“CSI marciano” revela como os impactos de asteróide criaram água corrente no Planeta Vermelho

CIÊNCIA

O Dr. Luke Daly, investigador em Ciência do Sistema Solar da Escola de Ciências Geográficas da Terra da Universidade de Glasgow, segurando um pedaço de um meteorito naklhite marciano.
Crédito: Universidade de Glasgow

Análises modernas de meteoritos marcianos revelaram detalhes sem precedentes sobre como os impactos dos asteróides ajudam a criar fontes temporárias de água corrente no Planeta Vermelho.

Este estudo ajuda a restringir a potencial localização da cratera de impacto na superfície marciana que explodiu algumas dessas rochas marcianas para o espaço há milhões de anos atrás.

As descobertas são o resultado de um tipo de “CSI marciano” que usa técnicas sofisticadas para reconstruir grandes eventos que moldaram a rocha desde que se formou em Marte, há cerca de 1,4 mil milhões de anos.

No novo artigo, publicado na revista Science Advances, os cientistas planetários da Universidade de Glasgow e colegas de Leeds, da Itália, Austrália e Suécia descrevem como usaram uma técnica conhecida como difracção de retro-dispersão de electrões para examinar “fatias” de dois meteoritos marcianos diferentes conhecidos como “nakhlites”.

Os nakhlites são um grupo de meteoritos marcianos vulcânicos em homenagem a El Naklha, no Egipto, onde o primeiro deles caiu na Terra em 1911. Estes meteoritos preservam evidências da acção da água líquida na superfície marciana há aproximadamente 633 milhões de anos. No entanto, o processo que gerou estes fluidos tem sido um mistério até agora.

O Dr. Luke Daly, associado de pesquisa em Ciência do Sistema Solar na Escola de Ciências Geográficas e da Terra da Universidade de Glasgow, é o principal autor do artigo.

O Dr. Daly disse: “existem muitas informações sobre Marte ‘trancadas’ dentro dos pequenos pedaços do Planeta Vermelho que caíram na Terra como meteoritos, que novas técnicas analíticas podem nos permitir aceder.

“Ao aplicar esta técnica de difracção de retro-dispersão de electrões, conseguimos observar muito atentamente a orientação e a deformação dos minerais em toda a área destas amostras de rocha marciana para procurar padrões.

“O que vimos é que o padrão de deformação nos minerais corresponde exactamente à distribuição das veias de erosão formadas a partir dos fluídos marcianos. Esta coincidência fornece-nos dados empolgantes sobre dois grandes eventos da história destas rochas. O primeiro é que, há aproximadamente 633 milhões de anos, foram atingidas por um asteróide que as deformou em parte de uma cratera de impacto.

“Este impacto foi grande o suficiente e quente o suficiente para derreter o gelo sob a superfície marciana e enviá-lo através de fissuras recém-formadas na rocha – efectivamente formando um sistema hidrotermal temporário por baixo da superfície de Marte, que alterou a composição dos minerais nas rochas, perto destas fissuras. Isto sugere que o impacto de um asteróide foi o mecanismo misterioso, para produzir água líquida, nos naklhites muito tempo depois do vulcão que os formou em Marte ter ficado extinto.

“A segunda coisa excitante que nos diz é que as rochas devem ter sido atingidas duas vezes. Um segundo impacto, há cerca de 11 milhões de anos atrás, teve a combinação certa de ângulo e força para explodir as rochas da superfície do planeta e para começar a sua longa jornada pelo espaço em direcção à Terra.”

A equipa pensa que os seus achados fornecem novas informações sobre a formação da paisagem marciana. Os bombardeamentos regulares de asteróides podem ter tido efeitos semelhantes no gelo subterrâneo ao longo da história marciana, criando sistemas hidrotermais temporários por todo o planeta e importantes fontes de água líquida.

A sua análise também fornece pistas importantes que podem ajudar a identificar exactamente onde os naklhites tiveram origem em Marte.

O Dr. Daly acrescentou: “Actualmente, estamos a tentar entender a geologia marciana através destes meteoritos sem saber de que parte da superfície de Marte estes naklhites vieram. As nossas novas descobertas restringem firmemente as possíveis origens dos naklhites – sabemos agora que estamos à procura de uma complexa estrutura vulcânica, com cerca de 1,3 a 1,4 mil milhões de anos, com uma cratera com mais ou menos 633 milhões de anos e outra com 11 milhões de anos. Pouquíssimos lugares em Marte correspondem a estes elementos.”

“É um trabalho de detective interplanetário que ainda está em andamento, mas estamos ansiosos por resolver o caso.”

Os investigadores, da Universidade de Glasgow, da Universidade de Leeds, da Universidade de Uppsala, Oxford Instruments Nanoanalysis, da Universidade de Pisa, da Universidade de Nova Gales do Sul e da Universidade Curtin, analisaram amostras de dois nakhlites.

Um deles, conhecido como “Miller Range 03346”, foi encontrado e recuperado das montanhas da cadeia Miller na Antárctica em 2003 pela expedição de pesquisa ANSMET (Antarctic Search for Meteorites). A professora Gretchen Benedix, co-autora do estudo, fez parte da expedição que recuperou Miller Range 03346. O segundo, “Lafayette”, encontrava-se na colecção de amostras rochosas da Universidade de Purdue em 1931.

Astronomia On-line
10 de Setembro de 2019

 

2570: Meteorito vindo de um planeta antigo destruído deixa na Terra material nunca visto

CIÊNCIA

Cientistas descobrem um mineral nunca visto na natureza que veio de um meteorito até à Terra. A complexidade deste mineral poderá indiciar que viajou pelo espaço vindo de um planeta muito antigo, afirmaram os cientistas.

Foi encontrado numa estrada, dentro de uma remota cidade australiana conhecida do tempo da corrida ao ouro. Nos velhos tempos, a localidade de Wedderburn era um hotspot para prospectores de ouro. Contudo, actualmente já é muito raro encontrar por lá uma pepita como esta.

Cientistas descobrem num meteorito material nunca visto

O meteorito Wedderburn, encontrado a nordeste da cidade em 1951, era um pequeno pedaço de 210 gramas de rocha espacial de aparência estranha que caiu do céu. Durante décadas, os cientistas têm tentado decifrar os seus segredos. No entanto, os investigadores apenas descodificaram outro desses segredos.

Num novo estudo conduzido pelo mineralogista da Caltech, Chi Ma, os cientistas analisaram o meteorito Wedderburn e verificaram a primeira ocorrência natural do que eles chamam de ‘edscottite’: uma forma rara de mineral carboneto de ferro que nunca foi encontrada na natureza.

Desde que as origens espaciais do meteorito Wedderburn foram identificadas pela primeira vez, a rocha preta e vermelha distinta foi examinada por inúmeras equipas de investigação – a ponto de apenas cerca de um terço do espécime original ainda permanecer intacto, mantido dentro da colecção geológica dos Museus Victoria, na Austrália.

Novo material foi baptizado na Terra de edscottite

O resto foi retirado numa série de fatias, extraídas para analisar de que é feito o meteorito. Estas análises revelaram vestígios de ouro e ferro, juntamente com minerais mais raros, como camacite, schreibersita, tenite e troilite. Agora podemos adicionar edscottita a essa lista.

A descoberta do edscottita – nomeado em honra do especialista em meteoritos e cosmochemita Edward Scott da Universidade do Havai – é significativa. Isto porque nunca antes confirmamos que esta formulação atómica distinta do mineral carboneto de ferro ocorre naturalmente.

