1842: No vigésimo aniversário do Matrix, cientista do MIT afirma que vivemos numa simulação

Rizwan Virk, cientista do Massachusetts Institute of Technology (MIT), disse numa entrevista recente que estamos, muito provavelmente, a viver numa simulação.

“Diria que há mais probabilidade de estarmos a viver numa simulação do que o contrário”, afirmou Rizwan Virk, cientista do Massachusetts Institute of Technology (MIT), numa entrevista concedida recentemente à Digital Trends.

Durante a entrevista, o cientista delineou os traços fundamentais do seu novo livro, The Simulation Hypothesis, que investiga a teoria de que o Universo pode mesmo ser mais parecido com um jogo de computador do que com uma realidade física absoluta.

“Quem criou a nossa provável simulação gostaria de ver, dadas as escolhas aleatórias que fazemos, onde é que, enquanto civilização, acabaríamos”, sustenta o cientista, adiantando algumas hipóteses possíveis: “Iríamos destruir-nos? Criaríamos armas nucleares? Ou desenvolveríamos a nossa própria simulação?

Virk adiantou que não acha necessariamente que o facto de estarmos a viver numa simulação tenha um propósito, como ultrapassar obstáculos e ver, por exemplo, se conseguimos lidar com as alterações climáticas. “Em vez disso, assim como acontece em qualquer jogo online multiplayer, cada personagem tem seu próprio conjunto individual de missões e a liberdade de escolha para decidir o que fazer a seguir.”

A hipótese de que a realidade física é uma ilusão e todos nós estamos a viver dentro de uma simulação de computador foi notoriamente abordada em 1999, no filme The Matrix, e é agora explorada pelo investigador do MIT.

(dr) Warner Bros.
The Matrix, 1999

Será que somos todos programas de Inteligência Artificial (IA), que são executados em servidores subterrâneos de uma civilização futura avançada? Será que as nossas mentes estão a ser escravizadas enquanto os nossos corpos alimentam um planeta utópico? Não sabemos. Certo é que Virk suspeita disso mesmo, e vais mais longe, afirmando que há mais hipóteses de esta teoria estar correta do que não estar.

Vinte anos depois, o The Matrix continua a ser uma teoria plausível, pelo menos para alguns. Dentro deste grupo insere-se Nick Bostrom, professor da Universidade de Oxford, que escreveu um artigo em 2003 que explora esta hipótese, apresentando um argumento estatístico inteligente para a hipótese da simulação.

Imagine que uma civilização chega ao ponto de simulação capaz de criar “simulações ancestrais” altamente realistas. Com mais poder de computação, esses seres são capazes de desmembrar novos servidores e novas civilizações num ápice. Por sua vez, cada um desses servidores pode ter biliões de seres simulados dentro deles.

Por esse motivo, Bostrom defendia que o número de seres simulados é muito superior ao número de seres biológicos. E Virk é da mesma opinião.

Actualmente, usamos simulações de computador para prever interacções planetárias e jogamos videojogos por entretenimento. Mas a hipótese está em cima da mesa: em vez de jogadores, podemos mesmo ser meros personagens de um jogo da vida real.

LM, ZAP //

Por LM
13 Abril, 2019