2680: Começou à “invasão” da Área 51. Já há detidos e até um festival

Vista aérea da Area 51, fotografada em 1964

Pelo menos 75 pessoas já chegaram à Área 51, uma base militar secreta dos Estados Unidos, em resposta a um evento criado no Facebook.

Milhão e meio de pessoas combinaram invadir esta sexta-feira esta zona misteriosa no estado norte-americano do Nevada, onde acreditam que o governo mantém em cativeiro os extraterrestres que visitaram a cidade de Roswell em 1947, guarda os cenários onde se simulou a chegada à Lua, esconde Elvis Presley e faz testes a máquinas de tele-transporte. De acordo com a Associated Press, duas pessoas já foram detidas.

No condado de Lincoln, onde fica a Área 51, localizam-se duas cidades — Rachel e Hiko — na qual vivem pouco mais de 170 habitantes. Estas duas cidades isoladas já receberam 1.500 pessoas na segunda-feira, estimou o xerife do condado, Kerry Lee. Além da invasão à Área 51, foram também criados três festivais relacionados com a mesma temática: extraterrestres.

O único hotel da pequena e desértica cidade de Rachel, onde o número de habitantes não chega aos 50, está esgotado. De acordo com a agência Reuters, foram contratados 15 guardas de segurança, uma ambulância particular e encomendados 80 chuveiros portáteis para receber todos os visitantes.

Segundo o Review Journal de Las Vegas, as estradas que durante todo o ano se mantêm desertas estão a receber enchentes de curiosos, nas suas tendas, carros e auto-caravanas. Alguns demarcam-se com bandeiras americanas ou mesmo insufláveis de extraterrestres verdes. Outros mascararam-se de alien.

Some women showed up to the Little A’Le’Inn in full alien garb and have become a crowd favorite. They said they are getting free camping to pose for pictures.

Há até quem tenha escolhido a ocasião para envergar o seu papel de ativista, ao que dizem, em defesa da liberdade destas criaturas cuja existência nunca ficou provada. “Salvem os extraterrestres do Governo”, lê-se num dos cartazes levados pelos invasores.

O xerife Kerry Lee disse à AP que mais de 150 pessoas já tinham iniciado a viagem de vários quilómetros por caminhos de terra para chegar aos portões da Área 51. Kerry Lee agendou uma conferência de imprensa para o final da manhã desta sexta-feira.

Quando os eventos do Facebook começaram a ganhar dimensão, Laura McAndrews, porta-voz da Força Aérea, emitiu um comunicado a avisar a população que era mais prudente manter-se longe daquela base norte-americana.

“É um campo de treino aberto para a Força Aérea dos EUA e desencorajamos qualquer um a tentar entrar na área onde treinamos as forças armadas americanas. A Força Aérea dos EUA está sempre pronta para proteger a América e os seus activos”, alertou.

Na terça-feira, dois youtubers foram detidos por tentarem invadir a Área 51. Ties Granzier e Govert Sweep, dois holandeses de 20 e 21 anos, foram encontrados dentro da base, a quase cinco quilómetros do portão de entrada.

Dentro do carro, as autoridades encontraram câmaras de filmar e fotográficas, um telemóvel, um computador portátil e um drone. As investigações aos materiais revelaram que os dois youtubers já tinham recolhido vídeos e fotografias captados no interior da base militar. Todos os conteúdos foram apagados. Foram libertados no dia seguinte após terem pago 500 dólares de fiança.

A designada Área 51 é um terreno militar situado em pleno deserto do Nevada, que está envolvida desde há anos, devido ao secretismo que a rodeia, num halo de mistério que tem motivado numerosas teorias extravagantes. Uma das mais generalizadas é a de que o Governo norte-americano usa este terreno para esconder provas de vida extraterrestre.

De facto, o Governo norte-americano nunca reconheceu a existência desta instalação militar até Agosto de 2013, quando a CIA desclassificou uma série de documentos que confirmavam a existência desta base militar.

Aquela teoria sustenta, entre outros pontos, que foi para ali que se transferiram os restos de uma alegada nave extraterrestre, que se tinha despenhado em Roswell, no Estado do Novo México, em Julho de 1947.

