4347: Até ao final de 2100, o nível do mar pode subir 38 centímetros

CIÊNCIA/AQUECIMENTO GLOBAL

Andrea Della Adriano / Flickr

O nível do mar poderá subir até 38 centímetros até ao final do século devido ao degelo dos glaciares provocado pelo aquecimento do planeta. Esta é a conclusão de um novo estudo publicado esta quinta-feira, citando o cenário mais pessimista traçado.

Para este estudo, publicado na revista científica The Cryosphere, cientistas de cerca de 40 instituições projectaram dois cenários de emissões de gases com efeito de estufa e o seu impacto nas massas de gelo da Gronelândia e da Antárctida.

No primeiro cenário, por força da continuação regular do aumento das emissões, o degelo na Antárctida fará subir até 30 centímetros o nível do mar. Na Gronelândia, o derretimento da massa de gelo contribuirá para um aumento de 38 centímetros do nível dos oceanos.

Considerando o segundo cenário, uma forte redução das emissões de gases com efeito de estufa, levaria a que o degelo na Gronelândia aumentasse o nível das águas em apenas três centímetros.

Um estudo anterior, publicado na Nature Climate Change no início de Setembro, alertou para a possível subida do nível dos oceanos em 40 centímetros até 2100, ameaçando assim centenas de milhões de habitantes das zonas costeiras pelo mundo fora.

Em Fevereiro, outro trabalho, que sintetiza modelos realizados por 27 instituições internacionais, estimou que só o degelo na Antárctida poderá levar a um drástico aumento até 58 centímetros do nível do mar até ao fim do século, caso o ritmo global das emissões de gases com efeito de estufa se mantenha inalterado.

Se os glaciares da Antárctida e da Gronelândia derretessem por completo, o nível das águas poderia subir até 65 metros.

O aumento do nível do mar é uma tendência que já se tem vindo a mostrar preocupante ao longo dos últimos anos.

Em 2015, um grupo de cientistas da agência espacial norte-americana apresentou dados sobre o aumento do nível da água do mar em todo o mundo — que foi, em média, 7,62 centímetros superior ao de 1992. Ainda assim, o panorama varia em diferentes partes do mundo, tendo em algumas zonas chegado a superar os 22 centímetros.

Tendo como base o exemplo do passado, não é difícil prever o futuro que nos espera.

Nível do mar subiu 8 cm desde 1992 (e não vai parar)

O nível do mar subiu, em média, quase oito centímetros em todo o mundo desde 1992 devido ao aquecimento global,…

Ler mais

ZAP // Lusa

Por ZAP
17 Setembro, 2020

 

spacenews

 

3972: Área de gelo com a dimensão de duas Espanhas desapareceu no Mar de Wedell nos últimos cinco anos

CIÊNCIA/ANTÁRCTIDA

NASA

O gelo de marinho de verão na região do Grande Mar de Weddell, na Antárctida, diminuiu um milhão de quilómetros nos últimos cinco anos, concluiu uma nova investigação levada a cabo por uma equipa de cientistas internacionais.

Esta área “desaparecida” na região da Antárctida é duas vezes maior do que Espanha e mais de dez vezes o tamanho do território português.

Os resultados da investigação foram publicados na revista especializada Geophysical Research Letters, num artigo científico que detalha as implicações do desaparecimento desta massa de gelo para o ecossistema marinho.

Em comunicado, os cientistas alertam que o gelo marinho que circunda a Antárctida é um habitat importante para muitas espécies, incluindo pinguins e focas, que dependem destas massas de gelo para aceder a alimento e para se reproduzirem.

Para chegar a esta conclusão, escreve a agência espanhola Europa Press, os cientistas analisaram registos de satélite da extensão do gelo marinho e análises climáticas do final dos anos 70, tentando compreender porque é que o gelo marinho de verão na área Antárctida do Mar de Weddell se reduziu em um terço nos últimos cinco anos.

A equipa descobriu que a perda de gelo ocorreu devido a uma série de fortes tempestades no verão antárctico de 2016/17, sendo a situação também agravada pelo reaparecimento de uma área de água aberta no centro do “bloco de gelo” – área de águas abertas, conhecida como polínia -, que não ocorria desde meados da década de 70.

