2922: Florestas ancestrais dos Himalaias encontradas nas profundezas do oceano (e já se sabe como foram lá parar)

CIÊNCIA

blueorange / Canva

Os restos de florestas ancestrais foram encontradas nas profundezas do oceano, a milhares de quilómetros de distância das suas origens montanhosas. Os cientistas encontraram madeira com 19 milhões de anos nas camadas de sedimentos do fundo do Golfo de Bengala.

Investigadores liderados por Sarah Feakins, da Universidade da Califórnia do Sul, em Los Angeles, mergulharam mais de três metros, recuperando sedimentos a 800 metros abaixo do fundo do mar. Ao analisar a amostra principal, a equipa conseguiu ver que as árvores foram levadas para o oceano há milhões de anos antes de ficarem presas no chão.

Observando as lascas de madeira no núcleo, a equipa conseguiu determinar de onde as árvores tinham vindo. Na maioria dos casos, a madeira era de árvores que cresciam em planícies, perto do oceano.

No entanto, uma camada foi encontrada com madeira de árvores que teriam crescido nas montanhas dos Himalaias, cerca de três quilómetros acima do nível do mar.

No estudo, publicado em Setembro na revista especializada Proceedings of the National Academy of Sciences, a equipa defende que as árvores de uma floresta ancestral foram arrancadas por uma enorme libertação de água – potencialmente por um barragem natural criada por um glaciar ou um deslizamento de terra.

As árvores terão sido transportadas por milhares de quilómetros ao longo de uma enorme onda de água – de ciclones, monções ou inundações, por exemplo – antes de serem libertadas no chamado “ventilador de Bengala”, o maior ventilador submarino da Terra.

A equipa sugere que esta é a primeira evidência que mostra que as árvores podem ser transportadas por milhares de quilómetros, desde as montanhas até às profundezas do mar. As descoberta demonstram também o papel da madeira do ciclo de carbono da Terra – a forma como o carbono viaja da atmosfera até ao planeta e aos seus organismos e vice-versa.

O carbono armazenado nas plantas é libertado quando é consumido, deteriorado ou queimado. Como as árvores foram transportadas logo após serem arrancadas, não se decompuseram. Em vez disso, a madeira fresca foi trancada nos sedimentos do fundo do mar – potencialmente representando um meio pelo qual o carbono pode ser armazenado durante milhões de anos.

Compreender quanto carbono pode ser trancado como consequência do transporte de florestas para o oceano é importante para entender as mudanças climáticas futuras, segundo Fearkins. “Não sabíamos da existência desta floresta de árvores fragmentadas enterradas no fundo do oceano”, disse em comunicado, divulgado pelo EurekAlert. “Agora precisamos de adicionar isto à equação.”

Agora, os cientistas estão a trabalhar para entender o ciclo de carbono. Um relatório divulgado recentemente mostrou que menos de 1% do carbono total da Terra está acima da superfície – nos oceanos, na terra e na atmosfera. O resto está trancado na crosta, manto e núcleo do planeta.

ZAP //

Por ZAP
29 Outubro, 2019

 

2485: Novo estudo adensa mistério sobre “Lago dos Esqueletos” nos Himalaias

CIÊNCIA

markhorrell / Flickr
Himalaias

Esqueletos humanos encontrados no lago Roopkund, na Índia, pertenceram a pessoas de origens várias, algumas do Mediterrâneo, que morreram em eventos separados por mil anos.

O lago Roopkund, na Índia, é famoso por terem sido descobertos nas suas margens centenas de esqueletos, que estudos vieram indicar que eram muito mais antigos do que inicialmente se supunha.

Agora, segundo um estudo publicado esta terça-feira na revista Nature Communications, conclui-se que os esqueletos pertenciam a grupos geneticamente distintos que morreram em vários momentos e em pelo menos dois episódios separados por mil anos.

O estudo envolveu uma equipa internacional de 28 investigadores, de instituições da Europa mas também dos Estados Unidos e da Índia.

Situado a mais de cinco mil metros de altitude, nas montanhas dos Himalaias, o lago sempre intrigou os cientistas, que não entendem a presença de centenas de restos de esqueletos nas margens do também conhecido como “Lago dos Esqueletos”.