ZAP //

Por ZAP
20 Setembro, 2019

 

2675: É hoje que dois milhões de pessoas querem ir libertar aliens

© TVI24 É hoje que dois milhões de pessoas querem ir libertar aliens

Dois milhões de pessoas prometeram juntar-se esta sexta-feira para invadirem uma base da Força Aérea dos Estados Unidos, para conhecerem e libertarem os extraterrestres que alegadamente estão naquele lugar. Mas será que vai acontecer?

A ideia começou como uma brincadeira na rede social Facebook, mas os militares já avisaram que não será permitida a entrada a civis na Área de Teste 51, localizada perto do Aeroporto de Homey e do lago Groom, no estado do Nevada.

Durante várias décadas, os aficionados de objectos voadores não identificados e de supostas visitas de extraterrestres alimentaram especulações em torno das operações militares secretas na Área 51.

Uma das teorias sobre o local é que estão ali depositados os restos de uma suposta nave extraterrestre que teria caído em Roswell, no Novo México, em Julho de 1947.

A base em questão não está classificada como uma área secreta, mas todas as investigações e operações ali realizadas são consideradas como de máximo segredo e a Agência Central de Inteligência (CIA) reconheceu publicamente a existência dessa instalação pela primeira vez em 2013.

Em Junho, um utilizador do Facebook lançou a ideia de uma mobilização em massa de civis para libertar os extraterrestres, com o título de “Vamos invadir a Área 51: Não nos podem parar a todos”.

“Vamos encontrar-nos na atracção do Alien Tourist Center e coordenar a nossa entrada. Se corrermos juntos, podemos mover-nos mais depressa do as balas”, é possível ler-se na convocatória que é concluída com uma mensagem contundente: “Vamos ver os alienígenas”.

As reacções à ideia são várias, desde o entusiasmo daqueles que acreditam realmente na presença de extraterrestres na base militar até à partilha de ‘memes’ com imagens de figuras verdes e vários símbolos da cultura “freak”, como o personagem Sheldon Cooper, da série televisiva “Big Bang Theory”.

Por outro lado, a convocatória deixou os 54 habitantes de Rachel, a localidade mais próxima da Área 51, preocupados.

Rachel tem apenas quatro negócios e uma pousada e a última bomba de gasolina encerrou no ano de 2006, pelo que quem quiser ali chegar deve abastecer os seus veículos em Álamo, a 80 quilómetros de distância.

Na pousada de Rachel já não há quartos disponíveis, assim como em Álamo, onde todos hotéis já estão com lotação esgotada.

O chefe da polícia do Condado Lincoln, Kerry Lee, admitiu à estação de televisão norte-americana CNN que as autoridades terão várias dificuldades em controlar o grupo enorme de pessoas que tenciona deslocar-se à Área 51.

Poderíamos lidar com cerca de mil pessoas, mas com grandes dificuldades. Que o céu nos proteja se 5.000 pessoas vierem. Isso duplicaria a população de todo o condado”, declarou o chefe da polícia.

Outra preocupação de Lee é o perigo intrínseco na área desértica, em pleno Verão e com recursos de resgate limitados.

msn notícias
Redacção TVI24
20/09/2019

 

2623: “Lodo assassino”. Algas potencialmente mortais invadem praias da Bretanha

CIÊNCIA

regardelabretagne / Flickr

Activistas ambientais consideram que este “lodo assassino” está relacionado com os nitratos dos fertilizantes usados na agricultura intensiva e com os resíduos da produção de gado e de lacticínios.

Durante as últimas décadas, começaram a aparecer algas potencialmente letais nas baías da costa noroeste da Bretanha, em França. Segundo o The Guardian, ambientalistas dizem que esta situação está relacionada com os nitratos dos fertilizantes e com os resíduos da produção intensiva de suínos, de aves e de lacticínios que fluem para o sistema fluvial e acabam no mar.

Quando as algas se decompõem, gases tóxicos ficam presos sob a sua crosta, tornando-as potencialmente fatais para as pessoas que as pisam. “Pode matar uma pessoa em poucos segundos”, afirma André Ollivro, ex-técnico de gás, que lidera a luta contra o que ficou conhecido como “lodo assassino”.

“Quando tinha 16 anos, costumava trazer um barco para aqui com o meu tio. Naquela época, era só beleza natural e não se via algas empilhadas. É uma pena que este lugar esteja agora associado à morte”, lamenta Ollivro, agora com 74 anos.

