3396: Cientistas encontram “partículas fantasmas” vindas de dentro da Terra

CIÊNCIA

Chamam-se geoneutrinos e são misteriosas partículas que raramente interagem com a matéria e, por isso, podem ser quase impossíveis de detectar. No entanto, os cientistas encontraram novas “partículas fantasmas” de radioactividade vindas de dentro da Terra.

Este fenómeno, conseguido com o detector Borexino, do laboratório italiano de Gran Sasso, foi registado em 53 novos eventos.

Geoneutrinos, as partículas fantasmas misteriosas

Os cientistas que trabalham no maior laboratório subterrâneo do mundo encontraram 53 novos eventos, quase duas vezes mais do que antes. Nesse sentido, foi possível aos investigadores detectar os eventos recorrendo ao detector Borexino, que está enterrado a 1400 metros no subsolo e faz medições incrivelmente sensíveis de fenómenos geralmente imperceptíveis.

O Borexino é uma experiência de física de partículas para estudar neutrinos solares de baixa energia (sub-MeV). Assim, o detector é o calorímetro cintilador líquido mais puro do mundo. Este é colocado dentro de uma esfera de aço inoxidável que segura os detectores de sinal (tubos foto-multiplicadores ou PMTs) e é protegido por um tanque de água para o proteger da radiação externa e marcar os raios cósmicos que conseguem penetrar a sobrecarga da montanha.

Há muita actividade que acontece no centro da Terra e que não temos a noção. Assim, os cientistas esperam que as novas descobertas possam trazer informações para decifrar os eventos que acontecem debaixo dos nossos pés. Grande parte desses eventos são ainda um mistério.

Esta vista mostra a esfera de aço inoxidável Borexino. Uma experiência que fez as primeiras medições dos geoneutrinos.

Núcleo da Terra está em chamas e as partículas da actividade chegam até à superfície

Os geoneutrinos são produzidos durante a decadência radioactiva dentro da Terra. Eles significam que o nosso planeta está em chamas e certas partículas esquivam-se e fluem até a sua superfície. Contudo, estas são totalmente invisíveis aos nossos olhos. O detector Borexino, localizado no Laboratori Nazionali del Gran Sasso, em Itália, tem como objectivo ver esse fluxo invisível de partículas.

Os cientistas têm estado atentos aos neutrinos desde 2007, e têm vindo a recolher informações ao longo desse tempo.

Assim, os investigadores, no passado ano, detectaram o novo fluxo de partículas fantasmas, além de tornar as suas medições mais seguras.

Os geoneutrinos são os únicos vestígios directos das decadências radioactivas que ocorrem dentro da Terra, e que produzem uma porção ainda desconhecida da energia que impulsiona toda a dinâmica do nosso planeta.

Explicou Livia Ludhova, uma das duas coordenadoras científicas actuais de Borexino, em comunicado.

Processos radioactivos são responsáveis pelos vulcões e terramotos

Indo ao encontro dessa e de outras questões relacionadas, as novas descobertas podem ajudar a lançar luz sobre estes misteriosos processos, do calor inexplicável que vem do centro da Terra. O mundo sob os nossos pés dá origem a uma série de fenómenos estranhos – como os espectaculares vulcões e o campo magnético da Terra – que não são como nenhum outro visto no sistema solar.

Campo magnético da Terra nasceu do cataclismo que criou a Lua

O campo magnético da Terra é uma espécie de escudo protetor que envolve o planeta. Segundo as pesquisas nesta área, a colisão de um “planeta” contra uma Terra primitiva iniciou um processo que gerou … Continue a ler

25 Jan 2020

spacenews