1581: Há uma ilha na oceano Atlântico que está sempre coberta por uma nuvem

mengfors / pixabay

As Ilhas Faroé são um território dependente da Dinamarca e ficam entre a Escócia e a Islândia. O arquipélago é formado por 18 ilhas de variados tamanhos e é habitado por 47 mil pessoas e muitas ovelhas.

A Lítla Dímun é a menor de todas as ilhas, com menos de um quilómetro quadrado de área, sendo a única desabitada por humanos. O que a torna muito especial é a nuvem que costuma estacionar sobre ela.

Uma nuvem lenticular envolve quase sempre a ilha como um cobertor molhado. A nuvem que se forma sobre a Lítla Dímun fica no pico, mas às vezes invade também a parte mais baixa e chega ao mar gelado.

As nuvens lenticulares são nuvens isoladas que se formam e ficam estacionadas na troposfera, a camada mais baixa da atmosfera. Têm contornos bastante definidos e têm formato de panela, por isso são frequentemente confundidas com naves espaciais.

Essas nuvens normalmente formam-se sobre picos de montanhas ou até sobre prédios altos ou pontes que obstruem o fluxo do ar.

São encontradas com mais frequência no inverno e costumam formar-se no lado mais protegido do vento pela montanha. Elas formam-se quando o ar húmido, que é mais estável, flui de forma vertical sobre uma montanha. Quando esse ar em movimento entra em contacto com ventos que se movem horizontalmente, a nuvem especial forma-se.

Pilotos de aviões evitam voar perto destas nuvens porque essa movimentação de ar causa turbulências severas.

Apesar de ser possível visitar a ilha e escalar as íngremes falésias com ajuda de cordas deixadas por donos de quintas que visitam os seus rebanhos de ovelhas, a viagem é muito rara por conta das condições climáticas difíceis da região. O mais comum é que os turistas admirem a visão das aldeias de Hvalba ou Sandvík na ilha Suðuroy.

ZAP // HypeScience

Por HS
11 Fevereiro, 2019

[vasaioqrcode]