Tal confirmação é importante, porque é um pré-requisito para que os minerais sejam oficialmente reconhecidos como tal pela Associação Mineralógica Internacional (IMA).

Há décadas que se conhece uma versão sintética do mineral de carboneto de ferro. Fase esta que é conseguida durante a fundição do ferro.

No entanto, graças à nova análise do geofísico Chi Ma e do geofísico Alan Rubin da UCLA, o edscottite é agora um membro oficial do clube de minerais da IMA, que é mais exclusivo do que se possa pensar.

Descobrimos 500.000 a 600.000 minerais no laboratório, mas menos de 6.000 que a natureza se fez sozinha.

De acordo com o referido pelo responsável dos Museus Victoria de Geociências Stuart Mills, ao The Age.

2417: Meteorito pode ter desencadeado um enorme tsunami em Marte há 3000 milhões de anos

O impacto de um meteorito poderá ter causado um enorme tsunami (da altura de um arranha-céus) na superfície de Marte há 3,5 milhões de anos.

De acordo com o portal Live Science, a controversa teoria foi apresentada pela primeira vez em 2016 por dois grupos de cientistas. Agora, os especialistas podem ter novas evidências.

Foi Francois Costard, astrónomo do Centro Nacional de Investigação Científica de França e um dos primeiros cientistas a propor a teoria do tsunami, a encabeçar a nova investigação, que tinha como objectivo traçar o caminho da onda para, através da paisagem do Planeta Vermelho, rastrear a sua origem.

Depois de analisar dez crateras cujo tamanho e localização as torna possíveis locais de origem, Costard e a sua equipa concluíram que todos os modelos apontavam para a cratera Lomonosov, que tem cerca de 150 quilómetros de diâmetro.

NASA/JPL/USGS
Topografia da cratera Lomonosov

O co-autor do estudo Alexis Rodríguez explicou que a cratera em causa tem a idade adequada – cerca de 3 mil milhões de anos – e que as suas extremidades estão desgastadas, como se a água tivesse regressado ao “poço” após um forte impacto.

Os novos modelos, detalhados no estudo publicado esta semana na revista científica Journal of Geophysical Research, sugerem que a colisão foi forte o suficiente para desencadear um mega-tsunami (300 metros de altura) capaz de afectar todo o planeta.

Apesar dos resultados, os cientistas mostram-se cautelosos com os novos dados, frisando ser necessário levar a cabo novas investigação para confirmar a causa do tsunami.

As outras teorias incluem deslizamentos de terra, que poderiam ter moldado a paisagem marciana na altura em que o tsunami ocorreu, podendo gerar a onda, bem como um terremoto ou uma erupção vulcânica em alto-mar.

ZAP //

Por ZAP
8 Agosto, 2019

 

2365: A Terra está cheia de misteriosos cones espaciais (e já se sabe porquê)

NYU’s Applied Mathematics Laboratory

A maioria dos meteoritos encontrados na Terra têm formas aleatórias. Mas um número surpreendentemente alto – cerca de 25% – é em forma de cone.

Os cientistas chamam a essas pedras espaciais cónicas de “meteoritos orientados”. Agora, graças a um par de experiências publicados online na revista Proceedings of National Academy of Sciences sabemos porquê: a atmosfera está a esculpir as rochas em formas mais aerodinâmicas quando caem na Terra.

“Estes experiências contam uma história de origem de meteoritos orientados”, disse Leif Ristroph, um físico matemático da Universidade de Nova Iorque que liderou o estudo, em comunicado. “As forças muito aerodinâmicas que derretem e remodelam os meteoróides em voo também os estabilizam, de modo que pode ser esculpida uma forma em cone e, finalmente, chegar à Terra.”

É difícil replicar com precisão o encontro de meteoróides do meio ambiente no seu caminho para a superfície do nosso planeta. As rochas espaciais chocam com a atmosfera em altas velocidades, gerando uma fricção intensa e súbita que aquece, derrete e deforma os objectos à medida que caem livremente.

Essas condições não existiam no laboratório da NYU onde o estudo ocorreu, mas os investigadores aproximaram esses factores com recurso a materiais mais macios e água e dividindo a experiência em partes.

Primeiro, os cientistas prenderam bolas de argila macia no centro de correntes de água corrente, uma aproximação de uma rocha pesada a atingir uma atmosfera. De acordo com os investigadores, a argila tendeu a deformar-se e a sofrer erosão em forma de cone.

Esta experiência por si só não explicaria muito. A argila macia não conseguia mover-se na água – uma situação muito diferente de uma rocha livre a cair solta através da atmosfera superior e de alguma forma orientar-se a si própria.

Na segunda etapa, os investigadores colocaram diferentes tipos de cones na água para ver como caíam. Os cones que são muito estreitos ou muito gordos tendem a cair como as rochas de qualquer forma. Mas havia cones “Cachinhos Dourados”, entre aqueles dois extremos, que giravam até os pontos apontarem ao longo da sua direcção de viagem, como uma flecha, e depois deslizavam suavemente pela água.

O “princípio de Cachinhos Dourados” é assim chamado por analogia à história infantil “Cachinhos Dourados e os Três Ursos”, em que uma menina chamada Cachinhos Dourados prova três pratos diferentes e prefere o que não é nem muito quente nem muito frio, mas que tem a temperatura ideal.

Como a história infantil é bem conhecida entre diferentes culturas, o conceito de “a quantidade ideal” é facilmente compreendido e aplicado em diversas áreas, incluindo psicologia do desenvolvimento, biologia, astronomia, economia e engenharia.

Estas duas experiências juntas parecem mostrar que, quando certas condições são satisfeitas, as rochas espaciais desenvolverão formas cónicas sob a extrema fricção de uma entrada atmosférica. Às vezes, essas partes cónicas ajudarão as rochas a estabilizar-se, apontando numa direcção consistente à medida que caem. Essa estabilidade, por sua vez, torna-os cada vez mais cónicos.

Quando as pedras atingem o solo, caçadores de meteoritos encontram os restos de rochas espaciais cónicas “orientadas”.

ZAP //

Por ZAP
25 Julho, 2019

[vasaioqrcode]

 

2149: Meteoritos-chave descobertos no Chile podem revelar a origem do Sistema Solar

CIÊNCIA

Universidade Católica do Chile

Um estudo geológico levado a cabo no deserto do Atacama por cientistas da Universidade Católica do Chile (UCN) encontrou vários condritos carbonáceos, meteoritos-chave para entender a origem do Sistema Solar, bem como as causas que levaram à vida no planeta Terra. 

De acordo com um comunicado da UCN, os objectos, encontrados entre as cidades de Antofagasta e Taltal, fazem parte dos primeiros minerais formados a partir da nebulosa que cercou o Sol há 4,56 mil milhões de anos.

“É o tipo mais primitivo de meteorito já encontrado, é uma das rochas que contém os primeiros materiais sólidos condensados, numa altura em que o Sistema Solar se estava a formar. Estes meteoritos carregam a mais antiga evidência dos primeiros estágios de formação dos planetas”, explicou a cientista que liderou o estudo, Millarca Valenzuela.

“Se conseguirmos medir a composição [destes condritos carbonáceos], poderemos ter informações sobre a composição da nebulosa solar onde o cristal se estava a formar”.

Além das pistas sobre a origem do Sistema Solar, a matriz destes meteoritos sugere a sua possível participação na origem de vida na Terra. Os objectos têm até 5% de carbono, possuindo também “minerais, água e aminoácidos de base pequena e material orgânico abiótico […] que poderiam ser a semente a partir da qual o material orgânico pode ter evoluído para algo mais complexo”, sustentou a especialista.

