2250: NASA lança relógio atómico tão preciso que só atrasa 1 segundo a cada 10 milhões de anos

CIÊNCIA

NASA

A Space X, empresa do multimilionário Elon Musk, lançou esta terça-feira para o Espaço o seu maior foguete, o Falcon Heavy.

O foguete, que foi lançado a partir da Florida, nos Estados Unidos, levou a bordo 24 satélites pertencentes ao Pentágono, à agência espacial norte-americana (NASA), bem como a outros clientes públicos e privados.

Entre os satélites que seguiram viagem rumo ao Espaço, destaca-se um da NASA que carrega um relógio atómico, um instrumento extremamente preciso que pode mudar a forma como as naves espaciais viajam e até mesmo a forma como os astronautas serão enviados até Marte (ou para lá do Planeta Vermelho).

Construído pelo Laboratório de Propulsão a Jacto da NASA, no estado norte-americano da Califórnia, o Deep Space Atomic Clock tem apenas o tamanho de uma torradeira, mas é tão preciso que leva 10 milhões de anos para se atrasar um segundo.

O relógio é feito de cristais de quartzo e átomos de mercúrio, uma combinação que lhe permite uma margem de erro temporal de apenas um nano-segundo a cada quatro dias, um micro-segundo ao fim de 10 anos e um segundo ao fim de 10 milhões de anos.

Instalado no satélite Orbital Test Bed, este relógio atómico permanecerá em órbita baixa da Terra durante um ano, visando estar preparado para futuras missões noutros mundos. Se tudo correr bem, o instrumento será utilizado em missões tripuladas pelo Espaço.

Na prática, o instrumento recém-lançado representa uma importante actualizações dos relógios atómicos dos satélites convencionais que, por exemplo, permitem o funcionamento dos GPS e dos smartphones.

Para determinar a distância de uma nave à Terra, os cientistas enviam um sinal para a própria nave, que retorna depois para a Terra. O tempo necessário para o sinal fazer esta viagem de ida e volta revela a distância do navio, porque o sinal viaja a uma velocidade conhecida, a velocidade da luz, tal como explica o jornal espanhol ABC.

Ao enviar vários sinais e realizar muitas medições ao longo do tempo, os navegadores podem calcular a trajectória do navio: onde é que está e para onde é que está a ir. Contudo, quanto mais uma nave viaja, maior é o tempo para se dar a comunicação, o que implica alguns problemas para a exploração do Sistema Solar.

E é exactamente aqui que o novo relógio pode ser importante: o instrumento muda drasticamente o processo habitual, permitindo que os astronautas saibam onde estão de forma mais autónoma, isto é, sem terem a necessidade de enviarem sinais para a Terra. Ou seja, o relógio permitirá receber um sinal da Terra e determinar sua localização imediatamente usando um sistema de navegação integrado.

ZAP //

Por ZAP
29 Junho, 2019

[vasaioqrcode]

 

1840: Foguetão Falcon Heavy leva satélite ao espaço

O Falcon Heavy partiu rumo ao espaço, naquela que é a primeira missão comercial da SpaceX.

Depois de um Tesla à boleia do foguetão, é a vez de a empresa de Elon Musk fazer chegar ao espaço um satélite. O objectivo da missão era levar à órbita da Terra o Arabsat-6A, para fornecer serviços de telecomunicações e Internet a todo o Médio Oriente, África e partes da Europa.

O Falcon Heavy é apontado como um dos foguetões que a NASA poderá escolher para voltar à Lua, em 2020

msn notícias
Euronews
12/04/2019

[vasaioqrcode]

 

417: Elon Musk tem plano para colonizar Marte e pagar por isso

Bret Hartman, TED / Flickr
Elon Musk, CEO da Tesla e SpaceX

Elon Musk é conhecido, entre muitas, muitas outras coisas, pelo seu desejo de colonizar Marte. Agora, o homem que pôs um Tesla Roadster em órbita no espaço publicou um artigo sobre o assunto.

Num artigo intitulado “Making Life Multi-Planetary” (“Tornando a vida multi-planetária”), publicado este mês na revista New Space, Elon Musk, o CEO da Tesla e da SpaceX, estabelece planos para construir um foguete e transportar cerca de 100 pessoas para o Planeta Vermelho.

Além disso, dá-nos ainda informações sobre como pretende pagar por isso. Musk explica no artigo que actualizou o design do Big Falcon Rocket (BFR) para o tornar mais pequeno do que o projecto original, e também potencialmente menos caro.

