeta. A magnitude mede o brilho de um corpo celeste. Quanto menor for o número, mais brilhante o corpo celeste se apresentará no céu. O sol, por exemplo, tem uma magnitude de -27, enquanto a magnitude de uma “bola de fogo” ronda os -4.

Curnow relembra que este tipo de acontecimentos só confirma que a Terra está numa “carreira de tiro” que é incontrolável.

Um meteoro é um objecto celeste formado por restos de asteróides, cometas ou planetas desintegrados e que alcança a superfície terrestre. Estes corpos variam de tamanho e forma.

msn notícias
Redacção TVI24
22/05/2019


[vasaioqrcode]

 

1857: O Oumuamua não foi o primeiro. Um meteoro interestelar pode ter atingido a Terra em 2014

ESA / M. Kornmesser / European Southern Observatory

O primeiro meteoro do espaço interestelar a atingir a Terra – e o segundo visitante interestelar em geral – pode ter sido descoberto.

Meteoros inter-estelares podem ser comuns e poderiam ajudar a vida a viajar de estrela em estrela, de acordo com os investigadores.

O primeiro visitante conhecido do espaço interestelar, um objecto em forma de charuto chamado ‘Oumuamua, foi detectado em 2017. Os cientistas deduziram as origens do objecto de 400 metros de comprimento através da sua velocidade e trajectória, o que sugere que pode ter vindo de outra estrela – ou talvez duas.

Avi Loeb, responsável de astronomia da Universidade de Harvard, observou que se esperaria que os visitantes inter-estelares mais pequenos fossem muito mais comuns, com alguns deles colidindo com a Terra com frequência suficiente para serem notados.

Agora, Loeb e o principal autor do estudo, Amir Siraj, um estudante da Universidade de Harvard, sugeriram que podem ter detectado um desses meteoros inter-estelares, o segundo visitante interestelar conhecido do sistema solar.

Os cientistas analisaram o catálogo de eventos meteorológicos do Centro de Estudos de Objectos Próximo da Terra, detectado por sensores do governo dos EUA. Os investigadores concentraram-se nos meteoros mais rápidos, porque uma alta velocidade sugere que um meteoro não é potencialmente ligado gravitacionalmente ao sol e, portanto, pode originar-se fora do sistema solar.

Os cientistas identificaram um meteoro de cerca de 0,9 metros de largura que foi detectado em 8 de Janeiro de 2014, a uma altitude de 18,7 quilómetros ao longo de um ponto próximo a Manus Island, em Papua Nova Guiné. A alta velocidade de cerca de 216 mil quilómetros por hora e a sua trajectória sugere que veio de fora do sistema solar.

“Podemos usar a atmosfera da Terra como o detector desses meteoros, que são pequenos demais para se verem”, disse Loeb ao Space.com. A velocidade do meteoro sugeriu que recebeu um impulso gravitacional durante a sua jornada, talvez do interior profundo de um sistema planetário ou uma estrela no disco espesso da Via Láctea.

“Se esses meteoros fossem ejectados da zona habitável de uma estrela, poderiam ajudar a transferir a vida de um sistema planetário para outro”, disse Loeb.

Os cientistas analisaram cerca de 30 anos de dados. Além do meteoro interestelar que descobriram, também notaram dois outros meteoros que viajaram aproximadamente na mesma velocidade. No entanto, Siraj e Loeb observaram que a órbita de um deles sugeria que estava ligado gravitacionalmente ao sol. Não sabiam se o outro era interestelar.

Assumindo que a Terra vê três meteoros com potenciais origens inter-estelares a cada 30 anos aproximadamente, os investigadores estimaram que há cerca de um milhão desses objectos por unidade astronómica cúbica na nossa galáxia.

Siraj e Loeb observaram que analisar os escombros gasosos dos meteoros inter-estelares à medida que queimam na atmosfera da Terra poderia ajudar a entender a composição dos objectos inter-estelares. No futuro, os astrónomos podem querer montar um sistema de alerta que treine telescópios a detectar meteoros a viajar a alta velocidade para analisar os detritos gasosos.

As conclusões da investigação foram submetidas à revista The Astrophysical Journal Letters. O artigo está disponível no arXiv.