Valenzuela é geóloga e uma das cientistas responsáveis pela descoberta no Chile. Em 2017, o asteróide 11819, localizado entre Júpiter e Marte, foi baptizado em sua honra.

Uma outra investigação, conduzida por cientistas de França e de Itália detectou matéria orgânica com 3.330 mil milhões de anos preservada em sedimentos vulcânicos nas Montanhas Barberton. É provável que a matéria pertença a um condrito carbonáceo extraterrestre. Os resultados desta investigação foram publicados no fim de maio na revista científica especializada Geochimica et Cosmochimica Acta.

ZAP //

Por ZAP
10 Junho, 2019



[vasaioqrcode]

2081: A colecção mais antiga de meteoritos foi encontrada no local mais seco da Terra

Racortesl / Flickr
Deserto do Atacama, no Chile

Meteoritos colidem na Terra quase constantemente e podemos encontrar os restos antigos em todos os lugares. Mas, para melhor entender de onde as rochas espaciais vieram, é útil visitar a mais densa colecção de meteoritos do planeta.

Onde? No local mais seco de todo o planeta Terra – o deserto do Atacama, no Chile. Este deserto é muito antigo, com mais de 15 milhões de anos, o que significa que os meteoritos que caíram na sua enorme área – cerca de 130 mil quilómetros quadrados – têm a possibilidade de serem muito antigos.

Isso representa uma vantagem geológica sobre outros desertos, incluindo a Antárctida, que possui vastos suprimentos de meteoritos, mas geralmente são jovens demais para abrigar rochas espaciais mais antigas do que meio milhão de anos, segundo Alexis Drouard, investigador da Universidade Aix-Marselha e autor do estudo publicado na revista Geology.

Drouard e os colegas fizeram recentemente uma viagem de caça a meteoritos no deserto de Atacama, na esperança de encontrar uma série de rochas que se estendiam por milhões de anos. “O nosso objectivo neste trabalho foi ver como o fluxo de meteoritos mudou ao longo de grandes escalas de tempo“, disse Drouard em comunicado, citado pela Live Science.

Para o novo estudo, os geólogos recolheram cerca de 400 meteoritos e estudaram 54, analisando as idades e as composições químicas das pedras alienígenas. Em consonância com a idade avançada do deserto, cerca de 30% dos meteoritos tinham mais de um milhão de anos, enquanto dois deles acumulavam poeira há mais de dois milhões de anos. Segundo Drouard, representa a mais antiga colecção de meteoritos na superfície da Terra.

A equipa extrapolou os resultados da sua pequena amostra para determinar que a actividade de impacto permaneceu relativamente constante nos últimos dois milhões de anos, totalizando cerca de 222 impactos de meteoros em cada quilómetro quadrado de deserto a cada um milhão de anos.

Surpreendentemente, a composição dos meteoritos mudou mais drasticamente. Segundo os investigadores, os meteoritos que bombardearam o Atacama entre um milhão e meio milhão de anos atrás eram significativamente mais ricos em ferro do que as rochas que caíam antes ou depois. É possível que todos tenham vindo de um único enxame de pedras soltas do cinturão de asteróides entre Marte e Júpiter.

ZAP //

Por ZAP
31 Maio, 2019


[vasaioqrcode]

1921: Mais de 2,25 milhões de corpos celestes podem ser perigosos para a Terra

CIÊNCIA

Ethan Tweedie

No espaço existem numerosos asteróides e meteoritos de diferentes tamanhos. Enquanto grandes objectos celestes são estudados adequadamente, os cientistas ainda sabem muito pouco sobre aqueles cujo diâmetro não excede um quilómetro.

Embora existam mais de 2,25 milhões de corpos celestes que existem e que são potencialmente perigosos para a Terra, apenas 19 mil deles são conhecidos pela ciência, disse Sergei Naroenkov, especialista do Instituto de Astronomia da Academia Russa de Ciências, ao portal russo de divulgação científica Cherdak.

Felizmente, dos 900 asteróides com mais de um quilómetro de diâmetro e potencialmente perigosos para o planeta, as trajectórias de 893 já são conhecidas.

O impacto de um corpo desse tamanho poderia ter consequências catastróficas para a Terra. A queda de um meteorito de 10 quilómetros de diâmetro em Chicxulub, no México, há cerca de 65 milhões de anos, causou a extinção dos dinossauros – e outras espécies de biodiversidade continental e marinha não sobreviveram após a explosão.

As explosões mais poderosas deste tipo nos tempos modernos foram as causadas pelo meteorito de Chelyabinsk (cerca de 20 metros de diâmetro) e o de Tunguska (com cerca de 50 metros de diâmetro).

Naroenkov afirma que, de acordo com estimativas, mais de 250 mil objectos do tamanho do meteorito de Tunguska e mais de dois milhões em magnitude semelhante ao de Chelyabinsk ainda não são conhecidos pela ciência.

O astrónomo russo assegura que, a fim de detectar asteróides perigosos no tempo, é necessário construir novos observatórios com telescópios modernos com grandes aberturas, uma vez que essas ferramentas nos permitem antecipar a aproximação dos corpos celestes de 140 metros em dois meses.

ZAP //

Por ZAP
4 Maio, 2019

[vasaioqrcode]

 

1912: NASA alerta sobre meteoritos: é preciso defender a Terra

O patrão da agência espacial americana, Jim Bridenstine pediu esta terça-feira a colaboração internacional para detecção de objectos com risco de colisão com a Terra. “O perigo é real”, disse numa conferência em Washington

© Robert Mikaelyan

Aconteceu em Cheliabinsk em 2013, com um saldo de mais de mil feridos. A rocha vinda do céu, à velocidade de 30 km por segundo naquele dia de Fevereiro, foi apenas o mais aparatoso dos incidentes deste tipo nos últimos tempos. “Mas não foi de maneira nenhuma o único [embora os outros não tenham causado vítimas] “, afirmou esta terça-feira, o patrão da NASA, Jim Bridenstine, numa conferência que está decorrer em Washington sobre defesa planetária.

“Não se trata de Hollywood, nem de filmes, trata-se em última análise de proteger o nosso planeta, o único sobre o qual temos neste momento a certeza de que pode albergar vida“, afirmou Bridenstine, citado na imprensa americana, sublinhando que “são necessárias parcerias internacionais para lidar com esta ameaça”.

O meteorito que caiu em 2013 em Cheliabinski, na Rússia, causando 1500 feridos, “tinha a potência de 30 bombas de Hiroxima”, sublinhou ainda o responsável. “Queria muito poder dizer-vos que estes episódios são excepcionais, mas não são. Não são raros e acontecem, e somos nós que temos de conseguir detectá-los e segui-los, já que podem constituir uma ameaça para a Terra”.

A NASA tem um programa para detectar e rastrear estas rochas espaciais com dimensões até 140 metros de diâmetro que circulam nas proximidades da Terra, mas o objectivo de traçar o rasto à esmagadora maioria deles (90% é a meta atual) “está longe de conseguido”, admitiu o director da NASA na conferência.

“Só conseguimos observar um terço destes objectos e por isso precisamos de mais parceiros internacionais para participar neste esforço”, apelou.

De acordo com Jim Bridenstine, são necessários mais sistemas de observação em terra para detectar e seguir o rasto a estes perigosos calhaus do espaço.