O novo design incorpora uma nave e um impulsionador de foguete num só sistema. Isso significa que pode substituir os actuais foguetes Falcon Heavy e Falcon 9, bem como a nave espacial Dragon, aplicando todos os recursos já utilizados nessas tecnologias.

Musk também descreveu o mecanismo Raptor, motor que já foi testado há algum tempo. “Temos que ter um motor extremamente eficiente. O Raptor será o motor de impulso-peso mais eficiente, acreditamos, de qualquer motor de qualquer tipo já fabricado. Já temos 1200 segundos de disparo em 42 testes principais do motor”, notou o CEO.

O CEO ilustrou como é possível pagar pelo BFR “canibalizando” a técnica actual da SpaceX. Elon Musk disse que o seu objectivo é ter “um stock de veículos Falcon 9 e Dragon” disponíveis para os clientes que desejem continuar a utilizá-los, apesar do desenvolvimento do novo sistema BFR.

Musk acredita que será possível construir o BFR através das receitas recolhidas em lançamentos de satélites e serviços para a Estação Espacial Internacional.

Elon Musk observou que uma parte essencial da tentativa de colonizar Marte é a capacidade de produzir propelentes localmente. Como a atmosfera do planeta tem dióxido de carbono e muita água, o bilionário sugere o uso do processo de Sabatier para fabricar metano e oxigénio molecular em Marte.

Depois de o propelente ter sido fabricado, o foguete BFR pode ser reabastecido para uma viagem de volta à Terra. O bilionário explicou que nenhum reforço é necessário para fazer lançamentos a partir de Marte, porque o planeta tem menos gravidade.

De acordo com o plano actual, a SpaceX planeia lançar as primeiras missões de carga para Marte em 2022, embora Musk tenha considerado esta uma meta “aspiracional”, o que significa que é a data desejada, mas pode ser difícil alcançá-la.

“Já começamos a construir o sistema – as ferramentas para os tanques principais foram encomendadas, a instalação está a ser construída e começaremos a construção da primeira nave por volta do segundo trimestre do próximo ano”, escreveu no artigo.

É interessante que Musk tenha definido uma linha do tempo para 2022, já que outros comentários feitos este ano sugeriam que uma missão já poderia ser lançada em 2019.

Em seguida, em 2024, a empresa quer realizar duas missões de carga e duas missões de tripulação à Marte. O objectivo da primeira é encontrar a melhor fonte de água no planeta, e o da segunda é construir a instalação para fabricar propelente localmente.

No final do artigo, Musk ainda pontuou alguns detalhes do seu plano para construir uma base marciana, começando com uma única nave e acrescentando outras antes de começar a estruturar uma cidade, “ao longo do tempo vamos transformar Marte num lugar realmente agradável para se estar“.

ZAP // HypeScience
Por HS
30 Março, 2018

[vasaioqrcode]

[SlideDeck2 id=1476]

[powr-hit-counter id=9d6efdef_1522424060709]

 

288: O Tesla falhou a órbita de Marte e está a caminho da Cintura de Asteróides

Elon Musk / Instagram
Starman ao volante de um Tesla Red Roadster a caminho de Marte

Não, o Starman não está a caminho de Marte. O Tesla, colocado a bordo do Falcon Heavy, está fora do trajecto previsto e pode estar afinal a caminho da Cintura de Asteróides.

A bordo do Falcon Heavy, o foguetão mais poderoso do mundo lançado esta terça-feira, seguia um Tesla Roadster com um manequim como piloto, que recebeu o nome de Starman.

Inicialmente, o objectivo de Elon Musk era colocar o automóvel numa órbita heliocêntrica, à volta do Sol, onde iria permanecer durante mil milhões de anos, de forma a aproximar-se regularmente do planeta Marte.

Mas o Tesla está fora do trajecto previsto e quem avança com a notícia é o próprio Elon Musk, através de um post na sua conta de Instagram. O presidente da Tesla e da empresa Space X adiantou que o veículo pode estar a caminho da Cintura de Asteróides, região do Sistema Solar compreendida aproximadamente entre as órbitas de Marte e Júpiter.

A comunidade científica continua a acompanhar a aventura do Tesla Roadster com interesse. Segundo o site The Verge, alguns astrónomos, usando uma ferramenta do Jet Propulsion Laboratory da NASA, identificaram algumas diferenças entre os dados que Musk partilhou e os últimos números enviados pela SpaceX.