Este verão, seis praias foram encerradas em Saint-Brieuc por causa destas algas. Várias escavadoras e camiões levaram-nas para um centro de tratamento, onde depois foram secas e eliminadas. O cheiro resultante deste processo era tão intenso — os locais queixaram-se que tinham acordado à noite por causa desse odor — que o centro teve de encerrar de forma temporária.

A revolta, segundo o jornal britânico, intensificou-se em Julho, quando os familiares de um homem, que morreu no estuário de Gouessant em 2016, processaram as autoridades estaduais e locais. A família alegou que não tinha sido feito o suficiente para impedir a propagação das algas e que o público não tinha sido devidamente avisado dos perigos.

Jean-René Auffray, de 50 anos, morreu enquanto corria perto da praia em Hillion. A área onde depois foi encontrado foi a mesma onde, há cinco anos, também morreram mais de 30 javalis. Já em 2009, outro homem, Thierry Morfoisse, morreu repentinamente enquanto conduzia um camião que transportava algas para longe de uma praia.

O líder do partido francês Europa Ecologia – Os Verdes, Yannick Jadot, acusou recentemente o Estado de encobrir os riscos destas algas e de estar mais interessado em proteger a indústria de alimentos.

Do outro lado, Thierry Burlot, vice-presidente responsável pelo ambiente na região da Bretanha e responsável pelo único centro de refugo destas algas, afirma que as iniciativas estaduais reduziram consideravelmente os nitratos no sistema de água nos últimos anos. Um desses exemplos é a baía de Saint-Brieuc, cujos níveis caíram para metade.

“A Bretanha tem cerca de 2700 quilómetros de costa e menos de 5% é afectada por este fenómeno. Há 15 anos, no pior momento, recolhíamos 30 mil toneladas de algas por ano em certas praias da Côtes d’Armor. Agora, são dez mil toneladas por ano“.

Sylvain Ballu, um cientista do Céva (Centre d’études et de valorisation des algues), confirma que há sinais positivos que confirmam que os níveis de nitratos estão a diminuir, mas que isso não é ainda suficiente.

“A poluição geralmente é invisível a olho nu, sobretudo quando se trata de nitratos ou pesticidas. Estas algas tornaram a poluição invisível extremamente visível, mal cheirosa e perigosa”, conclui.

ZAP //

Por ZAP
11 Setembro, 2019

 

Dois milhões querem libertar aliens e há uma localidade em pânico: “Que o céu nos proteja”

© TVI24 Dois milhões querem libertar aliens e há uma localidade em pânico: “Que o céu nos proteja”

A ideia de invasão à Área 51 começou como uma brincadeira na rede social Facebook, mas os militares já avisaram que não será permitida a entrada a civis. A convocatória deixou os 54 habitantes de Rachel, a localidade mais próxima da Área 51, preocupados

Dois milhões de pessoas prometeram juntar-se no dia 20 de Setembro para invadirem uma base da Força Aérea dos Estados Unidos, para conhecerem e libertarem os extraterrestres que alegadamente estão naquele lugar.

A ideia começou como uma brincadeira na rede social Facebook, mas os militares já avisaram que não será permitida a entrada a civis na Área de Teste 51, localizada perto do Aeroporto de Homey e do lago Groom, no estado do Nevada.

Durante várias décadas, os aficionados de objectos voadores não identificados e de supostas visitas de extraterrestres alimentaram especulações em torno das operações militares secretas na Área 51.

Uma das teorias sobre o local é que estão ali depositados os restos de uma suposta nave extraterrestre que teria caído em Roswell, no Novo México, em Julho de 1947.

A base em questão não está classificada como uma área secreta, mas todas as investigações e operações ali realizadas são consideradas como de máximo segredo e a Agência Central de Inteligência (CIA) reconheceu publicamente a existência dessa instalação pela primeira vez em 2013.

Em Junho, um utilizador do Facebook lançou a ideia de uma mobilização em massa de civis para libertar os extraterrestres, com o título de “Vamos invadir a Área 51: Não nos podem parar a todos”.

“Vamos encontrar-nos na atracção do Alien Tourist Center e coordenar a nossa entrada. Se corrermos juntos, podemos mover-nos mais depressa do as balas”, é possível ler-se na convocatória que é concluída com uma mensagem contundente: “Vamos ver os alienígenas”.

