2570: Meteorito vindo de um planeta antigo destruído deixa na Terra material nunca visto

CIÊNCIA

Cientistas descobrem um mineral nunca visto na natureza que veio de um meteorito até à Terra. A complexidade deste mineral poderá indiciar que viajou pelo espaço vindo de um planeta muito antigo, afirmaram os cientistas.

Foi encontrado numa estrada, dentro de uma remota cidade australiana conhecida do tempo da corrida ao ouro. Nos velhos tempos, a localidade de Wedderburn era um hotspot para prospectores de ouro. Contudo, actualmente já é muito raro encontrar por lá uma pepita como esta.

Cientistas descobrem num meteorito material nunca visto

O meteorito Wedderburn, encontrado a nordeste da cidade em 1951, era um pequeno pedaço de 210 gramas de rocha espacial de aparência estranha que caiu do céu. Durante décadas, os cientistas têm tentado decifrar os seus segredos. No entanto, os investigadores apenas descodificaram outro desses segredos.

Num novo estudo conduzido pelo mineralogista da Caltech, Chi Ma, os cientistas analisaram o meteorito Wedderburn e verificaram a primeira ocorrência natural do que eles chamam de ‘edscottite’: uma forma rara de mineral carboneto de ferro que nunca foi encontrada na natureza.

Desde que as origens espaciais do meteorito Wedderburn foram identificadas pela primeira vez, a rocha preta e vermelha distinta foi examinada por inúmeras equipas de investigação – a ponto de apenas cerca de um terço do espécime original ainda permanecer intacto, mantido dentro da colecção geológica dos Museus Victoria, na Austrália.

Novo material foi baptizado na Terra de edscottite

O resto foi retirado numa série de fatias, extraídas para analisar de que é feito o meteorito. Estas análises revelaram vestígios de ouro e ferro, juntamente com minerais mais raros, como camacite, schreibersita, tenite e troilite. Agora podemos adicionar edscottita a essa lista.

A descoberta do edscottita – nomeado em honra do especialista em meteoritos e cosmochemita Edward Scott da Universidade do Havai – é significativa. Isto porque nunca antes confirmamos que esta formulação atómica distinta do mineral carboneto de ferro ocorre naturalmente.

Tal confirmação é importante, porque é um pré-requisito para que os minerais sejam oficialmente reconhecidos como tal pela Associação Mineralógica Internacional (IMA).

Há décadas que se conhece uma versão sintética do mineral de carboneto de ferro. Fase esta que é conseguida durante a fundição do ferro.

No entanto, graças à nova análise do geofísico Chi Ma e do geofísico Alan Rubin da UCLA, o edscottite é agora um membro oficial do clube de minerais da IMA, que é mais exclusivo do que se possa pensar.

Descobrimos 500.000 a 600.000 minerais no laboratório, mas menos de 6.000 que a natureza se fez sozinha.

De acordo com o referido pelo responsável dos Museus Victoria de Geociências Stuart Mills, ao The Age.