Diário de Notícias
DN
01 Maio 2019 — 16:52

[vasaioqrcode]

 

1871: “Embrião” de cometa encontrado no interior de um meteorito primitivo

(CC0/PD) Buddy_Nath / Pixabay

Uma equipe de especialistas do Instituto Carnegie para a Ciência, nos Estados Unidos, descobriu que há um pequeno fragmento – uma espécie de “embrião” – de um cometa a viver no interior de um meteorito primitivo encontrado na Antárctida.

O meteorito em causa, baptizado de LaPaz Icefield 02342, pertence à classe das condritas carbonáceas primitivas, ou seja, é um corpo que sofreu mudanças mínimas desde a sua formação, há mais de 4.500 milhões de anos, explicou a cientista Jemma Davidson, citada em comunicado do instituto.

Tanto o cometa como a asteróide foram formados a partir do disco de gás e poeira que cercou o Sol primitivo no passado. Contudo, os corpos formaram-se a diferentes distâncias do astro, o que se reflectiu directamente na sua composição química, assinala a investigação, cujos resultados foram esta semana publicados na revista científica Nature Astronomy.

Os cometas que se formaram a uma distância maior do Sol contêm maiores quantidades de água e mais carbono do que os asteróides, exemplifica o mesmo documento.

No interior do meteorito encontrado na Antárctida, a equipa encontrou um fragmento minúsculo – um décimo de milímetro de diâmetro – de um material primitivo muito rico em carbono que apresenta semelhanças surpreendentes com partículas de poeira extraterrestres que, segundo acreditam os cientistas, terão sido originadas em cometas formados perto dos extremos do Sistema Solar.

Os cientistas acreditam que há cerca de 3 ou 3,5 milhões de anos após a formação do Sistema Solar, este pequeno fragmento foi capturado por um asteróide em desenvolvimento a partir do qual o meteorito se originou.

“Como esta amostra (…) foi engolida por um asteróide e conservada no interior deste meteorito, foi protegida dos estragos quando entrou na atmosfera da Terra”, completou o cientista Larry Nittler. “O asteróide serviu como uma espécie de cápsula protectora, dentro da qual ficaram preservados ‘embriões’ de cometas e grãos de matéria primária do Sistema Solar”. De outra forma, “estas amostras nunca chegariam [ao meteorito] sozinhas”.

Graças a esta cápsula resistente ao tempo, rematou, será ainda possível abordar e melhor entender a química do Sistema Solar primitivo.

ZAP //

Por ZAP
20 Abril, 2019

[vasaioqrcode]

 

1847: Caiu um meteorito no Brasil e ficou tudo em vídeo

Queda de meteorito no Rio Grande do Sul.

O momento da queda do meteorito captado por uma das câmaras da rede de monitorização BRAMON
© Twitter Carlos Fernando Jung

O clarão deixado nos céus de Taquara, no estado do Rio Grande do Sul foi registado na madrugada de sexta-feira, 12 de Abril, e corresponde a um meteorito. O momento foi captado por uma das câmaras da Rede Brasileira de Observação de Meteoritos (BRAMON, sigla em inglês).

O professor Carlos Fernando Jung, director do BRAMON e responsável pelo registo em vídeo da queda do meteorito conta ao site G1 que o “objecto” pesava “12 quilos quando entrou na atmosfera” a 122,2 mil quilómetros por hora, tendo começado a perder força. Não terá atingido o solo. “Os fragmentos foram mínimos”, diz. Após análise ao fenómeno, o especialista calcula que o meteorito desfragmentou-se a 36 quilómetros de altitude e não causou qualquer dado.

“O objecto foi totalmente consumido na sua passagem atmosférica, a cerca de 145 quilómetros sobre o mar da costa do Rio Grande do Sul”, explica Jung.

Foi possível ver a queda do meteorito às 03:21 de sexta-feira (às 23:21 de quinta-feira em Portugal), um momento captado por uma câmara instalada na cidade de Taquara, na Região Metropolitana de Porto Alegre, mas também por câmaras em Torres e Santa Catarina.

Ao site da Globo, Jung explica que na rede de monitorização de meteoritos cada pessoa, de forma voluntária e com equipamento próprio, regista este tipo de fenómenos. As câmaras deste grupo de observadores ficam ligadas 24 horas.

O especialista tem três câmaras que operam em Taquara, o local onde caiu o meteorito, São Leopoldo e Porto Alegre. “Têm imagens de 360 graus. Elas captam todo o Rio Grande do Sul, o Uruguai, Santa Catarina, Paraná, parte da Argentina”, explica.

Esclarece ainda que a queda de meteoritos é frequente. “São atraídos pela gravidade da terra”, explica. O que não é normal, afirma, é conseguir um registo. E foi o que aconteceu. Imagens que Jung partilhou nas redes sociais.

Prof. Dr. Jung @profjung

Registada queda de “grande” meteoro no mar ao sul do RS nesta madrugada de sexta pela Câmara 2. Magnitude – 9,7 (Fireball)

Diário de Notícias
13 Abril 2019 — 23:55

[basaioqrcode]

 

1734: Um meteorito explodiu na atmosfera da Terra. Mas ninguém reparou

NASA detectou a enorme bola de fogo que aconteceu em Dezembro. Mas a explosão, que teve lugar sobre o mar de Bering, passou quase despercebida, apesar de ter sido a segunda maior em 30 anos.

Quando o meteorito explodiu na atmosfera terrestre sobre o mar de Bering, junto à península russa de Kamchatka, libertou dez vezes mais energia do que a bomba atómica lançada no final da II Guerra Mundial sobre a cidade japonesa de Hiroxima.

A enorme explosão, que aconteceu em Dezembro, foi detectada pela NASA, que só agora a divulgou. Mas passou quase despercebida, apesar de ter sido a segunda maior dos últimos 30 anos e a maior desde que uma bola de fogo atravessou o céu sobre Chelyabinsk, na Rússia, há seis anos.

Veja aqui o vídeo da explosão de 2013:

Segundo Lindley Johnson, responsável pela defesa planetária da NASA, explicou à BBC que este tipo de explosão em meteoritos na atmosfera da Terra só ocorre em média duas a três vezes num século.

Era meio-dia de dia 18 de Dezembro quando um meteorito com vários metros de comprimento entra na atmosfera da Terra a uma velocidade de 32 quilómetros por segundo. E explode a 25,6 km de distância da superfície terrestre, com um impacto energético de 173 quilo-toneladas.

De acordo com os cientistas da NASA a energia libertada foi apenas 40% da libertada na explosão sobre Chelyabinsk, mas o facto de ter acontecido sobre o mar fez com que não tivesse as mesmas consequências e ficasse de fora das notícias.

A explosão foi captada pelos satélites militares em final do ano e a NASA foi informada do ocorrido pela Força Aérea americana.

Os cientistas estimam que todos os dias caiam na Terra 48,5 toneladas de matéria meteórica. A quase totalidade desfaz-se em poeira ao entrar na atmosfera terrestre. Quando este fenómeno aumenta acontecem as chamadas chuvas de meteoritos.

Diário de Notícias
18 Março 2019 — 10:30

[vasaioqrcode]

 

1618: Astrónomos determinam de onde vêm os meteoritos que caem com mais frequência na Terra

josemiguelmartinez / Flickr

Um estudo conduzido pelo astrónomo Peter Jenniskens, identificou a fonte dos meteoritos mais comuns, conhecidos como condritos L.

