4354: Os sinais de vida em Marte podem ter sido “apagados” por ácidos

CIÊNCIA/ASTRONOMIA

ATG Medialab / ESA

Fluidos ácidos podem ter destruído há muito as evidências de vida biológica passada dentro da argila marciana – possivelmente explicando, assim, por que é tão difícil encontrar evidências de vida antiga no Planeta Vermelho.

Em pouco mais de uma década, amostras de solo marciano recolhidas pelo rover Mars Perseverance deverão regressar à Terra após serem recuperadas pelos primeiros humanos a pisar Marte. Os cientistas estão animados, mas podem ter de moderar as suas expectativas.

Um novo estudo revela que fluidos ácidos – que antes fluíam na superfície do planeta vermelho – podem ter destruído as evidências biológicas escondidas nas argilas ricas em ferro de Marte.

Para chegar a essa conclusão, investigadores da Cornell University e do Centro de Astrobiologia de Espanha realizaram simulações que envolviam argila e aminoácidos. “Sabemos que fluidos ácidos fluíram na superfície de Marte no passado, alterando as argilas e a sua capacidade de proteger os orgânicos”, explicou Alberto G. Fairén, em comunicado divulgado pelo Phys.

Os cientistas explicam que a estrutura interna da argila é organizada em camadas, nas quais normalmente encontraríamos evidências bem preservadas de vida biológica, como lipídios, ácidos nucléicos, peptídeos e outros biopolímeros.

No laboratório, a equipa simulou as condições da superfície marciana tentando preservar um aminoácido chamado glicina num pedaço de argila que tinha sido previamente exposto a fluidos ácidos. “Usamos glicina porque poderia degradar-se rapidamente sob as condições ambientais do planeta”, explicou Fairén. “É um informador perfeito para nos dizer o que estava a acontecer dentro das nossas experiências.”

Os investigadores expuseram a argila infundida com glicina à radiação ultravioleta semelhante à de Marte e os resultados mostram foto-degradação substancial das moléculas de glicina embutidas na argila. Assim, a exposição a fluidos ácidos apagou o espaço entre as camadas, transformando-o em sílica gelatinosa.

“Quando as argilas são expostas a fluidos ácidos, as camadas rompem-se e a matéria orgânica não pode ser preservada. São destruídas”, disse Fairén. “Os nossos resultados neste artigo explicam por que a busca por compostos orgânicos em Marte é tão difícil.”

O rover Perseverance da NASA foi lançado em 30 de Julho e deve pousar na cratera Jezero de Marte em Fevereiro. O rover colherá amostras de solo do Planeta Vermelho, que serão enviadas de volta para a Terra até 2030. Embora a missão ainda seja importante para potenciais futuros colonos de Marte, as descobertas do novo estudo podem ser um retrocesso na nossa capacidade de detectar a presença de qualquer vida antiga em Marte.

Este estudo foi publicado este mês na revista científica Scientific Reports.

ZAP //

Por ZAP
19 Setembro, 2020