2663: Marinha dos EUA admite que vídeos de OVNI’s são verdadeiros (e não era suposto ninguém saber)

CIÊNCIA

(CC0/PD) Free-Photos / pixabay

A Marinha dos EUA confirmou que imagens de OVNIs que surgiram nos últimos anos são reais e que nunca pretenderam que o vídeo fosse visto pelo público.

As imagens que apareceram pela primeira vez online em 2017, captadas pelo The New York Times, mostraram vários objectos voadores não identificados, ou Fenómenos Aéreos Não Identificados (UAP), como são chamados oficialmente, que pareciam ser registados pela Marinha dos EUA.

Três vídeos (um de 2004 e dois de 2015), divulgados no jornal pela organização To The Stars Academy do ex-Blink 182 Tom DeLonge, mostram objectos voadores ainda não identificados, descritos por um dos pilotos de caça treinados como algo diferente de tudo que já tinha visto na sua vida.

“Posso dizer-vos, eu não acho que seja deste mundo. Não sou maluco, não estive a beber. Depois de 18 anos a voar, já vi praticamente tudo o que posso ver lá – e isto não é nada semelhante”, disse à ABC o piloto reformado David Fravor sobre o objecto não identificado que viu em 2004. “Nunca vi algo na minha vida, na minha história de aviação, que tenha a performance, a aceleração. Lembrem-se que aquela coisa não tinha asas“.

Um relatório “preparado pela e para militares” em 2018 detalhou a forma como o Veículo Aéreo Anómalo (AAV) de 13,7 metros de comprimento e “sem meios visíveis de gerar sustentação” foi visto por vários navios da Marinha dos EUA , assim como o jacto F-18 de Fravor.

“Os AAVs desceriam ‘muito rapidamente’ de aproximadamente 18 mil metros até aproximadamente 15 metros em questão de segundos“, diz o relatório, acrescentando que um piloto percebeu que o objecto, semelhante a um Tic-Tac, perturbou a água, causando “ondas espumosas e espuma” por baixo e o oceano parecia estar “a ferver”.

O relatório sobre UAPs a voar no espaço aéreo dos EUA não tinha sido confirmado pelos militares até agora. Conforme relatado pela primeira vez pelo Motherboard, um porta-voz da Marinha dos EUA disse ao The Black Vault – o maior arquivo civil de documentos desclassificados – que as imagens mostram “fenómenos aéreos não identificados” que foram filmados pela Marinha e que “a Marinha não divulgou os vídeos para o público em geral”.

“A Marinha designa os objectos contidos nesses vídeos como fenómenos aéreos não identificados”, disse o vice-chefe de operações navais para guerra de informação, Joseph Gradisher, ao The Black Vault. “A terminologia ‘Fenómenos aéreos não identificados’ é usada porque fornece o descritor básico para avistamentos/observações de aeronaves/objectos não autorizados/não identificados que foram observados a entrar/ a operar no espaço aéreo de várias áreas de treino controladas por militares”.

Isto não significa que os objectos estejam confirmados como alienígenas. Apenas que o governo ainda não tem uma explicação oficial para o que aconteceu nos vídeos.

Sabe-se que o governo dos EUA leva a sério estes avistamentos. Entre 2008 e 2011, gastou quase 22 milhões de dólares a investigar secretamente OVNIs. De fcto, os avistamentos da UAP tornaram-se tão frequentes nos últimos anos que a Marinha recentemente elaborou novas directrizes sobre como relatá-las.

ZAP //

Por ZAP
18 Setembro, 2019

 

1896: Marinha norte-americana cria novas regras para reportar OVNIs

DESTAQUE

(CC0/PD) PhotoVision / Pixabay

O aumento de avistamentos de objectos voadores não identificados em áreas controladas pelo Exército norte-americano levou a Marinha a estabelecer um novo protocolo de acção.

Será que estamos sozinhos no Universo? Esta questão tem vindo a ser debatida há séculos, mas ganhou mais um novo capítulo depois de oficiais da Marinha norte-americana terem registado o avistamento de aeronaves não identificadas, de tecnologia muito avançada.

Vários militares têm feito relatos sobre avistamentos em espaços aéreos protegidos ou perto de formações militares de objectos não identificados, e o assunto não tem sido ignorado pela Marinha norte-americana. Segundo o Politico, este órgão está a criar um novo protocolo que deve ser seguido pelos militares quando tiverem de reportar um avistamento sinistro.

A intenção da Marinha não é legitimar estes alegados avistamentos, mas sim criar uma forma de protocolar estes casos e de os encaminhar para análise. As autoridades estão actualmente a trabalhar no esboço das novas directrizes que deverão ser seguidas pelos pilotos ou outros profissionais que observarem fenómenos aéreos inexplicáveis.

“Há registo de várias situações nas quais foram vistas aeronaves não identificadas que entram em vários perímetros controlados por militares”, afirmou a Marinha dos Estados Unidos ao Politico. “Por prevenção, a Marinha americana considera que estas situações merecem ser investigadas sempre que ocorrem. Por esse motivo, irá melhorar o processo que permite denunciar incursões suspeitas.”

Desde que se soube, há alguns anos, que o Governo norte-americano financiou um programa secreto para investigar OVNIs entre 2007 e 2012, o interesse dos congressistas em ter acesso a informações mais detalhadas aumentou. O Congresso Americano quer zelar pela “segurança na aviação militar“, salienta o matutino.

A verdade é que a Marinha recebeu várias críticas por não dar importância a este tipo de relatos e por incentivar uma política segundo a qual os militares acreditam que se falarem sobre o assunto, poderão ver a sua carreira prejudicada.

Chris Mellon, um responsável no Comité de Inteligência do Senado norte-americano, disse ao The Washington Post que o protocolo actual consiste em ignorar anomalias detectadas, ao invés de serem exploradas. “Em muitos casos, o pessoal militar não sabe o que fazer com essa informação, como dados de satélite, por exemplo. Os militares ignoram os dados por não se tratar de um avião ou de um míssil tradicional.”

É precisamente para evitar este tipo de situações que a Marinha propõe actualizar e formalizar o processo de informação sobre incursões suspeitas.

Os OVNIs têm sido um assunto na ordem do dia nos Estados Unidos. Em 2017, o New York Times noticiou um misterioso programa de investigação de OVNIs – Advanced Aerospace Threat Identification Program (AATIP) – realizado pelo Pentágono.

O jornal avança que, no mesmo ano, dos 600 mil milhões de dólares (aproximadamente 535 mil milhões de euros) do Orçamento de Estado norte-americano, 22 milhões de dólares (cerca de 19,6 milhões de euros) eram entregues ao programa de identificação de ameaças do espaço aéreo.

ZAP //

Por ZAP
27 Abril, 2019

[vasaioqrcode]