É possível classificar os meteoritos em várias categorias pela textura e composições química e mineralógica, sendo os condritos os mais comuns de todos eles, representando 82% dos meteoritos.

Através do estudo, publicado na revista Meteoritics & Planetary Science, os cientistas conseguiram determinar que este tipo de meteorito vem de pelo menos dois campos de detritos no cinturão de asteróides – região circular do Sistema Solar formada por múltiplos objectos irregulares denominados asteróides – , originários de planetas outrora anões que colidiram há muito tempo. A colisão constante desses fragmentos produzem os meteoritos que caem na Terra.

Meteoritos que caíram em 2012 na cidade norte-americana de Novato, no estado da Califórnia, e em 2015 perto da cidade de Creston, também situada no mesmo estado, foram comparados e identificados como condritos L.

A princípio, os 33 investigadores envolvidos no estudo acharam que os meteoritos poderiam ter vindo do mesmo campo de detritos, mas foi determinado que o meteorito de Novato demorou três anos a contornar o Sol, enquanto o outro demorou um ano e meio para fazer o mesmo movimento.

Isso sugere que o primeiro meteorito caído foi enviado por uma ressonância mais distante do Sol e mais profunda no cinturão de asteróides.

Durante a grande colisão há 470 milhões de anos, o meteorito de Novato perdeu a maior parte dos seus gases nobres ou inertes, como o argónio, enquanto que o de Creston “não perdeu o argónio dos minerais nos últimos 4,3 mil milhões de anos”, afirmou o geoquímico Matthias Meier.

“Isso provavelmente significa que o asteróide do qual o meteorito de Creston se originou não sofreu a colisão que afectou o de Novato há 470 milhões de anos”, acrescentou Meier.

Embora estes meteoritos provenham de diferentes colisões em diferentes partes do cinturão de asteróides, têm muito em comum e parecem estar relacionados entre si, sugerem os autores do estudo.

Por exemplo, ter-se-iam tornado matéria sólida no mesmo corpo paternal, que poderia ter sido quebrado e as suas partes poderiam acabar em lugares diferentes no cinturão de asteróides.

ZAP // Sputnik News

Por ZAP
21 Fevereiro, 2019

[vasaioqrcode]

 

1514: Lua foi atingida por um meteorito durante a Super Lua de Sangue

A Super Lua de Sangue de segunda-feira permitiu filmar, pela primeira vez, um impacto lunar durante um eclipse. Há 22 anos que os cientistas tentavam fazê-lo.

Um meteorito caiu na Lua durante o eclipse de domingo para segunda-feira, quando o astro já estava vermelho, confirmou o astrónomo espanhol Jose Maria Madiedo, da Universidade de Huelva, em Espanha.

É a primeira vez que se filma o impacto de um meteorito na Lua durante um eclipse. O momento pode ser visto em vídeos que mostram um ponto luminoso na superfície lunar. Esse ponto é o impacto de uma Geminida, um meteoroide que resulta da passagem do asteróide 3200 Faetonte perto da Terra.

De acordo com as explicações de Madiedo, o corpo celeste colidiu com a superfície da Lua às 4 horas, 41 minutos e 38 segundos de segunda-feira, quando o nosso satélite natural já estava dentro da zona mais escura da sombra da Terra – umbra – e tinha assumido a cor vermelha que baptiza o fenómeno astronómico.

Apontados à Lua estavam oito telescópios do projecto MIDAS – Moon Impacts Detection and Analysis System – que tem como objectivo estudar os impactos na superfície lunar.

O próximo passo, explica Madiedo, é tentar determinar a origem e as características do meteoroide que atingiu a Lua no dia do eclipse. Sabe-se que é o resultado de uma chuva de estrelas chamada Geminidas e que faz parte do rasto deixado pela órbita do asteróide 3200 Faetonte.

Esse asteróide tem uma órbita semelhante ao de um cometa e cruza as trajectórias de Mercúrio, Vénus, Terra e Marte. As Geminidas são uma das principais chuvas de estrelas causadas por um corpo celeste que não um cometa. O corpo que caiu na Lua deve ter entre dois e dez quilogramas de massa.

Os cientistas esperam que os dados do projecto MIDAS possam revelar a frequência com que os impactos lunares acontecem. Conhecer essa realidade lunar vai ajudar a perceber com que frequência é que a Terra é atingida por corpos celestes vindos do espaço.

Como a atmosfera costuma destruir esses astros antes de chegarem à superfície terrestre, esse número é desconhecido dos cientistas. Mas os cientistas desconfiam que o número deve ser semelhante ao da Lua.

ZAP // Canal Tech / Gizmodo

Por ZAP
23 Janeiro, 2019

[vasaioqrcode]

 

1424: Bola de fogo que explodiu na Gronelândia poderia ajudar-nos a estudar mundos alienígenas

Mark Garten / UN Photo
Icebergs em Ilulissat Icefjord, Gronelândia

Uma misteriosa bola de fogo que explodiu sobre a Gronelândia poderia ajudar-nos a estudar a estrutura de mundos alienígenas distantes e cobertos de gelo.

Apesar de os primeiros dados terem demonstrado que a bola de fogo que explodiu sobre a Gronelândia era uma das mais energéticas de 2018, durante meses os cientistas não sabiam que implicações teria este meteorito.

A bola de fogo iluminou o céu nocturno e fez o chão tremer no dia 25 de Julho, mas a maior parte do mundo teve conhecimento deste evento passado uma semana, quando um cientista da NASA, Ron Baalke, informou no Twitter.

Mais tarde, também através do Twitter, Hans M. Kristensen, investigador de armas nucleares, adiantou que a explosão ocorreu muito perto da base da Força Aérea de Thule, na Gronelândia. No entanto, a Base Aérea manteve-se muito silenciosa em relação ao fenómeno.

Agora, graças a uma feliz coincidência de tempo e espaço, temos novas provas para interpretar o evento da bola de fogo.

Em maio, alguns meses antes da bola de fogo irromper nos céus, os cientistas instalaram um sistema sísmico a apenas 70 quilómetros de Qaanaaq, num projecto chamado “Sismómetro para Investigar Gelo e Estruturas do Oceano” (SIIOS).

O objectivo do projecto é usar sismómetros para medir como podem acontecer terramotos em mundos gelados e luas (como a lua gelada de Júpiter Europa), usando análogos baseados na Terra (como o gelo da Gronelândia).

Os cientistas afirmam que o que podemos aprender sobre as espessas crostas de gelo que cobrem esses ambientes pode ser a chave para encontrar água em futuras missões no Espaço. No entanto, a mesma infra-estrutura pode também dar-nos uma visão única do que realmente aconteceu com a bola de fogo em Qaanaaq.

Num relatório apresentado na reunião anual da União de Geofísica Americana, em Washington, uma equipa liderada por Nicholas C. Schmer, da Universidade de Maryland, relatou que os sensores do sismómetro permitiram aos cientistas isolar um “evento sísmico candidato consistente com a trajectória do ponto de impacto projectado pela bola de fogo”.

Na prática, a actividade sísmica captada por vários sensores correlacionou o caminho do meteoro com o das ondas terrestres. A matriz permitiu também que os cientistas identificassem a localização exacta do impacto.

A investigação ainda não foi revisada por especialistas, mas os dados preliminares sugerem que o epicentro do impacto estava situado “nas proximidades da geleira de Humboldt, no manto de gelo da Gronelândia”.

Ainda há muita coisa por desvendar sobre a bola de fogo de Qaanaaq, mas graças à infra-estrutura do SIIOS temos agora uma pista consistente sobre o misterioso meteorito e, segundo os cientistas, uma novidade mundial no âmbito da pesquisa astronómica.