Afinal, o Oumuamua não é o primeiro

A importância de Oumuamua reside no facto de ser o primeiro asteróide detectado que não vem do Sistema Solar. A natureza do “Mensageiro das Estrelas” está rodeado de mistérios desde o dia em que foi descoberto por astrónomos da Universidade do Hawai, em Outubro de 2017.

Depois de constatar mudanças na velocidade do seu movimento, o Centro de Astrofísica Harvard-Smithsonian sugeriu que o asteróide poderia ser uma “sonda” enviada à Terra intencionalmente por uma “civilização alienígena”.

No último ano, o mundo da astronomia debruçou-se no estudo do corpo celeste e as mais várias teorias já foram apresentadas em artigos científicos: desde o seu passado violento, passando pela possibilidade de ser um sistema binário, e até o provável local de onde veio o Oumuamua.

Recentemente, investigadores da Universidade de Harvard sugeriram que milhares de objectos semelhantes ao Oumuamua podem estar presos no Sistema Solar.

ZAP // Live Science

Por ZAP
17 Abril, 2019

[vasaioqrcode]

 

1073: Tempestade cósmica refuta teoria sobre declínio de antigo reino asiático

NASA / JPL-Caltech

Uma equipa de investigadores detalhou com mais precisão os chamados “acontecimentos Miyake” – nome atribuído aos grandes desastres espaciais, associados a erupções vulcânicas, meteoros em queda e explosões solares – que deixam rastos em anéis de árvores.

De acordo com um novo estudo, publicado no início do mês de Setembro na revista Nature, a descoberta pode ajudar a determinar exactamente a idade de um achado arqueológico e provar ou refutar uma hipótese histórica. A técnica permitiu ainda esclarecer o mistério do declínio de um antigo reino asiático.

Os cientistas escrevem na publicação que houve um poderoso surto de actividade solar no ano de 774 que desencadeou uma tempestade de protões. Este surto descreve um incrível aumento dos raios cósmicos que atingiram a Terra na época – uma espécie de tormenta cósmica.

Estas partículas subatómicas de alta energia penetraram na atmosfera terrestre e desencadearam uma série de reacções que aumentaram os níveis de carbono 14. Este, ao ser absorvido pelas árvores durante a fotossíntese, acabou por se depositar nos seus anéis de crescimento – deixando um evidente “rasto”.

Este fenómeno foi descoberto em 2012 pela investigadora Fusa Miyake que detectou traços do fenómeno em restos de árvores em diferentes países. A cientista acabou ainda por apelidar estes eventos cósmicos.

Afinal, não foi uma erupção vulcânica

Na nova investigação, os cientistas partiram dos “acontecimento de Miyake” para esclarecer como é que o antigo reino de Balhae, localizado na Manchúria e no norte da península coreana, acabou por ruir em meados de 926, segundo apontam as crónicas.

A versão comummente aceite sugere que o reino teria entrado em declínio devido à erupção do Monte Paektu, cuja data exacta era até então desconhecida.

Para esclarecer o mistério do reino asiático, os cientistas submeteram um pinheiro enterrado sob as cinzas do vulcão à análise de radio-carbono, determinando que a árvore morreu entre os anos 920 e 950. De acordo com os cientistas, a árvore viveu 264 anos. E, por isso, os investigadores deduziram que a planta ainda estava viva em 774 – ano em que se deu a tempestade cósmica.

Depois, a contagem dos anéis determinou que a árvore morreu exactamente em 946, deduzindo-se que a erupção vulcânica ocorreu nesse ano. Após a erupção vulcânica, não podia restar mais nada de Balhae e, por isso, a equipa concluiu que a queda desta civilização não pode estar associada à erupção vulcânica do Monte Paektu.

Ou seja, a erupção vulcânica (946) deu-se após a queda do reino (em meados de 926). A nova investigação não aponta o que terá levado ao declínio do antigo reino mas descarta a hipótese de que terá sido um vulcão.

ZAP // RT

Por ZAP
26 Setembro, 2018

[vasaioqrcode]

See also Blogs Eclypse and Lab Fotográfico

955: “Bola de fogo” rasgou os céus da Austrália

Desert Fireball Network, Curtin University
O meteoro tinha cerca de 50 centímetros

Uma incrível “bola de fogo” rasgou os céus da Austrália Ocidental na passada terça-feira, dia 26, e muitas pessoas tiveram a sorte de capturar o momento. 

