3809: Cientista que teorizou a matéria escura tem algumas dúvidas (sobre o Universo que o próprio “criou”)

CIÊNCIA/ASTROFÍSICA

AG Kroupa / Uni Bonn

O cientista que pela primeira vez teorizou a existência da matéria e energia escura levantou questões complicadas sobre o trabalho que desenvolveu.

Num artigo publicado esta semana na New Scientist, Jim Peebles, cosmologista da Universidade de Princeton, nos Estados Unidos, não diz estar errado no Universo que “criou” com a teorização da matéria escura, mas frisa que a compreensão do Universo através da Física é ainda lamentavelmente incompleta – tudo são aproximações.

Há questões fundamentais – como é o caso da misteriosa matéria escura – às quais o seu estudo teórico não foi capaz de responder, escreve o portal Futurism.

Peebles explica que as suas ideias sobre o Universo são provenientes de medições precoces e incompletas. E, apesar de os cientistas terem feito um enorme progresso desde então, há ainda um longo caminho a trilhar para dar resposta a todas as perguntas.

“Não nos foi dada uma garantia de que podemos entender o mundo físico à nossa volta ou detectar coisas como a matéria escura”, escreveu, referindo-se às medições e ainda antes de apontar outros exemplos bem sucedidos que se alicerçaram em dados incompletos.

“Mas para que não existam dúvidas do quão bem a Física está a desenvolver-se até agora, consideramos como é que os cientistas e engenheiros podem comandar com sucesso o comportamento de electrões, átomos e moléculas, bem como de campos eléctricos e magnéticos, em telemóveis. Tudo isso foi baseado em aproximações incompletas.

O cosmologista refere que viu vários físicos a explorar ideias interessantes antes de estas poderem ser conclusivamente comprovadas – este não é um ataque a estes cientistas., frisa Peebles, mas um indício de que há espaço para aprender mais.

“O meu argumento é que toda a Física é incompleta (…) Certamente não estou errado, quero apenas dizer que tudo pode ser melhorado. Talvez exista uma teoria final da Física ou talvez sejam aproximações até ao fim. E o mesmo acontece com a cosmologia”.

Pouco se sabe sobre a matéria escura, que configura um dos maiores mistérios da Física moderna. Aliás, os cientistas só sabem da sua existência devido ao efeito gravitacional que causa na matéria visível, denunciando assim o seu “rastro”.

Ainda assim, a comunidade científica conseguiu demonstrar que esta matéria desempenha um papel crucial para a formação de galáxias.

James Peebles, recorde-se, foi galardoado em 2019 com o Nobel da Física pelo seu contributo para conhecer melhor a história do Universo desde o Big Bang e, em simultâneo, o prémio foi também entregue Michel Mayor e Didier Queloz pela descoberta, em 1995, do planeta em órbita da estrela 51 Pegasi, anunciou a Real Academia das Ciências sueca.

Último Nobel da Física rejeita teoria do Big Bang. “Não temos provas sólidas”

James Peebles, vencedor do Prémio Nobel da Física em 2019, rejeita a teoria do Big Bang, considerando que não há…

ZAP //

Por ZAP
8 Junho, 2020

 

spacenews