“O gelo marinho da Antárctida continua a surpreender-nos. Em contraste com o Ártico, o gelo em torno da Antárctida estava a aumentar a sua extensão desde a década de 1970, mas depois declinou rapidamente, registando níveis baixos, sendo o mais dos declínios [registado] no Mar de Weddell”, explicou o cientista climático do British Antarctic Survey, sediado em Cambridge (Reino Unido), e principal autor do estudo John Turner.

E alertou: “No verão, esta área possui agora um terço a menos de gelo marinho, [situação] que terá implicações para a circulação oceânica e para a fauna marinha da região”.

ZAP //

Por ZAP
9 Julho, 2020

 

spacenews

 

2706: Glaciar no Monte Branco está em risco de colapsar

CIÊNCIA

TRAILSOURCE.COM / Flickr
Monte Branco, Chamonix

O degelo deixou de ser um problema apenas da Gronelândia, Antárctida ou Árctico. O risco de colapso de um bloco de gelo de 250 mil metros cúbicos atingiu agora o Monte Branco, a mais alta montanha dos Alpes e da União Europeia.

Parte do glaciar Planpincieux, situado no lado italiano do Monte Branco, está em risco de colapso como consequência do aquecimento global. O alerta foi feito pelas autoridades locais que mandou encerrar a estrada municipal Val Ferret devido ao perigo de avalanche.

O alerta foi feito pelas autoridades locais que mandou encerrar a estrada municipal Val Ferret devido ao perigo de avalanche. De acordo com os especialistas, são cerca 250 mil metros cúbicos do glaciar que estão em risco de colapso, estando a derreter entre 50 e 60 centímetros dessa massa de gelo por dia.

O autarca da vila de Courmayeur, Stefano Miserocchi, explicou que alguns edifícios na região de Rochefort foram evacuados por precaução e garantiu que o risco de avalanche não abrange uma zona residencial ou turística, não havendo motivos para alarme.

“Este fenómeno só mostra, mais uma vez, como a montanha está a atravessar um período de maiores mudanças devido às alterações climáticas e portanto está particularmente vulnerável”, afirmou Stefano Miserocchi, citado pelos media italianos.

Os peritos da Fundação Montanha Segura sublinham que não é possível prever antecipadamente quando poderá ocorrer a avalanche, razão pela qual apelam às autoridades para se manterem vigilantes.

O Monte Branco é a cordilheira mais alta da Europa Ocidental. Possui 11 picos acima de 4.000 metros em França e Itália e atrai centenas de milhares de turistas todos os anos. O glaciar Planpincieux é monitorizado de perto desde 2013, na tentativa de estabelecer a frequência com que o gelo está a derreter. Mas as autoridades alertam que não existe um “sistema de alerta” em vigor.

Em Agosto de 2018, recorda a BBC, um casal de idosos morreu perto de Planpincieux, em Courmayeur, quando o seu carro foi arrastado de uma estrada para um vale durante um deslizamento de terra. Centenas de pessoas foram evacuadas, algumas delas de helicóptero.

No início deste mês, dezenas de pessoas participaram de uma “marcha fúnebre” para marcar o desaparecimento do glaciar Pizol no nordeste da Suíça. O glaciar, nos Alpes Glarus, encolheu para uma fracção minúscula do seu tamanho original. Os cientistas dizem que perdeu pelo menos 80% do seu volume apenas desde 2006, uma tendência acelerada pelo aumento das temperaturas globais.

Esse foi o segundo “funeral” a um glaciar, tendo o primeiro sido na Islândia. Esse evento comemorou a vida do glaciar Ok, que foi declarado morto há cinco anos.

Turistas na Islândia também observaram, no início deste ano, uma secção de um outro glaciar – chamado Breiðamerkurjökull – a quebrar e a formar uma grande onda.

ZAP //

Por ZAP
25 Setembro, 2019

 

2694: Adeus, Pizol. Suíços fizeram funeral a glaciar que (quase) desapareceu

AMBIENTE

Gian Ehrenzeller / EPA

Mais de duas centenas de pessoas reuniram-se neste Domingo para realizar um funeral simbólico pelo desaparecimento de um dos glaciares mais estudados do mundo – Pizol.