A “bola de fogo” era um meteoro com aproximadamente 50 centímetros, que entrou na atmosfera da Terra às 19:40 da hora local, apontou um porta-voz do Observatório Perth, na Austrália, em declarações ao Space.com.

O porta-voz disse que o Observatório recebeu “dezenas de chamadas de pessoas frenéticas” que viram a entrada do meteoro. Como várias pessoas conseguiram captar o momento em vídeo, os cientistas podem estudar as imagens para descrever a trajectória do corpo espacial.

Cientistas da equipa de investigação da Fireballs in the Sky, da Universidade de Curtin, na Austrália, estão a acompanhar as observações dos moradores locais, na esperança de rastrear os remanescentes do meteoro.

Segundo o Observatório de Perth, os cientistas estão a concentrar a procura na cidade de York, localizada a 100 quilómetros a leste de Perth.

Os meteoritos podem ser difíceis de diferenciar das rochas terrestres, mas estes tendem a ter uma revestimento em tons de preto e a ser ligeiramente mais pesados.

Estudar meteoritos pode ajudar os cientistas a compreender melhor os asteróides, corpos celestes de onde estas rochas caem. Por sua vez, estes estudos podem ajudar os investigadores a avaliar os riscos apresentados por meteoros de maiores dimensões – o tipo de rochas que não ilumina apenas o céu.

Recentemente, uma bola de fogo cruzou o céu do estado norte-americano do Alabama, deixando um rasto 40 vezes mais brilhante do que a Lua cheia.

Também no Peru uma bola de fogo cruzou o céu na cidade amazónica de Pucallpa, no norte do país, deixando os habitantes a pensar que era um meteorito ameaçador ou até um objecto extraterrestre. Afinal de contas, era apenas lixo espacial.

ZAP // LiveScience

Por ZAP
2 Setembro, 2018

(Foram corrigidos 2 erros ortográficos ao texto original)

[vasaioqrcode]

See also Blogs Eclypse and Lab Fotográfico

850: Perseidas 2018

Perseidas, a famosa chuva de meteoros de verão, visita-nos mais uma vez este ano, entre 12 e 13 de Agosto. É a chuva de meteoros mais espectacular, sendo possível este ano observar cerca de 110 meteoros por hora num céu escuro. A observação nas cidades é mais limitativa devido à falta de um vasto horizonte e do céu ser mais brilhante do que a maioria dos rastos luminosos. O pico das Perseidas ocorre a partir das 21 horas do dia 12 até às 8 horas do dia 13. No entanto, como a constelação de Perseus só aparecerá acima do horizonte a partir das 23 horas, só a partir desta altura se verá este fenómeno.

Estes pequenos pedaços de rocha têm origem na passagem do cometa Swift-Tuttle que deixou para trás um rasto de poeira e areia. Quando a Terra passa pela zona dos detritos, estes atingem a atmosfera e desintegram-se provocando rápidos rastos luminosos (conhecidos popularmente por chuva de estrelas). O nome de Perseidas deve-se ao facto da chuva de meteoros ter o ponto radiante na constelação de Perseus.

Este ano temos a Lua a nosso favor, pois a fase de Lua Nova ocorrerá no dia 11 de Agosto pelas 10:58 horas. Esta é uma boa notícia para a observação das Perseidas em 2018, será também possível observar durante essa data bólides de fogo brilhantes e os planetas Marte, Saturno e Júpiter durante a mesma noite. Esta chuva de meteoros começa já com menor intensidade desde finais de Julho, pois a região no espaço onde se encontram os detritos do cometa Swift-Tuttle é vasta.

Fig. 2 – (figura do IMO) mostra o radiante da chuva de meteoros das Perseidas entre Julho a Agosto, que encontra-se na constelação de Perseu.

OAL – Observatório Astronómico de Lisboa

3 Ago 2018

[vasaioqrcode]

 

485: Há evidências de que um planeta do nosso sistema solar foi destruído

JPL-Caltech/ NASA

Investigadores encontraram compostos comuns aos diamantes da Terra. Esta é a primeira vez que este tipo de componentes são encontrados num corpo extraterrestre.

