4961: Encontradas fibras de poliéster em todo o Oceano Árctico

CIÊNCIA/POLUIÇÃO/ÁRCTICO

usgeologicalsurvey / Flickr

Investigadores encontraram fibras de poliéster em todo o Oceano Árctico. As evidências sugerem que lavar as nossas roupas está a contribuir para esta contaminação.

Há muito tempo que o Árctico provou ser um barómetro da saúde do nosso planeta. Esta parte remota do mundo enfrenta ataques ambientais sem precedentes, à medida que as alterações climáticas e os produtos químicos industriais ameaçam o estilo de vida dos inuítes e de outras comunidades indígenas e do norte que dependem fortemente de frutos do mar e mamíferos marinhos para se alimentarem.

Mas quem poderia imaginar que as roupas que usamos poderiam contribuir para este ataque? As evidências mostram cada vez mais que pequenas fibras sintéticas estão a penetrar o Oceano Árctico e a encontrar caminho até ao zoo-plâncton, peixes, aves marinhas e mamíferos marinhos.

Num novo estudo publicado recentemente na revista Nature Communications, uma equipa de investigadores encontrou uma confirmação nítida de que os micro-plásticos são encontrados em todo o Oceano Árctico, da Europa ao Polo Norte e ao Árctico da América do Norte. A sua presença levanta preocupações de que têxteis, águas residuais municipais e a lavagem de roupa podem ser uma fonte importante desses poluentes emergentes.

Os autores recolheram amostras de água do mar logo abaixo da superfície do Oceano Árctico, como parte de quatro expedições científicas que vão de Tromsø, na Noruega, ao Mar de Beaufort, na América do Norte.

De seguida, filtraram e analisaram as amostras no Ocean Wise Plastics Lab usando microscópios e espectroscopia para identificar polímeros plásticos.

Micro-plásticos são partículas com menos de cinco milímetros de comprimento. Os investigadores encontraram uma média de 49 partículas micro-plásticas por metro cúbico de água do mar em todo o Árctico, ilustrando como é que a poluição por plástico sintético se espalhou nesta região remota.

O valor é menor do que as concentrações encontradas em regiões mais urbanizadas no Sul, mas aproxima-se dos níveis encontrados nos oceanos Pacífico e Atlântico.

Destes, 92% eram fibras, com média de 14 micrómetros (0,014 mm) de espessura e 1.100 micrómetros (1,1 mm) de comprimento. Talvez a descoberta mais surpreendente no laboratório foi que 73% dessas fibras eram de poliéster.

Os investigadores descobriram que as fibras no Árctico oriental eram três vezes mais abundantes no Árctico ocidental. Elas também eram 50% mais longas no leste, e a sua assinatura infravermelha parecia-se mais com o poliéster comercial.

Todas estas evidências sugerem que a maioria destas fibras entrou no Oceano Árctico a partir do Oceano Atlântico. As características oceanográficas fornecem uma explicação de apoio para estas observações, com aproximadamente nove vezes mais água a entrar no Oceano Árctico do Atlântico do que do Pacífico.

O tamanho, forma, cores e identidade de polímero da maioria dessas partículas fornecem indicações adicionais das suas origens.

As evidências sugerem que lavar as nossas roupas está a contribuir para a contaminação generalizada dos oceanos do mundo com micro-fibras – sintéticas e naturais. Há um vislumbre de esperança, porém, quando vemos muitas empresas de design, manufactura e têxteis a mergulhar no caminho da sustentabilidade.

Por ZAP
18 Janeiro, 2021