“Este candidato a evento de impacto sísmico registado por um sistema é o primeiro análogo sísmico de alta fidelidade para eventos de impacto do mundo gelado”, explicaram os autores.

Estas descobertas têm então implicações que se estendem além da Terra. Como este evento foi o primeiro registo de eventos de impacto em mundos cobertos de gelo, estas descobertas podem “informar a Ciência do impacto de objectos em todo o Sistema Solar“.

ZAP // ScienceAlert

Por ZAP
18 Dezembro, 2018

[vasaioqrcode]

 

1322: Um meteorito pode ter aniquilado comunidade ancestral do vale do Jordão

CIÊNCIA

Hoshvilim / Wikimedia

O impacto de um meteorito pode ser a causa da erradicação de comunidades humanas do vale do Jordão, no norte do Mar Morto há 3.700 anos.

A datação por radio-carbono e minerais descobertos que instantaneamente cristalizaram em altas temperaturas indicam que uma enorme explosão causada por um meteoro que explodiu na atmosfera destruiu instantaneamente a civilização na planície circular de 25 quilómetros de extensão chamada Middle Ghor.

O evento também poderá ter impulsionado a salmoura borbulhante de sais do Mar Morto por mais de 11 terras agrícolas férteis, de acordo com Phillip Silvia, arqueólogo da Universidade Trinity Southwest, na sua apresentação na reunião anual do American Schools of Oriental Research.

Escavações em cinco grandes locais do Médio Oriente, no actual Jordão, indicam que todos foram continuamente ocupados por pelo menos 2.500 anos até um súbito colapso no final da Idade do Bronze. Estima-se que habitavam em Middle Ghor entre 40 a 65 mil pessoas quando a calamidade cósmica o território.

A evidência mais abrangente da destruição causada por uma explosão de um meteoro de baixa altitude vem da cidade de Tall el-Hammam, onde uma equipa tem escavado nos últimos 13 anos. A datação por radio-carbono indica que as paredes de tijolos de barro de quase todas as estruturas desapareceram de repente há cerca de 3.700 anos, deixando apenas fundações de pedra.

Além disso, as camadas externas de muitas peças de cerâmica do mesmo período mostram sinais de ter derretido.

Ventos de alta força criaram minúsculos grãos minerais esféricos que aparentam ter caído sobre Tall el-Hammam. A equipa identificou estes pedaços minúsculos de rocha em fragmentos de cerâmica no local.

Existem outros exemplos de rochas espaciais que explodiram, causando estragos na Terra. Uma aparente explosão de meteoros numa região pouco povoada da Sibéria em 1908 não matou ninguém, mas destruiu dois mil quilómetros quadrados de floresta. Já em 2013, uma explosão de meteoros em Chelyabinsk, na Rússia, feriu mais de 1.600 pessoas.

ZAP // RT / ScienceNews

Por ZAP
23 Novembro, 2018

[vasaioqrcode]

 

1295: Cratera de meteorito com o tamanho de Lisboa descoberta na Gronelândia

Natural History Museum of Denmark / Cryospheric Sciences Lab / NASA Goddard Space Flight Center
Mapa da topografia rochosa

Uma equipa de cientistas descobriu, sob uma camada de gelo na Gronelândia, uma cratera com mais de 31 quilómetros de diâmetro, criada pelo impacto de um meteorito.

A cratera, descoberta por uma equipa internacional liderada por especialistas do Museu de História Natural da Universidade de Copenhaga, na Dinamarca, é uma das 25 maiores que se conhecem na Terra fruto do impacto de corpos celestes. Com 31km de diâmetro, tem uma área de cerca de 97km – sensivelmente a mesma dimensão de Lisboa.

Segundo a Universidade de Copenhaga, que divulgou a descoberta a 14 de Novembro na revista Science Advances, é a primeira vez que uma cratera é encontrada sob uma das camadas de gelo continentais da Terra.

A cratera foi originalmente descoberta em Julho de 2015 e uma grande equipa passou 3 anos a trabalhar para verificar a descoberta. “Descobertas extraordinárias têm evidências extraordinárias”, disse Kurt H. Kjær, do Museu de História Natural da Dinamarca.

A descoberta inicial partiu da análise de mais de uma década de dados de radar, recolhidos por investigadores entre 1997 e 2014 para o Programa de Avaliação do Clima Regional e Operação IceBridge da NASA.

Esta técnica usa o radar para espreitar através do gelo e construir um mapa topográfico do solo sob uma camada de gelo. Isto permite, por exemplo, a medição da espessura do gelo, o que pode ser útil na estimativa do derretimento do gelo devido ao aquecimento global.

Enquanto observavam os dados, os geólogos notaram algo realmente incomum: uma grande depressão circular sob o Glaciar Hiawatha. “Imediatamente soubemos que isto era algo especial, mas, ao mesmo tempo, sabíamos que seria difícil confirmar a origem da depressão”, disse Kjær.

Na investigação, que durou três anos, incluiu pesquisas com radares e recolha de amostras de sedimentos. A cratera, “excepcionalmente bem preservada”, de acordo com os especialistas, formou-se quando um meteorito de ferro que teria um quilómetro de largura atingiu o actual norte da Gronelândia, na zona do glaciar Hiawatha.

Os peritos sugerem, apesar de ainda não terem conseguido datar a cratera, que esta se terá formado depois de o gelo começar a cobrir a Gronelândia, situando o intervalo de tempo entre os três milhões de anos e os 12 mil anos.

A equipa científica vai agora tentar datar a cratera, um desafio que requer a recuperação de material que derreteu durante o impacto do meteorito. Sabendo a idade da cratera, será possível perceber como a queda do meteorito terá afectado a vida na Terra num determinado período.

ZAP // Lusa / Science Alert

Por ZAP
16 Novembro, 2018

[vasaioqrcode]

 

1181: Encontrado o maior meteorito da história de França

Société Astronomique de France / Facebook
O maior meteorito de sempre encontrado em França com 477 quilos

De acordo com a Sociedade Astronómica de França, o meteorito de 477 quilos encontrado em Aube, a 200km de Paris, passou a ser o maior da história do país.

O meteorito foi encontrado por astrónomos franceses a 3 de Outubro em Aube, no nordeste do país, a cerca de 200 quilómetros de Paris.

O meteorito terá caído no planeta Terra há mais de 55 mil anos, segundo contam os especialistas franceses.

La plus grosse météorite française vient d’être découverteCet évènement s’est déroulé dans l’Αube sur le site de…

Publicado por Société Astronomique de France em Quinta-feira, 18 de Outubro de 2018

O comunicado da Sociedade Astronómica de França informa ainda que este meteorito passou a ser o maior alguma vez encontrado em território francês, ultrapassando o meteorito encontrado em Mont Dieu que pesava 435 quilos.

A perícia metalográfica realizada ao meteorito mostra que este fragmento faz parte do meteorito de Saint Aubin, descoberto em 1968.

Segundo as análises de fluorescência de raios-X, este meteorito apresenta 11% de níquel com vestígios de cobalto (0,7%) e de fósforo (0,1%).

Para o inicio de 2019, os cientistas prometeram a publicação de um extenso relatório sobre o corpo celeste.