Em 2008, um asteróide atingiu o deserto do Sudão e disparou muitas rochas espaciais, que provavelmente se formaram há milhares de milhões de anos dentro do embrião de um planeta hoje dizimado. Segundo os investigadores, esse planeta perdido era do tamanho de Mercúrio ou talvez de Marte.

Nas rochas espaciais, ou meteoritos, os investigadores encontraram compostos comuns aos diamantes da Terra, como sulfatos de cromita, fosfato e ferro-níquel. É a primeira vez que estes componentes de diamante são encontrados num corpo extraterrestre, constata o novo estudo, publicado recentemente na Nature Communications.

Esta descoberta fornece mais informações sobre os primórdios do nosso sistema solar, há cerca de 4,4 mil milhões de anos, quando, perto do Sol, havia vários embriões planetários. Muitos deles se fundiram nos planetas que conhecemos hoje, enquanto outros foram ejectados para o espaço interestelar.

Os meteoritos foram formados depois de um asteróide ter explodido 37 quilómetros acima do Deserto de Núbia, no Sudão. Essa explosão, de um corpo celeste com 13 metros de comprimento, disparou fragmentos por todo o deserto. Os cientistas recolheram cerca de 50 fragmentos, que variavam entre 1 a 10 centímetros.

Estes minúsculos meteoritos foram recolhidos numa colecção chamada “Almahata Sitta“, uma palavra árabe que significa “Estação Seis”, uma estação de comboios próxima do lugar onde ocorreu a queda do meteorito, entre Wadi Halfa e Cartum.

Depois de recolher os meteoritos, os investigadores descobriram nano diamantes dentro deles. No entanto, as origens dos diamantes escaparam aos cientistas.

Os nano diamantes formam-se a partir da pressão estática “normal” dentro de um corpo grande como a Terra, mas existem outras teorias de origem. Colisões de alta energia entre mundos no espaço podem deixar tais diamantes para trás, assim como a deposição por vapor químico, de acordo com a Federal Polytechnic School of Lausanne, na Suíça.

No entanto, o novo estudo revelou que os diamantes só se poderiam ter formado sob pressões superiores a 20 gigapascals (GPa). Esta é uma forma extremamente alta de pressão que os seres humanos podem gerar com certos explosivos.

“Esse nível de pressão interna só pode ser explicado se o corpo parental planetário fosse um embrião planetário do tamanho de Mercúrio a Marte”, dependendo da camada na qual os diamantes foram formados “, explicou Farhang Nabiei, líder da investigação, em comunicado.

Segundo os cientistas, este embrião planetário terá sido destruído por colisões violentas.

ZAP // Live Science

Por ZAP
23 Abril, 2018

[vasaioqrcode]

[SlideDeck2 id=1476]

[powr-hit-counter id=6ba4f32e_1524472776544]

359: Em Abril, Portugal vai assistir a uma chuva de meteoros

© Reuters Em Abril, Portugal vai assistir a uma chuva de meteoros

No próximo mês de Abril, os fãs de fenómenos astronómicos vão poder assistir a uma chuva de meteoros, ideal também para os adeptos de fotografia, que podem captar belas imagens nocturnas (quem tiver câmaras de alta resolução, claro).

De acordo com o Observatório Astronómico de Lisboa, o evento vai ter lugar entre os dias 14 e 30 de Abril, mas o pico, ou seja, quando o fenómeno acontece com mais intensidade, deverá registar-se de 21 para 22 de Abril.

A página do Observatório refere, ainda, que às 19h de quinta-feira, no dia 22, está prevista a passagem de 18 meteoros por hora, a altura que deve, portanto, marcar na agenda para sair à rua e olhar para o céu.

MSN Notícias
Notícias Ao Minuto
09/03/2018

[vasaioqrcode]

[SlideDeck2 id=1476]

[powr-hit-counter id=29d01d97_1520674179494]

 

252: Um sismo? Extraterrestres? Não, apenas um meteoro a cruzar os céus

O tremor de terra que se sentiu em Michigan, nos EUA, na terça-feira à noite, não foi um sismo como muitos pensaram. Nem tão pouco se preparava uma invasão extraterrestre, como alguns chegaram a suspeitar. Tratou-se simplesmente de um meteoro a cruzar os céus.