Cerca de 250 pessoas reuniram-se após um trilho de duas horas pelo terreno onde antes se encontrava o antigo glaciar, localizado na montanha Pizol, que lhe dá o nome, perto de Liechtenstein e da Áustria, a 2.700 metros de altitude.

O glaciar ainda não desapareceu completamente mas, segundo os cientistas, perdeu 80% do seu volume desde 2006 devido às alterações climáticas. Restam agora 26.000 metros quadrados de gelo, menos do que quatro campos de futebol, refere o Observador.

O Pizol perdeu tanto volume que, “numa perspectiva científica, já nem sequer é um glaciar”, disse à agência AFP a activista Alessandra Degiacomi. Um estudo de investigadores suíços concluiu que, até 2050, pelo menos metade dos glaciares da Suíça vão desaparecer.

O funeral simbólico ao Pizol contou ainda com a presença de um padre e vários cientistas. A cerimónia foi organizada pela Associação Suíça pela Protecção do Clima, que pede a redução para zero das emissões de dióxido de carbono no país até 2050. Uma coroa de flores foi colocada na montanha, em memória do glaciar.

Viemos aqui para dizer ‘adeus’” ao Pizol, disse Matthias Huss, especialista em glaciares. Já o pároco de Mels, localidade onde o glaciar se localiza, pediu “ajuda de Deus para superar o enorme desafio das mudanças climáticas”.

Matthias Huss disse à AFP que, independentemente do que possamos vir a fazer, os Alpes vão perder, pelo menos, metade da massa de gelo até 2100.

O Pizol não é o primeiro glaciar a desaparecer dos Alpes Suíços. “Desde 1850, estimamos que mais de 500 glaciares suíços tenham desaparecido completamente”. Ainda assim, o Pizol é o “primeiro glaciar densamente estudado a desaparecer”. De acordo com o matutino, estava a ser acompanhado pelos especialistas desde 1893.

Depois do Pizol, os especialistas estimam que o maior glaciar dos Alpes, o Aletsch, possa vir a desaparecer completamente nas próximas oito décadas.

ZAP //

Por ZAP
23 Setembro, 2019

 

2197: Degelo na Gronelândia: Esta foto é a prova de que precisa para acreditar

© Twitter Superfície de gelo é agora água.

Uma imagem captada pelo climatólogo Steffen M. Olsen, no passado dia 13 de Junho, prova o impacto que as alterações climáticas estão a ter no Árctico.

O dinamarquês estava no noroeste da Gronelândia, sendo que uma das suas funções seria recuperar os dispositivos de medição que tinham sido colocados no gelo no âmbito da missão Acção Azul. Preparava-se para fazê-lo, a bordo de um trenó guiado por cães, quando percebeu que os caminhos de gelo percorridos pelos animais estavam, afinal, transformados em água.

“As comunidades na Gronelância contam com o gelo para transporte, caça e pesca. Eventos extremos, neste caso a inundação pelo início abrupto do derretimento da superfície, exige uma capacidade de previsão mais apurada no Árctico”, alertou Steffen M. Olsen, no Twitter.

16:08 – 14 de jun de 2019

A sua publicação está a tornar-se viral e um verdadeiro exemplo, alertando para a rapidez com que o gelo do árctico está a derreter.

A Gronelândia tem vindo a perder gelo nas últimas décadas devido ao aquecimento progressivo. Desde os anos 1990 que as temperaturas médias sobre o manto de gelo subiram 1,8 graus celsius no verão e até 3 graus no inverno.

Estimativas indicam que o manto gelado esteja a perder 270 mil milhões de toneladas de gelo em cada ano. Até recentemente grande parte do gelo perdia-se em icebergues, mas agora o derretimento directo já representa 70% das perdas, especialmente por causa da chuva, dizem os investigadores.

msn meteorologia
Notícias Ao Minuto
18/06/2019

[vasaioqrcode]

2109: Turistas já fazem reservas para assistir ao degelo dos glaciares do Alasca

DESTAQUE

Smial / Wikimedia

O rápido degelo dos glaciares devido às alterações climáticas criou um novo mercado para os operadores turísticos do Alasca, nos Estados Unidos.

