1930: Afinal, a primeira exolua alguma vez descoberta não existe

(dr) Dan Durda

A primeira tentativa de detecção de uma lua fora do Sistema Solar foi questionada. Em análises posteriores dos dados, os astrónomos não conseguiram detectar a luz de uma estrela que indicaria a presença de uma lua de um planeta a passar.

Em artigos separados, duas equipas realizaram análises independentes. Verificou-se que o sinal de detecção da exolua era provavelmente um pontinho nos dados originais. O outro encontrou uma solução semelhante à análise inicial, mas advertiu que não foi uma detecção conclusiva de uma exolua.

Uma descoberta confirmada de uma exolua seria algo grande. Os astrónomos supõem que deve haver muitas delas por aí. Afinal de contas, o Sistema Solar tem muito mais luas do que planetas, por isso, teoricamente, deveriam ser bastante comuns.

Mas detectá-las é mais fácil dizer do que fazer. É possível detectar exoplanetas com base nos seus efeitos na estrela que orbitam, geralmente o ligeiro escurecimento da luz das estrelas à medida que o planeta passa entre nós e a sua estrela ou um desvio Doppler – uma mudança no comprimento de onda da luz no efeito gravitacional do planeta na estrela.

Ao tentar detectar exoluas, no entanto, existem dois grandes problemas. O primeiro é que as exoluas seriam muito menores que os exoplanetas que orbitam, o que significa que qualquer efeito que possamos observar também seria muito menor. A segunda questão é que os astrónomos precisam de ser capazes de separar quaisquer efeitos exóticos dos efeitos do seu planeta hospedeiro.

No ano passado, Alex Teachey e David Kipping, da Universidade de Columbia, anunciaram que tinham feito exatamente isso – tinham detectado pequenas quedas e oscilações acima e além do trânsito normal de um planeta em dados do telescópio espacial Kepler. Observações posteriores com o Telescópio Espacial Hubble pareciam confirmar o resultado, mostrando um segundo mergulho logo após o trânsito do planeta.

Os astrónomos chamaram à exolua candidata Kepler-1625b-i, orbitando um exoplaneta do tamanho de Júpiter chamado Kepler-1625b, que, por sua vez, orbita uma estrela amarela parecida com o Sol chamada Kepler-1625. Todo o sistema está localizado a cerca de oito mil anos-luz de distância.

De acordo com os cálculos da dupla, a exolua era do tamanho de Neptuno, o que a tornaria também uma gigante gasosa – a primeira lua gigante gasosa já vista, levantando questões interessantes sobre a formação da lua.

Laura Kreidberg do Harvard-Smithsonian Center for Astrophysics e os colegas conduziram uma reanálise dos dados usando uma técnica independente e descobriram que a curva de luz de trânsito resultante estava bem dentro dos parâmetros.

“Comparámos os nossos resultados directamente com a curva de luz original de Teachey & Kipping, e descobrimos que obtemos um melhor ajuste aos dados usando um modelo com menos parâmetros livres”, escreveram no seu artigo. “Discutimos possíveis fontes para a discrepância nos nossos resultados e concluímos que o sinal de trânsito lunar encontrado por Teachey & Kipping foi provavelmente um artefacto da redução de dados”.

Enquanto isso, René Heller, do Instituto Max Planck de Pesquisa do Sistema Solar, e os colegas estavam a realizar a sua própria análise. “Apesar de encontrarmos uma solução semelhante para o modelo planeta-lua àquela proposta anteriormente, uma consideração cuidadosa das suas evidências estatísticas leva-nos a acreditar que esta não é uma detecção segura da exolua”, escreveram no seu artigo.

Isso não significa que não exista uma exolua. Num novo artigo, Teachey, Kipping e outros registaram os seus números, quantificando que a probabilidade dos mergulhos de luz serem causados ​​por um planeta do tamanho de Neptuno (em vez de uma lua) é inferior a 0,75%. Também responderam à análise de Kreidberg, observando que o método usado era tão provável de ter apagado a exolua como de ter introduzido uma.

Resta ainda mais uma prova que aponta para a possível existência de uma exolua. Nos dados, o planeta começou o seu trânsito 1,75 horas antes do esperado. Todos os três artigos concordaram que esse trânsito inicial aconteceu. Por isso, o Kepler-1625b-i ainda está em cima na mesa.

ZAP // Science Alert
Por ZAP
6 Maio, 2019

[post-viewa]

[vasaioqrcode]