3229: Explosão magnética nunca antes vista pode desvendar um dos mistérios do Sol

Cientistas da NASA observaram um novo tipo de explosão magnética na camada externa da atmosfera solar, conhecida como coroa.

A explosão, conhecida como reconexão magnética forçada, é desencadeada por uma erupção no Sol que faz com que as linhas do campo magnético emaranhadas se quebrem e se realinhem, disparando partículas e energia.

Os cientistas tinham já testemunhado a reconexão magnética espontânea, que não está necessariamente ligada a erupções no Sol. Porém, as observações do Solar Dynamics Observatory (SDO) da NASA revelaram, pela primeira vez, um evento de reconexão forçada desencadeada por uma dessas erupções.

O evento foi visível claramente quando os cientistas analisaram as observações de plasma do SDO – um dos quatro estados fundamentais da matéria que consiste em partículas carregadas e super-aquecidas. Os dados do SDO revelaram uma proeminência – um grande laço de plasma – a sair da superfície visível do sol, conhecida como fotosfera. Numa série de imagens tiradas ao longo de uma hora, a proeminência pode ser vista a cair de volta na fotosfera.

Quando isso aconteceu, a proeminência interagiu com uma colecção de linhas do campo magnético, fazendo com que se reconectassem em forma de “X“, o que provocou uma explosão magnética, fazendo com que a proeminência ganhasse calor, de acordo com um estudo publicado esta semana na revista científica The Astrophysical Journal.

“Esta foi a primeira observação de um controlador externo de reconexão magnética”, disse Abhishek Srivastava, um dos autores do estudo e investigador do Instituto de Tecnologia da Índia (BHU), em comunicado. “Isto pode ser muito útil para entender outros sistemas. Por exemplo, as magnetosferas da Terra e dos planetas, outras fontes de plasma magnetizadas, incluindo experiências em escalas de laboratório, onde o plasma é altamente difusivo e muito difícil de controlar”, disse .

NASA

As últimas observações confirmam uma teoria proposta há cerca de 15 anos. Segundo os autores, os resultados podem ter implicações significativas para a previsão do clima espacial, experiências físicas de partículas na Terra e na nossa compreensão sobre a atmosfera do sol.

Por exemplo, a reconexão magnética poderia explicar um dos grandes mistérios da ciência solar – o facto de a coroa ser milhões de graus mais quente que as camadas inferiores da atmosfera solar. A proeminência ganhou calor durante o evento de reconexão forçada, que poderia ser um mecanismo possível através do qual a coroa é aquecida localmente.

O próximo passo é detectar mais eventos de reconexão forçada, o que fornecerá mais informações sobre o fenómeno.

ZAP //

Por ZAP
20 Dezembro, 2019

 

spacenews

 

1312: NASA detecta pela primeira vez explosão magnética no lado escuro da Terra

NASA
As quatro sondas do programa MMS voam em formação para dentro e para fora da nossa magnetosfera

A Missão Multiescala Magnetosférica (MMS), projecto espacial composto por 4 satélites que foram lançados pela NASA em 2015, detectou uma explosão magnética no lado nocturno da Terra nunca antes vista.

De acordo com o artigo publicado a 15 de Novembro na revista Science, a missão obteve imagens de alta resolução do lado nocturno do planeta Terra, uma nova perspectiva que fornece à NASA informações sobre o funcionamento da reconexão magnética, “um processo de conversão de energia que ocorre em muitos contextos astrofísicos, incluindo a magnetosfera da Terra”.

Esta é a primeira vez que cientistas observam este fenómeno no lado escuro da Terra. Estas poderosas explosões magnéticas ocorrem com um fluxo de partículas alinhadas simetricamente em forma de cauda – uma “versão mais calma” da actividade caótica registada no lado solar da magnetosfera da Terra.

“Isto é muito importante, porque quanto mais sabemos sobre estas reconexões, melhor nos podemos preparar para eventos externos que que podem acontecer a partir deste fenómeno, em torno da Terra ou em qualquer ponto do Universo”, explica Roy Torbert, vice-investigador principal da missão MMS.

Os especialistas, que já tinham mapeado os detalhes desse fenómeno nesta parte da atmosfera em Outubro de 2015, agora viram-no, em forma de cometa, no lado nocturno da Terra, o que lhes dá uma nova visão do planeta, porque revela fluxos suaves de jactos de electrões de alta energia que se movem a uma velocidade de mais de 15 mil quilómetros por segundo.

A superfície da Terra encontra-se protegida da chuva constante de electrões e protões de alta velocidade que são libertados pelo Sol, através de um “guarda-chuva magnético“, cujo “tecido gira e ondula com energia enquanto arrasta as partículas para dentro dele “e, finalmente, voltam para o Espaço. Uma grande acumulação de partículas poderia “causar o caos de redes e sistemas eléctricos“.

Lançada em 13 de Março de 2015, a MMS é uma missão não tripulada da NASA, composta por uma formação tetraédrica de satélites que visa reunir informações sobre a microfísica da reconexão magnética, a aceleração de partículas energéticas e a turbulência, bem como os processos que ocorrem nos plasmas astrofísicos.

Segundo os autores do estudo, saber que estes fenómenos ocorrem é uma coisa; mas observar um deles a acontecer, em alta resolução, ajuda-nos a redefinir a forma como compreendemos a sua génese – não apenas na atmosfera do nosso próprio planeta, como também em todo o Universo.

ZAP // RT / Science Alert / NASA

Por ZAP
20 Novembro, 2018

[vasaioqrcode]