As vibrações causadas pelo “ruído em expansão” do meteoro que passou pelo norte dos EUA e do Canadá, na noite de terça-feira, 16 de Janeiro, foram registadas pelos sismómetros do Centro de Informação Nacional de Sismos dos EUA (NEIC).

As ondas de som do meteoro foram registadas como “um evento de magnitude 2.0” num sismómetro localizado a cerca de 8 quilómetros de New Haven, no Michigan, conforme reporta o site Live Science, com base nas informações do NEIC.

As vibrações sentiram-se no Michigan e no Ohio, nos EUA, e em Ontário, no Canadá, e foram percebidas por muitas pessoas como um sismo. Mas houve quem tenha chegado a temer uma invasão de extraterrestres, como alguns utilizadores das redes sociais escreveram.

Pela Internet, há várias imagens que mostram a luz do meteoro e aquilo que parece uma explosão.

“As pessoas descreveram-no como um ruído explosivo, e foi isso que os sismómetros detectaram”, explica no Live Science o geofísico do NEIC, John Bellini.

Este elemento também explica que não é anormal que os sismómetros registem vibrações que não são provocadas por terramotos. “Os instrumentos podem registar agitações de tempestades, de construções pesadas e de camiões na auto-estrada”, nota Bellini.

Mas quanto a meteoros, o geofísico diz que os sismómetros não estão preparados para “medirem vibrações que vêm do ar”. Assim, os 2.0 de magnitude registados não correspondem à energia libertada pelo meteoro, pois “não há como traduzir para os sismómetros a energia real de uma explosão no ar“, refere Bellini no Live Science.

A NASA anunciou que ainda está a estudar o fenómeno raro, revelando, através da página de Facebook NASA Meteor Watch, que se tratou de um “meteoro muito lento”, deslocando-se a mais de 65 km/hora.

“Este facto, combinado com o brilho do meteoro (o que sugere uma rocha espacial bastante grande) mostra que o objecto penetrou profundamente na atmosfera antes de se desfazer (o que produziu os sons ouvidos por muitos observadores”, explica ainda a NASA.

Agora, os especialistas da agência espacial norte-americana procuram “o campo de destroços”, onde poderá haver sinais do meteoro, como explica o director de astronomia do Instituto de Ciência Cranbrook em Bloomfield Hills, Michael Narlock, em declarações ao jornal The Detroit News.

“Explodiu e o objecto em si não bateu” na Terra, acrescenta Michael Narlock, frisando que há ainda “algum debate” quanto ao “caminho” que o meteoro seguiu.

Assim, encontrar os seus vestígios vai ser um verdadeiro bico de obra, tanto mais numa zona que está coberta de neve.

Um meteoro é uma pedra ou vestígios espaciais que entram na atmosfera da Terra. A luz que liberta resulta do impacto aquando da entrada na atmosfera. Os meteoritos são os destroços de um meteoro que caem na Terra.

SV, ZAP //
Por SV
18 Janeiro, 2018

[vasaioqrcode]

[SlideDeck2 id=42]

[powr-hit-counter id=ae33f044_1516287572096]

 

139: Queda de meteoro transforma a noite em dia na Finlândia

As câmaras de moradores capturaram um momento incrível na Finlândia na última quinta-feira: um meteoro rasgou os céus da Lapónia, região norte do país escandinavo, e transformou a noite em dia com uma explosão percebida a quilómetros de distância.

Apesar de o meteoro ter um brilho incrivelmente intenso, ainda não é sabido se atingiu o solo ou se explodiu na atmosfera. “Nesta noite, quando eu estava sentada em casa, houve uma grande explosão e a casa toda estremeceu violentamente“, disse Tony Bateman, que gravou um dos vídeos e dirige o site Aurora Service Tours.

“Estávamos a fazer uma transmissão ao vivo, a captar o céu nocturno para registar a aurora boreal. Imediatamente pensei que as câmaras tivessem apanhado o espectáculo causado pela entrada do meteoro na atmosfera. Então, volto o vídeo e lá está. Fiquei arrepiado. Que noite!”, conta Bateman.

O incidente ocorreu por volta das 6h40 (hora local) pelos céus de Inari, na Lapónia finlandesa, e parece ter sido tão poderoso que alguns dizem ter ouvido a explosão também na Noruega e na Rússia.

As luzes vieram de todo lado, como uma explosão que durou cerca de cinco ou seis segundos”, declarou o atleta Atle Staaleen ao Barents Observer.