Os cientistas garantem que o Tesla não irá alcançar a cintura de asteróides, como afirmou inicialmente Elon Musk. Desde o início que o empresário admitiu que a possibilidade de o veículo chegar a Marte era pequena. O Falcon Heavy tinha criado grandes esperanças, que agora parecem cada vez mais reduzidas.

Elon Musk já tinha admitido que a terceira ignição tinha sido um sucesso e que o Roadster iria ultrapassar Marte, dirigindo-se à cintura de asteróides – entre Marte e Júpiter – mas nunca revelou que isso iria complicar os seus planos iniciais.

Jonathan McDowell, astrofísico de Harvard, calcula agora que na próxima década o mais perto que o Roadster vai conseguir estar de Marte é a cerca de 6,9 milhões de quilómetros, em Outubro de 2020. Em Março de 2021, o Tesla voltará a passar relativamente perto da Terra, a 45 milhões de quilómetros, estimou.

ZAP //

[vasaioqrcode]

[SlideDeck2 id=42]

[powr-hit-counter id=64eb51d5_1518180849489]

 

284: Elon Musk lançou com sucesso o foguete mais potente do mundo (e um Tesla vermelho)

O foguete Falcon Heavy, da SpaceX, descolou com sucesso da plataforma de lançamento 39A do Centro Espacial John F. Kennedy, na Florida, no que foi o seu primeiro voo de demonstração.

A viagem servia para testar se o Falcon Heavy, com 70 metros de altura e capaz de transportar mais de 66 toneladas, podia ser usado para transportar carga para o espaço. E a carga testada era nada menos que um Tesla com um passageiro especial.

O foguete, considerado actualmente o mais poderoso do Mundo  e o segundo mais potente da história, atrás apenas do Saturno V, da NASA, partiu para o espaço com um luxuoso Tesla Red Roadster.

Dentro do icónico veículo eléctrico, cientistas da empresa do bilionário Elon Musk instalaram um manequim com dimensões humanas, vestido de astronauta com um dos novos fatos espaciais da SpaceX e baptizado Starman em homenagem ao músico David Bowie – autor do álbum Space Oddity e do tema Life On Mars, entre outros que nos anos 70 dedicou à exploração espacial.

A ideia, concluída com sucesso, era colocar o carro em órbita do sol. Lançado no espaço, o Tesla Roadster irá agora entrar em orbita da nossa estrela até que ela se apague, daqui a uns milhares de milhões de anos – excepto, claro, se for entretanto atingido por um asteróide em contra-mão ou parado por um polícia espacial por excesso de velocidade.

O objectivo da SpaceX é usar o foguetão gigante para transportar satélites mais pesados para o espaço e até, no futuro, seres humanos, graças à sua potência e capacidade apenas superados pela aeronave Saturn V, que esteve ao serviço nas missões Apollo nas décadas de 60 e 70.

Os entusiastas da aventura espacial podem acompanhar a trajectória do veículo e do seu ilustre tripulante na transmissão ao vivo do canal da SpaceX no YouTube.

O Falcon Heavy é a primeira etapa de um ambicioso plano de Musk. A ideia do carismático milionário, que planeia levar os primeiros humanos a Marte já em 2024, é levar para o Planeta Vermelho pelo menos 100 pessoas por ano durante 100 anos – acelerando assim a sua colonização.

De acordo com o SpaceX, o Falcon Heavy é capaz de colocar em órbita uma carga de quase 64 toneladas métricas, o dobro da carga de seu rival mais próximo, o Delta IV Heavy.

Uma das características mais inovadoras do novo foguetão da SpaceX é que os foguetões propulsores laterais são recuperáveis, de uma forma invulgar: após o lançamento, voltam à Terra e aterraram sozinhos.

O lançamento com sucesso do Falcon Heavy foi um pequeno passo para um manequim, mas sem dúvida um passo de gigante na caminhada para Marte.

ZAP // Sputnik News

Por SN
7 Fevereiro, 2018

[vasaioqrcode]

[SlideDeck2 id=42]

[powr-hit-counter id=ad3aced9_1518004383133]

281: O foguetão mais poderoso do mundo faz a primeira viagem (e leva um Tesla ao espaço)

Space X
Starman ao volante de um Tesla Red Roadster a caminho de Marte

O foguetão gigante Falcon Heavy, com o qual a SpaceX espera realizar missões para Marte no futuro, vai descolar esta terça-feira no Cabo Canaveral, na Florida, Estados Unidos, para uma viagem de teste com um carro desportivo a bordo.

