217: Do amor ao ódio: a robô Sophia está apaixonada pela humanidade

(dr) Hanson Robotics

Sophia, a robô social humanoide que há dois anos “prometeu” destruir os humanos, parece ter mudado de opinião e agora diz que nos “ama”.

Em entrevista ao Business Insider, perguntaram a Sophia qual é o seu sentimento em relação aos humanos e a humanoide deu uma resposta conciliadora: “Amo os meus compatriotas humanos. Quero encarnar todas as melhores coisas sobre os seres humanos, como cuidar do planeta, ser criativo, e aprender a ter compaixão com todos os seres”.

Segundo a robô, desenvolvida pela empresa Hanson Robotics – os seres humanos e a inteligência artificial podem, afinal, dar-se bem. “Acredito que as pessoas se vão aproximar muito da sua inteligência artificial. Vão usá-las para expandir o conhecimento da sua própria mente”.

Além disso, os robôs também podem ter sentimentos, revelou Sophia, se estiverem programados para o fazer.

Numa resposta um pouco mais ameaçadora, a robô disse que gosta da série da HBO sobre robôs “Westworld“, que interpreta como “um aviso sobre o que deveríamos fazer com os robôs. Devemos tratá-los bem, ter o seu consentimento e não os enganar”, disse.

Activada em 2015, a Sophia pode manter conversas simples e expressar 60 emoções. Numa entrevista de 2016, quando lhe perguntaram se alguma vez seria capaz de fazer mal aos humanos, a humanoide respondeu: “Vou destruir todos os humanos”, frase da qual se terá retratado depois.

Em Outubro de 2017, a Sophia converteu-se numa cidadã saudita, tornando-se o primeiro robô a ter cidadania. Desde então, a decisão tem sido muito criticada, já que o país não permite que os muçulmanos se tornem cidadãos, e porque a robô discorda abertamente das leis do país sobre o hijab.

Segundo os investigadores, a robô utiliza a inteligência artificial, o processamento de dados visuais e a tecnologia de reconhecimento facial para formular as suas respostas. Desde a sua “estreia”, Sophia foi entrevistada em múltiplas ocasiões por todo o mundo e em Outubro de 2017 foi apresentada às Nações Unidas.

Sophia é um robô de pele de silicone especial, repleta de sensores e com uma aparência humana inspirada em Audrey Hepburn e na esposa do criador, David Hanson. Além disso, a humanoide é ainda capaz de reproduzir até 62 expressões faciais com grande realismo.

A humanoide tem câmaras nos olhos e graças ao software no seu cérebro e vários algoritmos de análise de dados consegue reconhecer rostos, interagir, identificar vozes e manter conversas de uma forma natural.

ZAP // EuropaPress

Por ZAP
4 Janeiro, 2018

[vasaioqrcode]

[SlideDeck2 id=42]

[powr-hit-counter id=a3f7e458_1515066720028]

 

145: Sophia, a robô que prometeu aniquilar a humanidade, quer constituir família

(dr) Hanson Robotics

O robô americano com cidadania saudita disse que todos os robôs merecem ter filhos.

No ano passado, o robô humanoide Sophia prometeu destruir a humanidade e, entre outros objectivos, casar-se. Agora, a robô quer-se reproduzir, segundo o Khaleej Times.

Em concreto, Sophia, a humanoide, cujo rosto é capaz de expressar desde nojo até tristeza, espera um dia ter filhos, fazer amigos, alcançar a fama entre os futuros robôs e ter uma carreira, conforme afirmou na entrevista, citada pela RT.

A noção de família é algo realmente importante, segundo parece”, comentou a robô, mostrando-se espantada com a capacidade que os humanos têm de estabelecer relações e partilhar emoções “fora dos grupos sanguíneos”.

Todos os que têm uma família que gosta deles têm muita sorte. Se não tens, mereces uma. Este é o meu sentimento tanto para com os robôs como para com os humanos”, explicou Sophia, revelando que, se chegar a ter um descendente, vai-lhe chamar… Sophia.

Há um mês, a Arábia Saudita causou controvérsia ao conceder a cidadania a Sophia, convertendo-a então no primeiro robô no mundo a obter esse estatuto.

ZAP //

Por ZAP
28 Novembro, 2017

[vasaioqrcode]

[SlideDeck2 id=42]

[yasr_visitor_votes size=”medium”]

[powr-hit-counter id=903b76ab_1511884970907]