2004: Algo estranho empurrou estrelas e fez um buraco na Via Láctea (e não se sabe o que é)

(dr) Annedirkse
A Via Láctea, vista do Paquistão

Há algo a abrir buracos na nossa galáxia. Nós não o conseguimos ver e pode não ser feito de matéria normal. Os telescópios não o detectaram directamente, mas há de certeza algo estranho a acontecer.

“É uma bala densa de alguma coisa”, disse Ana Bonaca, investigadora do Centro de Astrofísica Harvard-Smithsonian, que descobriu estas evidências. A evidência de Bonaca, apresentada na conferência de 15 de Abril da American Physical Society em Denver, é uma série de buracos no fluxo estelar mais longo da galáxia, o GD-1.

Fluxos estelares são linhas de estrelas que se movem juntas através de galáxias, muitas vezes originadas em pequenas bolhas de estrelas que colidiram com a galáxia em questão. As estrelas em GD-1, remanescentes de um “aglomerado globular” que mergulhou na Via Láctea há muito tempo, estão estendidas numa longa linha no céu.

Em condições normais, a corrente deveria ser uma linha, esticada pela gravidade da galáxia. Os astrónomos esperariam um único espaço no ponto em que o aglomerado globular original estava antes das suas estrelas se afastarem em duas direcções.

Mas Bonaca mostrou que o GD-1 tem um segundo buraco. E essa lacuna tem uma margem irregular, como se algo enorme tivesse mergulhado na corrente há não muito tempo, arrastando estrelas com a sua enorme gravidade. GD-1, ao que parece, foi atingido por essa bala invisível.

“Não conseguimos mapeá-lo para qualquer objecto luminoso que tenhamos observado”, disse Bonaca à Live Science. “É muito mais massivo do que uma estrela. Algo como um milhão de vezes a massa do Sol. Não há estrelas dessa massa. Podemos descartar isso. E se fosse um buraco negro, seria um preto super-massivo do tipo que encontramos no centro da nossa própria galáxia”.

Não é impossível que haja um segundo buraco negro super-massivo na galáxia. Mas espera-se ver algum sinal, como chamas ou radiação do seu disco de acréscimo. A maioria das grandes galáxias parece ter apenas um único buraco negro super-massivo no seu centro.

Sem objectos gigantes, brilhantes, visíveis a sair de GD-1, e sem evidência de um segundo buraco negro super-massivo oculto na nossa galáxia, a única opção óbvia que resta é um grande aglomerado de matéria escura. Isso não significa que o objecto é definitivamente absolutamente feito de matéria escura, ressalvou Bonaca.

“Pode ser que seja um objecto luminoso que foi para algum lugar e está escondido em algum lugar da galáxia”, acrescentou. Mas isso parece improvável, em parte devido à grande escala do objecto. “Sabemos que estão a 30 a 65 anos-luz“, disse. “Do tamanho de um aglomerado globular.”

Mas é difícil descartar totalmente um objecto luminoso, em parte porque os investigadores não sabem com que velocidade se estava a mover durante o impacto. Sem uma resposta para isso, é impossível ter certeza de onde a “coisa” terá ido.

Ainda assim, a possibilidade de encontrar um objecto real da matéria escura é tentadora. De momento, os astrónomos não sabem o que é matéria escura. A matéria luminosa, o material que conseguimos ver, parece ser apenas uma pequena fracção do que há lá fora. As galáxias unem-se como se houvesse algo pesado dentro delas, agrupadas nos centros e criando uma enorme gravidade. A maioria dos físicos raciocina que há algo mais e invisível.

Esta esfera densa de algo invisível que mergulha na nossa Via Láctea oferece aos físicos uma nova evidência de que a matéria escura pode ser real. Sugeriria que a matéria escura é realmente “desajeitada”, como prevê a maioria das teorias sobre o seu comportamento.

Se a matéria escura é “desajeitada”, é concentrada em pedaços irregulares distribuídos entre galáxias. Algumas teorias alternativas, incluindo teorias que sugerem que a matéria escura não existe, não incluiriam aglomerados e teriam os efeitos da matéria escura distribuída suavemente pelas galáxias.

Até agora, a descoberta de Bonaca é única, tão nova que ainda não foi publicada numa revista. A investigadora baseou-se em dados da missão Gaia, um programa da Agência Espacial Europeia para mapear milhões de estrelas na Via Láctea e os seus movimentos pelo céu.

Bonaca reforçou os dados com observações do Telescópio Multi-Espelho no Arizona, que mostrou que estrelas se estavam a mover em direcção à Terra e que corpos se estavam a afasta. Bonaca quer fazer mais projectos de mapeamento para revelar outras regiões do céu onde algo invisível parece estar a derrubar estrelas. O objectivo é mapear aglomerados de matéria escura por toda a Via Láctea.

ZAP //

Por ZAP
18 Maio, 2019



[vasaioqrcode]