Estamos prestes a viver um momento histórico, no que é mais um emocionante episódio da aventura da Humanidade no espaço. Elon Musk, presidente da SpaceX e da Tesla, confirmou esta terça-feira na sua conta no Twitter que “todos os sistemas têm luz verde para o lançamento” do Falcon Heavy, o foguetão mais poderoso do mundo.

Esta viagem serve para testar se o Falcon Heavy, com 70 metros de altura e capaz de transportar mais de 66 toneladas, pode ser usado para transportar carga para o espaço. E a carga que vai ser testada é nada menos que um Tesla – com um passageiro especial.

De acordo com o Mashable, o veículo é propulsionado por 27 motores – nove em cada foguetão – que têm de funcionar em perfeita sintonia. Foi o que aconteceu no último teste antes do lançamento desta terça-feira, que ocorreu no dia 24 de Janeiro. O teste foi bem-sucedido e consistiu na ignição dos 27 motores do foguetão simultaneamente.

Este é o foguetão mais potente do mundo e viajará para o espaço a uma velocidade média de 11 quilómetros por segundo.

Segundo o site oficial do projecto, “o impulso de elevação do Falcon Heavy equivale aproximadamente a 18 aviões 747 a plena potência. O veículo pode levantar o equivalente a um avião 737 totalmente carregado – completo com passageiros, bagagem e combustível – para a órbita”.

Uma das características mais inovadoras do novo foguetão da SpaceX é que os foguetões propulsores laterais são recuperáveis, de uma forma invulgar: após o lançamento, voltam à Terra e aterraram sozinhos.

Segundo o plano original de Elon Musk, o Falcon Heavy deveria ter realizado o seu voo inaugural, em 2013, mas o design do foguetão revelou-se mais complexo do que o que se previa e em 2016, por exemplo, a SpaceX perdeu um outro foguetão – o Falcon 9 – que explodiu durante testes.

Todos os imprevistos fizeram com que a data para o teste de lançamento deste veículo – que junta três Falcon 9 – se arrastasse até esta terça-feira.

Um carro eléctrico da Tesla, vermelho, será a carga que o Falcon Heavy deixará numa órbita próxima de Marte se a missão decorrer como planeado. “Adoro imaginar um carro à deriva pelo espaço e talvez a ser descoberto por extraterrestres daqui a milhões de anos”, justificou o empresário.

Mas Musk não ficou por aqui. Como um carro não se conduz sozinho, o Tesla irá também levar um passageiro a bordo. Sentado ao volante do carro vermelho, irá o Starman, um manequim vestido de astronauta com um dos novos fatos espaciais da SpaceX.

Este é um dos lançamentos mais esperados desde as missões Apollo (1961-1972) que levaram o homem para a lua, tanto que os bilhetes foram colocados à venda e são esperadas milhares de pessoas no Cabo Canaveral, nos Estados Unidos.

Mas o que acontece se algo correr mal? A probabilidade de o lançamento não ser bem sucedido aumenta pelo facto de o Falcon Heavy ser um foguete novo e poderoso, com um elevado número de motores e quantidades maciças de combustível que irá ser testado pela primeira vez.

Embora seja possível um vasto número de percalços, existe uma única certeza: a de que, se o foguete explodir, seria melhor que não explodisse perto do Kennedy Space Center, plataforma de lançamento da NASA. Segundo o Mashable, que cita Elon Musk, “se ele explodir, e se explodir longe, já considero isso uma vitória, para ser honesto”.

O objectivo da empresa SpaceX é usar o foguetão gigante para transportar satélites mais pesados para o espaço e até, no futuro, seres humanos, graças à sua potência e capacidade apenas superados pela aeronave Saturn V, que actuou nas missões Apollo nas décadas de 60 e 70.

O futuro espacial não depende do sucesso desta missão. No entanto, caso o teste de lançamento corra bem, podem abrir-se portas para novas missões espaciais com o intuito de levar satélites e até mesmo operações para lá da órbita com carga e tripulantes humanos.

O teste de lançamento do potente veículo reutilizável que junta três Falcon 9 – o Falcon Heavy – foi agendado para esta terça-feira, entre as 18h30 e as 21h de Portugal Continental.

Enquanto o lançamento não acontece, podemos sempre deleitar-nos com o soberbo vídeo da simulação da missão – adequadamente acompanhado pelo maravilhoso “Life on Mars”, de David Bowie – que aqui lhe deixamos.

