1046: Altar maia revela disputa pelo poder ao estilo de “Game of Thrones”

CIÊNCIA

National Museum of Archaeology and Ethnology in Guatemala City / La Corona Regional Archaeological Project

Uma equipa internacional de arqueólogos encontrou um altar de calcário esculpido no sítio arqueológico de La Corona, localizado no norte da Guatemala.

Uma equipa de arqueólogos encontrou um altar com 1500 anos num sítio arqueológico na Guatemala. A peça, chamada Altar 5, foi descoberta no ano passado, mas só agora foi apresentada pela equipa. Com cerca de uma tonelada e esculpida a partir de calcário, foi encontrada nas ruínas de La Corona, nos arredores da fronteira com o México e Belize.

O altar, repleto de inscrições ancestrais, revelou um conjunto de tramas e acordos políticos na disputa pelo poder do reino Maia – um enredo que mostra que aquilo que parece pura ficção em Game Of Thrones pode ser um retrato fidedigno da realidade. Segundo o Hypeness, as inscrições revelam as estratégias da dinastia Kaanul para conquistar o poder.

Tomás Barrientos, co-director das escavações, explica que o altar foi encontrado no interior de um templo. Nele surge o rei Chak Took Ich’aak, um dos antigos governantes de La Corona, “sentado e a segurar um ceptro do qual emergem dois deuses protectores da cidade”.

Segundo os investigadores, as descobertas indicam que o rei Chak Took Ich’aak governou também a cidade peruana de El Peru-Waka.

Estas e outras evidências permitiram aos arqueólogos determinar que a dinastia Kaanul – ou o Reino da Serpente – desenvolveu um movimento político em La Corona que os ajudou a derrotar os seus rivais – os Tikal – em 562 d.C., e, a partir daí, governar as terras baixas maia, no sudeste a Mesoamérica, durante quase dois séculos.

Este movimento baseou-se em alianças com pequenas cidades ao redor de Tikal, culminando num casamento entre uma princesa Kaanul e um Rei da Coroa.

“O altar conta parte de uma história da Guatemala que poderíamos chamar de um “Game of Thrones Maia”, explicou Barrientos, comparando as manobras políticas dos Kaanul à disputa de poder das famílias nobres da série.

“Esta é uma grande obra de arte de alta qualidade que nos mostra governantes a entrar num período de grande poder, e que estes se aliavam uns aos outros para competir com Tikal”, explica por fim.

ZAP //

Por ZAP
20 Setembro, 2018

[vasaioqrcode]

See also Blogs Eclypse and Lab Fotográfico

735: Vulcão Fogo: grupo de resgate contraria autoridades e aponta 2900 mortos

(dr) Guatevisión
Erupção do Vulcão de Fogo deixou meia Guatemala em cinzas

Um grupo de voluntários que resgata vítimas da erupção do vulcão do Fogo, na Guatemala, afirma que há pelo menos 2.900 mortos, um número muito acima dos 113 admitidos oficialmente pelas autoridades.

O grupo, denominado Antigua ao Resgate, cita relatos de sobreviventes e familiares das vítimas de San Miguel los Lotes, uma das localidades destruídas, para dizer que ali se situavam 360 casas e em cada uma delas viviam entre dez e 14 pessoas, contando com crianças que não foram registadas.

A voluntária Sofia Letona estima que cerca de 470 crianças estão entre os mortos.

Afirmam que as autoridades não permitem que cheguem ao local máquinas para levantar toneladas de cinzas e areia que soterraram as casas, que os voluntários abordam com pás e peneiras, conseguindo recuperar corpos de vítimas que depois não entram na contagem do número de mortos.

O porta-voz da agência guatemalteca para os desastres naturais, David De León, afirmou que a instituição respeita qualquer opinião, mas considerou que é preciso avaliar as fontes que serviram aos voluntários para fazerem os seus cálculos. Convidou-os a juntarem-se à agência para compararem as informações de que dispõem.

Oficialmente, há 332 pessoas desaparecidas – número revisto hoje em alta pelas autoridades – desde a erupção vulcânica de 3 de Junho, que afectou mais de 1,7 milhões de pessoas, entre mortos, feridos e deslocados.

Um primeiro balanço da Protecção Civil um dia após a erupção do Vulcão Fogo apontava pelo menos 25 mortos e 20 feridos. Nos dias seguintes, o número de mortos aumentou subindo para 113. A erupção sentida em Junho foi a mais forte dos últimos anos e provocou espessas colunas de cinzas.

O vulcão, de 3.763 metros de altura, situa-se nas regiões de Escuintla, Chimaltenango e Sacatepéquez, a 50 quilómetros a oeste da capital de Guatemala, zonas que são, por isso, as mais afectadas.

ZAP // Lusa

Por Lusa
5 Julho, 2018

[vasaioqrcode]

[SlideDeck2 id=1476]

[powr-hit-counter id=577b91a6_1530800473951]

627: Falhou o aviso de emergência? Mortes na Guatemala sobem para 99

Erupção aconteceu no domingo | REUTERS /Carlos Jasso

Oposição pede investigação ao presidente da agência de emergência para perceber se houve negligência no aviso das populações

O vulcão Fogo já matou 99 pessoas. À medida que o número de vítimas da erupção de domingo no sul da Guatemala sobe, começa a procurar-se se há responsáveis pela dimensão que a tragédia assumiu. A oposição guatemalteca parece acreditar que sim e aponta já o dedo ao presidente da agência de resposta a emergência (Conred).

