2365: A Terra está cheia de misteriosos cones espaciais (e já se sabe porquê)

NYU’s Applied Mathematics Laboratory

A maioria dos meteoritos encontrados na Terra têm formas aleatórias. Mas um número surpreendentemente alto – cerca de 25% – é em forma de cone.

Os cientistas chamam a essas pedras espaciais cónicas de “meteoritos orientados”. Agora, graças a um par de experiências publicados online na revista Proceedings of National Academy of Sciences sabemos porquê: a atmosfera está a esculpir as rochas em formas mais aerodinâmicas quando caem na Terra.

“Estes experiências contam uma história de origem de meteoritos orientados”, disse Leif Ristroph, um físico matemático da Universidade de Nova Iorque que liderou o estudo, em comunicado. “As forças muito aerodinâmicas que derretem e remodelam os meteoróides em voo também os estabilizam, de modo que pode ser esculpida uma forma em cone e, finalmente, chegar à Terra.”

É difícil replicar com precisão o encontro de meteoróides do meio ambiente no seu caminho para a superfície do nosso planeta. As rochas espaciais chocam com a atmosfera em altas velocidades, gerando uma fricção intensa e súbita que aquece, derrete e deforma os objectos à medida que caem livremente.

Essas condições não existiam no laboratório da NYU onde o estudo ocorreu, mas os investigadores aproximaram esses factores com recurso a materiais mais macios e água e dividindo a experiência em partes.

Primeiro, os cientistas prenderam bolas de argila macia no centro de correntes de água corrente, uma aproximação de uma rocha pesada a atingir uma atmosfera. De acordo com os investigadores, a argila tendeu a deformar-se e a sofrer erosão em forma de cone.

Esta experiência por si só não explicaria muito. A argila macia não conseguia mover-se na água – uma situação muito diferente de uma rocha livre a cair solta através da atmosfera superior e de alguma forma orientar-se a si própria.

Na segunda etapa, os investigadores colocaram diferentes tipos de cones na água para ver como caíam. Os cones que são muito estreitos ou muito gordos tendem a cair como as rochas de qualquer forma. Mas havia cones “Cachinhos Dourados”, entre aqueles dois extremos, que giravam até os pontos apontarem ao longo da sua direcção de viagem, como uma flecha, e depois deslizavam suavemente pela água.

O “princípio de Cachinhos Dourados” é assim chamado por analogia à história infantil “Cachinhos Dourados e os Três Ursos”, em que uma menina chamada Cachinhos Dourados prova três pratos diferentes e prefere o que não é nem muito quente nem muito frio, mas que tem a temperatura ideal.

Como a história infantil é bem conhecida entre diferentes culturas, o conceito de “a quantidade ideal” é facilmente compreendido e aplicado em diversas áreas, incluindo psicologia do desenvolvimento, biologia, astronomia, economia e engenharia.

Estas duas experiências juntas parecem mostrar que, quando certas condições são satisfeitas, as rochas espaciais desenvolverão formas cónicas sob a extrema fricção de uma entrada atmosférica. Às vezes, essas partes cónicas ajudarão as rochas a estabilizar-se, apontando numa direcção consistente à medida que caem. Essa estabilidade, por sua vez, torna-os cada vez mais cónicos.

Quando as pedras atingem o solo, caçadores de meteoritos encontram os restos de rochas espaciais cónicas “orientadas”.

ZAP //

Por ZAP
25 Julho, 2019

[vasaioqrcode]