1717: Máquina do tempo? Cientistas conseguiram fazer o tempo voltar para trás num computador quântico

Hartwig HKD / Flickr

O tempo voltou para trás. Investigadores russos, suíços e norte-americanos fizeram três qubits regressar ao estado em que se encontravam uma fracção de segundos antes.

Segundo o conceito de Flecha do Tempo, um sistema que viaja no tempo evolui de um estado simples para um estado mais complexo. Se deixarmos cair uma pinga de tinta num copo de água, esta começa por ter uma forma bem definida, antes de começar a alastrar. Por fim, acaba por se dissolver na água.

No entanto, um estudo recentemente publicado na Scientific Reports, revela que cientistas russos, suíços e norte-americanos conseguiram reverte o tempo – três qubits (unidade básica da informação quântica) regressaram ao estado em que se encontravam uma fracção de segundos antes, ou seja, passaram de um estado mais complexo para um estado mais simples.

De acordo com o Diário de Notícias, os cientistas do Instituto de Física e Tecnologia de Moscovo, em parceria com colegas norte-americanos e suíços, conseguiram fazer com que o tempo voltasse para trás.

Na prática, o algoritmo criado pelos investigadores altera o estado de desenvolvimento quântico de forma a que ele comece a andar para trás. À Newsweek, Andrei Lebedev, um dos autores do estado, adianta que “se fizéssemos esta magia com a gota de tinta, passado o tempo que esta demora a dissolver-se na água, a gota voltaria à sua forma original”.

“Foi exactamente o que fizemos no nosso trabalho, mas em vez de uma gota de água usámos três qubits, e em vez de água usámos o espaço de Hilbert [que não precisa estar restrito a um número finito de dimensões] do computador quântico”, descreveu.

Gordey Lesovik, outro dos autores, considera que este trabalho se insere num conjunto de estudos sobre a possibilidade de violar a segunda lei da termodinâmica. “Essa lei está ligada de perto à noção de Flecha do Tempo que define que a linha do tempo avança num único sentido: do passado para o futuro.”

Na experiência, os investigadores estabeleceram o estado de cada qubits no que seria o zero. A partir daí, os qubits tornaram-se cada vez mais complexos, mudando o padrão para zeros e uns. O tempo foi então revertido por um programa especialmente desenvolvido pela equipa e que permite passar de um estado de caos para um estado de ordem – do complexo para o simples. Desta forma, os qubits recuaram no tempo.

A experiência atingiu uma taxa de sucesso de 85% num computador quântico de dois qubits. Quando um terceiro qubit foi introduzido, ocorreram mais erros e a taxa de sucesso recuou para 50%. Isto significa que produzir um computador quântico capaz de reverter o tempo em larga escala não vai acontecer tão cedo. Além disso, indica aquilo que já sabíamos antes de a Ciência nos provar: a reversão do tempo é improvável porque é muito complexa.

Henning Bostelmann, da Universidade de York, no Reino Unido, baixou ainda mais as expectativas. “Arriscando-me a desiludir os fãs de ficção científica, devo dizer que o artigo não discute as viagens no tempo ou o regresso ao passado ou reverter o princípio da causa-efeito”, explicou.

Segundo o matemático, para realizar esta experiência com uma amostra de tamanho razoável “seria necessário um computador quântico muito maior“.

Lebedev mantém-se esperançoso. O próximo passo é investigar ainda mais a reversão do tempo e procurar situações na natureza em que o seu procedimento poderia ser eficaz.

ZAP //

Por ZAP
15 Março, 2019

[vasaioqrcode]