Segundo argumenta Mario Teracena, uma figura respeitada da oposição, o governo devia investigar se houve negligência criminal, por atraso no aviso às populações, escreve a BBC.

Isto porque os peritos em vulcanologia terão avisado os responsáveis do Conred para a necessidade de evacuar a área próxima do vulcão Fogo, nas primeiras horas de domingo, devido ao aumento da actividade sísmica e e o aumento de fluxos de matéria vulcânica.

A questão é que a Conred não agiu de imediato e justifica-se que os peritos não foram conclusivos o suficiente para a necessidade de accionarem os mecanismos de evacuação em massa.

Das 99 vítimas mortais, 28 foram já identificadas, anunciou esta quinta-feira o Instituto Nacional de Ciências Forenses.

Erupções subsequentes e as altas temperaturas das rochas e lama têm dificultado as buscas por pessoas que estão desaparecidas.

Mais de 1,7 milhões de pessoas foram afectadas pela erupção do Fogo e mais de 3000 tiveram de ser retiradas das suas casas.

As autoridades calculam que mais de 150 pessoas ainda estão desaparecidas, provavelmente entre os escombros ou soterradas nas suas casas.

Diário de Notícias
07 DE JUNHO DE 2018 07:28
DN/Lusa

[vasaioqrcode]

[SlideDeck2 id=1476]

[powr-hit-counter id=cf9f9a18_1528413952514]

615: O Vulcão de Fogo já fez pelo menos 69 mortos

Esteban Biba / EPA

Pelo menos 69 pessoas morreram, este domingo, na sequência da erupção do vulcão do Fogo, na Guatemala, indicou um novo balanço do Instituto de Ciências Forenses guatemalteco.

Na segunda-feira, o director do Instituto de Ciências Forenses guatemalteco, Fanuel Garcia, disse que apenas 17 das 69 vítimas mortais foram até ao momento identificadas.

Fanuel Garcia explicou que as autoridades estão a tentar identificar os corpos através de testes de ADN e através de outros meios.

O responsável acrescentou ainda que a falta de electricidade na região torna as buscas, durante a noite, praticamente impossíveis.

Segundo a Reuters, o número de mortos pode aumentar e existem centenas de feridos.

O vulcão, situado a oeste da Cidade da Guatemala, entrou em violenta erupção no domingo, sendo a mais forte dos últimos anos, cobrindo as aldeias circundantes de cinzas incandescentes e lava, dando pouco tempo aos residentes para fugir.

As autoridades indicaram que mais de 3.200 pessoas de povoações na zona foram retiradas das habitações devido à queda das cinzas, que afectam uma área com perto de 1,7 milhões de pessoas.

O Instituto de sismologia guatemalteco anunciou que o vulcão, de 3.763 metros de altura, está a voltar à actividade normal, mas advertiu que as ravinas, de até 80 metros de profundidade, estão cheias de matéria vulcânica, não excluindo a ocorrência de uma nova erupção.

ZAP // Lusa

Por ZAP
5 Junho, 2018

[vasaioqrcode]

[SlideDeck2 id=1476]

[powr-hit-counter id=dbce2acd_1528200630193]

609: Erupção do Vulcão de Fogo na Guatemala faz 25 mortos

rodolfoaraiza.com / Flickr
Erupção do vulcão Fuego, na Guatemala

Pelo menos 25 pessoas morreram e 20 ficaram feridas na sequência da erupção do Vulcão de Fogo na Guatemala, no domingo, segundo um novo balanço da Protecção Civil.

“O balanço às 21 horas (quatro horas de segunda-feira em Lisboa) é de 25 mortos“, disse o porta-voz da Coordenação de Gestão de Desastres da Guatemala, David de Leon.

No balanço antes divulgado, as autoridades davam conta de seis mortos e 20 feridos.

De acordo com as autoridades, 3100 pessoas das comunidades próximas já foram retiradas das habitações devido à queda das cinzas, que começaram agora a afectar uma área populacional com cerca de 1,7 milhões de pessoas.

A erupção que se iniciou, no domingo, no Vulcão de Fogo é a mais forte dos últimos anos e está a provocar espessas colunas de cinzas que sobem até cerca de 10 mil metros de altura e caem depois num raio alargado, chegando mesmo à Cidade da Guatemala.

O Presidente da Guatemala, Jimmy Morales, anunciou já que vai declarar o estado de emergência, sujeito a aprovação do Congresso, e pediu aos cidadãos que estejam atentos aos avisos das autoridades de emergência.

A pista do aeroporto internacional La Aurora, na capital, foi entretanto encerrada, por motivos de segurança.

Imagens de vídeo publicadas pelos órgãos de comunicação locais mostram paisagens carbonizadas, nos locais onde as torrentes de lava entraram em contacto com as casas.

“Actualmente, o vulcão continua a entrar em erupção e existe um alto potencial para avalanches de detritos (piroclásticos)”, escreveu a agência gestão de desastres no Twitter, citando Eddy Sanchez, director do Instituto de Sismologia e Vulcanologia (Insivumeh) guatemalteco.

Segundo Sanchez, as torrentes de lava atingiram temperaturas de cerca de 700 graus Celsius.

O vulcão, de 3.763 metros de altura, situa-se nas regiões de Escuintla, Chimaltenango e Sacatepéquez, a 50 quilómetros a oeste da capital de Guatemala, zonas que são, por isso, as mais afectadas.

ZAP // Lusa

Por Lusa
4 Junho, 2018

(actualizações)

[vasaioqrcode]

[SlideDeck2 id=1476]

[powr-hit-counter id=082cde6a_1528107101452]