O jornal Anchorage Daily News noticiou que as operadoras de várias empresas de turismo estão a registar um aumento em reservas de viagens de grupos que querem assistir ao recuo do único estado árctico do país.

“As pessoas querem ver os glaciares enquanto há acesso“, disse Paul Roderick, director de operações da “Talkeetna Air Taxi”, que faz viagens aéreas no Alasca. “As pessoas sabem mais sobre glaciares do que antes. Perguntam quão depressa estão a recuar, quando antes mal sabiam o que era um glaciar”, acrescentou, em declarações à mesma publicação.

As operadoras turísticas dizem que os turistas são, maioritariamente, oriundos da Austrália e de mercados emergentes como China e Índia. “Há mais interesse”, disse Peter Schadee, da “Anchorage Helicopter Tours”, que faz voos de helicóptero naquela região. “Temos assistido ao interesse em glaciares de pessoas de todo o Mundo”, acrescentou.

“As pessoas querem muito ver os glaciares, mas estão a derreter muito depressa“, contou Matt Szunday, dono da Ascending Path, uma empresa que faz passeios turísticos a glaciares do Alasca.

O recuo destas gigantes e antigas massas de gelo criou um nicho de mercado, com turistas a fazer marcações para ver os glaciares “antes que seja tarde de mais”.

Uma nova revisão dos dados de pesquisas publicada no Jornal da Glaciologia prevê que os 25 mil glaciares do Alasca perderão entre 30% e 50% de sua massa até ao final deste século. A nível global, os glaciares devem perder entre 18 e 365 da massa, o que poderá resultar numa subida de 25 centímetros no nível da água do mar.

ZAP // Lusa

Por ZAP
4 Junho, 2019



[vasaioqrcode]

1708: Temperatura no Árctico vai aumentar entre 3 e 5 graus até 2050

© TVI24 Fotografia aérea mostra o desaparecimento do gelo do Árctico. REUTERS/Kathryn Hansen/NASA

A temperatura no Árctico vai aumentar entre 3 e 5 graus centígrados até 2050, levando à devastação da região e ao aumento do nível dos oceanos em todo o planeta, estima um relatório apresentando esta quarta-feira no Quénia.

Segundo o documento, apresentando na IV Assembleia da ONU para o Meio Ambiente, o degelo no Árctico pode causar a emissão de mais gases com efeito de estufa e aumentar a acidificação e contaminação dos oceanos.

Muitas das alterações na região serão irreversíveis e podem afectar a sua população e a biodiversidade, assinalou Björn Alfthan, porta-voz da fundação norueguesa GRID-Arendal, co-autora do relatório, que se baseia em dados do Conselho Árctico, uma organização intergovernamental composta por oito países e vocacionada para o desenvolvimento sustentável e a protecção ambiental da região.

No Árctico vivem mais de quatro milhões de habitantes, dos quais perto de 10% são indígenas que se dedicam a actividades como a pesca, a mineração e a indústria madeireira.

Além do degelo de terrenos que permanecem congelados mais de dois anos a altas latitudes, o Árctico enfrenta também a contaminação por plásticos.

Especialistas estimam que o gelo marinho do Árctico tenha diminuído 40% desde 1979 e que os Verões na região deixarão de ser gelados antes de 2030 a continuarem as actuais emissões de dióxido de carbono, gás poluente com implicações no aquecimento global.

A IV Assembleia da ONU para o Meio Ambiente, que decorre até sexta-feira na capital do Quénia, Nairobi, conta com a participação de mais de 95 chefes de Estado, ministros e vice-ministros e delegados de mais de 160 países.

A delegação portuguesa é liderada pelo ministro do Ambiente e da Transição Energética, João Pedro Matos Fernandes, que intervém na quinta-feira numa sessão sobre energias renováveis.

msn notícias
Redacção TVI24
13/03/2019

[vasaioqrcode]