As reacções à ideia são várias, desde o entusiasmo daqueles que acreditam realmente na presença de extraterrestres na base militar até à partilha de ‘memes’ com imagens de figuras verdes e vários símbolos da cultura “freak”, como o personagem Sheldon Cooper, da série televisiva “Big Bang Theory”.

Por outro lado, a convocatória deixou os 54 habitantes de Rachel, a localidade mais próxima da Área 51, preocupados.

Rachel tem apenas quatro negócios e uma pousada e a última bomba de gasolina encerrou no ano de 2006, pelo que quem quiser ali chegar deve abastecer os seus veículos em Álamo, a 80 quilómetros de distância.

Na pousada de Rachel já não há quartos disponíveis, assim como em Álamo, onde todos hotéis já estão com lotação esgotada.

O chefe da polícia do Condado Lincoln, Kerry Lee, admitiu à estação de televisão norte-americana CNN que as autoridades terão várias dificuldades em controlar o grupo enorme de pessoas que tenciona deslocar-se à Área 51.

Poderíamos lidar com cerca de mil pessoas, mas com grandes dificuldades. Que o céu nos proteja se 5.000 pessoas vierem. Isso duplicaria a população de todo o condado”, declarou o chefe da polícia.

Outra preocupação de Lee é o perigo intrínseco na área desértica, em pleno Verão e com recursos de resgate limitados.

msn notícias
Redacção TVI24
01/08/2019

 

2315: Quase um milhão de pessoas quer invadir a Área 51 à procura de extraterrestres

Storm Area 51, They Can’t Stop All of Us / Facebook

Quase um milhão de pessoas quer invadir a misteriosa Área 51, uma zona militar em que as forças armadas dos Estados Unidos alegadamente guardam provas de vida extraterrestre, como apontam várias teorias desde há décadas.

Assaltemos a Área 51. Não nos podem parar a todos” é o lema desta iniciativa que, depois de ser publicada no Facebook, já recebeu o apoio de quase um milhão de pessoas, que confirmaram a sua presença nesta acção marcada para 20 de Setembro.

“Vamos encontrar-nos no Centro Turístico Alienígena e coordenar a nossa entrada. Se entrarmos à bruta, podemos mover-nos mais rapidamente do que as balas”, segundo a convocatória, que conclui de forma concludente: “Vamos ver os alienígenas”.

A iniciativa suscitou, além de uma surpreendente adesão, uma série de ‘memes’ com imagens de homenzinhos verdes e diversos símbolos da cultura ‘freak’, como o personagem Sheldon Cooper, da série Big Bang Theory.

A designada Área 51 é um terreno militar situado em pleno deserto do Nevada, que está envolvida desde há anos, devido ao secretismo que a rodeia, num halo de mistério que tem motivado numerosas teorias extravagantes. Uma das mais generalizadas é a de que o Governo norte-americano usa este terreno para esconder provas de vida extraterrestre.

De facto, o Governo norte-americano nunca reconheceu a existência desta instalação militar até Agosto de 2013, quando a CIA desclassificou uma série de documentos que confirmavam a existência desta base militar.

Aquela teoria sustenta, entre outros pontos, que foi para ali que se transferiram os restos de uma alegada nave extraterrestre, que se tinha despenhado em Roswell, no Estado do Novo México, em Julho de 1947.

Em declarações ao Washington Post, a porta-voz da Força Aérea dos EUA, Laura McAndrews, afirmou que as autoridades estão a par desta iniciativa, mas não especificou como vão reagir caso as pessoas apareçam no local em Setembro.

A representante destacou que a Área 51 é um campo de treino da Força Aérea e, por isso, “desaconselha” todos aqueles que queiram tentar lá entrar. “A Força Aérea está sempre pronta para proteger os EUA e as suas estruturas”, afirmou.

ZAP // Lusa

Por ZAP
15 Julho, 2019

[vasaioqrcode]

1532: Afinal, o que nos irá acontecer quando os pólos magnéticos inverterem?

(dr) Joseph N. Pelton
Os campos magnéticos da Terra criam forças complexas à volta do planeta

A reversão dos pólos magnéticos da Terra pode parecer algo verdadeiramente assustador, mas será um evento perigoso? A resposta é não, ainda que com algumas ressalvas.

