2320: Esta terça-feira vai poder ver o eclipse parcial da Lua

(CC0/PD) biancamentil / pixabay
Eclipse parcial da Lua

A Lua vai estar, esta terça-feira, na sombra da Terra devido a um eclipse parcial que vai poder ser visto em Portugal.

Este fenómeno vai ser visível, a partir das 21h01, hora em que a Lua vai ficar parcialmente na zona de sombra da Terra, e vai poder ver-se “uma sombra com uma superfície arredondada a entrar pela Lua e a Lua a ficar escura”, segundo Rui Agostinho, astrónomo e professor na Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa.

Segundo Rui Agostinho, às 22h31 “o eclipse estará no máximo da sua parcialidade“, terminando à 01h20 de quarta-feira, momento em que a Terra vai deixar de fazer sombra no seu satélite natural.

Duas vezes por ano, a Lua passa nessa zona de sombra”, perdendo a iluminação do Sol, explicou o astrónomo à agência Lusa, a propósito do eclipse da Lua.

No CIAPS – Centro de Interpretação Ambiental da Pedra e do Sal, no Estoril, vai haver uma sessão aberta ao público de observação do eclipse com recurso a telescópios.

Também no Planetário do Porto, o Centro de Ciência Viva e o Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço vão organizar uma sessão de observação.

ZAP // Lusa

Por Lusa
16 Julho, 2019

– Seria excelente se o tempo que agora está chuvoso, logo estivesse com céu limpo, o que duvido…

 

1606: Depois de uma Super Lua de Sangue, vem aí a maior Super Lua de Neve de 2019

Doug Zwick / Flickr

O dia 19 de Fevereiro será perfeito para contemplar mais um eclipse do satélite natural da Terra. Depois da Super Lua de Sangue, vem aí a Super Lua de Neve.

Este é o nome dado no hemisfério norte à primeira Lua cheia de Fevereiro, época das tempestades de neve nesta região.

O evento não é tão raro como o fenómeno astronómico do mês passado, um eclipse lunar total que coincidiu com a Lua estar no ponto mais próximo da Terra. Mas será imperdível, pois será a maior Super Lua do ano — e a estimativa é que só em 2026 o satélite apareça tão grande como terça-feira.

O fenómeno será visível na terça-feira (19 de Fevereiro) e a Lua estará na sua plenitude enquanto estiver a uma distância de cerca de 340 mil quilómetros da Terra — 27,4 mil quilómetros mais próxima que a distância média, de acordo com o USA Today. A Super Lua ficará especialmente bonita durante o seu “nascimento” pelas 18h17 (hora de Lisboa).

A Super Lua ocorre quando a Lua cheia coincide com o perigeu lunar, que faz com que a Lua pareça 14% maior e 30% mais brilhante do que o normal.

“Quando a Lua cheia aparece no perigeu [o ponto mais próximo da Terra] é ligeiramente mais brilhante e maior do que uma Lua cheia normal — e é aí que obtemos uma Super Lua”, explica a NASA.

Conhecida já há milhares de anos, a Lua de Neve também é chamada de Lua de Tempestade e Lua de Fome. Entre as tribos indígenas norte-americanas, a Super Lua de Fevereiro era usada para acompanhar as mudanças das estações.

Uma famosa edição americana, chamada “The Old Farmer’s Almanac”, indica que os povos indígenas do sudeste da América do Norte se referiam ao satélite natural de Fevereiro como a “Lua de Osso”.

“A Lua de Osso significava que havia tão pouca comida que as pessoas roíam ossos e comiam sopa de medula óssea“, explica o almanaque.

Além disso, o novo eclipse lunar acontecerá um mês após a Super Lua de Sangue, ocorrida no dia 21 de Janeiro e que foi visível no mundo inteiro, dando origem a uma variedade de profecias baseadas em previsões bíblicas.

Espera-se que a próxima Super Lua ocorra no dia 21 de Março, mas não será tão grande como a Lua de Neve.

ZAP // Sputnik News

Por ZAP
18 Fevereiro, 2019

Eclipse total da Lua (Lua de Sangue) ocorrido em Janeiro 2019 e captado pelo autor deste Blogue e do Blogue Eclypse:

© F. Gomes – Blogues Eclypse e Spacenews

 

1527: Depois do eclipse total, a Lua trouxe um grande anel de luz

Jason Ahrns / Flickr

Na noite de 20 para 21 de Janeiro, o satélite natural da Terra ficou tingido de vermelho durante um eclipse total, dando lugar à chamada Super Lua de Sangue, mas os espectáculos não acabaram por aí.

Na noite seguinte, muitas pessoas testemunharam, em diferentes partes do mundo, um fenómeno atmosférico incomum conhecido como halo, no qual um grande anel aparece ao redor da Lua.

Este evento acontece devido às pequenas partículas de gelo hexagonais suspensas nas nuvens altas, reflectindo a luz e provocando um espectro de cores ao redor do satélite. O halo também é conhecido como arco-íris, podendo surgir tanto ao redor da Lua como em redor do Sol.

