1958: Irlanda torna-se no segundo país a declarar “emergência climática”

Roberto Taddep / Flickr

A República da Irlanda reconheceu hoje oficialmente o estado de “emergência climática” como resultado do aquecimento global, tornando-se no segundo pais do mundo a dar esse passo, depois do Reino Unido.

A Câmara dos Deputados de Dublin, a Dáil, aprovou na quinta-feira uma emenda nesse sentido — proposta do principal partido de oposição, o centrista Fianna Fail, que contou com o apoio do governo conservador.

O ministro irlandês para as alterações climáticas, Richard Bruton, sublinhou que esta questão é o “maior desafio” que a humanidade enfrenta e advertiu que se está “a atingir o limite da deterioração ambiental”.

“Tudo se vai deteriorar muito rapidamente, a menos que ajamos imediatamente, porque a janela de oportunidade está a fechar-se”, disse o dirigente democrata-cristão.

Bruton lembrou que o debate sobre a mudança climática surgiu graças às “manifestações estudantis” em todo o mundo com a exigência de medidas urgentes dos parlamentos e governos nacionais.

Entre esses jovens activistas destaca-se a promotora da iniciativa “Sexta-Feira para o Futuro”, a adolescente sueca Greta Thunberg, que conseguiu que milhares de estudantes europeus estivessem nas ruas semanalmente para exigir dos seus líderes que avancem com mudanças.

@GretaThunberg

Great news from Ireland!! Who is next?
And remember: #ClimateEmergency means leaving fossil fuels in the ground. #ClimateBreakdown #EcologicalBreakdown

Catherine Martin TD

@cathmartingreen

Its official.Ireland becomes 2nd country in the world to declare a #ClimateEmergency & Dáil also agreed to endorse all the recommendations of the Oireachtas Climate Action Report .Definitely one of the highlights for me as a @greenparty_ie TD .My children are thrilled.

Ver imagem no Twitter

1300: Raro berçário de tubarões descoberto nas águas profundas da Irlanda

CIÊNCIA

Um raro viveiro de tubarões, com centenas de adoráveis tubarões-gato-de-boca-preta, foi descoberto nas frias e profundas águas da Irlanda, a 320 quilómetros a oeste da costa. Este é o maior berçário de tubarões já encontrado em território irlandês.

Holland I, o rover exploratório utilizado pelo Instituto Marítimo da Irlanda, é o grande responsável pela descoberta. O aparelho, operado remotamente, capturou o raro berçário de tubarões enquanto explorava o fundo do oceano.

As imagens capturadas revelaram milhares de cápsulas com ovos – popularmente conhecidos como “bolsas de sereia” – depositados em esqueletos de corais depositados no fundo do mar até 750 metros de profundidade. Estes corais funcionam como uma espécie de tapete protector, impedindo que os ovos sejam arrastados pelas correntes.

Centenas de tubarões-gato-de-boca-preta (Galeus melastomus) foram identificados durante a expedição em volta dos ovos e, apesar de os cientistas não saberem ao certo a que espécie pertencem os ovos, acreditam que sejam efectivamente destes tubarões.

A equipa de biólogos marinhos identificou ainda um tubarão-porco (Oxynotus paradoxus) a movimenta-se na área, uma espécie bem mais solitária e rara.

Durante o mapeamento da zona, a equipa não encontrou nenhum filhote de tubarão, mas os especialistas pretendem voltar à área durante o período de incubação para observar os espécimes juvenis, que são presas mais vulneráveis.

“Estamos maravilhados por relatar a descoberta de um raro viveiro de tubarões numa escala até agora nunca registada nas águas da Irlanda”, disse David O’Sullivan, um dos líderes do projecto durante o seminário INFOMAR Seabed Mapping, que decorreu em Kinsale, na Irlanda, no passado dia 8 de Novembro.

“A descoberta demonstra a importância de documentar habitats marinhos sensíveis e vai dar-nos uma melhor compreensão da Biologia destes belos animais e a sua função no ecossistema na área biologicamente sensível da Irlanda”, acrescentou.

O país tem seis Áreas Especiais de Conservação designadas pela União Europeia de forma a proteger habitats vulneráveis. Foi durante a exploração de uma destas áreas que o viveiro de tubarões foi encontrado.

Em declarações ao jornal britânico Guardian, O’Sullivan, descreveu a descoberta como um “momento eureka“. “Foi incrível”, declarou ainda, frisando que se sabe muito pouco sobre viveiros de tubarões a estas profundidades.

ZAP // IFLScience

Por ZAP
17 Novembro, 2018

[vasaioqrcode]

 

1281: Avistamento de OVNIs ao largo da costa irlandesa sob investigação

A hipótese de poder tratar-se de um meteoro não foi suficiente para que a autoridade irlandesa decidisse não investigar o assunto. O alerta foi dado por um piloto da British Airways.

© Reuters/Mike Blake

Depois de relatos de luzes brilhantes e avistamento de OVNIs na costa sudoeste do país, a Autoridade da Aviação da Irlanda (IAA) decidiu dar início a uma investigação oficial. De acordo com a BBC, às 6:47 da passada sexta-feira, uma piloto da British Airways comunicou à torre de controlo aéreo de Shannon ter visto um dispositivo “mover-se muito rapidamente”, questionando se se trataria de um exercício militar. Mas a hipótese foi negada pelo controlador do tráfego aéreo.

Foi uma “luz muito brilhante” e um objecto a subir pelo lado esquerdo do avião que fizeram a piloto desconfiar. A velocidade do objecto voador, que se desviava “muito rapidamente para o norte”, foi outro elemento que contribuiu para a tese de que poderia tratar-se de um OVNI. A comunicação da piloto com a torre de controlo pode ser ouvida aqui.

Um outro piloto de um avião da Virgin sugeriu que o objecto pudesse ser um meteoro a reentrar na atmosfera terrestre, admitindo que há “múltiplos objectos que seguem o mesmo tipo de trajectória” e são igualmente brilhantes. Mas diz ter visto duas luzes brilhantes” à direita da aeronave que pilotava, e que desapareceram a alta velocidade. Outro comandante garante que a velocidade era “astronómica”, como Mach 2 – que é o dobro da velocidade do som.

A Autoridade de Aviação irlandesa decidiu, então, dar início a uma investigação. “Na sequência de relatos de actividade aérea anormal de um pequeno número de aeronaves, na sexta-feira, 9 de Novembro, o IAA apresentou um relatório”, seguiu em comunicado.

“Este relatório será investigado no processo normal de investigação de ocorrências confidenciais”, explicou ainda a autoridade.

O porta-voz do aeroporto de Shannon recusou dar quaisquer declarações sobre o tema, pelo menos enquanto a investigação estiver a decorrer.

Diário de Notícias
Catarina Reis
13 Novembro 2018 — 08:30

[vasaioqrcode]