Os pólos magnéticos da Terra podem estar prestes a inverter. De acordo com observações recentes, sabemos que o campo magnético está a enfraquecer. Este e outros factores fazem com que os cientistas se debrucem sobre este tema, afirmando que a inversão acontecerá mais cedo ou mais tarde. De qualquer das formas, defendem que não há qualquer motivo para nos preocuparmos.

Se analisarmos a história do nosso planeta, a inversão geomagnética sempre foi muito comum. E, mesmo com este contratempo, a vida conseguiu prosperar. Desta forma, os cientistas podem assegurar que não haverá nenhuma extinção em massa ou catástrofe global.

Registos fósseis mostram que os organismos vivos não sofreram com a mudança dos pólos ao longo do tempo. Além disso, também não há qualquer prova de que o alerta tenha levado a um aumento do número de terramotos, erupções vulcânicas ou mudanças dramáticas no clima.

O ponto de interrogação de toda esta questão surge na tecnologia. O campo magnético da Terra protege-nos contra as partículas electricamente carregadas do vento solar e essa protecção é muito importante durante as tempestades solares, onde há um influxo maior do que o normal de partículas energéticas.

Apesar de estas partículas serem completamente inofensivas para os seres humanos, elas podem ser devastadoras para a tecnologia, adianta o IFL Science.

O problema, segundos os cientistas, é a ausência de acontecimentos anteriores que nos poderiam ajudar a antever as consequências da inversão dos pólos. O melhor exemplo é o Evento de Carrington, uma poderosa tempestade magnética que aconteceu em 1859.

Esta tempestade foi um verdadeiro pesadelo para a tecnologia: os sistemas de telégrafo falharam e, em muitos casos, deram choques eléctricos aos operadores que os tentavam arranjar. Se esta tempestade acontecesse em 2019, os danos seriam certamente muito mais significativos: o custo estimado seria de biliões de dólares.

A inversão dos pólos não significa que a Terra passará a ter dois campos magnéticos. Se tomarmos um exemplo prático e nos imaginarmos com uma bússola a apontar para Norte, significa que, quando ocorrer uma reversão magnética completa, a seta vermelha da nossa bússola passará a apontar o Sul.

Todavia, entre estes dois eventos, há um período caótico em que múltiplos pólos podem formar-se de uma vez só, confundindo a nossa bússola e, até, os animais que usam o campo magnético para se orientarem. Apesar de caótico, este período pode durar milhares de anos – ou centenas, em raras excepções.

A última vez que houve uma inversão nos pólos magnéticos da Terra foi há 781 mil anos. A razão pela qual este fenómeno acontece ainda não é clara. O campo magnético é gerado pela rotação do núcleo externo de ferro fundido da Terra. O núcleo, que arrefece à medida que o tempo passa, cria movimento no núcleo externo devido à convecção.

A explicação que reúne mais consenso tem a ver com a turbulência que o ferro fundido sofre quando se move. É muito provável que este caos desempenhe um papel, mas ainda não está claro de que forma é que isso acontece.

ZAP //

Por ZAP
29 Janeiro, 2019

[vasaioqrcode]

 

1223: Terra atacada por extraterrestres hostis. Invasão começou em New Jersey

Há 80 anos, os EUA viveram horas de pânico com a primeira fake news de que há registo. Durante a emissão radiofónica da CBS, o ator Orson Welles interrompeu a programação para dar uma notícia de última hora: os marcianos estavam a invadir New Jersey. A notícia aterrorizou os ouvintes, que acreditaram que a Terra estava sob ataque de alienígenas hostis.

De acordo com o relato do locutor, tinham ocorrido explosões inusitadas em Marte e, como consequência, nuvens de gás dirigiam-se para a Terra. A música voltou à emissão, até que foi novamente interrompida por outra notícia igualmente assustadora: tinha sido avistado um objecto estranho num campo do estado norte-americano de New Jersey.

No entanto, as notícias eram falsas. O brilhante desempenho de Welles era, na verdade, a interpretação de uma versão de rádio-teatro do romance “A Guerra dos Mundos” (1898), de H. G. Wells, que narrava a invasão de extraterrestres ano nosso planeta.

