1351: Terramoto aproximou ilhas da Nova Zelândia. E continuam a mover-se

CIÊNCIA

flyingkiwigirl / Flickr

Cientistas do Instituto de Pesquisa da Coroa da Nova Zelândia, mais conhecido como GNS Science, concluíram que uma série de terremotos que abalaram o país em Novembro de 2016 acabaram por aproximar as duas ilhas do país, “afundando” uma das regiões.

Cientistas do Instituto de Pesquisa da Coroa da Nova Zelândia confirmaram que a crosta terrestre continua a mudar após a ruptura cataclísmica que se deu durante o terramoto de 2016. A aproximação, de apenas 35 centímetros, deu-se entre as ilhas do Norte e do Sul, enquanto que a cidade de Nelson, no topo da ilha do Sul, se afundou cerca de 20 milímetros.

O sismo de magnitude 7,8 na escala de Ritcher, que abalou o país no dia 14 de Novembro de 2016, reduziu inicialmente a distância entre as ilhas em vários metros, e a partir daí as falhas sísmicas “puxaram” a ilha do Sul para norte, aproximando as duas ilhas, adianta a Sputnik News.

O movimento é muito lento e demasiado subtil para ser sentido por seres humanos, mas os cientistas têm medido esse movimento através de uma combinação de sensores de GPS e medições por satélite. Essas medições comprovam que a Nova Zelândia está, de facto, a sentir os efeitos do terramoto de 2016.

No entanto, a distância entre o cabo Campbell, na ilha do Sul, onde acaba a maior falha, e a capital neozelandesa, Wellington, situada na ponta sul da ilha Norte, continua muito grande: cerca de 50 quilómetros.

O terramoto que abalou o país teve epicentro a 39 quilómetros da cidade de Kaikoura, fazendo duas vítimas mortais e um sistema complexo de 25 falhas, o que dificulta o estabelecimento da falha responsável por este fenómeno de aproximação.

Segundo o Live Science, este terramoto foi demasiado complexo, dado que atingiu uma zona de transição entre duas regiões geológicas muito diferentes. A Nova Zelândia fica na zona de colisão entre a placa indo-australiana e a placa do Pacífico. A última “mergulha” debaixo da primeira, criando calhas submarinas e elevando uma parte da Nova Zelândia, e é nesse lugar que ocorrem mais de 15 mil terremotos por ano.

Até agora, os dados dos especialistas mostram que as falhas profundas da zona de subducção não contribuíram para o terramoto de Kaikoura. Ainda assim, esta interface profunda parece estar a movimentar-se dois anos após o terramoto.

É ainda muito cedo para compreender a fundo o que significa este movimento no futuro sismológico do país.

Os cientistas publicaram algumas das suas descobertas sobre o movimento pós-terremoto, incluindo um estudo de Março publicado na revista Geophysical Research Letters. Os especialistas analisaram movimentos até 600 quilómetros do epicentro do terramoto. Em Dezembro, apresentarão os seus resultados actualizados na reunião anual da American Geophysical Union.

Ainda assim, os cientistas consideram que os maiores movimentos já ocorreram, sendo que agora a terra está apenas a “rastejar”. Os movimentos vão, gradualmente, diminuindo, mas segui-los no futuro ajudará os cientistas a determinar quais os movimentos que vêm da crosta superior e quais os mais profundos.

Além disso, serão também capazes de descobrir mais sobre se o terremoto pressionou as falhas próximas (tornando um terremoto futuro mais provável) ou se retirou alguma pressão de outras falhas (o que significa que a crosta provavelmente ficará tranquila nos próximos tempos).

Esta é a razão pela qual é tão importante monitorizar o que acontece depois de um terramoto.

ZAP //

Por ZAP
30 Novembro, 2018

[vasaioqrcode]

 

1232: Desapareceu uma pequena ilha no Japão

DESTAQUES

Uma pequena ilha no norte do Japão parece ter desaparecido e as autoridades estão a investigar se foi varrida pela água, o que reduziria ligeiramente a área das águas japonesas territoriais.

A ilha, conhecida como Esambe Hanakita Kojima, foi oficialmente registada em 1987 pela Guarda Costeira japonesa, que, à época, nem sabia o tamanho exacto da mesma. Até agora, estava 1,4 metro acima do nível do mar e era visível do ponto mais a norte da grande ilha de Hokkaido, no norte do Japão. Mas agora não pode mais ser avistada.

“É possível que as ilhas mais pequenas acabem por sofrer consequências da erosão”, disse um oficial da Guarda Costeira à AFP. Um desaparecimento como este “poderia afectar um pouco as águas territoriais do Japão”, acrescentou.

O Japão investe na protecção de pequenas ilhas, especialmente o atol de Okinotori, longe de suas grandes ilhas principais, no meio do Pacífico, e que garante grande parte da sua ZEE (Zona Económica Exclusiva). Este país também disputa com a China e a Coreia do Sul a soberania de várias ilhas da região.

O Japão, atingido por frequentes terremotos e catástrofes naturais, nem sempre perde território, às vezes ganha.

Em 2015, uma faixa de 300 metros de terra emergiu da água e apareceu na costa da ilha de Hokkaido. Em 2013, uma ilha vulcânica apareceu a cerca de mil quilómetros a sul de Tóquio, abrangendo outra ilha e se expandindo-se continuamente.

ZAP // Lusa

Por Lusa
3 Novembro, 2018

[vasaioqrcode]