Nos halos lunares é possível observar um anel de cor branca ou pálida, juntamente com a cor vermelha no seu interior Além disso, há a cor azul na parte externa, mesmo que algumas vezes não seja visível à noite.

Para o fenómeno ocorrer, dependerá da forma particular e da posição dos cristais nas nuvens. Geralmente, o halo ocorre a baixas temperaturas.

Na madrugada de 21 de Janeiro ocorreu um eclipse total lunar raríssimo, também conhecido como “Super Lua de Sangue”. Os eclipses lunares acontecem porque, na sua trajectória pela órbita da Terra, a lua atravessa duas fases: nova quando fica entre a Terra e o Sol, e cheia quando a Terra é que fica entre a lua e o Sol.

Quando a Terra está entre a lua e o Sol (Lua Cheia) e o nosso planeta projecta nela a sua sombra, esta pode escurecer a lua durante até cinco horas, dependendo das condições. Durante o eclipse, a lua fica normalmente vermelha porque a luz do sol atravessa a atmosfera da Terra durante o pôr e o nascer do sol, e a sua luz é reflectida na lua.

Durante este eclipse, um meteorito caiu na Lua e o fenómeno foi filmado. Foi a primeira vez que se regista o impacto de um meteorito na Lua durante um eclipse. O momento pode ser visto em vídeos que mostram um ponto luminoso na superfície lunar. Esse ponto é o impacto de uma Geminida, um meteoroide que resulta da passagem do asteróide 3200 Faetonte perto da Terra.

ZAP // SputnikNews

Por SN
27 Janeiro, 2019

 

21.Jan.2019 – Eclipse total da Lua

Na madrugada de 21 de Janeiro vai ocorrer um eclipse total da Lua, que se encontra em Super Lua. A Lua entra na penumbra da Terra às 2h35min e a partir deste instante a Lua escurece progressivamente adquirindo tons mais acinzentados. A seguir, às 3h34min a Lua entra na sombra da Terra, começando a ficar com tons mais avermelhados e acastanhados.

O começo do eclipse total ocorre às 4h41min, quando a Lua entra totalmente dentro do cone de sombra da Terra. Embora fique totalmente na sombra, a Lua não deixa de ser visível mas apresenta uma cor avermelhada e acastanhada. De facto, durante um eclipse lunar os raios solares incidem na Lua após atravessarem a atmosfera terrestre onde são dispersados e perdem uma grande quantidade de luz azul e verde. Assim, durante o eclipse, a Lua não é iluminada com luz branca mas sim com luz mais avermelhada.

O máximo do eclipse ocorre às 5h12min e, passados 4 minutos, pelas 5h16min ocorre o instante da fase de Lua Cheia. Como o instante de Lua Cheia ocorre próximo do do perigeu (que atingirá no final do dia) teremos então um Eclipse Total da Super Lua.  Pelas 5h44min termina o eclipse total e progressivamente a Lua sairá da sombra, perdendo o tom avermelhado e ganhando o tom de cinzento-escuro e, por fim às 7h50min a Lua sai completamente da penumbra voltando à sua tonalidade habitual. Mais tarde às 19h59min, a Lua estará no perigeu da sua órbita a uma distância de 357.342 km da Terra. Esta proximidade faz com a Lua pareça 14% maior no céu do que quando a Lua cheia ocorre no apogeu.

O próximo Eclipse Total da Super Lua ocorrerá no dia 26 de maio de 2021!

OAL – Observatório Astronómico de Lisboa

Lunar Eclipse Live Countdown

🌝🌞 There's a Total Lunar Eclipse this weekend!📆 The blood moon will be at Monday Jan 21 5:12am GMT, 12:12am EST or Sunday Jan 20 9:12pm PST. The eclipse will start about 90 minutes before this.⏳ For your local time, see: https://days.to/lunar-eclipse🔴 This is where the moon turns red and is the last one for over 2 years. It should be visible from North/South America, Africa and Western Europe (unless cloudy). We will not be showing live video of the actual moon here, but a live stream will be on youtube here: https://youtu.be/6E7pqfOHhy8This is a countdown to the middle of the #TotalEclipse, so look up from about 1hr 30 minutes to go for the start of the partial eclipse. #BloodMoon #Supermoon

Publicado por Days To em Quarta-feira, 16 de janeiro de 2019

 

802: A Lua de Sangue desta sexta-feira é o maior eclipse lunar do século

dougj55 / Flickr

Na próxima sexta-feira, 27 de Julho (HOJE), vai dar-se o mais longo eclipse lunar do século XXI, com mais de 102 minutos de duração, no qual a Lua, sem desaparecer, adquirirá um tom avermelhado.

Segundo um comunicado do Instituto de Astrofísica das Ilhas Canárias (IAC), baseado em dados da NASA, este será um eclipse total “com o máximo centrado no Oceano Índico“.