Esta interpretação fazia parte de uma série semanal de transmissões dramáticas criadas em parceria com o Mercury Theatre on the Air para a emissora CBS, segundo a transcrição do próprio programa.

Para a produção deste episódio, Welles recorreu de forma genial a todos os recursos radiofónicos da época, interrompendo o programa musical com blocos de notícias de “última hora”. Além disso, o actor entrevistou ainda supostos especialistas e testemunhas oculares de foram a dar credibilidade à sua história.

Tal como nota a Deutsche Welle, a peça dava conta aos ouvintes que, apesar do perigo, era possível deter os invasores alienígenas, que iam incendiando exércitos completos e lançando gás tóxico na cidade de New York. O programa acabou por desencadear o pânico nas ruas da cidade.

Apesar de o programa ter conotações claramente teatrais, muitos dos norte-americanos sintonizados acreditaram que a ameaça alienígena era real, e as manchetes dos jornais no dia seguinte comprovaram isso mesmo – o pânico generalizado.

“Milhares de ouvintes saíram a correr das suas casas em New York e New Jersey, muitos dos quais com toalhas no rosto para se protegerem do ‘gás’ que o invasor estaria a espalhar”, escreveu o Daily News no dia seguinte, citado pelo Live Science.

British Library
Ilustração da edição de 1906 de “A Guerra dos Mundos”, de H.G.Wells, por Henrique Alvim Corrêa

No entanto, é importante frisar que, à luz da época, os americanos viviam sob o medo real que uma guerra atravessasse o país.

Na altura, em 1938, os norte-americanos iam recebendo informações terríveis sobre a Alemanha nazi, enquanto os britânicos já testavam máscaras de gás, caso fossem assolados por um ataque bélico. O EUA estavam envolvidos numa onda de medo.

Enquanto a peça teatral ia sendo transmitida, muitos norte-americano ligaram para a polícia, relatando nuvens de fumaça no horizonte, supostamente fruto das batalhas que as pessoas iam travando com os marcianos. Alguns habitantes foram ainda mais longe, afirmando ter visto alienígenas. Outros, por sua vez, estavam convencidos que os invasores fossem alemães. – o pânico estava instalado.

Como frisou a revista Slate, no 75º aniversário do programa de Orson Welles, as verdadeiras fake news só foram difundidas no dia seguinte através de meios de comunicação que descreveram histórias de pânico e histeria em massa nas ruas.

Na altura, jornais como o New York Times ou o Boston Daily Globe aproveitaram o momento para descredibilizar os novos média, rotulando-os com fonte pouco fidedigna e pouco responsável. Actualmente, acredita-se que essas notícias tenham sido clara e extremamente inflamadas, não sendo possível falar em histeria nas ruas.

(dr)
NYT

Curioso é que o pânico gerado pela adaptação da “Guerra dos Mundos” continua bem actual. E, também na época, a peça de Welles desencadeou discussão, até Adolf Hitler abordou o assunto, gracejando com “homenzinhos verdes que invadiam países”.

Apesar de o director da emissora explicar, em 1938, que o objectivo da emissão passava apenas pelo entretenimento, em 1955, e em entrevista à BBC, apresentou outras motivações: “Quando fizemos o programa dos marcianos, estávamos fartos de que tudo o que vinha dessa caixinha mágica, a da rádio, fosse simplesmente engolido”.

Assim, sustentou, a encenação foi, de certa forma, um ataque à credibilidade da rádio. “Nós queríamos fazer com que as pessoas entendessem que não podiam aceitar tudo o que saísse dos microfones”, explicou.

Tudo isto aconteceu há 80 anos, numa pacata noite de domingo, a 30 de Outubro, na véspera do Halloween. No entanto, o assunto não podia ser mais atual. As fake news assombram hoje, mais do que nunca, os média, afectando leitores, ouvintes e telespectadores.

É ainda de salientar que todo este pânico foi gerado numa época onde não existam redes sociais – que certamente teriam aguçado toda a polémica. Actualmente, as fake news não são menos recorrentes, o seu propósito é que é outro – passamos do entretenimento às campanha eleitorais e às influências nas urnas. É incontestável: as fake news são transversais ao próprio tempo.

ZAP // Deutsche Welle / LiveScience

Por ZAP
31 Outubro, 2018

[vasaioqrcode]