Por ZAP
22 Outubro, 2018

[vasaioqrcode]

 

1168: Mineral ultra-raro descoberto em antiga cratera de meteorito na Austrália

rickmach / Flickr

Um mineral ultra-raro que apenas se forma quando rochas espaciais atingem a crosta terrestre com uma enorme pressão foi encontrado na Austrália. Até ao momento, só foram encontrados seis exemplares deste mineral, conhecido como reidite, em todo o planeta.

Um grupo de cientistas da Curtin University descobriu um dos minerais mais raros da Terra no fundo de uma cratera de impacto de meteoritos, que é, provavelmente, a maior cratera de impacto já descoberta na Austrália.

O reidite é um mineral extremamente raro que só se forma quando um outro mineral, o zircão, é exposto a altas temperaturas e pressões. Ou seja, o forte impacto de um meteorito faz com que o zircão se transforme na rara substância que é o reidite.

Até então, só foram encontrados seis exemplares deste mineral em todo o planeta – nos EUA, na Alemanha, na China e na Índia. Desta vez, e pela primeira vez na Austrália, a raridade foi descoberta perto da baía de Shark, a 750 quilómetros da cidade de Perth.

Tal como notou o líder da investigação, Aaron Cavosie, este é um mineral de dimensões microscópicas. O especialista frisou ainda que, se todos os minerais de reidite já encontrados no planeta fossem juntos num só, teriam o tamanho de um grão de arroz.

A cratera onde o mineral foi descoberto está enterrada debaixo de rochas sedimentares e o seu tamanho é ainda desconhecido. Os investigadores estão agora a tentar definir as características da cratera, e caso esta tenha um diâmetro superior a 100 quilómetros – como é esperado -, esta será a maior cratera de impacto já descoberta na Austrália.

Um cratera 100 quilómetros de diâmetro implica que o impacto do objecto espacial fosse capaz de causar uma catástrofe natural. Em termos de comparação, a cratera de Chicxulub – associada à extinção dos dinossauros há cerca de 66 milhões de anos – tem um diâmetro de 180 quilómetros.

Os cientistas pretendem ainda datar com mais precisão a cratera. As estimativas actuais apontam que esta terá cerca de 360 milhões de anos.

Por ZAP
20 Outubro, 2018

[vasaioqrcode]

 

1112: Usava uma pedra como calço que é, afinal, um meteorito de 100 mil dólares

O meteorito, que estava na posse do homem há 30 anos, é o sexto maior alguma vez identificado no estado do Michigan, nos EUA

Imagem do meteorito retirada do vídeo publicado pela universidade no Youtube
© DR

Já se cruzou com alguma rocha que lhe parecia vinda do espaço? David Mazurek, um homem do estado do Michigan, nos EUA, quis saber mais sobre a pedra que usava como calço para impedir que uma porta se fechasse, há 30 anos, e descobriu que era, afinal, um meteorito. Mas as surpresas não ficam por aí: é o sexto maior já encontrado naquele estado e está avaliado em 100 mil dólares (aproximadamente 87 mil euros).

Quem examinou a peça foi Mona Sirbescu, professora de Geologia na Universidade Central do Michigan, que está habituada a receber muitos pedidos semelhantes, ou seja, para avaliar se uma determinada rocha é um meteorito. “Há 18 anos que a resposta é categoricamente ‘não'”, disse, citada num comunicado publicado na página da instituição.

Desta vez, Mona percebeu que estava diante de uma peça especial. “É o espécime mais valioso que já vi na vida, monetária e cientificamente”, afirmou.

De acordo com a análise, trata-se de um meteorito de cerca de 10 quilos, com aproximadamente 88% de ferro e 12% de níquel, um metal que raramente se encontra na Terra. Uma avaliação validada pelo Instituto Smithsonian, em Washigton DC.

David Mazurek encontrava-se na posse do meteorito desde 1988, altura em que comprou uma fazenda em Edmore, no estado do Michigan. Segundo os relatos do dono da quinta, a “pedra” estará na Terra desde 1930. Nesse ano, o homem e o pai viram uma rocha cair no terreno, fazendo uma “barulheira”. No dia seguinte, aperceberam-se da existência de uma cratera, e acabaram por desenterrar o meteorito, “ainda quente”.

Quando comprou a propriedade, foi-lhe dito que aquela rocha que segurava a porta era um meteorito, e que podia ficar com ele. Durante 30 anos, David continuou a usá-lo com o mesmo propósito, mas servia também para fazer apresentações na escola dos filhos.

Recentemente, o homem descobriu que havia pessoas a vender pedaços de meteoritos, o que o levou a tentar confirmar a origem daquela rocha.

De acordo com o comunicado a universidade, o Instituto Smithsonian pondera comprar o meteorito – entretanto baptizado como Edmore – para o colocar em exposição. Independentemente do valor que vier a receber, o dono já prometeu doar 10% da receita à universidade, para que seja usado para financiar estudantes na área das ciências da Terra e da atmosfera.

Diário de Notícias
Joana Capucho
06 Outubro 2018 — 20:53

[vasaioqrcode]

 

927: SÍLICA CRISTALINA EM METEORITO PRIMITIVO APROXIMA OS CIENTISTAS DA COMPREENSÃO DA EVOLUÇÃO SOLAR

Imagem da nebulosa protoplanetária solar. A imagem da esquerda é a estrutura da sílica cristalina, e à direita é uma imagem microscópica do agregado de olivina ameboide que a equipa de investigadores encontrou no meteorito primitivoYamato-793261.
Crédito: NASA/JPL-Caltech

Uma equipa de investigadores da Universidade de Waseda, da Universidade de Estudos Avançados (ambas do Japão), da Universidade do Hawaii em Manoa, da Universidade de Harvard e do Instituto Nacional de Pesquisa Polar descobriu o quartzo mineral de sílica (SiO2) num meteorito primitivo, tornando-se na primeira equipa do mundo a apresentar evidências diretas de condensação de sílica dentro do disco protoplanetário solar e a aproximar-se da compreensão da formação e evolução solar.

Embora observações espectroscópicas anteriores no infravermelho tenham sugerido a existência de sílica em estrelas T-Tauri recém-formadas, bem como em estrelas do ramo gigante AGB na sua última fase de vida, nenhuma evidência de condensação gás-sólido de sílica tinha sido encontrada em meteoritos primitivos dos primeiros estágios do nosso Sistema Solar.

Neste estudo, os cientistas estudaram o meteorito primitivo Yamato-793261 (Y-793261), um condrito carbonáceo recolhido de um campo de gelo perto das Montanhas Yamato durante a 20.ª Expedição de Investigação Antárctica Japonesa em 1979.

“O grau de cristalinidade da matéria orgânica em Y-793261 mostra que não sofreu metamorfismo termal,” explica Timothy Jay Fasgan, professor de geoquímica na Universidade de Waseda. “Isto confirma que Y-793261 preserva minerais e texturas da sua origem nebular, fornecendo-nos registos do Sistema Solar primitivo.”

Um componente importante dos condritos inclui inclusões refractárias, que se formaram em altas temperaturas e são os mais antigos sólidos datados do Sistema Solar. As inclusões refractárias podem ser subdivididas em inclusões ricas em cálcio e alumínio (ICAs) e agregados de olivina ameboide (AOAs). A equipa de pesquisa encontrou um AOA em Y-793261 contendo minerais AOA típicos e minerais ultra-refractários (temperatura muito alta) contendo escândio e zircónio, juntamente com o quartzo (que se forma a uma temperatura comparativamente mais baixa). “Tal variedade de minerais implica que o AOA se condensou a partir do gás nebular para sólido numa ampla faixa de temperaturas de aproximadamente 1500-900ºC,” comenta o professor Fagan. “Este agregado é o primeiro do seu tipo a ser encontrado no nosso Sistema Solar.”

