2665: Primeiros humanos talhavam elefantes com ferramenta de 5 centímetros

CIÊNCIA

Ran Barkai / Tel Aviv University

Retirar o máximo de carne possível de uma carcaça era algo importante há milhares de anos atrás. Para um melhor aproveitamento, eram usadas lâminas de apenas cinco centímetros, que os arqueólogos ignoraram até agora.

Normalmente, ao pensar em ferramentas de corte usadas por antigos humanos, somos remetidos para grandes ferramentas como machados e cutelos. Contudo, um estudo recentemente publicado na revista Scientific Reports, mostra que os primeiros humanos tinham um kit de talhante sofisticado. As pequenas ferramentas de sílex descobertas era recicladas a partir de instrumentados maiores que eram descartados.

As ferramentas foram encontradas no sítio arqueológico de Revadim, no sul de Israel, e pertencem à cultura acheuliana do paleolítico inferior. Os cientistas estimam que estas tenham entre 300 e 500 mil anos. No passado, já tinham sido encontrados vários machados e restos de elefantes em Revadim.

“A análise incluiu observações microscópicas do desgaste do uso, bem como resíduos orgânicos e inorgânicos. Estávamos à procura de sinais de danos nas bordas, polimentos e resíduos orgânicos presos nas depressões das pequenas lâminas de sílex, tudo para entender para o quê que eram usadas”, disse a arqueóloga responsável pelo estudo, Flavia Venditti, citada pelo Phys.

Ran Barkai, outro dos cientistas envolvidos no estudo, explica ainda que durante décadas os arqueólogos ignoraram estas pequenas lâminas de apenas cinco centímetros. “O ênfase estava nos grandes e elaborados machados e outras ferramentas de pedra”, explicou. “No entanto, agora temos provas sólidas do uso vital destas lâminas”.

A cultura acheuliana era conhecida por as ferramentas grandes mencionadas pelos arqueólogos, que eram usadas principalmente para talhar grandes animais. Contudo, segundo o estudo, estas pequenas lâminas eram usadas em processos que exigiam um corte mais preciso, como separação de tendões, remoção do periósteo para retirar a medula óssea.

“Os humanos antigos dependiam da carne e, especialmente, da gordura dos animais para a sua existência e bem-estar. Portanto, um talhamento de qualidade dos grandes animais e a extracção de todas as calorias possíveis eram de uma crucial importância para eles“, realçou Barkai.

Isto mostra que os primeiros humanos eram mais avançados do que aquilo que se pensava. “As minúsculas lâminas agiam como instrumentos cirúrgicos criados e usados para o corte delicado de partes exactas das carcaças de elefantes e de outros animais”, acrescentou o arqueólogo.

ZAP //

Por ZAP
19 Setembro, 2019

 

2352: Encontrada em Israel cidade com dez mil anos da Idade da Pedra

CIÊNCIA

Yaniv Berman / Israel Antiquities Authority
A metrópole antiga encontrada no bairro de Motza, perto de Jerusalém

Uma enorme metrópole que remonta à Idade da Pedra foi descoberta perto de Jerusalém, em Israel. Os investigadores dizem que não é apenas a maior deste tipo já encontrada no país, mas uma das mais monumentais já encontradas.

Segundo o Science Alert, o extenso local neolítico, desenterrado no bairro de Motza, perto de Jerusalém, foi fundado há cerca de 10.500 anos e, no seu auge, teria sido um centro movimentado para cerca de dois mil e três mil habitantes da Idade da Pedra.

“Esta é provavelmente a maior escavação deste período no Médio Oriente, o que permitirá que a pesquisa avance muito à frente de onde estamos hoje, só pela quantidade de material que podemos salvar e preservar deste local”, explicou à Reuters Lauren Davis, arqueóloga da Autoridade de Antiguidades de Israel que está a conduzir a escavação.

Embora não saibamos o nome original desta metrópole antiga, a escavação a decorrer no local, que decorre há 18 meses, já descobriu a pegada de uma cidade que cresceu para cobrir até 40 hectares na sua época.

Quando começou a aparecer, este povoamento seria muito menor, provavelmente ocupando apenas um único hectare. No entanto, no decorrer dos 1.500 anos seguintes, desenvolveu-se até ser um próspero centro urbano repleto de grandes edifícios, instalações públicas e locais de rituais.

“Veio mudar o jogo. É um local que mudará drasticamente aquilo que sabemos sobre a era Neolítica”, disse também um dos investigadores, Jacob Vardi, ao The Times of Israel.

Ao contrário de Çatalhöyük, na Turquia, uma cidade do mesmo período, a metrópole de Motza possui becos convenientemente desocupados entre os edifícios para permitir a livre passagem – enquanto que os habitantes da cidade turca provavelmente tiveram que recorrer a escadas para sair das habitações e estruturas urbanas.

Além disso, noutras partes da cidade, existiam anexos que foram utilizados para armazenar sementes e alimentos, tal como lentilhas e grão-de-bico, e os artefactos culturais e objectos artesanais preciosos como pulseiras e medalhões, preservados nos túmulos da cidade e noutros lugares, revelam evidências de uma comunidade que possuía e comercializava todo o tipo de coisas exóticas.

“Estes objectos confirmam o facto de, já nesse período, os habitantes deste local terem mantido relações de intercâmbio com outros lugares distantes”, explicam os investigadores num comunicado.

“Foram encontrados objectos únicos de pedra nos túmulos, feitos de um tipo desconhecido deste material, bem como objectos feitos de obsidiana da Anatólia e conchas do mar, algumas das quais foram trazidas do Mar Mediterrâneo e do Mar Vermelho”.

As escavações também desenterraram ferramentas de sílex, incluindo pontas de flechas usadas para caçar e possivelmente lutar, além de machados e vários tipos de lâminas. Algumas dessas ferramentas teriam sido usadas nos campos, permitindo o desenvolvimento da agricultura na cidade, que cultivava trigo, cevada e feijão.

Além das culturas, os cientistas dizem que os antigos habitantes guardavam e comiam vacas e porcos – e podem ter sido a primeira sociedade conhecida a domesticar cabras.

As escavações no local continuam e a equipa de arqueólogos diz que esta descoberta sem precedentes – e todos os objectos raros e misteriosos que contém – ainda tem muito a revelar.

ZAP //

Por ZAP
22 Julho, 2019

[vasaioqrcode]