ZAP // Lusa

[vasaioqrcode]

[SlideDeck2 id=42]

[powr-hit-counter id=10f66b35_1517923685566]

 

265: Já há data de lançamento para o Falcon Heavy da SpaceX

A SpaceX, empresa que desenvolve e constrói veículos espaciais, está empenhada em colocar o Homem em Marte. Para alcançar este objectivo, a equipa de Elon Musk, deve primeiro aperfeiçoar as técnicas já usadas no que toca à reutilização de foguetões.

Actualmente, todas as atenções dos apreciadores de grandes obras de engenharia e amantes do Espaço estão concentradas no Falcon Heavy, cuja data de lançamento já está marcada.

O foguetão será lançado na base 39A

Apenas alguns dias depois da SpaceX ter efectuado um exigente e bem sucedido “test fire” ao foguetão Falcon Heavy, o dia 6 de Fevereiro foi reservado para o seu primeiro lançamento de sempre. Elon Musk, ou como muitos gostam de lhe chamar, o Mr. Tony Stark da vida real, utilizou o seu Twitter para anunciar esta importante data.

Há pelo menos 3 anos que a SpaceX está a planear o lançamento do Falcon mais potente da colecção mas, infelizmente, este evento foi sendo adiado constantemente. No entanto, apesar de todos os contratempos, todos os testes ao Falcon Heavy foram bem-sucedidos e este está pronto para ser lançado.


Um dos veículos Espaciais mais potentes de sempre…

No fundo o Falcon Heavy consiste em três Falcon 9 “colados” uns aos outros. Possui 27 motores e é, sem dúvida, um dos foguetões mais potentes de sempre.

Será lançado exactamente no mesmo local de onde partiram os foguetões das missões Apollo. Certamente, o lançamento do Falcon Heavy será transmitido ao vivo no canal da SpaceX no Youtube.


Conheça melhor o Falcon Heavy da SpaceX:

A espera terminou…

Depois de esperamos vários anos por este momento, o lançamento do Falcon Heavy vai mesmo acontecer dentro de poucos dias. O teste aos motores foi um sucesso e a equipa da SpaceX mostra-se optimista com a perspectiva de lançamento.

O CEO da SpaceX, Elon Musk, também já deu o seu parecer no Twitter confirmando que tudo parece estar encaminhado para que o lançamento seja efectuado dentro de uma semana.

Anunciado pela primeira vez em 2011, o lançamento do Falcon Heavy sempre foi o grande objectivo da SpaceX. No entanto, uma série de falhas em 2015 e 2016 obrigaram a equipa de Elon Musk a adiar o lançamento várias vezes.

O melhor foguetão da SpaceX

O Falcon Heavy é a versão “pesada” do principal foguetão da SpaceX, o Falcon 9. Basicamente, a versão Heavy consiste em três Falcon 9 juntos e consegue ter um extraordinário poder durante a descolagem.

E, tal como o Falcon 9, é parcialmente reutilizável. Assim, os 3 motores devem regressar à Terra para poderem ser reutilizados em futuros lançamentos.

Neste lançamento que irá ser realizado dentro de alguns dias, os motores laterais deverão ser os primeiros a regressar à Terra, seguidos do motor central. No entanto, ao contrário dos outros dois motores, o motor central deverá aterrar numa base da SpaceX no Oceano Atlântico.


Falcon Heavy: Uma grande obra de engenharia

De acordo com Elon Musk, o Falcon Heavy tornou-se uma obra de engenharia muito mais difícil de concretizar do que aquilo que era inicialmente esperado.

Mas quão difícil pode ser juntar três Falcon 9?

A verdade é que quando se faz algo do género tudo muda. De acordo com Elon Musk, a pressão exercida no veículo muda drasticamente, levantando problemas relacionados com a vibração. Além disso, toda a aerodinâmica do foguetão muda.

Por causa disso, Elon Musk afirmou que é possível que o Falcon Heavy não atinja a orbita desejada.

“I hope it makes it far enough beyond the pad so that it does not cause pad damage, I would consider even that a win, to be honest.”

Elon Musk

Mas se o lançamento for bem-sucedido, o Falcon Heavy irá tornar-se um foguetão extremamente avançado e pronto para ser usado em qualquer missão. Além disso, o Falcon Heavy pode abrir muitas portas para a concretização de missões espaciais ainda mais importantes.

A SpaceX já disse que espera, um dia, utilizar o Falcon Heavy para fazer transporte de mercadorias de Marte para a Lua e vice-versa.

pplware
Tomás Santiago
25 Jan 2018

[vasaioqrcode]

[SlideDeck2 id=42]

[powr-hit-counter id=4825b08a_1517157135928]