A equipa também descobriu que o quartzo no AOA tem uma composição isotópica de oxigénio parecida com a do Sol. Esta composição isotópica é típica das inclusões refractárias em geral, o que indica que as inclusões refractárias se formaram relativamente perto do protossol (aproximadamente 0,1 UA, ou 1/10 da distância Terra-Sol). O facto de que o quartzo no meteorito Y-793261 partilha esta composição isotópica indica que o quartzo se formou no mesmo ambiente da nebulosa solar. No entanto, a condensação de sílica a partir do gás da nebulosa solar é hipoteticamente impossível caso os minerais e o gás tenham permanecido em equilíbrio durante a condensação. Este achado serve como evidências de que o AOA se formou a partir de um gás que arrefecia depressa. Dado que os minerais pobres em sílica se condensaram do gás, este mudou de composição, tornando-se mais rico em sílica, até que o quartzo se tornou estável e cristalizado.

O professor Fagan diz que a origem de Y-793261 é provavelmente um objecto astronómico perto de 162173 Ryugu (mais conhecido apenas como Ryugu), um asteróide com o nome do palácio de um dragão de um antigo conto popular japonês. Actualmente a ser investigado pela sonda robótica japonesa Hayabusa 2, Ryugu pode partilhar das mesmas propriedades que Y-793261 e potencialmente fornecer mais registos sobre o Sistema Solar inicial. “Combinando investigações em andamento sobre meteoritos com novos resultados de Ryugu, esperamos entender melhor os eventos termais durante os estágios iniciais do nosso Sistema Solar”.

Astronomia On-line
28 de Agosto de 2018

(Foram corrigidos 10 erros ortográficos ao texto original)

[vasaioqrcode]

See also Blogs Eclypse and Lab Fotográfico

873: Meteorito da Sibéria revelou mineral nunca antes encontrado na Terra

(dr) webmineral.ru
Cientistas acreditam que o meteorito se formou em temperaturas superiores a mil graus Celsius

Quando os caçadores de ouro encontraram uma rocha amarelada na Sibéria em 2016, pensaram que poderia conter um metal precioso. Na verdade, continha algo muito mais raro – um mineral nunca antes visto na Terra. 

A rocha encontrada na Sibéria era um meteorito composto, entre outras coisas um mineral raro, nunca antes visto na Terra. Apesar da descoberta ainda não ter sido oficialmente documentada, geólogos russos, que analisaram a rocha, apelidaram o novo mineral de “uakitite”, em homenagem à região de Uakit, onde a rocha caiu.

O objeto encontrado é 98% composto de kamacita, uma liga de ferro-níquel com pelo menos 90% de ferro. Na Terra, este material só é encontrado em meteoritos. Os 2% restantes são compostos por mais de uma dúzia de minerais, incluindo o uakitite, a maioria também conhecida apenas por só se formar no espaço.

De acordo com os cientistas, esta composição sugere que o meteorito deve ter-se formado sob circunstâncias extremamente quentes, de mais de mil graus Celsius.

Uakitite: tudo o que sabemos sobre o novo mineral

As quantidades do novo mineral no meteorito são microscópicas. As inclusões de uakitite tinham apenas 5 micrómetro de tamanho – um cabelo humano médio tem 99 micrómetro de diâmetro, e um glóbulo vermelho saudável entre 6 e 8 micrómetro, para referência.

Ou seja, estes minúsculos pedaços de mineral são demasiado pequenos para se fazer uma análise directa. Por isso mesmo, os investigadores não conseguiram registar todas as propriedades física e ópticas do uakitite.

Apesar disso, os investigadores conseguiram determinar que o novo mineral tem algumas semelhanças estruturais com outros dois minerais oriundos do espaço: carlsbergite e osbornita, ambos nitretos.

Os investigadores conseguiram aplicar uma técnica – apelidada de difracção de electrões – para obter dados estruturais para três dos cristais de cristais de uakitite, e o resultado foi semelhante ao modelo estrutural de um composto sintético chamado nitreto de vanádio.

A partir destas informações, os cientistas conseguiram inferir algumas das propriedades físicas do novo mineral. Se for como o nitreto de vanádio, o novo mineral possuiu uma cor cinza clara, com uma tonalidade rosa na luz reflectida. O mineral terá uma dureza de 9 a 10 na Escala de Mohs, a par com outros nitretos não sendo, contundo, tão forte como o diamante – o mineral mais duro de toda a escala.

Para sabermos mais sobre o uakitite, provavelmente precisaram de tecnologias mais avançadas ou então, de um outro meteorito que contenha este mineral. Até lá, teremos que nos contentar a ler o documento apresentado pela equipa de investigação na Reunião Anual da Sociedade Meteorítica de Moscovo, na Rússia.

No entanto, uma coisa é certa: não é todos os dias que um novo mineral “cai” na Terra.

Por ZAP
13 Agosto, 2018

[vasaioqrcode]

See also Blog Eclypse

841: Meteorito mais antigo de sempre contém segredos da formação do Sistema Solar

(dr) ASU Center for Meteorite Studies

Uma equipa de cientistas descobriu remanescentes do Sistema Solar primitivo que podiam ajudar a decifrar o mistério da sua formação.

Os cientistas acreditam que o Sistema Solar se formou há cerca de 4,6 mil milhões de anos, quando uma nuvem de gás e poeira desmoronou sob a gravidade, provocada possivelmente pela explosão de uma estrela ou super-nova. Quando a nuvem desmoronou, formou um disco giratório com o Sol no centro.

Ao longo do tempo, peça por peça, os cientistas têm trabalhado arduamente para estabelecer a formação do Sistema Solar através de cada pista que o Espaço nos fornece.

Agora, uma nova peça foi adicionada a este puzzle.

Depois de analisarem a sua composição e o terem datado, os cientistas descobriram aquele que é o meteorito conhecido mais antigo de sempre. Trata-se de um meteorito ígneo que foi encontrado na Mauritânia em 2016. Além de ser o mais antigo, o Northwest Africa (NWA) 11119 tem outra particularidade: contém segredos da formação do Sistema Solar.

O NWA 11119 data de 4,565 mil milhões de anos e é uma evidência directa de que rochas corticais quimicamente desenvolvidas, ricas em sílica, foram formadas nos primeiros 10 milhões de anos antes da formação dos planetas do Sistema Solar.

Esta rocha incrivelmente incomum foi desenvolvida “durante um dos primeiros eventos vulcânicos ocorridos no Sistema Solar”, explicou Carl Agee, da Universidade do Novo México, co-autor do estudo publicado esta quinta-feira na Nature Communications.

Em cerca de 30% do seu volume, este meteorito é formado por cristais de sílica tridimita, semelhante ao quartzo mineral. “Com base nos isótopos de oxigénio, sabemos que é de uma fonte extraterrestre, de algum lugar do Sistema Solar”, disse Poorna Srinivasan, principal autor do estudo.

Este facto sugere que o NWA 11119 é proveniente de um “corpo grande e geologicamente complexo que se formou no início do Sistema Solar“. Meteoritos como este foram os precursores da formação do planeta e representam um importante passo na evolução dos corpos rochosos do nosso Sistema Solar.

ZAP // RT

Por ZAP
4 Agosto, 2018

[vasaioqrcode]

[SlideDeck2 id=1476]

[powr-hit-counter id=9a9aedd1_1533391215873]