4907: Professor acredita que fomos presenteados com lixo alienígena em 2017

CIÊNCIA/CIVILIZAÇÕES ALIENÍGENAS

Muito nos questionamos sobre a existência de vida além do planeta Terra. Aliás, sendo o Espaço infindavelmente desconhecido, é muito provável que existam outras formas de vida por lá. Além disso, questionamo-nos também sobre a forma como ficaremos, eventualmente, a conhecê-las, como chegarão até nós.

Apesar de a imagem que esperamos ser de um grande OVNI a sobrevoar uma qualquer civilização, há um professor de Harvard que acredita que essas provas chegarão em forma de lixo alienígena.

Lixo espacial enviado por civilização alienígena

Ainda que a maioria das representações alienígenas que nos chegam, por exemplo, pelos filmes, deem conta de um OVNI, existe alguém que acredita que seremos uma espécie de caixote do lixo dos alienígenas.

Ou seja, Avi Loeb, presidente do Departamento de Astronomia de Harvard acredita que já estivemos em contacto com esse lixo enviado por civilizações alienígenas. Especificamente, o professor refere-se a uma suposta pedra detectada no nosso sistema solar, no dia 6 de Setembro de 2017.

Conforme explica no seu próximo livro lançado a 26 de Janeiro, “Extraterrestrial: The First Sign of Intelligent Life Beyond Earth”, existem fortes razões para suportar que o objecto em questão não é o que se pensava. Pelo contrário, tratar-se-ia de uma peça tecnológica extraterrestre.

Aparentemente, o tal objecto alienígena viajou em direcção ao nosso sistema solar desde a direcção de Vega, uma estrela a 25 anos-luz, e interceptou o plano orbital do nosso sistema solar a 6 de Setembro de 2017. Posteriormente, no dia 9, aproximou a sua trajectória do Sol. Depois, no dia 7 de Outubro disparou sobre a Terra e avançou em direcção à constelação Pegasus, desaparecendo.

Tendo sido avistado, pela primeira vez, por um observatório no Hawai, o lixo alienígena foi apelidado de Oumuamua, que significa, em havaiano, observador. Aliás, foi visto pelo sistema de maior definição na Terra, o Panoramic Survey Telescope and Rapid Response System (Pan-STARRS).

Objecto podia ser um cometa, mas talvez não fosse

Apesar de não ser possível tirar fotografias nítidas, os astrónomos conseguiram direccionar os seus telescópios durante 11 dias, recolhendo uma panóplia de dados acerca deste lixo alienígena.

Inicialmente, os cientistas achavam que se tratava de um cometa comum. No entanto, Loeb quis ir mais longe, por considerar que as suposições podiam ser um entrave a resultados mais promissores.

O que aconteceria se um homem das cavernas visse um telemóvel? Ele viu pedras durante toda a sua vida e teria pensado que se tratava apenas de uma pedra brilhante.

Defendeu o professor.

Objecto com características invulgares que sugerem que seja lixo alienígena

Então, na cabeça de Loeb surgiu logo outra possibilidade: não era um cometa, porque se tratava de lixo tecnológico de uma civilização alienígena. Todavia, esta sugestão não surgiu do nada, uma vez que foi retirada da análise de um conjunto de características invulgares.

Em primeiro lugar, as dimensões deste objecto alienígena que era cinco a dez vezes menos longo do que era largo, quase como um cilindro comprido. Isto, após observarem a forma como o objecto reflectia a luz. Ou seja, o seu brilho variava dez vezes a cada oito horas, sugerindo que era a quantidade de tempo que demorava a completar uma rotação completa.

Em segundo lugar, o objecto era dez vezes mais reflexivo, brilhante, do que os típicos asteróides ou cometas do sistema solar.

Em terceiro lugar e para Loeb o factor mais importante, a forma como o objecto se moveu. A saber, os cientistas conseguem, através da física, calcular o caminho exacto que um objecto deve tomar e a velocidade a que deve viajar, pela força gravitacional exercida pelo Sol.

No caso do Oumuamua, esta trajectória não foi seguida. Aliás, o objecto acelerou ligeiramente, mas significativamente, em termos estatísticos. Então, leva Loeb a crer que estava a ser empurrado por uma qualquer força, além da gravidade do Sol.

Por outro lado, os astrónomos observaram se o objecto se fazia acompanhar de uma cauda, característica dos cometas e formada por gases. Todavia, nada encontraram.

Professor Avi Loeb.

Terá a Humanidade compinchas alienígenas?

Apesar de nem todos os astrónomos concordarem com esta teoria, a verdade é que Loeb acredita que existam civilizações alienígenas e que para as encontrar é necessário detectar o seu lixo tecnológico.

Algumas pessoas não querem discutir a possibilidade de existirem outras civilizações por aí. Eles acreditam que somos especiais e únicos. Penso que é um preconceito que deve ser abandonado.

Disse Avi Loeb.

Este pressuposto quanto ao objecto alienígena poderia despoletar uma procura por mais lixo na Lua e em Marte, por exemplo, em busca de mais amostras. Aliás, o nosso lugar no Universo poderia ser questionado e até mesmo posto em causa.

A Terra poderá estar a ser observada pelos alienígenas a partir de mais de mil estrelas

Pensarmos que somos os únicos seres vivos no Universo é gozar de uma enorme presunção. Com a possibilidade de haver mais de 6 mil milhões de planetas com condições de albergar vida, os investigadores … Continue a ler

Autor: Ana Sofia
04 Jan 2021