Apesar de o evento ser impressionante, os meteoros não são tão raros. Milhares de objectos explodem na nossa atmosfera todos os anos, mas muitos são demasiado pequenos para serem notados. E vários desses milhares caem em áreas remotas e desabitadas.

Em algumas ocasiões, porém, um meteorito pode se espalhar por uma área povoada ao entrar em contacto com a atmosfera terrestre. No caso deste incidente na Finlândia, o meteoro parece explodir no ar num bólide – quando uma rocha espacial é desintegrada antes de chegar ao solo – ou atingiu a Terra como um meteorito.

E por não serem raros, os cientistas estão a melhorar constantemente o rastreio de meteoritos, mas ainda estão longe da perfeição: em 2013, um meteorito não detectado caiu em Chelyabinsk, na Rússia, e feriu centenas de pessoas com a explosão, causando danos em edifícios e residências.

Felizmente, desta vez não há relatos de feridos ou estragos, mas é um bom lembrete de que há muitas rochas a “passear” pelo espaço que podem, em visita ao Sistema Solar, atingir a Terra. Por isso, é necessário que continuemos a preparar-nos para quando algo entrar no nosso caminho – pois isso poderia significar o fim da civilização humana.

EM, ZAP // IFLScience

[vasaioqrcode]

[SlideDeck2 id=42]

[yasr_visitor_votes size=”medium”]

[powr-hit-counter id=39e24d97_1511435030553]

 

138: Empresa japonesa vai criar chuva artificial de estrelas cadentes em 2019

No ano passado, a empresa japonesa Astro Live Experience (ALE) anunciou que queria criar a primeira chuva artificial de meteoros. Agora, há notícias no Japão de que a companhia planeia a “chuva de estrelas cadentes” para 2019.

Descrito pela empresa como “Shooting Star Challenge” (Desafio da Estrela Cadente), a expectativa do projecto é ter meteoros artificiais a atravessar o céu sobre a região Setouchi (Mar Interior de Seto), que é administrada por Hiroshima.

A ALE planeia colocar um micro-satélite experimental em órbita no próximo ano, com cerca de 60 centímetros, mas capaz de armazenar e disparar entre 300 e 400 granulos feitos a partir de um material ainda em análise pelos cientistas japoneses envolvidos no desafio espacial.

O satélite estará numa órbita polar especial, chamada de órbita heliossíncrona, permitindo que o dispositivo passe sobre uma região específica todos os dias no mesmo horário.

O satélite ficará numa órbita terrestre baixa (com 500 quilómetros de altitude) e vai disparar os granulos à medida que passar pela Austrália. Os meteoros artificiais levarão cerca de 15 minutos para cair a uma altura de 60 quilómetros, onde começarão a queimar.

Cada granulo vai arder no céu durante cerca de cinco a dez segundos e será visível num raio de até 200 quilómetros. Cada estrela cadente será quase tão brilhante como Sirius – a estrela mais brilhante do céu nocturno -, com a possibilidade de várias cores.

A região escolhida para a “chuva” tem uma alta taxa de céu limpo, mas a popularidade da localização, que é deslumbrante, também ajudou na decisão.

“Hoje em dia, as pessoas geralmente estão a olhar para os telemóveis. Eu quero fazê-las olharem para o céu novamente“, disse Lena Okajima, astrónoma e CEO da ALE, em declarações ao Japan Today.

A empresa é apoiada por cientistas da Universidade de Tohoku e da Universidade Metropolitana de Tóquio, responsáveis ​​pelo projecto, pela fabricação de satélites e a simulação orbital. Investigadores do Instituto Kanagawa e da Universidade de Nihon também analisam os materiais que seriam usados para a missão.

O supermercado Family Mart e a Japan Airlines uniram-se à ALE para o desafio de fazer chover estrelas cadentes quando bem entendermos. E mais: há rumores de que uma chuva artificial de meteoros poderia fazer parte da cerimónia de abertura dos Jogos Olímpicos de Tóquio, em 2020.

EM, ZAP // IFL Sciende

[vasaioqrcode]

[SlideDeck2 id=42]

[yasr_visitor_votes size=”medium”]

[powr-hit-counter id=38d6ef30_1511434102673]