3793: As pequenas (e estranhas) estrelas quentes são atormentadas por manchas gigantes e explosões

CIÊNCIA/ASTRONOMIA

INAF

Há uma classe de estrelas que perplexa os cientistas há seis décadas, conhecidas como estrelas de ramos horizontais extremos (EHB). Apesar de terem metade da massa do Sol, são quatro a cinco vezes mais quentes – o que não deveria acontecer.

Os cientistas suspeitavam que algo mais estivesse a acontecer, mas não sabiam o quê. Novas observações revelaram pistas cruciais. A equipa analisou as estrelas da EHB em aglomerados globulares, colecções apertadas de estrelas que orbitam em torno da Via Láctea. Os cientistas destacaram a variabilidade no brilho das estrelas e descobriram outra peculiaridade: estavam sozinhas.

“Estas estrelas quentes e pequenas são especiais, porque sabemos que passarão por uma das fases finais da vida de uma estrela típica e morrerão prematuramente”, disse o autor do estudo Yazan Momany do Observatório Astronómico de Pádua do Instituto Nacional de Astrofísica, em comunicado. “Na nossa galáxia, estes objectos quentes peculiares geralmente são associados à presença de uma estrela companheira próxima.”

A falta de um companheiro é muito importante. Os cientistas consideraram que as suas propriedades extremas poderiam ser explicadas como um produto das interacções com uma estrela parceira. Sem um companheiro, a causa deve ser um processo interno. Segundo a equipa, o período e a intensidade da variação podem ser explicados por fortes processos magnéticos.

Isso dá origem a manchas gigantes que cobrem até um quarto da estrela. Estas manchas também duram mais tempo do que as manchas solares, que podem desaparecer em algumas semanas. No caso das estrelas quentes, persistem durante décadas.

“Depois de eliminar todos os outros cenários, havia apenas uma possibilidade restante para explicar as suas variações de brilho observadas”, explicou Simone Zaggia, também do Observatório Astronómico de Pádua da INAF e co-autora do estudo. “Estas estrelas devem ser atormentadas por manchas!”.

Em duas estrelas observadas, a equipa relata a presença de explosões: uma libertação repentina de energia como as labaredas solares libertadas pelo nosso Sol, mas 10 milhões de vezes mais energéticas. As explosões também estão ligadas a variações do campo magnético, que implica que o que causou o surgimento desta pequena estrela quente deve ser encontrado na intensidade do campo magnético.

INAF

“Porém, o panorama geral é que as mudanças no brilho de todas as estrelas quentes – de jovens estrelas parecidas com o Sol a velhas estrelas exteriores de ramos horizontais e anãs brancas mortas há muito tempo – todos podem ser ligados. Esses objectos podem, portanto, sofrer colectivamente de pontos magnéticos nas suas superfícies”, disse David Jones, do Instituto de Astrofísica de Canarias e co-autor do estudo.

As observações foram realizadas com vários dos telescópios pertencentes ao consórcio European Southern Observatory, incluindo o Very Large Telescope e o New Technology Telescope.

As conclusões do estudo foram publicadas este mês na revista científica Nature Astronomy.

ZAP //

Por ZAP
5 Junho, 2020

 

spacenews