2448: Há um peixe que pode viver mais de 100 anos (mas isso não é necessariamente uma boa notícia)

CIÊNCIA

(dr) Lackmann et al., Communications Biology, 2019
Ictiobus cyprinellus

Embora seja um dado impressionante, os biólogos descobriram que os 112 anos de um exemplar da espécie Ictiobus cyprinellus também significam um problema que, mais uma vez, tem a actividade humana como principal culpada.

Novas técnicas revelaram que um Ictiobus cyprinellus, peixe de água doce nativo da América do Norte, viveu cerca de 112 anos. Além de superar largamente a expectativa de vida de 26 anos desta espécie, esta idade excede ainda a expectativa de vida de qualquer peixe de água doce conhecido por quase 40 anos.

Segundo o Science Alert, os biólogos já suspeitavam que este peixe podia viver mais tempo do que se pensava, por isso puseram mãos à obra para descobrir quantos anos podiam ter. Entre 2011 e 2018, apanharam um grande número de peixes para fazer uma recolha de dados.

Alguns dos espécimes foram fotografados, medidos, identificados pelo sexo e etiquetados antes de serem devolvidos à natureza, para que depois a equipa pudesse medir as suas mudanças ao longo do tempo. Outros 386 exemplares não tiveram a mesma sorte e foram dissecados para determinar a sua idade.

Os investigadores retiraram finas aparas dos seus otólitos, estruturas de carbonato de cálcio nos ouvidos dos peixes ósseos que os ajudam a manter o equilíbrio. No estudo, publicado em maio na revista Communications Biology, os anéis otolíticos deram um resultado inicial de 80 a 90 anos — um número impressionante pois, até então, o mais antigo peixe ósseo de água doce era um Aplodinotus grunniens, com 73 anos.

Para verificar este resultado inicial, os biólogos usaram a datação por carbono bomba, uma técnica que existe graças ao teste da bomba atómica em meados do século XX. Esses testes duplicaram a quantidade de carbono-14 na atmosfera antes de recuar lentamente para os níveis anteriores.

Os cientistas procuraram então pelo carbono-14 nos anéis dos otólitos que recolheram para determinar quantos anos o peixe tinha, o que lhes permitiu que o exemplar em causa tinha mesmo 112 anos. Mas entre 85% e 90% de algumas das populações de peixes estudadas tinham mais de 80 anos, o que estranhamente significa um problema.

“Documentamos numerosas populações que são compostas em grande parte por indivíduos com mais de 80 anos, o que sugere um fracasso no recrutamento a longo prazo desde a construção de uma barragem nos anos 30″, escreveram os autores no artigo científico.

“As barragens em rios são citadas como a principal causa de fracasso no recrutamento deste peixe porque restringem o acesso a habitats de desova e podem silenciar as sugestões ambientais pensadas para iniciar o comportamento de desova”, acrescentam.

Noutras palavras, escreve o Science Alert, algumas populações de peixes não estão a produzir jovens e parece que, mais uma vez, a actividade humana é a principal culpada. Os investigadores esperam agora que esta descoberta inspire uma maior apreciação sobre uma espécie que consideram ser incompreendida.

ZAP //

Por ZAP
15 Agosto, 2019