24: Os astronautas que estiveram “8 meses em Marte” estão de regresso

Depois de passarem oito meses a simular a vida em Marte, nas encostas do vulcão Mauna Loa, no Havai, seis astronautas foram autorizados este domingo a “regressar à civilização”.

Um grupo de astronautas acaba de concluir a quinta missão simulada de Marte, do programa HI-SEAS, Hawaii Space Exploration Analog and Simulation, financiado pela NASA.

Operado pela Universidade do HavaI, o projecto de pesquisa estuda como grupos de viajantes interplanetários trabalhariam juntos em missões de longo prazo, confinados e apertados em pequenos alojamentos.

Durante a missão, três homens e três mulheres viveram isolados do resto do planeta Terra e só podiam comer alimentos não perecíveis e, ocasionalmente, vegetais cultivados em laboratório.

Ao comunicar com o mundo exterior, tinham que lidar com a demora de 20 minutos que astronautas em Marte também enfrentariam. E a qualquer momento em que saíssem do alojamento, tinham que vestir os fatos espaciais.

A equipe da Missão V entrou na cúpula HI-SEAS no dia 19 de Janeiro. Durante a estadia de oito meses em Mauna Loa, o maior vulcão activo do mundo, realizaram experiências científicas, fizeram exercícios diários e mantiveram equipamentos dentro e à volta da cúpula. Fora dela, os astronautas fizeram trabalhos geológicos de campo em fatos espaciais, como se estivessem, de facto, em Marte.

(dr) Ross Lockwood / HI-SEAS
O físico e astronauta canadiano Ross Lockwood “em Marte”

Enquanto o HI-SEAS estuda os aspectos mais técnicos e práticos da vida em Marte, grande parte da investigação envolve verificar como um grupo de pessoas vive em conjunto, isoladamente, com pouca ou nenhuma privacidade.

“A viagem espacial a longo prazo é absolutamente possível”, disse Laura Lark, especialista em TI da HI-SEAS V. “Certamente há desafios técnicos que têm de ser superados. E, também certamente, há factores humanos a aperfeiçoar e descobrir, o que é parte dos objectivos da HI-SEAS. Mas acho que superar esses desafios é apenas uma questão de esforço. Somos absolutamente capazes disso”.

Depois de a equipa sair da cúpula HI-SEAS, às 9h da manhã, “sentiram o sol e o vento na cara e comeram mamão fresco tropical, abacaxi e bananas com amigos e familiares”, disseram funcionários da Universidade do Havai.

O meu conselho para a sexta missão é dizer sim. Se há uma oportunidade, seja de filmar, aprender uma nova habilidade científica ou conduzir o drone, seja o que for, diga ‘sim’. Assuma a liderança sobre as coisas. Honestamente, você pode sair daqui em oito meses aprendendo uma tonelada de coisas” disse o director de saúde e performance de HI-SEAS V, Brian Ramos.

A próxima missão HI-SEAS, a HI-SEAS VI, está programada para começar em 2018 e também vai durar oito meses.

// HypeScience
ZAP aeiou

[vasaioqrcode]

[SlideDeck2 id=42]

[yasr_visitor_votes size=”medium”]

[powr-hit-counter id=5eccaab0_1505918373168]