4825: Detector de neutrinos encontra novo tipo de “partícula fantasma” do Sol

CIÊNCIA/FÍSICA

(dr) Borexino Collaboration
O balão gigante de nylon do detector de neutrinos Borexino, na Itália

Borexino, um enorme detector de partículas subterrâneo na cordilheira dos Apeninos, em Itália, detectou um tipo de neutrino nunca antes visto vindo do Sol.

Os neutrinos são partículas ultra-leves produzidas em reacções nucleares, sendo que a maioria dos neutrinos detectados na Terra são produzidos pelo Sol. Na década de 1930, os cientistas sugeriram que a nossa estrela também produzia um outro tipo de neutrino através de reacções que envolviam carbono, nitrogénio e oxigénio – os neutrinos CNO.

Segundo o New Atlas, o Borexino, um detector de partículas subterrâneo que se localiza em Itália, encontrou estas partículas pela primeira vez.

Apesar de este tipo de reacção ser responsável por uma pequena fracção da energia do Sol, em estrelas mais massivas pode ser o principal condutor de fusão. A recente descoberta, cujo artigo científico foi publicado na Nature, significa que os cientistas conseguiram decifrar o ciclo de fusão solar.

Detectar neutrinos não é uma tarefa fácil, já que muito raramente interagem com a matéria. Os sinais de neutrinos CNO são ainda mais difíceis de detectar, uma vez que as suas assinaturas são muito semelhantes às das partículas produzidas pelo enorme balão de nylon que envolve os hidrocarbonetos líquidos que o Borexino usa como detector.

Para ultrapassar esta dificuldade, a equipa passou vários anos a ajustar a temperatura do detector de partículas para desacelerar o movimento do fluido, concentrando-se nos sinais vindos do centro. Em Fevereiro, a equipa conseguiu captar o sinal que há tanto tempo ansiava encontrar.

Como a parte central do detector se tornou ainda mais sensível, novas detecções podem vir a caminho. Estes dados ajudam a comunidade científica a entender o ciclo de fusão das estrelas e a descobrir o quão “metálico” é o Sol.

Por Liliana Malainho
18 Dezembro, 2020