“O Lago Roopkund é há muito tempo alvo de especulações sobre quem eram esses indivíduos, o que os levou ao lago e como é que eles morreram”, disse um dos autores do artigo, Niraj Rai, do Instituto Birbal Sahri de Paleociências, em Lucknow, na Índia, que há muito trabalha nos esqueletos de Roopkund.

Agora, análises de ADN revelam uma história ainda mais complexa, mostrando que os esqueletos derivam de pelo menos três grupos genéticos distintos, depois de feita a sequenciação genética completa de 38 indivíduos.

O primeiro grupo é composto por 23 indivíduos com ancestrais relacionados com as pessoas da actual Índia, que não parecem pertencer a uma única população. O segundo maior grupo é formado por 14 indivíduos com ascendência mais relacionada a pessoas que hoje vivem no Mediterrâneo oriental, especialmente na actual Grécia. E o terceiro tem uma ancestralidade mais típica da que é encontrada no Sudeste Asiático.

A presença de indivíduos com ancestrais no Mediterrâneo, sugerem os especialistas, indica que o Lago Roopkund não tinha apenas um interesse local mas antes atraía visitantes de várias partes do mundo. A análise da dieta alimentar também confirmou as diversas origens, disseram os responsáveis.

E explicaram ainda que a datação por carbono permitiu perceber que os esqueletos não são da mesma altura, como se supunha inicialmente, e que o primeiro grupo genético provém de um período entre os séculos VII e X e os outros dois de um período posterior, entre os séculos XVII e XX.

“Ainda não está claro o que trouxe estes indivíduos para o Lago Roopkund ou como eles morreram”, disse Niraj Rai.

“Através do uso de análises biomoleculares, como ADN antigo, reconstrução dietética por isótopos estáveis, e datação por radio-carbono, descobrimos que a história do Lago Roopkund é mais complexa do que imaginávamos, e levanta-se a questão impressionante de como migrantes do Mediterrâneo oriental, que têm um perfil de ancestralidade que é hoje extremamente atípico da região, morreram neste local há apenas algumas centenas de anos” disse outro dos autores do estudo, David Reich, da Faculdade de Medicina da Universidade de Harvard, Estados Unidos.

ZAP // Lusa

Por Lusa
21 Agosto, 2019

 

1559: Dois terços dos glaciares dos Himalaias podem derreter até 2100

Wolfgang Beyer / Wikimedia

Dois terços dos glaciares das montanhas do Hindu-Kush-Himalaias poderão derreter até ao fim do século se o planeta continuar a aquecer por causa dos gases de efeito de estufa, segundo um estudo científico.

O chamado “terceiro pólo”, por causa da quantidade de gelo ali concentrada, estende-se por 3.500 quilómetros, entre o Afeganistão e a Birmânia, e a continuação do aquecimento global ameaça desestabilizar os grandes rios da Ásia, concluíram os investigadores do Centro Internacional para o Desenvolvimento Integrado da Montanha, uma organização sediada em Katmandu, no Nepal.

O estudo envolveu 350 cientistas e durou cinco anos, que olharam para os rios alimentados pelo gelo das cordilheiras, que incluem o Ganges, o Mekong e o Rio Amarelo, ao longo dos quais vivem 1,65 mil milhões de pessoas.

“É a crise climática de que ainda não se falou”, afirmou o investigador Philippus Wester.

Mesmo que se limitasse o aumento da temperatura global a 1,5 graus até 2100, cumprindo a meta do acordo de Paris de 2015, a região do Hindu-Kush-Himalaias perderia um terço do gelo, afectando também os 250 milhões de pessoas que vivem nas zonas montanhosas.

“O aquecimento global pode transformar os picos montanhosos gelados que atravessam oito países em montanhas de rocha nua em menos de um século. As consequências para as populações da região, que já é uma das zonas montanhosas mais frágeis e em risco, irão da poluição atmosférica ao aumento dos fenómenos climáticos extremos”, alertou.

Ao influenciar o volume e as alturas dos degelos, o aquecimento global põe em risco a produção agrícola que depende da água que corre da montanha, prejudicando a segurança alimentar e assoberbando os sistemas de distribuição de água urbanos.

O estudo, esta semana publicado na Springer Link, dá ainda conta que as consequências do derretimento dos glaciares dos Himalaias podem afectar quase 2 mil milhões de pessoas com secas mais frequentes, chuvas mais violentas e inundações súbitas.

ZAP // Lusa

Por ZAP
5 Fevereiro, 2019

[vasaioqrcode]