1713: Uma enorme tempestade solar atingiu a Terra há 2.600 anos (e pode voltar a acontecer)

(CC0/PD) pxhere

Uma gigantesca tempestade solar atingiu a Terra há cerca de 2.600 anos, cerca de dez vezes mais forte do que qualquer tempestade solar registada nos dias actuais, segundo um novo estudo.

Estas descobertas sugerem que tais explosões ocorrem regularmente na história da Terra e poderiam causar estragos se atingissem o planeta agora, dada a dependência do mundo na electricidade.

O sol pode bombardear a Terra com explosões de partículas altamente energéticas conhecidas como eventos de protões solares. Essas “tempestades de protões” podem colocar em risco pessoas e electrónicos no espaço e no ar

Além disso, quando uma tempestade de protões atinge a magnetosfera da Terra – a casca de partículas electricamente carregadas – fica presa no campo magnético da Terra. Quando a tempestade solar provoca uma perturbação na magnetosfera do planeta, é chamada de tempestade geomagnética que pode devastar as redes de energia em todo o planeta.

Em 1989, uma explosão solar apagou a província canadense de Quebeque em segundos, danificando transformadores em Nova Jersey e quase fechando as redes de energia dos EUA do meio do Atlântico até o noroeste do Pacífico.

Os cientistas têm analisado as tempestades de protões há menos de um século. Como tal, podem não ter boas estimativas de quantas vezes erupções solares extremas acontecem ou quão poderosas podem ser.

“Hoje temos muita infra-estrutura que pode ficar bastante danificada, e viajamos no ar e no espaço, onde estamos muito mais expostos à radiação de alta energia“, disse Raimund Muscheler, um dos autores do estudo, físico ambiental da Universidade de Lund, na Suécia.

O chamado Evento Carrington de 1859 pode ter libertado cerca de dez mais energia do que o que causou o apagão de Quebeque em 1989, tornando-se a mais poderosa tempestade geomagnética conhecida, de acordo com um estudo de 2013 do Lloyd’s de Londres.

O mundo tornou-se muito mais dependente da electricidade desde o evento de Carrington, e se uma tempestade geomagnética igualmente poderosa aparecesse, as quedas de energia podem durar semanas, meses ou mesmo anos, enquanto as concessionárias lutam para substituir as principais partes das redes eléctricas.

Agora, os investigadores descobriram átomos radioactivos presos no gelo da Gronelândia, que sugerem que uma enorme tempestade de protões atingiu a Terra em cerca de 660 a.C., o que pode ofuscar o Evento de Carrington.

Estudos anteriores descobriram que tempestades de protões extremas podem gerar átomos radioactivos de berílio-10, cloro-36 e carbono-14 na atmosfera. A evidência de tais eventos é detectável em árvores e gelo, dando aos cientistas uma maneira de investigar a actividade solar antiga.

Os cientistas, de acordo com o estudo publicado na revista Proceedings of the National Academy of Sciences, examinaram o gelo de duas amostras principais retiradas da Gronelândia e notaram um pico de berílio radioativo-10 e cloro-36 há cerca de 2.610 anos.

Estudos anteriores detectaram duas outras tempestades de protões antigas de maneira similar – uma aconteceu por volta de 993-994, e a outra cerca de 774-775. A última é a maior erupção solar conhecida até ao momento.

Em relação ao número de protões de alta energia, o evento de 660 a.C. e os eventos de 774-775 d.C. são cerca de dez vezes maiores do que a tempestade de protões mais forte vista nos dias modernos, que ocorreu em 1956. O evento de 993-994 dC foi menor do que as outras duas tempestades antigas.

Ainda não é claro como estas antigas tempestades se comparam ao evento de Carrington, já que as estimativas do número de protões do evento de Carrington são muito incertas. No entanto, se as antigas explosões solares “estivessem ligadas a uma tempestade geomagnética, diria que excederiam os piores cenários que são frequentemente baseados em eventos do tipo Carrington”, observou Muscheler.

Embora sejam necessárias mais investigações para ver os danos que as erupções podem infligir, este trabalho sugere que “estes enormes eventos são uma característica recorrente do Sol – agora temos três grandes eventos nos últimos três mil anos“, disse Muscheler. “Pode haver mais que ainda não descobrimos.”

“Precisamos procurar sistematicamente estes eventos nos arquivos ambientais para ter uma boa ideia sobre as estatísticas – isto é, os riscos – para tais eventos e também eventos menores”, acrescentou.

ZAP // Live Science

Por ZAP
14 Março, 2019

[vasaioqrcode]

– Aquecimento global, tempestades solares, degelo glaciar, desastres ecológicos, actividades sísmicas, tsunamis, tufões, furacões, maremotos, etc.,são o pão nosso de cada dia. O melhor seria um daqueles calhaus bem grandes chocar com este calhau porque não existe qualquer tipo de esperança em que a Humanidade ganhe juízo e deixe de continuar a destruir, lenta mas inexoravelmente, o terceiro calhau a contar do Sol.