1926: Cachorros de larvas e gelados de insectos. A dieta do planeta vai ter de mudar

CIÊNCIA

T.K. Naliaka / Wikimedia

O mundo pode estar envolvido numa crise climática e as nossas dietas estão a matar-nos, mas, em breve, poderemos desfrutar de um cachorro-quente de larvas e de um gelado de insectos.

A superpopulação está a tornar-se uma realidade no nosso planeta, colocando mais pressão sobre o meio ambiente e os seus recursos. Um dos principais problemas com a nossa gestão de recursos é a forma como obtemos a proteína na nossa dieta.

Um grande pedaço da proteína do mundo vem do gado – carne de boi, porco, cordeiro, cabra, frango ou peixe – mas é um sistema terrivelmente ineficiente. Cria toneladas de emissões de carbono, ocupa muito espaço e não é bom para a saúde.

Se vamos alimentar de forma sustentável o mundo nas próximas décadas, parece que a proteína do futuro será insectos. Assim, cientistas da Universidade de Queensland estão a investigar o uso destas criaturas como uma fonte alternativa de proteína, além de torná-las suficientemente apetitosas para consumidores exigentes.

“Um mundo superpovoado vai ter dificuldades em encontrar proteínas suficientes, a menos que as pessoas estejam dispostas a abrir as suas mentes e estômagos para uma noção muito mais ampla de alimentos”, disse Louwrens Hoffman, professor de ciência da carne na Universidade de Queensland. “O maior potencial para a produção sustentável de proteína é com insectos e novas fontes vegetais”.

A carne – pelo menos como a conhecemos – é surpreendentemente anti-económica para crescer, processar e distribuir. O gado requer oito quilos de alimento para produzir um quilo de carne, mas apenas 40% da vaca pode ser consumida. Se se comparar isso com grilos, são precisos dois quilos de alimento para produzir um quilo de carne, dos quais cerca de 80% é comestível.

No entanto, a dieta dos insectos tem um problema de imagem. Hoffman observa que os consumidores ocidentais estão dispostos a experimentar insectos em alimentos pré-preparados, mas não se sentem confortáveis ​​com a ideia de comer ou preparar refeições à base de insectos – a menos que os insectos estejam disfarçados.

Juntamente com uma equipa de cientistas de alimentos, Hoffman tem vindo a desenvolver várias maneiras de combinar proteínas alternativas numa variedade de alimentos de especialidade, como salsichas feitas de larvas da mosca negra(Hermetia illucens).

“Comeria uma salsicha feita de larvas?”, perguntou Hoffman. “E quanto a outras larvas e até mesmo insectos inteiros, como os gafanhotos? Um dos meus alunos criou um gelado de insectos muito saboroso.”

Mas se isto não estimular o apetite, os insectos poderiam ser usados ​​para alimentar galinhas. O trabalho da equipa mostrou que as dietas de frangos que incluem até 15% de refeições com larvas não reduzem o desempenho da produção de frango, eficiência no uso de nutrientes, aroma, sabor, suculência e maciez da carne, ou composição de ácidos gordos de cadeia longa.

ZAP // IFL Science
Por ZAP
5 Maio, 2019