Ao contrário dos eclipses solares, as manchas poderão ser vistas de qualquer lugar do mundo, a partir do momento em que a Lua apareça acima do horizonte.

Um fenómeno deste tipo ocorre quando a Lua passa pela sombra da Terra. A atmosfera da Terra, que excede cerca de 80 quilómetros até o diâmetro do nosso planeta, age como uma lente que desvia a luz do sol e “filtra efectivamente os seus componentes azuis, deixando apenas a luz vermelha que será reflectida pelo satélite”, assinada o IAC, para explicar “o brilho em tons de cobre tão característico” que a Lua adquire nessas ocasiões.

“Depois de dois anos sem eclipses totais da Lua na Europa, no próximo dia 27 de Julho poderemos ver a Lua Vermelha novamente”, explica Miquel Serra-Ricart, astrónomo do Instituto de Astrofísica das Ilhas Canárias. Depois disso, acrescentou o cientista, será necessário esperar até Janeiro de 2019 para voltar a observar este curioso fenómeno.

A Lua começará a entrar na sombra da Terra pelas 18:24 horas UT e vai atingir a fase da totalidade do eclipse às 19:30 UT – durará 1 hora e 42 minutos.

O IAC vai transmitir o eclipse ao vivo através do seu canal, em colaboração com o projecto europeu Stars4all e com o Observatório HESS High Energy.

“Na transmissão ao vivo a partir da Namíbia, a escuridão produzida pelo eclipse permitirá descobrir objectos visíveis apenas a partir dos céus do sul”, acrescenta Serra-Ricart.

Por que será o eclipse lunar mais longo?

A cientista do Observatório Nacional, Josina Nascimento, explica e diz que “é tudo uma questão de geometria: neste eclipse da próxima sexta-feira a Lua vai passar bem no centro da sombra da Terra”.

Segundo Josina Nascimento, é fácil ver diversos planetas no céu durante o mês de Julho, principalmente Marte, que estará próximo da Lua no dia do eclipse.

“Vários planetas estão visíveis a olho nu no céu: Vénus está visível a oeste após o pôr do Sol, Júpiter já está alto no céu quando o Sol se põe, Saturno está visível também no início da noite a leste e Marte que está no auge do seu brilho, está visível a leste logo no início da noite”, explicou.

ZAP // RT / BBC

Por ZAP
27 Julho, 2018

[SlideDeck2 id=1476]

[powr-hit-counter id=cc73eb72_1532682314724]

See also Blog

709: O eclipse lunar mais longo do século está prestes a chegar

(dr) Phil Hart
Mudança de cores da Lua durante um eclipse lunar total (Mt Buffalo National Park, 16 Junho de 2011)

O mês de Julho será incrível para os fãs de astronomia. Durante a noite de 27 para 28 de Julho, será possível observar o mais longo eclipse lunar do século XXI a partir do hemisfério oriental.

Os astrónomos esperam que o eclipse total dure 1 hora e 43 minutos. Já o eclipse parcial – que ocorre antes e depois da fase total – durará cerca de 3 horas e 55 minutos, de acordo com os relatórios da EarthSky.

Um eclipse lunar acontece quando o Sol, a Terra e a Lua estão directamente alinhados e a órbita da Lua a leva directamente até à sombra da Terra.

Este eclipse em particular vai ser mais longo porque a Lua vai passar directamente para a região mais escura da sombra da Terra, conhecida como umbra, que também vai dar à Lua um brilho em tom avermelhado – a famosa “Lua de Sangue”.

A Lua cheia de Julho vai acontecer ao mesmo tempo que o apogeu da Lua – o momento em que a Lua atinge o seu ponto mais distante da Terra na sua órbita mensal, de acordo com o mesmo site.

Esta será a mais pequena e completa Lua cheia do ano, ou seja, a Lua vai levar mais tempo a passar pela sombra escura da Terra, fazendo com que o eclipse dure mais tempo. O eclipse lunar mais longo possível é de 1 hora e 47 minutos.

O eclipse na penumbra iniciará às 18h24, com a penumbra da Terra a começar a “tocar” a Lua. Às 19h30 o eclipse total poderá ser visto com a lua cheia totalmente vermelha. Às 20h22 o eclipse atingirá o seu ponto máximo, terminando às 21h13.

Pouco dias após o eclipse lunar, Marte passará pela Terra no seu ponto mais próximo desde 2003. No dia 31 de Julho, o Planeta Vermelho ficará a apenas 57,6 milhões de quilómetros da Terra, tornando-se claramente visível a olho nu.

Os astrónomos do hemisfério oriental poderão ver Marte e a Lua de sangue nos dias 28 e 29 de Julho.

ZAP // Science Alert

Por ZAP
30 Junho, 2018

[SlideDeck2 id=1476]

[powr-hit-counter id=eb916ea8_1530362577619]