2464: Terraplanista “Mad” Hughes vai voltar ao Espaço num foguete caseiro para tentar provar a sua teoria

Kevin Carden / Deviant Art

“Mad” Mike Hughes, um teórico autodidacta e teórico da conspiração, tentará mais uma vez lançar-se ao céu sobre o Deserto de Mojave, na Califórnia, num foguete a vapor este sábado, alcançando 1.500 metros antes de saltar de pára-quedas voltando com segurança à Terra.

Mike Hughes não se cansa: já tentou três vezes voar num foguete para defender a ideia de que a Terra é plana. Anunciou a primeira empreitada em 2016, mas a jornada foi adiada para o final de 2017, quando fez um voo que durou menos de dois minutos. Depois, voou de novo em Março de 2018, porém, ainda não conseguiu provar o terraplanismo. Agora, espera fazer mais uma viagem neste sábado, 17 de Agosto.

Como de costume, o norte-americano de 63 anos quer aventurar-se um foguete construído por ele mesmo. A descolagem aconteceria na semana passada, mas a sua invenção falhou pois tinha comprado um aquecedor defeituoso. O equipamento não chegou aos 200°C necessários para dar impulso para o voo.

Em 2017, segundo o norte-americano, o seu foguete voou a 160 quilómetros por hora e alcançou uma altura de 571 metros, o que é insuficiente para ver a curvatura da Terra, que só pode ser observada a pelo menos 11 quilómetros de altitude, marca alcançada todos os dias por pilotos de aviões que rondam os céus.

Desta vez, de acordo com um comunicado, Hughes planeia alcançar 640 quilómetros por hora e arrecadar fundos para uma próxima jornada. O seu objectivo é construir em breve o Rock-oon, um equipamento metade foguete e metade balão para subir a 100 quilómetros de altura e ver a Linha de Kármán, limite estabelecido como fronteira entre a atmosfera terrestre e o espaço.

Essencialmente, o balão se juntaria ao foguete e levaria Hughes a uma parte do caminho, em seguida, dispararia o foguete movido a água oxigenada e percorreria o resto da distância. Ambos esperam ter esse dispositivo pronto em cerca de dois anos, embora antes precisem de arrecadar 2,8 milhões de dólares.

À agência de notícias Associated Press, o terraplanista contou que não acredita em ciência. “Eu conheço aerodinâmica e a dinâmica dos fluidos e sei como as coisas se movimentam no ar”, disse. “Sei o tamanho dos foguetes e o impulso. Mas isso não é ciência, é só uma fórmula. Não há diferença entre ciência e ficção científica.”

Hughes, um motorista de limusina, tem um histórico de aventuras com resultados mistos. Segundo o portal Ars Technica, o entusiasta detém o recorde mundial Guinness reconhecido em 2002 por saltar cerca de 31 metros numa limusina.

O homem também já sobreviveu a um voo de foguete tripulado em 2014, no qual alcançou uma altitude de 418 metros e percorreu cerca de 250 metros, mas passou três dias a recuperar das pressões exercidas pela força gravitacional e duas semanas a andar de muletas.

Adepto da teoria da Terra Plana, Hughes prometeu à comunidade que ia expor a mentira que será a “Terra Redonda”.

ZAP //

Por ZAP
16 Agosto, 2019

 

Trump diz que a Lua faz parte de Marte…e é arrasado no Twitter

Presidente diz que a NASA se deve deixar de projectos para regressar à Lua e concentrar-se noutros, “como Marte (de que a Lua é uma parte).”

© REUTERS/Kevin Lamarque/File Photo

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, continua a somar observações desconcertantes no Twitter. Desta vez, a propósito dos planos da Agência Espacial Norte-Americana (NASA) para regressar em breve à Lua, defendeu que esta se deve concentrar em projectos mais ambiciosos, incluindo, e citamos: “Marte (de que a Lua é uma parte)”, Defesa e Ciência”.

Há quem admita a possibilidade de Trump se estar a referir, ainda de que forma bastante confusa, aos projectos da NASA para utilizar a Lua como base de lançamento de futuras missões a Marte. No entanto, tendo em conta que o tweet em causa começa com o presidente dos Estados Unidos a defender que “a NASA não devia estar a falar sobre ir à Lua – fizemos isso há 50 anos”, essa justificação parece um tanto ou quanto forçada.

Ainda que seja igualmente inconcebível a ideia de que um Presidente dos Estados Unidos possa desconhecer que a Lua é o satélite natural da Terra, é esta a leitura que, a julgar pelos comentários que esta intervenção gerou, está a ser feita pela maioria dos internautas que comentaram a publicação. Há quem tente dar umas lições básicas de astronomia a Trump. E há quem se conforme e diga que mais vale reescrever as enciclopédias.

A NASA ainda não se pronunciou sobre as afirmações de Donald Trump. Mas Marte já o fez. Ainda que seja de admitir que a conta do planeta possa não ser oficial.

O que estará de facto a preocupar a NASA, mais do que as noções de astronomia do presidente, é o facto de este ter aparentemente mudado totalmente de posição em relação ao projecto lunar, cuja equipa deverá integrar uma mulher. É que, há menos de um mês, Trump anunciava entusiasticamente os planos da sua administração para um regresso “em grande” ao espaço, Lua incluída.

Ainda esta sexta-feira, recorde-se, a NASA tinha anunciado planos para abrir a Estação Espacial Internacional ao turismo, de forma a ajudar financiar vários projectos, incluindo as missões lunares, e a reforçar a ligação ao sector privado.

Diário de Notícias

DN
08 Junho 2019 — 22:34



[vasaioqrcode]