5048: Jacto supersónico AS2 vai voar entre Nova Iorque e Londres em 4h30 (e sem estrondo sónico)

AVIAÇÃO

A corrida para produzir a primeira aeronave de passageiros supersónica a entrar em serviço comercial em mais de 50 anos está a aquecer.

A fabricante de aviões norte-americana Aerion, cujo jacto AS2 promete voar de Nova Iorque a Londres em 4h30, está a construir uma enorme nova sede global na Florida antes do início da produção da nave supersónica em 2023.

De acordo com a CNN, este é um grande passo para a empresa, que usará parte dos 300 milhões de dólares que atraiu em investimento de capital para desenvolver o Aerian Park de mais de 44 hectares.

A nova sede e campus integrado para investigação, design, produção e acabamento de interiores da embarcação supersónica promete criar 675 novos empregos bem pagos até 2026.

O jacto executivo AS2 para 8 a 12 passageiros viajará a mais de 1.600 quilómetros por hora, o que significa que pode economizar três horas e meia nos tempos de viagem padrão de Nova Iorque à Cidade do Cabo e mais de quatro horas nas viagens entre o Aeroporto Internacional John F. Kennedy e Singapura ou Sydney.

Os parceiros do programa AS2 da Aerion incluem a GE Aviation, que está a produzir o motor supersónico Affinity, e a Spirit AeroSystems, que está a fabricar a fuselagem pressurizada do AS2.

No cockpit, a Honeywell está a revolucionar a cabine de comando, usando a sua experiência em jactos militares supersónicos para projectar os processadores de missão, visores, sensores e sistemas de controle de voo do AS2.

“Tivemos de projectar uma aeronave que fosse incrivelmente eficiente com a menor queima de combustível possível, por isso passamos 10 anos pensando em aerodinâmica avançada e motores com baixo consumo de combustível. Projectamos especificamente em torno de ruído e emissões”, disse Tom Vice, presidente e CEO da Aerion Corporation.

Uma das coisas que o jacto não terá são pós-combustores, um sistema em que o combustível é pulverizado na fuga do motor e queimado para aumentar o impulso durante a descolagem e a aceleração. “É muito barulhento e emite muitas emissões”, explicou.

“A segunda coisa em que pensámos foi a nossa fonte de energia. Queríamos uma aeronave que não dependesse de combustíveis fósseis e pudesse operar com combustíveis 100% sintéticos desde o primeiro dia”.

A empresa também está comprometida com um programa de reflorestação substancial para garantir a compensação de carbono para todos os clientes em todos os voos.

Uma das características mais inovadoras do AS2 é a sua “navegação sem estrondo”, que permite ao avião voar supersonicamente sobre a terra sem que o estrondo sónico atinja o solo. Em vez disso, o ruído é refractado de volta à atmosfera. “Teremos a primeira aeronave da história capaz de voar supersonicamente sobre a terra e ninguém no solo ouvirá o estrondo”, garantiu Vice.

A Aerion inventou a “navegação sem estrondo” porque o tipo alternativo de voo supersónico mais silencioso, chamado de “baixo estrondo”, ainda produz ruído no solo semelhante ao estrondo de um trovão distante.

O objectivo da Aerion é construir um futuro onde as pessoas serão capazes de voar entre quaisquer dois pontos da Terra em três horas. A empresa pretende que o AS2 seja o primeiro de uma família supersónica, havendo já um avião comercial AS3 em desenvolvimento e planos futuros para aviões supersónicos híbridos-eléctricos.

A nave tem um preço de 120 milhões de dólares, que a fabricante acredita ser um preço que as pessoas vão pagar por causa da economia de tempo.

A Aerion planeia entregar 300 aeronaves em 10 anos de produção. O primeiro voo do AS2 está previsto para 2024 e a empresa pretende que o avião chegue ao mercado em 2026.

Por Maria Campos
2 Fevereiro, 2021